Publicidade

quinta-feira, 16 de abril de 2015 Análises | 21:46

Sem medalhões, Cannes aposta em italianos e em possíveis surpresas

Compartilhe: Twitter

“Os grandes autores não estão trabalhando neste ano”, justificou o diretor do festival de Cannes, Thierry Frémaux, principal responsável pela seleção anunciada nesta quinta-feira para a 68ª edição do mais prestigiado festival de cinema do mundo. A fala de Frémaux, talhada como justificativa para o menor comparecimento de medalhões de Cannes no festival em anos, pode ter sido ofensiva para os cineastas escolhidos, mas é compreensível. Muita gente boa que era esperada para integrar o festival ficou de fora (Stephen Frears com sua biografia do ciclista Lance Armstrong, Cary Fukunaga com “Beasts of no nation”, Jeff Nichols, com “Midnight special”, Angelina Jolie com “By the sea” e Naomi Kawase com “Sweet red bean paste” para citar alguns). Contudo, o sentimento geral é de que não havia mesmo muitos cineastas consagrados com trabalhos finalizados e Cannes terá uma quantidade surpreendente, para os padrões do festival, de cineastas estreantes.

O júri presidido pelos irmãos Coen, no entanto, avaliará os novos trabalhos de Nanni Moretti (“Mia madre”), Paolo Sorrentino (“La Giovinezza”) e Matteo Garrone (“Il Racconto dei Racconti”), trinca italiana de favoritos de Cannes pela primeira vez reunidos em um mesma edição do evento. Gus Vant Sant, Jaques Audiard, Todd Haynes e Hirokazu Koreeda são outras figuras eméritas de Cannes que voltam com novos filmes. Duas atrações da mostra competitiva, de cineastas estreantes na Riviera francesa, despertam mais furor. São eles “Sicario”, de Denis Villeneuve e “MacBeth”, de Justin Kurzel. “The lobster”, produção em língua inglesa do grego Yorgos Lanthimos, porém, foi a que mais sensação causou dentre os listados na disputa pela Palma de Ouro. Em um comentário incomum para o protocolo da cerimônia, Frémaux disse que todos seriam surpreendidos pelo filme e que não o entenderiam de todo.

Benicio Del Toro em cena de "Sicario", novo filme do diretor de "O homem duplicado" (Foto: divulgação)

Benicio Del Toro em cena de “Sicario”, novo filme do diretor de “O homem duplicado”
(Foto: divulgação)

Sensação também causou a confirmação de que Woody Allen voltará ao festival, fora de competição, com “Irrational man”. Sua última vez na Riviera foi com “Meia-noite em Paris” em 2011.  Natalie Portman, com seu filme falado em hebraico (“A tale of love and darkness”), e Amy Winehouse, retratada no aguardado documentário “Amy”, levam excentricidade ao tapete vermelho de Cannes. O festival ainda será palco das premières internacionais do novo “Mad Max” e de “Divertida mente”, nova aposta da Pixar.

A avaliação da crítica internacional é de que é cedo para fazer qualquer diagnóstico sobre Cannes. O próprio Frémaux assegurou que mais filmes serão anunciados nos próximos dias, pelo menos outros dois para a competição oficial. Em um festival sem muitos bichos-papões, o espaço para o arrebatamento é maior. Mas o receio da decepção, mais voraz.

O festival de Cannes será realizado entre os dias 13 e 24 de maio. Mais sobre o festival pode ser lido no iG On

Autor: Tags: ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios