Publicidade

domingo, 22 de junho de 2014 Críticas | 14:50

“Vizinhos” celebra o prazer pelo besteirol americano

Compartilhe: Twitter

 

Zac Efron (à frente) e Dave Franco em cena do filme: referências e ironias se misturam em um filme insuspeitamente inteligente  (Foto : divulgação)

Zac Efron (à frente) e Dave Franco em cena do filme: referências e ironias se misturam em um filme
insuspeitamente inteligente (Foto : divulgação)

O besteirol americano é uma instituição. Assim como o são os filmes familiares. A união desses dois subgêneros tão caros à cinematografia americana não é algo essencialmente novo. A trilogia “Entrando numa fria” enveredou por esse caminho e o novo e surpreendente sucesso de bilheteria “Vizinhos” (2014) mantém a chama acesa.

Dirigido por Nicholas Stoller, cujos créditos prévios incluem “As loucuras de Dick e Jane” (2005), como roteirista, “Ressaca do amor” (2008) e “Cinco anos de noivado” (2012), como diretor, todos filmes que gravitam esse universo do besteirol evoluído, “Vizinhos” mostra um casal ainda às voltas com a nova rotina de serem pais. A cena inicial é uma gag fantástica. Mac (Seth Rogen) e Kelly (Rose Byrne) tentam fazer sexo, mas não conseguem atingir o necessário grau de intimidade com sua pequena filha por perto.

“Vizinhos”, afinal, trata-se de adaptação. Da necessidade de adaptar-se às inevitáveis mudanças da vida e para agravar o quadro, uma fraternidade, ou república estudantil para o público brasileiro, muda-se para a casa ao lado de Mac e Kelly. Eles preveem tempos difíceis e tentam administrar a situação de maneira amistosa, mas o plano não dá certo e acabam batendo de frente com Teddy (Zac Efron), presidente da fraternidade.

A partir deste momento, “Vizinhos” assume seu lado trash e abandona o prisma de comédia familiar ao apresentar cenas como a que um pênis vira arma secreta em uma inusitada rixa ou quando um homem se joga de uma considerável altura apenas para colocar um plano para lá de discutível em ação.

Essa transformação não implica em menos diversão. É claro, feita a ressalva de que esse humor regado a referências pop e com um pé na tosquice seja a sua praia. “Vizinhos” tem o mérito de rir não só de si mesmo, mas dos clichês que permeiam o besteirol. Nesse sentido é mais satírico do que as próprias produções que se vendem como sátiras e apenas um olhar treinado será capaz de perceber isso.

A batalha entre o casal suburbano que ocasionalmente fuma maconha e a fraternidade de pós-adolescentes levianos  é tão séria quanto idiota. Rende um filme mais sério do que poderia ser e mais bobo do que muitos tolerariam. Essa flexibilidade sugere o óbvio: assista se gostar de uma bobagenzinha de quando em quando. Não faz mal nenhum e pode até fazer algum bem.

Autor: Tags: , , ,

3 comentários | Comentar

  1. 53 Kamila Azevedo 24/06/2014 20:48

    Reinaldo, não tenho mais paciência para esse tipo de filme…. Só assistiria em casa mesmo. Mas, seu texto, com certeza, me deixa um pouco animada para conferir ao longa quando tiver a oportunidade.

    Responder
  2. 52 ceti cetii 22/06/2014 19:48

    A comédia inteligente, tipo Steve Martin, isso acabou. Agora só dá asneiras imbecializantes e grosseiras, como as desse Seth Rogen. Sinal dos tempos.
    Perder meu tempo com esse lixo que a Metrópole tenta impor a nós, periferia do Império? Never!!!

    Responder
  3. 51 carmen c.perine 22/06/2014 16:01

    É, amigos, perder alguns minutos de sua vida, assistindo uma baboseira desta, é não utilizar bem o seu precioso tempo…afinal nosso tempo é muito curto nesta vida, e devemos aproveitá-lo em coisas agradáveis e saudáveis,…perder nosso tempo é perder uma parte de nossa existência… estes filmes e muitas coisas mais, sem nenhum valor, deixe para os tolos e os idiotas, estes entretenimentos são apenas para eles, e não para os normais…carmen

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios