Publicidade

sexta-feira, 13 de maio de 2016 Bastidores, Notícias | 20:41

Filmes franceses ousados marcam primeiros dias do festival de Cannes

Compartilhe: Twitter

Os primeiros três dias de Cannes se provaram bastante intensos. De Justin Timberlake fazendo show – para divulgar a animação “Trolls” – a piada sobre abuso sexual constrangendo Woody Allen, os primeiros dias na Riviera francesa tiveram de tudo. Até mesmo Julia Roberts confessando “limitações intelectuais” quando questionada se iria enveredar pela direção.

Justin Timberlake e Anna Kendrick fazem show em Cannes (Foto: divulgação)

Justin Timberlake e Anna Kendrick fazem show em Cannes
(Foto: divulgação)

A seguir, o Cineclube reúne alguns dos principais pontos desses primeiros dias de festival.

Bem me quer, mal me quer

Foi a oitava vez de Woody Allen em Cannes e pela oitava vez fora de competição. “Não acredito em competição na arte”, reiterou o cineasta americano de 80 anos na coletiva.  Allen teve de lidar com perguntas duras a respeito das acusações de abuso sexual que uma das filhas de Mia Farrow lhe imputou e que seu filho, Ronan, mantém em destaque na mídia.

Seu filme, “Café Society”, não produziu a mesma paixão de “Meia-Noite em Paris” (2011), o último Allen a debutar em Cannes, mas agradou.

Loach afina discurso esquerdista

O irlandês Ken Loach, que já ganhou a Palma de Ouro com “Ventos da Liberdade” (2006), exibiu “I, Daniel Blake” na competição e arrancou aplausos. O filme mostra as dificuldades de um carpinteiro de 59 anos com problemas cardíacos em acessar o sistema previdenciário. Loach, notório por um cinema ativista e mais à esquerda, causou ótima impressão na riviera francesa.

França ousada

Cena do filme "Rester Vertical" Foto: divulgação

Cena do filme “Rester Vertical”
Foto: divulgação

Os dois primeiros filmes franceses em competição foram exibidos na quinta (12) e sexta (13) e causaram grande burburinho. Em Cannes e entre cinéfilos nas redes sociais. “Rester Vertical”, novo filme de Alain Guiraudie, que assombrou Cannes há três anos com “O Estranho do Lago”, mostra um homem que precisa cuidar de seu filho recém-nascido após ele ser abandonado pela mãe. A produção tem cenas de sexo explícito e outras com potencial de choque. Comparações entusiasmadas com David Lynch pipocaram na crítica internacional.

Já “Ma Loute” é uma comédia de humor negro dirigida por Bruno Dumont e apresenta uma família com um gosto excêntrico: gosta de comer carne burguesa. De gente mesmo. Juliette Binoche é uma das estrelas da produção.

O Brasil que produz

A RT Features, produtora do brasileiro Rodrigo Teixeira com forte penetração internacional, com um catálogo com filmes como “Love”, ‘Mistress America” e “A Bruxa”, acertou a produção dos novos filmes de James Gray (“Ad Astra”) e Abbas Kiarostami (“24 Frames”). Tratam-se de duas figuras queridas de Cannes, sem filmes no festival neste ano e que, abrigados sob o guarda-chuva da RT Features, enobrecem ainda mais a boa fama que a produtora está construindo.

Autor: Tags: ,

1 comentário | Comentar

  1. 51 Kamila Azevedo 15/05/2016 20:43

    Confesso que não estou muito por dentro do Festival de Cannes 2016, mas, pelo que li, o filme “American Honey”, da Andrea Arnold, foi um dos destaques dos primeiros dias do evento, junto com “Neruda”, de Pablo Larrain.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios