Publicidade

Arquivo de janeiro, 2017

terça-feira, 10 de janeiro de 2017 Bastidores, Filmes | 08:01

Netflix divulga primeiras imagens de “Mute”, novo filme de Duncan Jones

Compartilhe: Twitter

Duncan Jones, o cérebro por trás dos cults “Lunar” e “Contra o Tempo” está com ficção científica nova na praça depois de se experimentar na fantasia com a adaptação do game “Warcraft – O Primeiro Encontro entre Dois Mundos”. Trata-se de “Mute”, filme original da Netflix que estreia ainda neste ano. A plataforma de streaming em produtora divulgou as primeiras imagens da produção estrelada por Paul Rudd e Alexander Skarsgård.

Em um futuro próximo, Leo (Alexander Skarsgård) é um bartender que vive na vibrante cidade de Berlim. Devido a um acidente em sua infância, Leo perdeu a capacidade de falar – e a única coisa boa em sua vida é sua bela namorada, Naadirah (Seyneb Saleh). Quando ela desaparece sem deixar rastro, a busca de Leo por ela o levará ao sórdido centro da cidade. Uma dupla de cirurgiões norte-americanos bem sarcásticos (Paul Rudd e Justin Theroux) são a única pista recorrente e Leo se vê obrigado a enfrentar o submundo da cidade para reencontrar seu amor.

O suspense futurista de Jones promete ser uma das muitas obras cults que 2017 reserva.

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017 Filmes, Notícias | 18:12

Público brasileiro se rende ao premiado “Eu, Daniel Blake”

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Seguramente uma das melhores opções em cartaz nos cinemas brasileiros, o filme britânico “Eu, Daniel Blake” têm cativado o público brasileiro. Pelo menos é o que sugere esse vídeo com depoimentos coletados durante o primeiro fim de semana  de exibição em São Paulo do filme premiado com a Palma de Ouro em Cannes. “Mostra que não é só o Brasil que sofre com as dificuldades enfrentadas pelo trabalhador desempregado “, diz Julia Benedetti, que assistiu ao filme no Cine Caixa Belas Artes.

“Um dos filmes mais especiais  que eu vi ultimamente. Acho que todo gestor público deveria assistir”, salienta Mauricio Magalhães, frequentador do Espaço Itaú de Cinema da rua Augusta. “É um filme muito humano”, completa Rodrigo Guedes, que assistiu a produção no Reserva Cultural. “Acho que todo mundo devia ver para refletir sobre nosso papel na sociedade”.

Em “Eu, Daniel Blake”, o multipremiado Ken Loach narra a história de Daniel Blake (Dave Johns), que após sofrer um ataque cardíaco e ser afastado do trabalho por sua médica, tenta insistentemente conseguir o auxílio saúde a que tem direito. Leia a crítica do filme aqui.

Autor: Tags: , ,

Filmes, Notícias | 16:29

“La La Land”, grande vencedor do Globo de Ouro, será exibido pela Rede Telecine

Compartilhe: Twitter

La la land 23

O filme nem sequer estreou nos cinemas brasileiros, algo que acontecerá na próxima semana, mas “La La Land: Cantando Estações” já é garantia no acervo da Rede Telecine. O maior vencedor do Globo de Ouro neste ano com sete estatuetas é apenas um dos filmes premiados da noite que integrarão a programação do canal. “Animais Noturnos”, premiado com Ator Coadjuvante, e “Fences”, vencedor com Atriz Coadjuvante, são outros destaques. ” Zootopia: Essa Cidade É o Bicho”, animação vencedora da 74ª edição da premiação realizada ontem na Califórnia, já está na programação e no catálogo do Telecine Play.

Análise: Globo de Ouro surpreende e tumultua temporada de premiações em 2017

Outros sucessos de crítica, indicados ao Globo de Ouro, também tiveram os direitos de exibição adquiridos pelo Telecine. São eles: “A Qualquer Custo”, “Estrelas Além do Tempo”, “Capitão Fantástico”, “Armas na Mesa”, “Rules Don’t Apply”, ” O Apartamento”, “Kubo e as Cordas Mágicas”, “Moana: Um Mar de Aventuras”, “Sing: Quem Canta Seus Males Espanta” e “Trolls”, além de “Deadpool”, outra produção que já pode ser conferida pelos assinantes do canal.

Autor: Tags: , ,

Análises, Filmes | 14:37

Globo de Ouro surpreende e tumultua temporada de premiações em 2017

Compartilhe: Twitter

Premiação superou os próprios preconceitos para celebrar um filme que parece ter encantado toda a comunidade do cinema. Mas nas categorias de atuação, a corrida pelo Oscar deu uma embaralhada…

Elenco e equipe de "La La Land" no palco do Globo de Ouro (Foto: NBC)

Elenco e equipe de “La La Land” no palco do Globo de Ouro
(Foto: NBC)

Foi uma noite de muitas surpresas, discursos contundentes e um vencedor como há muito tempo não se via. A 74ª edição do Globo de Ouro consagrou o musical “La La Land – Cantando Estações” como o maior filme de todos os tempos, pelo menos usando o prêmio como parâmetro. O filme de Damien Chazelle venceu nas sete categorias em que estava indicado, estabelecendo um recorde. Os dois únicos filmes que venceram seis prêmios foram “O Expresso da Meia-Noite” (1978) e “Um Estranho no Ninho” (1975) e essas produções concorriam em uma época em que havia mais prêmios distribuídos nas categorias de cinema.

Leia mais: Globo de Ouro consagra “La La Land” e comédias sobre negros nos EUA

Apresentado por Jimmy Fallon, que começou muito bem e terminou totalmente inexpressivo e dispensável, o Globo de Ouro 2017 ganhou pontos por procurar o inesperado. Se há mais de 40 anos não consagrava um filme no sentido mais estrito do termo, a opção por fazê-lo com um filme “para sonhadores”, como bem definiu a também premiada Emma Stone merece o confete. No mais, para quem gosta de cinema – e grandes atrizes – um prêmio que celebra Meryl Streep, Isabelle Huppert e Viola Davis se coloca à prova de críticas mambembes.

Leia mais: Globo de Ouro renuncia condição de prévia do Oscar e tenta formalizar influência em 2016

Criticado por ser render aos estúdios, a Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood (HFPA, na sigla em inglês) celebrou o cinema independente em todo o seu esplendor. “Moonlight – Sob a Luz do Luar” é um filme pequeno, assim como “Manchester à Beira-Mar”, que valeu a Casey Affleck o prêmio de ator dramático. E o que falar de “Elle”, o polêmico filme francês de Paul Verhoeven que foi o único além de “La La Land” a levar um segundo troféu?

"La La Land", que ganhou sete prêmios no Globo de Ouro 2017, estreia em 19 de janeiro no Brasil (Foto: divulgação)

“La La Land”, que ganhou sete prêmios no Globo de Ouro 2017, estreia em 19 de janeiro no Brasil
(Foto: divulgação)

A HFPA perecia menos preocupada com o que se esperava dela e resolveu abraçar sua vocação de celebrar o novo – o que pôde ser especialmente vislumbrado nas categorias televisivas. As vitórias das novidades “The Crown”, entre os dramas, e “Atlanta”, entre as comédias, só não são mais eloquentes do que o triunfo dos atores de “The Night Manager” sobre a mais badalada, e já bem premiada, “The People vs O.J Simpson: American Crime Story”.

Leia mais: Veja a lista completa dos vencedores do Globo de Ouro 2017

A grande surpresa da noite veio logo no pontapé inicial da cerimônia. A vitória de Aaron Taylor-Johnson por “Animais Noturnos” é o que se convenciona chamar de zebra. Isabelle Huppert, ainda que fosse uma aposta de risco, era aventada por alguns analistas da indústria, como o que assina esta coluna, mas o reconhecimento a Johnson, de fato ótimo no filme de Tom Ford, parece dessas idiossincrasias típicas do Globo de Ouro. Não é. Em plena votação para a aferição dos indicados ao Oscar, o barulho provocado pelo clímax de “La La Land” e pela contundência das vitórias de Johnson e Huppert pode refletir em mais força no Oscar.

Em uma temporada em que a comunidade de Hollywood parece enlutada pela ascensão de Donald Trump – repare no silêncio no salão enquanto Meryl Streep atacava o presidente eleito com a elegância que lhe é característica – o Globo de Ouro pareceu talhado para tumultuar. No melhor dos sentidos.

 

Autor: Tags: , ,

sábado, 7 de janeiro de 2017 Bastidores, Filmes | 09:00

Curta de brasileiro é uma das apostas para o Oscar 2017

Compartilhe: Twitter
Cena do curta "Trabalho Interno"

Cena do curta “Trabalho Interno”

Se você já assistiu “Moana: Uma Mar de Aventuras”, viu o curta “Trabalho Interno” que é apresentado antes do novo longa da Disney. O tradicional curta, chamado “Trabalho Interno”, é produzido e dirigido pelo brasileiro Léo Matsuda – que já havia trabalhado em outras produções do estúdio como “Detona Ralph” e “Operação Big Hero”. O filme é uma das apostas da crítica americana para figurar entre os candidatos ao Oscar de melhor curta de animação. Uma categoria em que a Disney é costumeiramente bastante forte. O brasileiro Carlos Saldanha, diretor de “A Era do Gelo”, já foi indicado nesta categoria, ainda que por uma produção da Blue Sky.

“Trabalho Interno” conta a história de Paul, um homem que vive em uma cidade muito parecida com a Califórnia dos anos 80. Ele é literalmente uma pessoa quadrada e não faz nada fora do cotidiano programado. O mais divertido na historia é que Paul, na verdade, não é o personagem principal, mas sim os seus órgãos internos, como o cérebro, coração, pulmão e o intestino. Usando uma mistura de animação digital e tradicional, Matsuda mostra com muito humor o conflito entre o coração do protagonista, que quer se aventurar e tomar riscos, e o cérebro, que desencoraja tal tipo de coisa.

Léo Matsuda é paulista de São José dos Campos e pode ser o responsável por levar o Brasil pelo segundo ano consecutivo ao Oscar. Vale lembrar que no ano passado a animação “O Menino e o Mundo” foi indicada a melhor longa-metragem de animação.

Autor: Tags: ,

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017 Filmes, Notícias | 21:59

Sequência de “O Chamado” muda de nome no Brasil e ganha dois vídeos inéditos

Compartilhe: Twitter
Samara volta a aterrorizar em O Chamado 3

Samara volta a aterrorizar em O Chamado 3

Com estreia prevista para o dia 2 de fevereiro, “Chamados” muda o título para “O Chamado 3” e ganha dois trailers inéditos. Nas novas cenas que acabam de ser divulgadas pela Paramount Pictures, podemos ver o retorno de Samara após 12 anos do lançamento do último filme da franquia – “O Chamado 2” (2005).

Na trama, a jovem Julia (Matilda Lutz) fica intrigada quando seu namorado, Holt (Ales Roe), começa a explorar uma história envolvendo uma amaldiçoada fita de vídeo, que faz a pessoa que a assiste morrer em sete dias. Ela se sacrifica para salvar a vida dele e acaba fazendo uma descoberta terrível: há um “filme dentro do filme” que ninguém jamais viu antes.

A produção é dirigida por por F. Javier Gutiérrez de “A Casa dos Mortos”.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última