Publicidade

sábado, 31 de outubro de 2015 Críticas, Filmes | 08:19

Amoralidade do combate às drogas move “Sicario: Terra de Ninguém”

Compartilhe: Twitter
foto: Montagem/reprodução

foto: Montagem/reprodução

Muitos filmes sobre a guerra ao tráfico de drogas já foram feitos e é comum apontar “Traffic – ninguém sai ileso” (2000) como o mais representativo desta frente cinematográfica. Quinze anos depois da premiada fita de Steven Soderbergh, “Sicario: Terra de ninguém” (2015) se apresenta para assumir o posto ocupado por “Traffic”. Não se trata de ser um filme melhor, mas de radiografar os efeitos perniciosos do combate às drogas com o mesmo agravo de “Traffic”, mas com o acinte da contemporaneidade. O mundo capturado por Denis Villeneuve é ainda mais sórdido, tenebroso e amoral do que o mostrado por Soderbergh.

Os filmes têm ainda outro elemento em comum. Benicio Del Toro, oscarizado por viver um policial honesto em meio ao mar de corrupção na fronteira entre México e EUA em “Traffic”, surge agora como um misterioso colombiano recrutado por uma força-tarefa entre agências americanas montada pela Secretaria da Defesa para desbaratar um cartel mexicano que expande seus domínios nos EUA. Essa força-tarefa, comandada com o devido grau de cinismo e insolência por Matt Graver (Josh Brolin) tem na agente do FBI Kate Macer (Emily Blunt) seu corpo estranho.

Macer, que liderava a divisão antissequestro da polícia federal americana no Arizona, cai meio de paraquedas no grupo e à medida que questiona sua função na equipe, questiona também os rumos ambíguos que o combate ao tráfico pelos EUA tomou.

O fato de o filme ser protagonizado por uma personagem feminina eleva não só a tensão dramática, como recodifica a percepção da brutalidade daquele universo estranho a Kate, mas também a audiência. “Sicario” não reclama para si a responsabilidade de ofertar respostas para um problema que parece maior cada vez que se presta atenção nele, mas se incumbe de apontar a crescente de amoralidade em uma guerra sem mocinhos. “Os limites foram alterados”, explica a uma queixosa Kate seu superior direto em um dado momento do filme. Uma luta em que agendas pessoais, corporativas e geopolíticas se misturam corrompendo qualquer objetivo probo que possa existir.

A violência e os desvios morais inerentes a ela compõem a matéria-prima da filmografia de Villeneuve – como pode ser visto em “Incêndios” (2010) e “Os suspeitos” (2013) – e o roteiro de Taylor Sheridan (ator da série “Sons of Anarchy” estreante como roteirista) oferece o relevo necessário para o canadense evoluir no escopo de sua própria obra.

Não há qualquer espaço para redenção em “Sicario” e Villeneuve, embora capriche na tensão (uma cena de tiroteio em Juarez, no México, é toda ela construída apenas com veículos parados e closes nos atores), se recusa a filmar obedecendo convenções de gênero. Seu filme em nada se parece com as produções que abordam o combate ao tráfico de drogas. As informações não são mastigadas para a plateia e ação importa menos do que o raciocínio a fomentá-la. Denso, brilhantemente fotografado e provocativo nos detalhes, “Sicario” não é o melhor de Villeneuve, mas atesta que o canadense é mesmo um dos melhores cineastas da atualidade. E com sobras.

Autor: Tags: , , , ,

1 comentário | Comentar

  1. 51 Daisy Borel 31/10/2015 13:07

    Assisti e gostei muito. Muita ação, violência, muita adrenalina. Para quem gosta do genêro, é muito bom. Ótimo desempenho dos atores: Benício Del Toro (sempre excelente), Emily Blunt e Josh Brolin. Imperdível!

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios