Publicidade

quarta-feira, 3 de setembro de 2014 Críticas, Filmes | 20:17

A liberdade criativa na cozinha, no sexo e no cinema é reverenciada em “Chef”

Compartilhe: Twitter

Em um dado momento de “Chef” (EUA, 2014), uma versão jazzística da canção “Sexual healing” começa a tocar e logo os personagens em cena se deixam contagiar por ela enquanto pegam a estrada com destino a Nova Orleans, cidade que é uma das raízes deste gênero musical nos EUA.

Esse momento sintetiza um filme colorido, extremamente sensual e que consegue ser tão divertido como crítico ao establishement hollywoodiano.

Jon Favreau, diretor dos dois primeiros “Homem de ferro” (2008 e 2010) e de “Cowboys vs Aliens” (2011), se reencontra com sua vocação indie abandonada lá nos anos 90. Na trama, ele faz Carl Casper, um prestigiado chef de cozinha que surta após receber uma crítica negativa de um influente crítico gastronômico. O surto revela que Casper não priorizava as coisas que o faziam felizes e que havia se tornado refém de seu orgulho. Ele então, em parte incitado pela ex-namorada e mãe de seu filho, que tateia uma reaproximação, e em parte estimulado por um saboroso sanduíche cubano, decide abrir um food truck e homenagear diferentes culinárias com sua criatividade e paixão pela cozinha.

Por de trás desse mote, reside um filme que discute na mesma intensidade a importância de não desistir de seus sonhos, ou de comer (e transar) sem culpa. Essa liberdade, advoga Favreau, com seu filme, só pode ser experimentada quando se renuncia ao orgulho e a ganância que dele emana.

O prazer está nas pequenas coisas, sugere o agradável "Chef"  (Foto: divulgação)

O prazer está nas pequenas coisas, sugere o agradável “Chef”
(Foto: divulgação)

Além de ser o tipo de filme que não se recomenda assistir de estômago vazio, “Chef” revela outra delícia irresistível. A forma sutil, sofisticada e multifacetada com que Favreau se dirige ao seu metiê. Seja pelo dono do restaurante podador (o estúdio de cinema), pelo crítico arbitrário (o crítico de cinema, qual mais?) ou pela felicidade que Casper encontra fazendo o básico (filmes independentes como “Chef”), Favreau defende uma tese muito charmosa no contexto do cinema, da vida ou da gastronomia.

Além desses predicados, “Chef” tem a oferecer um elenco entrosado, relaxado e disposto a garantir o divertimento. Das participações especiais de Dustin Hoffman, Oliver Platt, Robert Downey Jr. e Scarlett Johansson aos coadjuvantes John Leguizamo, Emjay Anthony e Sofia Vergara.

No final, Favreau dá uma piscadela para o público e para crítica. Ele, rechonchudo e sem culpa, belisca Scarlett e Sofia e, no final, faz um carinho na crítica, patrona da arte, na cozinha ou no cinema.

Autor: Tags: , ,

1 comentário | Comentar

  1. 51 Amanda Aouad 11/09/2014 0:59

    É uma comédia gostosa mesmo de se ver. Eu me surpreendi.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios