Publicidade

terça-feira, 2 de dezembro de 2014 Críticas, Filmes | 16:57

Resistir à solidão é a odisseia do protagonista de “Os amigos”

Compartilhe: Twitter

“Os amigos” é um tipo raro de filme não só na cinematografia brasileira, como na produção de cinema contemporânea. Na superfície, é um elogio da amizade, tão negligenciada pelo cinema mais interessado no temperamental amor, sentimento mais rarefeito e poético.

A amizade, ainda que seja algo tão difícil de conquistar como um amor longevo, é relegada a comédias ligeiras sem receber o merecido carinho. Lina Chamie se propõe a corrigir essa injustiça com “Os amigos”. Centrado na figura de Téo (Marco Ricca), o filme enquadra a amizade como um oásis na inexorável jornada rumo à solidão que a sociedade moderna impõe aos seus. Não à toa, a cidade – uma São Paulo de muitos lances e caos – interfere reiterada e decisivamente na rotina dos personagens. Sejam eles fixos na trama ou apenas passageiros. Flagramos Téo em uma incipiente crise existencial, deflagrada pela morte de um amigo de infância, Juliano (Otávio Martins), com o qual pouco tinha contato naqueles dias. Observamos essa crise, em suas articulações interna e externa, por um dia e Chamie habilmente estabelece uma métrica que abrilhanta o raciocínio intradiegético da fita ao mostrar crianças em uma encenação da “Odisseia”, de Homero.

Marco Ricca e Dira Paes em cena do filme (Foto: divulgação)

Marco Ricca e Dira Paes em cena do filme
(Foto: divulgação)

Esse emparelhamento proposto pela encenação da peça grega com a odisseia de Téo por aquele dia, surpreendentemente longo e de muitos compromissos, por sua crise existencial – fustigada a todo momento pela amiga Majú (Dira Paes), e por sua própria amizade com Juliano, revisitada na memória em alguns de seus momentos-chave, subscreve “Os amigos” como um filme de sensorialidade rara no cinema brasileiro. O que não é pouco, tampouco é tudo. “Os amigos” também se prova uma ação entre amigos, já que Ricca volta a trabalhar com sua diretora de “A via Láctea” (2006). O filme conta com participações especiais de gente como Alice Braga, Caio Blat, Rodrigo Lombardi e Sandra Corveloni. Finalmente, o espírito abrasador do filme é seu diamante mais precioso. Sem grandes elucubrações sobre a vida, ainda que se permita divagar sobre a malemolência dos super-heróis em tempos que eles parecem dominantes, “Os amigos” brinda nossa fortaleza contra o assédio da solidão. Ela mesma, a amizade.

Autor: Tags: , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios