Publicidade

Arquivo do Autor

quarta-feira, 11 de julho de 2018 Bastidores, Filmes | 15:48

O que esperar do filme do Coringa com Joaquin Phoenix?

Compartilhe: Twitter

Joaquin phoenix

Joaquin Phoenix quase foi o Doutor Estranho. Foi por muito pouco que ele não entrou para a família Marvel. O ator americano, nascido em Porto Rico, que já foi Johnny Cash no cinema não queria se comprometer com sequências e todo um universo compartilhado. Benedict Cumberbatch, um ator que trafega entre o cult e o pop com mais desenvoltura, acabou sendo escolhido. Mas a riqueza dos personagens de HQs estava no radar do ator que abraça personagens complexos e conflituosos em filmes sempre dignos de nota. É essa a perspectiva ensejada pelo filme, agora confirmado pela Warner Bros. Pictures, sobre as origens do principal vilão do universo do Batman.

Joaquin Phoenix não faz filmes em que a história não seja seu principal eixo gravitacional, tampouco estrela produções em que os personagens que defende não sejam figuras complexas e cheias de reminiscências. Sob essa ótica, o Coringa desponta como um personagem feito sob medida. Vale lembrar que mais cedo neste ano o ator foi Jesus Cristo em “Maria Madalena”.

Leia também: “Esquadrão Suicida” peca por falta de honestidade e ritmo hesitante, mas diverte

A direção do filme, que ainda não tem nome oficial, ficou a cargo de Todd Phillips, que tem uma boa relação com a Warner e é responsável pela trilogia “Se Beber Não Case”. O roteiro, Phillips escreveu em parceria com Scott Silver (“O Vencedor”). O orçamento é de médio porte e gira em torno de US$ 55 milhões e as filmagens começam em setembro. Há rumores de que o filme terá um link com “The Batman”, novo filme do morcego que Matt Reeves está tocando, mas é apenas um rumor a essa altura do campeonato.

Arte de fã com o rosto de Joaquin Phoenix como Coringa

Arte de fã com o rosto de Joaquin Phoenix como Coringa

Certo é que a Warner está desenvolvendo em paralelo outro filme focado no Coringa com Jared Leto, que viveu o personagem em “Esquadrão Suicida” (2016), como protagonista. Esse segundo filme é um projeto que parece circunscrito ao universo característico de “Esquadrão Suicida” que em breve ganhará o reforço de Dwyane “The Rock” Johnson como Adão Negro. O filme de Phillips parece mais alinhado aquele plano tão difícil de pôr em prática de ter um cinema mais autoral com os personagens da DC. E Phillips pode ser bem-sucedido onde Zack Snyder falhou. Ao deixar a megalomania de lado e investir no estudo desimpedido e despudorado de um personagem como o Coringa, o cineasta e o estúdio podem muito bem se deparar com uma mina de ouro. Do tipo que vale a pena ficar obsessivo a respeito.

 

Autor: Tags: , ,

domingo, 8 de julho de 2018 Filmes, Notícias | 17:34

Nicolas Cage surtado e em busca de vingança no climático trailer de “Mandy”

Compartilhe: Twitter
Nicolas Cage está de volta e quer vingança em "Mandy"

Nicolas Cage está de volta e quer vingança em “Mandy”

Nicolas Cage é um astro caído em desgraça por muitas razões, mas ele nunca deixa de ser interessante. Desde que deixou a elite de Hollywood, o astro dificilmente aparece em filmes recomendáveis. Há exceções, claro, como “Snowden: Herói ou Traidor” (2016), “Cães Selvagens” (2016), “Joe” (2013) e “Vício Frenético”. “Mandy”, de Panos Cosmatos, parece ser um desses casos. O filme será lançado ainda este ano no Brasil pela Universal Pictures.

O trailer, que pode ser visto abaixo, causou burburinho e o filme foi muito elogiado nos festivais de Sundance e Cannes. Ambientado nos anos 80, o filme tem Cage e Andrea Riseborough levando uma vida idílica afastados da urbanidade. Quando seu refúgio é selvagemente destruído por um culto liderado pelo sádico Jeremiah Sand (Linus Roache), o personagem de Cage parte em uma jornada de vingança sangrenta e cheia de conotações espirituais.

O trailer dá poucas pistas e a estética de Cosmatos talvez lembre um pouco o cinema de Nicolas Winding-Refn, mas a curiosidade suscitada pela prévia é indesviável. E a perspectiva de Nicolas Cage em um bom filme aquece o coração cinéfilo.

 

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 19 de junho de 2018 Bastidores, Notícias | 19:18

Rede Telecine passa a exibir filmes novos da Sony

Compartilhe: Twitter
Cena de "Homem-Aranha: De Volta ao Lar"

Cena de “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”

A Rede Telecine já detinha a maioria dos estúdios de cinema em seu portfólio e acaba de garantir mais um. A Sony Pictures passa a distribuir na primeira janela na televisão, ou seja, após lançamento em cinemas e home-vídeo (DVDs, Blu-Rays e on demand) os filmes do estúdio. Com isso, produções como “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” e “Águas Rasas”, que já estavam na programação da HBO seguem para o Telecine Premium.

A negociação ocorreu de surpresa. Procurado pela coluna, o Telecine comemorou a boa nova. “Sempre estamos em busca de mais filmes para nossos assinantes e fechamos um pacote com a Sony para enriquecer ainda mais nosso portfólio. Continuamos trazendo com exclusividade e em primeira janela todos os filmes de cinco grandes estúdios e complementamos nossa oferta com títulos adquiridos no mercado, inéditos ou não.”

Os cinco grande estúdios mencionados são Universal, FOX, Paramount, Dreamworks e Disney. Este último tinha até cerca de seis anos atrás contrato de exclusividade com a HBO. A Sony ainda tem um contrato de primeira janela com a HBO. Tanto o é que o blockbuster “Blade Runner 2049”, um dos melhores filmes do ano passado, estreia na programação do canal em 7 de julho. Mas o acordo com o Telecine é um ensaio para mudança de ares. É inédito na história dos canais premium da TV por assinatura brasileira um estúdio distribuir seus filmes novos em dois canais rivais.

A HBO tem o histórico de apostar em produções originais e independentes, enquanto que o Telecine investe pesadamente em conteúdo comercial e de acervo. Estrategicamente, a migração da Sony da HBO para o Telecine faz sentido. É inegável, porém, que pressiona a gigante global no Brasil, já que o canal da Globosat tende ao monopólio na distribuição dos grandes filmes. A HBO ficaria apenas com a Warner, estúdio que integra o conglomerado de comunicação Time Warner que também controla a HBO, e está atravessando um intrincado e de ramificações ainda imprevisíveis processo de fusão com a AT&T.

Autor: Tags: , , ,

Críticas, Filmes | 18:43

Surpreendente, “As Boas Maneiras” é reflexo do amadurecimento do cinema de gênero brasileiro

Compartilhe: Twitter
Cena do filme "As Boas Maneiras"

Cena do filme “As Boas Maneiras”

O cinema de gênero no Brasil ainda está muito vinculado à máxima de tentativa e erro. Não existe uma cultura de produção ou apreciação formada, mas Marco Dutra e Juliana Rojas estão contribuindo para a insurgência de uma bem-vinda nova realidade. “As Boas Maneiras”, destaque em festivais mundo afora, é um reflexo dessa força criativa que pensa o cinema brasileiro de um jeito global, mais técnico, uníssono e bem resolvido.

Eis aqui um filme de criatura, mas sem medo de assumir suas peculiaridades. “As Boas Maneiras” é um thriller que flui para um drama, se descobre um musical sem deixar de ser também uma comédia que se vale dos signos do terror. Não é uma equação fácil e os realizadores ainda acham espaço para discutir sexualidade, preconceito e afirmação em um filme cheio de pequenos grandes momentos.

Esteticamente ousado – há mudança de protagonista, de tom e registro, o filme de Rojas e Dutra é tão brasileiro quanto universal e registrar isso não é alienar suas muitas outras virtudes, mas para o contexto de um embrionário (bom) cinema de gênero no País é um destaque providencial. A estranheza e esquisitice desse filme de lobisomem folclórico e poético ficam com o espectador. Não é todo filme de gênero que consegue propulsar tantas e difusas emoções.

Marjorie Estiano e Isabél Zuaa em cena de "AS Boas Maneiras"

Marjorie Estiano e Isabél Zuaa em cena de “AS Boas Maneiras”

Marjorie Estiano, uma atriz tão inteira e intuitiva, jamais esteve melhor. Aqui ela é Ana, uma moça do interior vivendo na cidade grande que está grávida e decide contratar uma babá. É com Clara (a excepcional Isabél Zuaa) que o filme começa. Ela está retraída e insegura da entrevista. Mas há uma sinergia entre ela e Ana, dois seres acuados de alguma maneira pela vida e pelas circunstâncias. A cumplicidade que se constrói dali em diante encanta tanto quanto o mistério sobre os efeitos da lua cheia sobre Ana, seu desejo incessante por carne vermelha e a ausência desse noivo que ela tanto fala.

O filme tem um segundo ato radicalmente diferente do que se poderia imaginar – e que explora mais a fundo a questão da licantropia.

Juliana Rojas, que já havia feito um musical com toques de horror com “Sinfonia da Necrópole” (2014) e Dutra, um drama com pitadas de sobrenatural com “O Silêncio do Céu” (2016), aqui conjugam essas experiências em uma explosão gráfica e de atmosfera como raramente o cinema brasileiro ofertou.

A catarse que brota de “As Boas Maneiras” não é filtrada e há muitas maneiras de se olhar para o filme – as óticas da maternidade e da sexualidade são apenas as mais efusivas -, mas é inegável que criatividade, coragem e originalidade são seus predicados mais valorosos. Mesmo que se resista ao saldo final, a impassibilidade não é uma possibilidade dada ao espectador.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 14 de junho de 2018 Críticas, Filmes | 16:46

“Dovlatov” captura efervescência cultural na União Soviética

Compartilhe: Twitter

Filme russo estreia nos cinemas brasileiros no dia da abertura da Copa do Mundo 2018 na Rússia

Dovlatov

A sombra projetada por Tchekhov, Dostoiévski, Tolstói, Pushkin, Nabokov e tantos outros escritores russos não é pequena e Sergei Dovlatov sentiu isso na pele por muitos anos enquanto seus manuscritos eram rejeitados pela mídia oficial soviética por não serem compatíveis com o espírito que a União Soviética queria fomentar.

É esse período histórico que o filme “Dovlatov” se ocupa. O longa de Alexey German Jr. mostra como a intelectualidade russa se afasta dos ideais encampados pela União Soviética no alvorecer da década de 70. “A década de 70 entrou como uma geada”, reconhece o protagonista em sua narração em off em um dado momento. Em outro vaticina: “Ficção e realidade são inseparáveis na União Soviética”.

Com rimo lento, muitos planos-sequência e enquadramentos quadrados, o filme tateia um sentimento de despertencimento e incômodo. A cultura da União Soviética está morrendo. Este é o diagnóstico de Dovlatov e outros escritores cerceados por um regime que busca “capacidade moderada de escrita e não muito talento”.

Milan Maric vive esse escritor consciente de sua condição de fracassado com charme e carisma. Seu personagem representa a integridade artística e é por sua relação idealística, mas também prática com a União Soviética que “Dovlatov” filtra seu discurso. Um filme que reverencia o legado russo com a perspectiva de que a revolução comunista subtraiu mais do que acrescentou a esse legado.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 13 de junho de 2018 Filmes, Notícias | 17:52

Novo filme de Spike Lee ganha título e trailer nacionais

Compartilhe: Twitter
Spike Lee orienta seus atores nos bastidores de "Infiltrado na Klan"

Spike Lee orienta seus atores nos bastidores de “Infiltrado na Klan”

Vencedor do Grande Prêmio do Júri no último Festival de cinema de Cannes, “Blackkklansman” ganhou título e trailer nacionais. O mais novo e aclamado filme de Spike Lee vai se chamar “Infiltrado na Klan” em terra brasilis. A previsão de estreia é para o mês de novembro e a distribuição será da Universal Pictures. Nos EUA, o filme será lançado em agosto.

No início dos anos 1970, em um tempo de grande agitação social e luta por direitos civis, Ron Stallworth (John David Washington) torna-se o primeiro detetive afro-americano na Policia de Colorado Springs. Sua chegada, no entanto, é recebida com ceticismo e hostilidade pelo próprio departamento. Destemido, Stallworth decide fazer a diferença por si mesmo e corajosamente se inclui em uma missão perigosa: se infiltrar na Ku Kux Klan.

Colocando-se como um extremo racista em prol de uma América Branca, Stallworth contata a organização e logo se vê convidado a entrar para o círculo de encontros da Klan. Com a investigação correndo em sigilo, o colega de Stallworth, Flip Zimmerman (Adam Driver) se posiciona como Ron nas reuniões presenciais do grupo de ódio. Juntos, os oficiais decidem derrubar a organização ao terem acesso a informações privilegiadas de uma trama mortal.

Além de John David Washington e Adam Driver, os atores Topher Grace, Corey Hawkins, Laura Harrier, Ryan Eggold, Jaspar Pääkkönen e Ashlie Atkinson completam o elenco.

 

Autor: Tags: , ,

domingo, 27 de maio de 2018 Críticas, Filmes | 15:33

“Todo o Dinheiro do Mundo” é um sutil filme sobre misoginia

Compartilhe: Twitter
Christopher Plummer em cena de Todo o Dinheiro do Mundo

Christopher Plummer em cena de Todo o Dinheiro do Mundo

A história do sequestro do neto do magnata bilionário Jean Paul Getty, “o homem mais rico da história do mundo” é daquelas que mimetizam toda a complexidade, histeria e absurdo da humanidade. É um imã natural para um cineasta com pulso para boas histórias. “Todo o Dinheiro do Mundo”, no entanto, não é um thriller sobre esse sequestro hipermidiático ou uma drama cáustico sobre seus bastidores, mas um drama algo seco e distante sobre misoginia e a mentalidade de quem só vislumbra abutres do topo.

Leia também: Polêmica salarial em “Todo Dinheiro do Mundo” está deslocada da realidade

“Você precisa entender o que é ser um Getty”, diz Gail Harris (Michelle Williams) ao negociador e consultor paramilitar Fletcher Chase (Mark Wahlberg), contratado por seu ex-sogro JP Getty (Christopher Plummer) para liderar os esforços para resgatar John Paul Getty III (Charlie Plummer), sequestrado em Roma em 1973. Os sequestradores exigiram US$ 17 milhões. Getty negou-se a pagar.

Ridley Scott fez um sutil filme sobre misoginia e pouca gente percebeu isso

Ridley Scott fez um sutil filme sobre misoginia e pouca gente percebeu isso

A situação esdrúxula por si só já é um foco de interesse. Mas o roteiro de David Scarpa, baseado no livro de John Pearson, se interessa mais pelo cabo de força entre Gail e Getty. É um duelo nas sombras, nos atritos silenciosos. Justamente por isso o flashback que mostra o divórcio de Gail do filho de JP Getty é tão importante para a correta compreensão do que é e do que pretende o filme de Ridley Scott.

Getty não admite que uma mulher o encurrale ao ponto dele não saber como controlar uma situação e ficar à mercê dos fatos. A psicologia desse confronto ruidoso é abalada pelo sequestro do neto, a quem Getty tem em grande estima, só não o suficiente para excluir do campo de batalha contra Gail. Essa é, pelo menos, a leitura dos fatos da realização e é uma leitura entusiasmante do ponto de vista da arte e da elaboração histórica.

Plummer x Spacey

Christopher Plummer era a primeira opção de Scott para viver Getty. Seu Getty parece pouco lapidado e isso serve ao registro. Indicado ao Oscar pelo papel, o ator dá gravidade e obtusidade a essa figura poderosa e controversa. Mas talvez Spacey, especialmente no momento histórico de sua carreira, fosse uma personificação melhor e mais eficiente de Getty. De todo modo, o filme ficará famoso para todo o sempre pela troca dos atores às vésperas do lançamento.

Filme se resinifica na comparação com "Chamas da Vingança"

Filme se resinifica na comparação com “Chamas da Vingança”

O que é um tanto injusto, já que o filme dispõe de bons predicados. Dos atores – Michelle Williams e o francês Roman Duris merecem menção especial – à comparação com o “filme de sequestro” do irmão de Ridley, Tony Scott. “Chamas da Vingança” (2004), que tem Denzel Washington como um segurança capaz de tudo para resgatar uma criança, faz um par notável com “Todo o Dinheiro do Mundo”.  Os filmes dialogam em muitos níveis, especialmente por serem operas estilísticas de seus diretores.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 23 de maio de 2018 Críticas, Filmes | 10:10

Eli Roth não foge do convencional no novo “Desejo de Matar”

Compartilhe: Twitter
Bruce Willis em cena de "Desejo de Matar"

Bruce Willis em cena de “Desejo de Matar”

Cria de Quentin Tarantino, Eli Roth rapidamente construiu uma fama bastante particular com filmes como “O Albergue” (2005), “Canibais” (2013) e “Bata Antes de Entrar” (2015). Violência e humor raramente rimam tão bem no cinema como em rimam em seus filmes. Nesse sentido, sua escolha para dirigir a refilmagem de “Desejo de Matar” parecia não só acertada, como providencial. Não que o filme seja decepcionante, mas é um Roth contido e jogando o jogo da indústria que surge na fita protagonizada por Bruce Willis.

O filme ainda tem Joe Carnahan, o homem por trás do violento “Narc” (2002), creditado como roteirista. Não obstante, a estreia programada para novembro de 2017 foi adiada para este ano após um atirador matar 58 e deixar dezenas de feridos em Las Vegas em outubro do ano passado. O “Desejo de Matar” que chega aos cinemas, porém, não poderia ser mais convencional. Há até uma tentativa de problematizar o vigilantismo, mas ela não chega a ganhar corpo e profundidade e serve apenas como pano de fundo para a escalada de violência ao qual o personagem de Willis se joga.

Bruce Willis faz o médico Paul Kersey que depois que sua mulher é assassinada por ladrões desastrados e violentos, e sua filha fica em coma no hospital, decide fazer justiça com as próprias mãos, já que a fé no trabalho policial fica abalada com a demora em surgirem resultados. Willis se diverte, como geralmente faz nesses filmes de ação em que a premissa é um mero detalhe. Fãs do ator e do original vão curtir a brincadeira.

Autor: Tags: , , ,

Filmes, Notícias | 10:00

Lucas Hedges pode ter hat-trick no Oscar com “Boy Erased”

Compartilhe: Twitter
Lucas Hedges em cena de "Boy Erased"

Lucas Hedges em cena de “Boy Erased”

Não é fácil emplacar filmes no Oscar. Muito menos de maneira consecutiva. Especialmente quando se tem 21 anos. A queridinha Jennifer Lawrence chegou perto de conseguir quando tinha essa faixa-etária, mas não conseguiu. Ainda sem ser astro, mas já festejado nos círculos da crítica e da indústria, o nova-iorquino Lucas Hedges pode conseguir esse feito em 2019 se “Boy Erased” entrar na disputa.

Hedges ajudou a fazer de “Manchester à Beira-Mar” um dos grandes filmes do Oscar 2017 -e foi inclusive indicado ao Oscar de ator coadjuvante – e esteve em dois dos indicados a Melhor Filme em 2018: “Lady Bird” e “Três Anúncios para um Crime”. Agora, ele é o protagonista da nova incursão de Joel Edgerton atrás das câmeras.

Em “Boy Erased”, adaptado do livro homônimo de Garrad Conlay, ele vive um jovem de 19 anos que se assume gay e é obrigado pelo pai, um pastor batista, a fazer uma terapia de conversão sexual. Russel Crowe e Nicole Kidman vivem os pais e Joel Edgerton surge como coadjuvante no papel do terapeuta. O cineasta canadense Xavier Dolan, notório por seus filmes com temática LGBTQ, também atua no filme.

Edgerton, que foi muito elogiado por sua estreia na direção em “O Presente” (2015) deve exibir o filme no festival de Toronto, principal plataforma para os filmes aspirantes ao Oscar.

Russell Crowe e Nicole Kidman integram elenco do filme

Russell Crowe e Nicole Kidman integram elenco do filme

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 22 de maio de 2018 Críticas, Filmes | 19:26

“Os Fantasmas de Ismael” versa sobre a continuidade cruel do abandono

Compartilhe: Twitter

Arnaud Desplechin e Mathieu Amalric vivem uma história de amor no cinema. O diretor tem em Amalric mais do que um parceiro, um catalisador para seus anseios e digressões sobre a vida e a arte. “Os Fantasmas de Ismael” dá sequência à colaboração que apresentou obras como “Reis e Rainhas” (2004), “Um Conto de Natal” (2008), “Terapia Intensiva” (2013) e “Três Lembranças da Minha Juventude” (2015).

Mathieu Amalric em cena de "Os Fantasmas de Ismael"

Mathieu Amalric em cena de “Os Fantasmas de Ismael”

Amalric aqui vive o diretor de cinema Ismael Vuillard que está fazendo um filme inspirado pela vida de seu irmão. Ele vive uma relação com Sylvia (Charlotte Gainsbourg) que parece serena e bem desenvolvida, mas ainda se ressente do sumiço da mulher Carlotta (Marion Cotillard), que desapareceu há 20 anos e foi dada como morta em algum momento.  Acossado na condição de viúvo, Ismael tem uma relação parental com o pai de Carlotta, que também sofre a ausência da filha.

Os ânimos, no entanto, se exaltam quando ela reaparece disposta a reconquistar Ismael, que se flagra em crise existencial profunda. A chegada de Carlotta detona, ainda, crises em seu filme e na relação com Sylvia.

“Os Fantasmas de Ismael” trata de abandonos. Da crueldade e da continuidade deles. O retorno de Carlotta pode ser interpretado literalmente, como a desestruturação emocional que enseja na vida de Ismael, ou simbolicamente, como o desarranjo psicológico insanável que a morte sem corpo deixou.

Marion Cotillard dança em uma das mais lindas cenas do filme

Marion Cotillard dança em uma das mais lindas cenas do filme

O filme de Desplechin, embora conte com momentos de pura eletricidade, é filmado com contrariedade e equívocos aqui e acolá. O “filme dentro do filme” surge dispersivo demais e não se justifica dentro do contexto narrativo espichado pelo cineasta.

Leia também: “Antes que eu me Esqueça” lança olhar tenro sobre como lidamos com a velhice

O trio de protagonistas, no entanto, é de um esmero notável e jamais abandona a essência da dramaturgia pretendida por Desplechin. Ainda que não alcance os dividendos possíveis, “Os Fantasmas de Ismael” tem uma cena formidável em sua singeleza. Quando Marion Cotillard dança ao som de Bob Dylan, o espectador rapidamente entende a razão de tamanha desorientação do protagonista.

Autor: Tags: , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última