Publicidade

Arquivo de março, 2018

sexta-feira, 23 de março de 2018 Atores, Bastidores | 09:00

Sensação em 2018, Timothée Chalamet já está cotado para o Oscar 2019

Compartilhe: Twitter
Foto: reprodução/ET

Foto: reprodução/ET

A temporada de premiações, que teve o americano Timothée Chalamet como um dos grandes destaques, mal acabou, mas o jovem ator de 22 anos já chama atenção para a corrida pelo Oscar 2019. A começar pelo fato de que seu próximo filme, “Beautiful Boy”, pode entrar na seleção do Festival de Cannes e deflagrar a conversa em torno do já hypado Chalamet.

O filme marca a estreia do belga Felix Van Groenigngen, do elogiado “Alabama Monroe”, no cinema americano e é adaptado do livro autobiográfico de David Sheff “Beautiful Boy: A Father´s Journey Through his Son´s Addiction”. Steve Carell vive o pai David e Timothée Chalamet vive Nic, o filho que sucumbe ao vício em metanfetamina. O filme acompanha justamente essa peleja familiar. O longa está cotado para integrar a próxima seleção de Cannes e tem estreia marcada para 12 de outubro, data estratégica para lançamento de filmes de olho no Oscar.

O filme é uma produção da Amazon Studios, que tem outro filme com Chalamet, na manga. Trata-se de “A Rainy Day in new York”, mas o estúdio resolveu cancelar seu lançamento em cinemas, pelo menos até segunda ordem, em virtude de toda a polêmica em torno do diretor do longa: Woody Allen.

De toda forma, a carreira da revelação de “Me Chame pelo Seu Nome” segue de vento em polpa. Timothée Chalamet foi recentemente confirmado como o protagonista de “The King”, filme da Netflix sobre o reinado de Henrique V.

Timothée Chalamet e Steve Carell em cena de "Beautiful Boy" Foto: IMDB

Timothée Chalamet e Steve Carell em cena de “Beautiful Boy”
Foto: IMDB

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 16 de março de 2018 Filmes, Notícias | 12:04

Capitão América, Wakanda e senso de tragédia iminente no trailer final de “Vingadores: Guerra Infinita”

Compartilhe: Twitter
Chris Evans como o Capitão América em cena de "Vingadores: Guerra Infinita" Fotos: divulgação

Chris Evans como o Capitão América em cena de “Vingadores: Guerra Infinita”
Fotos: divulgação

Sabe aquela sensação de que você esperou dez anos de sua vida para um momento em especial? É a sensação que se tem após assistir o trailer final de “Vingadores: Guerra Infinita”, divulgado pela Marvel StuVingadoresdios nesta sexta-feira (16). O filme estreia nos cinemas brasileiros em 26 de abril reunindo a maior constelação de heróis em um mesmo filme na história do cinema. Na prática, todo o universo Marvel de alguma maneira estará presente neste terceiro filme dos Vingadores.

Leia também: Novo “Tomb Raider” quer desfazer objetificação da personagem vivida por Jolie

A nova prévia explica um pouco mais do que veremos no filme que terá pouco mais de duas horas e meia de duração. O vilão Thanos (Josh Brolin) ganha uma introdução à altura das expectativas que enseja por Gamora (Zoe Saldana). O trailer também mostra que há espaço para humor, e o Homem-Aranha deve ser um catalisador importante nesse sentido, assim como Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) e Peter Quill (Chris Pratt). O trailer entrega, ainda, que a exemplo do primeiro filme, a dinâmica de rivalidade entre os heróis pode ser um elemento a ser trabalhado pelos diretores Anthony e Joe Russo.

Com senso de espetáculo indesviável e efeitos especiais de encher os olhos, o trailer final de “Guerra Infinita” mostra porque a Marvel está na vanguarda da indústria no momento. Com Wakanda como um dos pontos de batalha mais valorizados no material promocional, o Capitão América surge como o coração dramático do filme, pelo menos nesse momento e há cenas que avalizam as teorias de que os heróis que já ostentam suas trilogias no Universo Cinematográfico Marvel podem ter sua despedida a caminho. É um momento muito especial para os fãs esse que “Vingadores: Guerra Infinita” enseja.

Confira o trailer do filme

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 5 de março de 2018 Análises, Filmes | 19:09

Consagração de “A Forma da Água” no Oscar representa aceno ao diálogo em Hollywood

Compartilhe: Twitter

“Sempre lembraremos deste ano como o ano em que os homens erraram tanto que as mulheres começaram a sair com peixes”, disse Jimmy Kimmel em dado momento de seu monólogo de abertura na 90ª edição do Oscar, realizada neste domingo (4). A fala diz muito sobre o tom do Oscar 2018 que consagrou “A Forma da Água” o melhor filme do ano. Foram quatro estatuetas. Além de produção do ano, o longa amealhou os prêmios de Direção, Trilha Sonora e Direção de Arte.

Guillermo del Toro recebe o Oscar pelo filme "A Forma da Água"

Guillermo del Toro recebe o Oscar pelo filme “A Forma da Água”

A vitória de “A Forma da Água”, ainda que o filme fosse apontado como favorito, foi um tanto surpreendente. Primeiramente pela resistência da Academia em premiar filmes de gênero. Eles raramente são inseridos na principal categoria, tendência que começa a ser revertida  – em 2018 ainda tivemos “Corra!” entre os concorrentes. Segundo porque o filme não parecia reunir o apoio do maior e mais decisivo colegiado da Academia que é o dos atores, já que ficou de fora do SAG de melhor elenco. Desde que o prêmio foi criado nos anos 90, apenas “Coração Valente” venceu o Oscar de Melhor Filme sem ter concorrido a Melhor Elenco no SAG.

Leia também: Oscar vê na ternura de “A Forma da Água” a receita para as dores do presente

Por outro lado, “A Forma da Água” era o filme mais fácil de reunir algum consenso entre os indicados e no Oscar, um termômetro elevado dos humores dos votantes, isso importa e muito. Principalmente no clima que a 90ª edição dos prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas se deu. A ideia era sinalizar para um futuro menos opulento e com a Academia ombreando com setores da sociedade e da indústria na disposição de promover diversidade e inclusão. O filme de del Toro, por ser de um cineasta mexicano e imigrante, por ser sobre a história de amor entre uma mulher e uma criatura marinha, por reunir metáforas diversas sobre mazelas que o mundo ainda enfrenta, era a escolha mais adequada. E afetuosa.

O raciocínio da Academia enquanto grupo organizado e suscetível às mais diversas influências não pode ser menosprezado. Há erros, alguns crassos, mas há acertos que talvez não sejam percebidos como acertos de imediato. É notório que “A Forma da Água” não era o melhor filme entre os indicados. Mas sua escolha representa não só um avanço na abertura que a instituição dá ao cinema de gênero, como é uma resposta delicada e parcimoniosa às destemperanças do presente: o clima político belicoso, as denúncias de assédio, a impaciência das mulheres para com a insistente misoginia na indústria. A opção por um filme que prega tolerância talvez não mude nada disso, mas certamente representa um aceno ao diálogo.

Toda a cerimônia, menos politizada do que se esperava, foi um passo nesse sentido. O Oscar 2018 poderia ter sido mais ousado e feito escolhas tão dignas como as que fez, mas mais subversivas e eloquentes em matéria de cinema nos âmbitos da estética e narrativa. Optou, e não há de se contestar a legitimidade dessa escolha, por atender demandas do cinema em seu eixo industrial e não deixou de premiar filmes e artistas premiáveis por conta disso.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 2 de março de 2018 Críticas, Filmes | 17:32

Documentário sobre maior ladrão de obras raras do Brasil se afeiçoa a seu protagonista

Compartilhe: Twitter

Documentários que se fiam no rigor jornalístico costumam ser mais inteiros porque se cercam de valores e instrumentos perenes que preconizam transparência e informação e este é o caso de “Cartas para um Ladrão de Livros”, dos cineastas e jornalistas Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini. Não se trata de refutar um ponto de vista, mas de abordá-lo com lisura, capacidade argumentativa e boa fundamentação.

Cena de "Cartas para um Ladrão de Livros"

Cena de “Cartas para um Ladrão de Livros”

No caso de “Cartas para um Ladrão de Livros”, os realizadores tiveram algumas angústias para administrar. Laéssio Rodrigues de Oliveira, taxado como o maior ladrão de obras raras do País, foi preso algumas vezes durante o processo de filmagem, o que fez com que os cineastas tivessem o estalo de fazer desse tumultuado bastidor um objeto do documentário. Acertadamente, eles colocam no radar dos conflitos da obra a questão da glamourização do protagonista, que pauta boa parte da narrativa e adensam uma pluralidade de perspectivas que tem Laéssio como um embuste.

Leia também: “Cartas para um Ladrão de Livros” devassa trajetória de ladrão de obras raras

A promoção desse feliz casamento entre senso jornalístico e estrutura narrativa nem sempre resulta primorosa. A realização se embevece demais de seu protagonista, que talvez seja problematizado de menos. Não que o filme busque o contraditório apenas para ser pró-forma, mas há desequilíbrio na acentuação da questão. A preocupação em humanizar Laéssio soa exagerada talvez porque, na feitura do documentário, seja mais da realização do que do próprio Laéssio – que na sua inteligência simples e arejada – que a realização eventualmente aponta como ingenuidade – expressa contentamento nas suas conquistas. Por isso a câmera se satisfaz quando flagra momentos íntimos em que Laéssio é menos personagem e mais de verdade.  Exemplos são quando ele rememora um amante e chora e quando admite encher malas de garrafinhas de urina e deixar para que sejam roubadas em rodoviárias.

Há outros grandes momentos no filme como quando observamos a relação de Laéssio com a própria vaidade e a relação de terceiros com a vaidade do protagonista.

“Cartas para um Ladrão de Livros” não se veste de acusador ou defensor de Laéssio e parece cumprir todas as medidas preventivas que o bom cinema e o bom jornalismo orientam, mas talvez se afeiçoe mais do que o desejável por seu protagonista. Uma condição compreensível em virtude de um processo tão longo e umbilical, mas que fragiliza o saldo final.

Autor: Tags: , , ,