Publicidade

sexta-feira, 28 de agosto de 2015 Análises, Bastidores, Curiosidades | 17:47

Imune a crises, cinema de ação cresce em todas as frentes enquanto outros gêneros oscilam

Compartilhe: Twitter

Quando você ouvir que “Tubarão” (1975) é um dos três filmes mais importantes da história do cinema americano, preste atenção na pessoa que elabora este raciocínio. Ela provavelmente sabe das coisas. Pelo menos em matéria de cinema.  O filme de Steven Spielberg, que ajudou a criar o conceito de “blockbuster” é o principal signatário da ascensão do cinema de ação em Hollywood.

A supremacia dos filmes de super-heróis que testemunhamos nessa metade da segunda década do século XXI nada mais é do que a evolução de um movimento desabrochado pelo filme de Spielberg.

Antes de “Tubarão”, “007 contra o satânico Dr. No”, o primeiro filme de James Bond, foi o único exemplar estritamente do gênero ação a liderar as bilheterias em um ano. De lá para cá, foram 26 filmes de ação no topo das bilheterias em 39 anos. “Toy Story 3”, em 2010, foi o último filme não pertencente ao gênero a liderar em arrecadação em seu ano de lançamento. Os dados são do Box Office Mojo e remetem apenas às bilheterias americanas.

Spielberg em icônico registro feito no set de "Tubarão": filme que revolucionou a indústria de cinema americano

Spielberg em icônico registro feito no set de “Tubarão”: filme que revolucionou a indústria de cinema americano

A 2ª revolução? "Avatar" levou cerca de dez anos para ser produzido e é fruto da tecnologia de seu tempo

A 2ª revolução? “Avatar” levou cerca de dez anos para ser produzido e é fruto da tecnologia de seu tempo

Como essa estatística demonstra, o cinema de ação é o gênero que mais cresce. Tanto em produção como em público. A chegada do videocassete incrementou o boom no gênero, mas o constante aparato tecnológico rompe fronteiras para o gênero mais do que para qualquer outro. Em 2009, por exemplo, vimos “Avatar”, um épico de ação, superar “Titanic” como o filme de maior arrecadação da história do cinema. O filme só se viabiliza pela contemporaneidade de sua tecnologia. James Cameron levou uma década para filmá-lo e promete mais inovações em 2017, quando chega a primeira sequência.

De acordo com números do site The numbers, entre 1995 e 2015, o gênero teve 29% de share no mercado e uma arrecadação de US$ 72.000.989.990,00. A amostragem compreende 1.367 filmes lançados no período. Para se ter uma ideia do impacto do cinema de ação na audiência moderna, a comédia ficou em segundo lugar com 17% de share e U$$ 40.705.738.488 amealhados. A amostragem de filmes lançados nesta janela, porém, é muito maior: 2.147 filmes.

Um gráfico do Priceonomics, formulado a partir de dados coletados no IMDB, demonstra a oscilação dos principais gêneros ao longo das décadas em termos de popularidade. Nele, é possível perceber que, enquanto gêneros como horror e comédia apresentam altos e baixos e o drama vive sua mais longeva curva descendente, a ação mantém-se em expressa e espessa alta.

gráfico dos gêenros

Tomando como base as postagens deste Cineclube, o percentual de audiência – e de comentários – é muito maior quando o gênero ou suas principais estrelas e grifes (Marvel, Star Wars, 007, Sylvester Stallone, Bruce Willis, etc) são abordados.

Mas o que isso tudo quer dizer, afinal? Acossado pela repercussão da novela “Império”, o autor Aguinaldo Silva – que já escreveu para cinema – disse há alguns meses que é preciso dar o que o público quer. É esta linha de pensamento, preconizada pelos preceitos básicos do marketing, que norteia a produção Hollywoodiana atual. “As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a elas”, divagou Steve Jobs. Mas poderia ter sido Steven Spielberg.

Autor: Tags: , , ,

4 comentários | Comentar

  1. 54 Kamila Azevedo 30/08/2015 20:30

    O cinema de ação sempre foi um dos meus gêneros favoritos. Cresci assistindo a esses filmes e acho que eles causam sucesso até hoje, pois representam um escapismo, uma forma de diversão em meio à rotina de todo mundo.

    Responder
  2. 53 Rambo 28/08/2015 20:09

    O bloguista já pesquisou a intervenção de Miss Clinton no final dos anos 80, quando ela combateu o gênero ação? Dê uma olhada nisso, pode ser que entenda melhor a evolução do assunto. Já ía desligar os aparatos mas pensei em dar mais um detalhe. Na indústria cinematográfica norte americana os produtores judeus-americanos tiveram significativa contribuição quando o assunto se refere a filmes de ação. Basta citar a série “Desejo de matar”. E não foi só no cinema, na tv também. Depois das intervenções de Ms Clinton a indústria do cinema arrefeceu sua presença em armas e a mulherada e “bicharada” ocuparam o espaço vazio.

    Pesquise adequadamente e perceberá esta decadência da visão masculina na produção de entretenimento nos US.

    Responder
  3. 52 Marcio Hoglhammer Moreira 28/08/2015 19:52

    Como colega falou acima, filmes de ação de com uso e melhoria da tecnologia, mais sempre fizeram parte do imaginário do público de cinema, vide as antigas sessões ( matinês) com personagens como Batman , Capitão América, Superman.

    Responder
  4. 51 lfccbr 28/08/2015 18:28

    todos gostamos de super herois, tanto q as hqs sempre tem vendas experssivas aqui e principalemnte lá fora, o problema é q pra passar isso pra telona, precisa de muita computação gráfica em efeitos especiais, q somente a pouco tempo se tornou viável , não financeiramente , mas sim tecnologicamente

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios