Publicidade

quarta-feira, 14 de novembro de 2018 Críticas, Filmes | 13:03

Com orçamento de US$ 120 milhões e produzido pela Netflix, “Legítimo Rei” é o grande épico do cinema em 2018

Compartilhe: Twitter
Chris Pine em cena de Legítimo Rei Fotos: divulgação

Chris Pine em cena de Legítimo Rei
Fotos: divulgação

“Legítimo Rei” poderia ser uma sequência natural de “Coração Valente” (1995), filme de Mel Gibson que é um dos maiores épicos já feitos pelo cinema. Não o é, mas começa do imediato ponto em que William Wallace, vivido por Gibson no filme premiado com cinco Oscars, é derrotado por Eduardo I na guerra travada entre Escócia e Inglaterra pela independência da primeira.

O filme de David Mackenzie acompanha Robert Bruce (Chris Pine), um dos nobres reclamantes ao trono escocês que se vê na dolorosa contingência de ter que beijar a mão de Eduardo I, aqui vivido pelo ótimo Stephen Dillane, e enterrar orgulho e esperança escoceses que haviam sido erigidos pela figura de Wallace.

É claro que Robert não conseguirá sustentar essa subserviência por muito tempo e é justamente nesse impulso desordenado por liberdade que “Legítimo Rei” se assevera um épico robusto, daqueles que o cinema produz de tempos em tempos, mas também um filme atento a sutilezas. Os comentários sobre a arquitetura do Poder, bem como sobre as renúncias que lhe são inerentes, são especialmente salutares.

A ideia de acompanhar um rei cuja legitimidade o coloca como fora da lei é sedutora e faz do percalço de Robert Bruce algo especialmente cinematográfico. O filme de Mackenzie é muito feliz na maneira como captura tanto Bruce, adensado com tristeza aguda, mas também com resiliência por Pine, mas também sua jornada e seus efeitos nos conterrâneos escoceses, apreensivos após a portentosa derrota sofrida para Eduardo I que custou o símbolo que era Wallace.

Legítimo Rei Um plano-sequência majestoso na cena inaugural demonstra todo o valor estético e narrativo de Mackenzie e entrega que este não é um filme banal sobre aquele período histórico e o final, uma explosão suja, caótica e sanguinolenta na batalha da colina Loudon, demonstra que este é um filme que se pretende um elogio da resistência, do espírito humano sobre a opressão.

A opção por fechar o filme com uma vitória, em oposição ao início que flagrava uma derrota clamorosa, atende a essa demanda ideológica de um filme que sabe ser solene sem deixar de ser profundamente íntimo. Talvez por isso haja a tão falada cena de nu frontal de Pine.

O orçamento vultoso, de US$ 120 milhões, atesta que a Netflix está consciente de seu papel na indústria do entretenimento contemporânea e ajuda a garantir que “Legítimo Rei” seja o grande épico concebido pelo cinema em 2018, ainda que disponibilizado mundialmente na casa das pessoas.

Autor: Tags: , , , ,

4 comentários | Comentar

  1. 54 Chris Pine e o tabu em torno do nu frontal masculino no cinema e na televisão - URGENTE NEWS 15/11/2018 7:23

    […] público demonstrou uma reação intensa diante de uma cena do filme ” Legítimo Rei “, produzido pela Netflix , em que o ator Chris Pine sai da água completamente sem roupas. Assim como em várias outras […]

    Responder
  2. 53 Chris Pine e o tabu em torno do nu frontal masculino no cinema e na televisão | Refugo 15/11/2018 11:09

    […] público demonstrou uma reação intensa diante de uma cena do filme “Legítimo Rei“, produzido pela Netflix, em que o ator Chris Pine sai da água completamente sem roupas. Assim como em várias outras […]

    Responder
  3. 52 Indicado ao Emmy, Julio Andrade vive melhor fase na carreira - URGENTE NEWS 16/11/2018 4:25

    […] Leia também: Com orçamento de US$ 120 milhões e produzido pela Netflix, “Legítimo Rei” é o … […]

    Responder
  4. 51 Kamila Azevedo 19/11/2018 15:05

    Não assisti ainda, mas está na minha lista do Netflix. Seu comentário me faz ter a vontade de furar a fila e assistir logo a “Legítimo Rei”. rsrs

    Responder
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios