Publicidade

segunda-feira, 9 de maio de 2016 Análises, Bastidores, Notícias | 07:00

Cannes começa nesta semana sua 69ª edição com forte presença latina

Compartilhe: Twitter
Almodóvar, ao fundo, no set do aguardado drama "Julieta" Foto: divulgação

Almodóvar, ao fundo, no set do aguardado drama “Julieta”
Foto: divulgação

Depois de alguns anos em segundo plano, a latinidade promete ecoar forte na 69ª edição do Festival de Cannes, que acontece entre 11 e 22 de maio, na França. Brasil, Chile, Argentina e Espanha terão presença maciça no principal festival de cinema do mundo nas mostras competitiva e paralelas.
Sem dúvida, o retorno mais esperado é o do espanhol Pedro Almodóvar, com “Julieta”. A última vez do cineasta espanhol em Cannes foi em 2011 com o genial terror “A Pele que Habito”. É o quinto longa-metragem que o cineasta espanhol apresenta em competição no festival francês, onde estreou em 1999 com “Tudo Sobre Minha Mãe”, quando ganhou o prêmio ao melhor diretor.

O Brasil volta a disputar a Palma de Ouro com “Aquarius”, estrelado por Sonia Braga e dirigido por Kleber Mendonça Filho, de “O Som ao Redor”. Trata-se de uma ficção científica com pegada de filme social. A curiosidade pelo filme é imensa.

O ator Javier Bardem é outra atração do ano. Dirigido por Sean Penn e fazendo par com Charlize Theron em “The last face”, um drama sobre trabalhos humanitários na África.

Leia também: Presença do Brasil em Cannes, com “Aquarius”, reflete edição forte e equilibrada

Fora de competição, estará o espanhol Albert Sierra, com o audacioso “A morte de Luis XIV”, um dos monarcas mais icônicos da França.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

E em uma sessão especial será exibido “Hands of Stones”, sobre a vida do lendário boxeador panamenho Roberto “Mão de Pedra” Durán. A exibição do filme faz parte de uma homenagem do festival a Robert De Niro. Mas o protagonista, Edgar Ramírez, e o diretor, Jonathan Jakubowicz, são venezuelanos.

Na Quinzena dos realizadores, dois consagrados cineastas chilenos ganham destaque: Pablo Larraín e Alejandro Jodorowsk.

Larraín levará sua esperada visão de “Neruda”, onde narra um período pouco conhecido da vida do poeta chileno, quando foi perseguido pelo governo de Augusto Pinochet. Luis Gnecco, que já trabalhou com o diretor em “No”, interpreta Neruda, e o mexicano Gael García Bernal, Oscar Peluchoneau– o detetive que realizou a investigação.

Jodorowsky promete surpreender de novo com “Poesia sem fim”, filme que completa “A dança da realidade”, já exibido em Cannes, e protagonizado por Leandro Taub.

Na mesma mostra estreará o curta brasileiro “Abigail”, de Isabel Penoni e Valentina Homem.

A Argentina contará com os jovens Francisco Márquez e Andrea Cabeza na seção Um Certo Olhar, com “A longa noite de Francisco Sanctis”, uma obra dramática ambientada na Argentina do ditador Videla.

Cena do filme "Neruda" Foto: divulgação

Cena do filme “Neruda”
Foto: divulgação

Autor: Tags: ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios