Publicidade

Arquivo de abril, 2018

quarta-feira, 25 de abril de 2018 Críticas, Filmes | 15:22

Primeiras impressões de “Vingadores: Guerra Infinita”: É épico!

Compartilhe: Twitter
Cena de Vingadores: Guerra Infinita

Cena de Vingadores: Guerra Infinita

Épico! Transcendental! Transformador! Esses são alguns dos adjetivos que vem à mente após se assistir “Vingadores: Guerra Infinita”. O 19º filme do Universo Cinematográfico da Marvel se propõe a redefinir tudo. Thanos (Josh Borlin) é uma presença devastadora e, ao fim do filme, o espectador terá plena e irrevogável consciência disso.

Leia também: Confira todos os personagens que aparecem em “Vingadores: Guerra Infinita”

“Guerra Infinita” é um filme que aposta na ação ininterrupta sim, mas também no estofo emocional de seus personagens que são submetidos frequentemente a escolhas de vida ou morte.

O longa começa pouco depois dos eventos vistos em “Thor: Ragnarok”. Thanos está à cata das joias do infinito que ainda não possui e se depara com a nave que transporta os sobreviventes de Asgard. Desnecessário dizer que a tragédia se assenta e antes mesmo dos créditos iniciais surgirem na tela, o terceiro “Vingadores” demonstra que o público está nessa por uma experiência única e que fora construída ao longo de dez anos.

Leia também: Thanos é mais forte do que Hulk em batalha, dizem diretores de “Guerra Infinita”

Humor

O humor típico dos filmes da Marvel está preservado, mas encontra-se bem mais equilibrado do que nas incursões anteriores. O senso de tragédia é iminente e perturbador. Ele pode ser vislumbrado na serenidade condoída de Tony Stark (Robert Downey Jr.) ou na sisudez plácida de Steve Rogers (Chris Evans), aqui sem o traje do Capitão América.

Thor em cena do novo Vingadores Fotos: divulgação

Thor em cena do novo Vingadores
Fotos: divulgação

Os Vingadores estão despedaçados e despreparados para a ascensão de Thanos e isso, “Guerra Infinita” deixa claro, será custoso para os heróis. O grande mérito do filme é ser o clímax de uma história construída há dez anos e superar, em catarse e espetáculo, tudo o que já veio antes. Não é um arranjo fácil de desenvolver, mas o engenho de Kevin Feige escudado por Joe e Anthony Russo que dirigiram “O Soldado Invernal”, “Guerra Civil”, “Guerra Infinita” e o quarto “Vingadores”- que estreia em 2019, prova que a Marvel está na vanguarda de um movimento que talvez não se replique no cinema.

Leia também: “Os Vingadores: Guerra Infinita” põe fãs em alerta contra riscos de spoilers

“Guerra Infinita” é um filme para o fã se contorcer na cadeira, torcer, sofrer e ansiar ainda mais pelos próximos capítulos. A Disney tem o controle da droga mais bem sucedida da atualidade.

Autor: Tags: , , ,