Publicidade

terça-feira, 16 de dezembro de 2014 Análises, Filmes | 18:49

Corrida pelo Oscar vive momento de definições e poucas incertezas

Compartilhe: Twitter

Com o anúncio dos indicados ao Critics Choice Awards 2015, as principais premiações satélites do Oscar já revelaram suas listas de concorrentes aos melhores de 2015. Ficamos nas pendências de alguns sindicatos e do Bafta, prêmio da academia britânica de cinema. Contudo, já é possível filtrar muitas certezas dessa temporada de premiações e apontar caminhos bem claros sobre os filmes e artistas que serão anunciados no dia 15 de janeiro como parte da maior festa do cinema.

Certezas

– Depois de liderar em número de indicações no SAG, Globo de Ouro e Critics Choice, é muito provável que “Birdman” reprise o feito no Oscar

– Os ingleses devem fazer bonito na temporada. As duas produções com sangue inglês, “A teoria de tudo” e “O jogo da imitação”, já se firmaram como tendências nas principais categorias

– É uma corrida de poucos atores oscarizados. Diferentemente de outros anos, a corrida pelo Oscar de melhor ator não tem um nome que já fora premiado antes. Entre os favoritos para receber indicação, apenas Jake Gyllenhaal e Ralph Fiennes já foram nomeados anteriormente ao Oscar

– “O Grande Hotel Budapeste” é a grande força emergente da temporada. Com indicações sólidas no SAG, no Globo de Ouro e um desempenho notável no Critics Choive, em que amealhou 11 indicações, o filme de Wes Anderson já não pode mais ser encarado como azarão

– A percepção de um ano fraco se consolida. Filmes como “Boyhood”, “Garoa exemplar” e “O grande hotel Budapeste” nem sequer eram cotados para chegar ao Oscar quando de seus respectivos lançamentos. Hoje, esses filmes são protagonistas de uma temporada que revelou menos produções de qualidade do que se imaginava

Jennifer Aniston (“Cake”) e Marion Cotillard (“Dois dias, uma noite” ou “Era uma vez em Nova York”) brigam pela última vaga entre as atrizes. Já são certos os nomes de Julianne Moore (“Para sempre Alice”),  Reese Witherspoon (“Livre”), Felicity Jones (“A teoria de tudo”) e Rosamund Pike (“Garota exemplar”). Aniston pode se beneficiar de uma campanha agressiva e de ser uma atriz ligada à comédia se experimentando em um papel dramático. Cotillard, que já venceu Oscar, é uma favorita da academia que tem chances por dois trabalhos. Um produzido pelo papa dos prêmios, o produtor Harvey Weinstein, e outro que é o representante da Bélgica na disputa por filme estrangeiro.

– O polonês “Ida”, que venceu o European Film Awards se consolida como o franco favorito ao Oscar de filme estrangeiro. Como curiosidade, os últimos dois vencedores da premiação europeia, “Amor” e “A grande beleza”, venceram o Oscar de produção estrangeira.

– É difícil imaginar que se em toda a história da premiação, apenas quatro mulheres foram indicadas ao Oscar de direção, a Academia resolva indicar logo duas em 2015. Mas a possibilidade nunca foi mais palpável. Ava DuVernay por “Selma” e Angelina Jolie por “Invencível” são as apostas. Se apenas uma for a agraciada, tudo indica que será a primeira.

– “Garota exemplar” deve ser o filme de maior bilheteria entre os indicados a melhor filme

Leia também: Tensões raciais fervem nos EUA e podem desequilibrar corrida pelo Oscar 

 

Ralph Fiennes em cena de "O grande hotel Budapeste": ator e filme bem cotados na temporada

Ralph Fiennes em cena de “O grande hotel Budapeste”: ator e filme bem cotados na temporada

Indefinições

– Filmes que dividiram a crítica como ‘Invencível” e “Sniper americano” terão vez no Oscar, além das categorias técnicas?

Mark Ruffalo ou Channing Tatum? Os dois integram o elenco de “Foxcatcher”. Enquanto o primeiro é mais festejado pelo círculo de críticos, o segundo é mais popular. As premiações até agora têm preferido indicar Ruffalo, a despeito do belo e surpreendente trabalho de Tatum. Mas há precedentes que permitem esperança ao ator de “Querido John”. Em 2007, quando todos davam por certa a indicação de Jack Nicholson por “Os infiltrados”, a academia destacou Mark Walhberg pelo filme.

– “Vício inerente”, novo trabalho de Paul Thomas Anderson (“O mestre” e “Sangue negro”) é uma comédia de humor negro que está maravilhando a crítica. A questão é saber se terá vez no Oscar, geralmente resiliente a este tipo de humor.

Steve Carell (“Foxcacther”) vive entre os atores uma situação muito parecida com a experimentada por Jennifer Aniston entre as atrizes. Ocorre que aqui a concorrência é muito maior e refratária. Carell, que de certo modo faz campanha pela indicação desde o festival de Cannes, perdeu força na corrida – apesar de indicado ao SAG e ao Globo de Ouro – e pode perder a vaga para gente que ganhou fôlego como Ralph Fiennes (“O grande hotel Budapeste”) e David Oyelowo (“Selma”).

Autor: Tags: ,

1 comentário | Comentar

  1. 51 antonio machado 16/12/2014 21:03

    o filme “O amor é estranho” com John Liwgton, Marisa Tomei e Alfredo Molina, foi vencedor de diversos festivais, quando lançado em NY, teve comentários ótimos de possíveis indicações ao Oscar para Atores e Coadjuvante. O filme conta a historia de dois homens que vivem juntos e resolvem se casar, na melhor idade. O professor lecionava em colégio católico e é dispensado por sair do armário. Acontece que a dificuldade não é por serem gays, mas sim por serem velhos. uma lição de vida, superior a muita porcaria indicada ao Globo de Ouro. Interessante é que foi lançado nos EE.UU em circuito em agosto e nunca passou no Brasil.
    Merece ser visto..

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios