Publicidade

sexta-feira, 21 de novembro de 2014 Análises, Filmes | 06:00

“Closer”, a obra-prima de Mike Nichols, completa dez anos

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação/Columbia Pictures

Foto: divulgação/Columbia Pictures

O cinema perdeu mais um de seus filhos pródigos para esse 2014 caprichoso e cioso de talentos da sétima arte. Mike Nichols partiu, mas deixou um legado majestoso por meio de seus filmes reflexivos do homem comum e suas fragilidades. Um desses filmes é “Closer – perto demais” que completa dez anos de seu lançamento no próximo dia 10 de dezembro.

À época de seu lançamento, no Brasil seria lançado no dia 21 de janeiro de 2005, o filme virou uma coqueluche cinéfila. As relações amorosas jamais haviam sido tão cruel e desapaixonadamente abordadas e expostas no cinema.

Superficialmente, “Closer” versa sobre a volatilidade das relações amorosas. Um olhar mais atento, no entanto, percebe que o real objetivo do filme é refletir sobre a dinâmica rocambolesca dos relacionamentos amorosos e os papeis do ego, superego e id, esses conceitos psicológicos tão abstratos do nosso cotidiano, na sorte de nossas relações amorosas.

“Closer” é brutal em sua expressividade de como o ser humano é um ser ‘complexizante’ e não há matéria-prima mais receptiva a uma análise dessa natureza do que o amor. Esse sentimento tão indevassável quanto poderoso.

A acuidade do registro reserva atemporalidade para “Closer”, filme daqueles que cresce de tamanho a cada vez que se volta a ele. Os diálogos secos, a moral em suspensão, a tensão constante e a coragem transbordada não indicam um filme de fácil empatia. Mas se “Closer” optasse por este caminho perderia a longevidade de vista. Foram poucos prêmios que souberam lidar com “Closer”, cuja origem é teatral, à época de seu lançamento. O Oscar indicou apenas as performances de Clive Owen e Natalie Portman, como coadjuvantes. O Globo de Ouro fez mais e distinguiu o filme, o roteiro e Nichols, mas como no Oscar, não houve vitórias.

Algumas associações de críticos premiaram o elenco, composto ainda por Jude Law e Julia Roberts. Elenco digno de prêmios, diga-se. Exímio diretor de atores, Nichols aqui arranca a melhor atuação da carreira de Julia Roberts e consegue que seu quarteto atinja o mais elevado tom em toda e qualquer cena.

“Closer” é uma experiência demolidora. Um filme que dá prazer de ver ao cinéfilo, agonia ao enamorado, e desencantamento ao ser humano. Em dez anos, nenhum outro filme conseguiu reunir essas sensações durante duas horas e reproduzi-las toda vez que se volte a ele. Tal unicidade engrandece essa que é a última joia de uma cinematografia irretocável como a que Mike Nichols lega aos apreciadores do bom cinema.

Autor: Tags: , ,

4 comentários | Comentar

  1. 54 Soraya Sampaio 21/11/2014 20:30

    Filme maravilhoso… e a musica de Damien Rice – the blowers’s daughter, perfeita!!!

    Responder
  2. 53 Carlos Martins 21/11/2014 20:10

    Quanta besteira, quanta cultura inútil !!!

    Responder
  3. 52 Fabrício 21/11/2014 18:57

    Não concordo com melhor atuação de Julia Roberts. Para mim, em “Erin Brockovich” ela se superou!

    Responder
    • Fábio 21/11/2014 22:03

      De verdade mesmo nenhuma atuação dela foi otima.

      Responder
  4. 51 Joice Quadros 21/11/2014 12:26

    Na verdade não é um comentário,mas sim a vontade de parabenizar o seu comentário…
    PARABÉNS!!!! Eu tenho esse filme e concordo com você quando diz que nem sempre causa uma empatia, as pessoas não querem saber a verdade… a verdade é que todos nós somos imperfeitos e passionais… mesmo quando parecemos ter uma vida morna dentro de nós há um desejo incontrolável de ser feliz ,de sentir, de buscar,de arriscar,amar …causar dor e sentir dor… e a maioria das pessoas tem medo de serem subjugadas por esse sentimento .Mas porquê???? Se só assim podemos descobrir quem somos …além de um nome apenas…

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios

Cancelar