Publicidade

sexta-feira, 20 de março de 2015 Críticas, Filmes | 17:48

Margot Robbie dá credibilidade a conflito central de “Golpe duplo”

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

“Golpe duplo”, novo filme de Glenn Ficarra e John Requa, diretores dos ótimos “O golpista do ano” (2009) e “Amor a toda prova” (2011), pertence àquela estirpe dos filmes de assaltantes geniosos e geniais. Will Smith é Nicky, um ladrão habilidoso que se dedica a pequenos trambiques. Criado na malandragem, ele lidera um grupo especializado na arte da traquinagem e tem na figura de Jess (Margot Robbie), uma promissora golpista interessada em integrar o grupo. Nicky faz o tipo solitário, mas é cativado por Jess com quem engata uma relação amorosa meio que por osmose. Mas ele se ressente de engatar nessa paixão por entender que na vida que leva, amor e negócio não podem se cruzar.

Trata-se do filme menos original e cativante da dupla, mas ainda assim “Golpe duplo” se mostra charmoso e envolvente. Muito disso se deve exclusivamente a Margot Robbie que, bela, talentosa e carismática, legitima para o público a hesitação que toma conta de Nicky. No entanto, as (muitas) reviravoltas do filme – nem todas satisfatórias – atestam que se trata de um genérico do subgênero “heist movie”, que tem exemplares destacáveis como “Onze homens e um segredo” (2001), “Thomas Crown, a arte do crime” (1999), entre outros.

Há, pelo menos, uma grande cena em “Golpe duplo”. Uma que sugere o filme que Requa e Ficarra talvez tivessem em mente e não conseguiram transferir para celuloide. É quando Nicky se engaja em uma aposta megalomaníaca com um bilionário chinês em meio a uma partida de futebol americano. Genuinamente eletrizante e ainda mais surpreendente, a cena brinca com o nome original do filme, “Focus” (foco), a primeira lição que Nicky ensina a Jess. Brincar com o foco da plateia é um dos passatempos dos diretores com seu filme, um exercício de técnica que merece ser apreciado independente do filme em si. A tergiversação, obviamente, fica muito mais fácil quando se dispõe de Will Smith e, especialmente, Margot Robbie.

Autor: Tags: , , , , ,

2 comentários | Comentar

  1. 52 Kamila Azevedo 20/03/2015 21:10

    Confesso que achava que Margot Robbie não iria engrenar em Hollywood depois de “O Lobo de Wall Street”. Mesmo assim, apesar da sua boa resenha crítica, “Golpe Duplo” não me empolgou o suficiente para me fazer querer assistir ao filme nos cinemas.

    Responder
  2. 51 Marina 20/03/2015 21:00

    Pois achei que justamente essa Margot Robbie não convenceu! Principalmente no começo do filme, ela parece estar todo o tempo preocupada onde está as câmeras. O jogo de sedução entre ela e a personagem de Will Smith não envolve tanto a quem está assitindo. A história é ótima, mas poderia ter sido executada com mais sucesso. Will Smith é ótimo ator.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios