Publicidade

Arquivo do Autor

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015 Filmes, Notícias | 12:59

Melhores curtas brasileiros de 2015 ganham retrospectiva na Vila Madalena (SP)

Compartilhe: Twitter

Para celebrar o que de melhor foi exibido em 2015 em matéria de curtas-metragens brasileiros, o crítico de cinema e curador do festival Cine Vitrine Independente, Christian Petermann, e a produtora Mega Cultural armam exibição gratuita de seis filmes no Epicentro Cultural (Vila Madalena). O evento acontece no dia 11 de dezembro, a partir das 19h. A noite será embalada por uma seleção especial de trilhas sonoras de clássicos do cinema, e um bar estará à disposição com bebidas e comidinhas.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

“Esses curtas apontam para uma diversidade estética e narrativa que muito caracteriza o audiovisual brasileiro”, opina Petermann que já escreveu para Folha de São Paulo e revista SET.

Os filmes que compõe o evento são os seguintes:

“Até a China”, de Marcelo Marão. XIX Festival Cine-PE (Prêmios: Melhor Roteiro, Melhor Filme pelo Júri Popular e Melhor Filme pelo Júri Oficial). 23º Festival Internacional de Animação Anima Mundi (Prêmios: Melhor Filme Brasileiro RJ + SP e Prêmio BNDES).

“Corço”, de Rafael Vascon. Premiado no III Recifest – Festival de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero, prêmio ABD/Apeci . Realização em parceria com a AIC (Academia Internacional de Cinema).

“Cordilheira de Amora II”, de Jamille Fortunato. Prêmios do Júri Popular e na categoria Documentário na Mostra Audiovisual de Dourados em 2015; Melhor Documentário em Curta e Prêmio ABD-SP no É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários em 2015.

“Tarântula”, de Aly Muritiba e Marja Calafange. Prêmio – Melhor Roteiro, Melhor Ficção e Melhor som no 13º Curta Santos; Melhor Direção de Arte no 48º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e no 22º Festival de Vitória; 25º Curta Cinema, Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – Prêmio Especial do Júri; exibição nos festivais de Veneza e Biarritz.

“Virgindade”, de Chico Lacerda. Premiado no III Recifest – Festival de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero, melhor filme da mostra competitiva pernambucana segundo o júri oficial. Realização do coletivo Surto & Deslumbramento.

Cine Vitrine Independente é um festival semestral com mostra competitiva de curtas e médias-metragens que está em processo de reformulação para retornar às atividades regulares em 2016. Para manter a tradição, este será um formato compacto do evento.

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 1 de dezembro de 2015 Filmes, Notícias | 17:54

Mad Max ganha força na corrida pelo Oscar com prêmio da National Board of Review

Compartilhe: Twitter
Stallone foi eleito o melhor ator coadjuvante do ano pelo National Board of Review

Stallone foi eleito o melhor ator coadjuvante do ano pelo National Board of Review

A National Board of Review (NBR), mais antiga e prestigiada associação de críticos dos EUA, soltou agora há pouco sua lista de melhores filmes de 2015 e destacou “Mad Max: Estrada da Fúria” como o melhor filme de 2015. Mas não foi só. O cinema mainstream como um todo foi muito bem agraciado pela lista da NBR. “Perdido em Marte”, de Ridley Scott faturou os prêmios de direção, roteiro adaptado e ator para Matt Damon.

Outros filmes bem laureados foram “Os Oito Odiados”, de Quentin Tarantino, que faturou os prêmios de roteiro original e atriz coadjuvante (Jennifer Jason Leigh), e “O Quarto de Jack”, com troféus de atriz (Brie Larson) e performance revelação para Jacob Tremblay. A grande sensação da lista, no entanto, foi a vitória de Sylvester Stallone como melhor ator coadjuvante por “Creed”.

O melhor documentário foi “Amy” e o melhor filme estrangeiro foi o húngaro “Son of Saul”. O prêmio de melhor elenco ficou com “A Grande Aposta”, que reúne figuras como Christian Bale, Ryan Gosling, Brad Pitt e Steve Carrel. Já o troféu de melhor animação ficou com “Divertida Mente”.

A presidente da NBR, Annie Schulhof, reconheceu que foi um ano “triunfante” para o cinema comercial e se disse orgulhosa de premiar dois ícones do cinema blockbuster como Ridley Scott e George Miller.

Para o Brasil, a boa notícia é que “Que Horas Ela Volta?”, indicado oficial do País para tentar uma vaga no Oscar, entrou para o top five da organização de melhores filmes estrangeiros, o que sinaliza que o filme é um dos mais bem posicionados na disputa por uma vaga no Oscar. Apenas o austríaco “Goodnight Mommy”, dos que tentam vaga no Oscar, também entrou na lista.

Cena de "Que Horas ele Volta?": primeiro destaque importante na corrida por vaga no Oscar

Cena de “Que Horas ele Volta?”: primeiro destaque importante na corrida por vaga no Oscar

Autor: Tags: , ,

Críticas, Filmes | 13:26

Shyamalan fala de traumas que curam no surpreendente “A Visita”

Compartilhe: Twitter
(Foto: A Visita")

(Foto: A Visita”)

M. Night Shyamalan não fazia um bom filme desde “A Vila” (2004). Para alguém comparado a Hitchcock em seu segundo filme (“O Sexto Sentido”) e tomado por Hollywood como um prodígio, tratava-se de uma situação angustiante. “A Visita”, que Shyamalan rodou de maneira independente, portanto, mais do que paz, lhe devolve a confiança. Em si mesmo e a de Hollywood.

Formalmente simplista e esteticamente arejado, “A Visita” reúne o melhor do cinema de Shyamalan. Estão ali a construção elaborada do medo e a desconstrução gradativa da expectativa. O trabalho com crianças, o drama familiar e um mistério a nortear à narrativa.

O grande mérito de Shyamalan em “A Visita”, no entanto, não está na articulação do mistério, efetivamente surpreendente e nauseantemente verossímil, ou na bem ajambrada construção visual do filme – todo estruturado nas imagens captadas pelas câmaras das duas crianças que visitam os avós -, mas na potência do drama familiar que fomenta.

Todo o suspense serve ao drama familiar, cujo sentido pleno só se contextualiza para a audiência no fim da projeção. Opção narrativa esta que transfigura “A Visita” em um filme muito mais significativo e impactante do que uma mera fita de terror objetiva ser.

Becca (Olivia DeJonge) e Tyler (Ed Oxenbould) vão visitar os avós, que não conhecem, para permitir que a mãe tenha um tempo para ela mesma e para curtir o namorado. A mãe e os meninos foram abandonados pelo pai, o mesmo sujeito que fez a mãe deles abandonar os pais dela. Becca decide fazer um documentário sobre essa visita e espera que a iniciativa possa servir como catalisadora para curar as feridas que todos os envolvidos nesse drama familiar ostentam.

A opção pelo found footage oxigena o cinema de Shyamalan, que surge mais econômico. O humor é outro ponto alto da fita e o jovem Ed Oxenbould, cujo personagem tem aspirações no universo rap, responde pelos melhores, e também surpreendentes, momentos da fita.

É Tyler quem percebe que há algo de errado com seus avós, o que Becca credita apenas a velhice. Shyamalan brinca com as percepções possíveis diante do quadro que apresenta; sempre filtrado pelas lentes de Becca. Trata-se de um exercício de linguagem interessantíssimo, em que a mise-em-scène vai ganhando camadas a partir das imagens brutas de Becca.

O que não quer dizer que Shyamalan renuncie a sua característica pretensão. Mas há mais poesia nela em “A Visita”. De certa forma, ele pede perdão pelos equívocos do passado e intui que o público o perdoara com este bom filme. Pretensioso, mas não deixa de ser verdadeiro também. É bom ver Shyamalan de volta!

Autor: Tags: , ,

Filmes, Notícias | 13:03

Confira trailer e cartaz nacionais de “Zoolander 2”

Compartilhe: Twitter

A Paramount divulga o trailer oficial para o Brasil de “Zoolander 2” e o cartaz nacional do filme, que tem estreia prevista para 3 de março de 2016. O filme é dirigido e estrelado por Ben Stiller que, depois de 15 anos da estreia do primeiro, retorna como o modelo Derek Zoolander. Também será possível ver novamente Owen Wilson no papel de Hansel e Will Ferrell como Mugatu. O elenco ainda inclui nomes como Penélope Cruz, Kristen Wiig, Benedict Cumberbatch e Justin Bieber.

Zoolander 2

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 27 de novembro de 2015 Filmes, Listas | 18:23

Cahiers du Cinéma e Sight & Sound divulgam listas de melhores filmes de 2015

Compartilhe: Twitter

Duas das mais respeitadas revistas de cinema do mundo divulgaram nesta sexta-feira (27) suas listas de melhores produções do ano. Para a francesa Cahiers du Cinéma, “Mia Madre”, de Nanni Moretti, foi o melhor filme de 2015. Já a inglesa Sight & Sound elegeu “A Assassina”, de Hsiao-Hsien Hou, a melhor produção do ano. Ambas as fitas debutaram no festival de Cannes em maio e ainda não estrearam no Brasil.

Como era de se esperar de publicações que pensam o cinema como arte, há a predominância de grandes autores na lista. Há mais americanos na lista da Sight & Sound, que elaborou um ranking com 20 filmes e os europeus imperam na lista da Cahiers du Cinéma. George Miller, com “Mad Max: Estrada da Fúria”, e Paul Thomas Anderson, com “Vício Inerente”, conseguiram entrar nas duas listas.

Cena do italiano "Mia Madre"

Cena do italiano “Mia Madre”

Lista da Cahiers du Cinéma
1. Mia Madre (Nanni Moretti)
2. Cemitério de Esplendor (Apichatpong Weerasethakul)
3. In the Shadow of Women (Philippe Garrel)
4. O Cheiro da Gente (Larry Clark)
5. Mad Max: Estrada da Fúria (George Miller)
6. Jauja (Lisandro Alonso)
7. Vício Inerente (Paul Thomas Anderson)
8. As Mil e Uma Noites (Miguel Gomes)
9. The Summer of Sangaile (Alante Kavaite)
10. Para o Outro Lado (Kiyoshi Kurosawa)

O épico de ação de George Miller, "Estrada da Fúria", emplacou nas duas listas

O épico de ação de George Miller, “Estrada da Fúria”, emplacou nas duas listas

Lista da Sight & Sound
1. A Assassina (Hsiao-hsien Hou)
2. Carol (Todd Haynes)
3. Mad Max: Estrada da Fúria (George Miller)
4. As Mil e Uma Noites (Miguel Gomes)
5. Cemitério de Esplendor (Apichatpong Weerasethakul)
6. No Home Movie (Chantal Akerman)
7. 45 Anos (Andrew Haigh)
8. O Filho de Saul (László Nemes)
9. Amy (Asif Kapadia)
9. Vício Inerente (Paul Thomas Anderson)
11. Anomalisa (Charlie Kaufman e Duke Johnson)
11. Corrente do Mal (David Robert Mitchell)
13. Phoenix (Christian Petzold)
14. Garotas (Céline Sciamma)
14. Hard to Be a God (Aleksei German)
14. Divertida Mente (Pete Docter)
14. Tangerina (Sean Baker)
14. Taxi Teerã (Jafar Pahani)
19. Cavalo Dinheiro (Pedro Costa)
19. The Look of Silence (Joshua Oppenheimer)

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 25 de novembro de 2015 Curiosidades, Notícias | 18:35

Suspense “O Presente” ganha divertido jogo interativo online

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

O thriller “O Presente”, que marca a estreia na direção do ator australiano Joel Edgerton (“Aliança do Crime”), chega aos cinemas brasileiros na quinta-feira (3) e no espírito de promover a obra, a PlayArte – que distribui o filme no Brasil – colocou no ar um hotsite com um teste online relacionado ao tema do filme. A ideia é apontar se você mudou muito desde seus tempos de escola e o resultado pode ser bem divertido.

Em “O Presente”, Joel Edgerton interpreta Gordon, um antigo colega de escola que reaparece na vida de Simon (Jason Bateman) trazendo uma sombria revelação do passado. A medida que a esposa de Simon, Robyn (Rebecca Hall) vai conhecendo Gordon, ela começa uma busca pela verdade até descobrir o que realmente aconteceu entre eles.

É possível jogar o game de “O Presente” neste link e conferir o trailer do filme logo abaixo.

Autor: Tags: ,

terça-feira, 24 de novembro de 2015 Curiosidades | 19:50

“O Poderoso chefão” lidera preferência de brasileiros no Pinterest

Compartilhe: Twitter

O tempo passa, o tempo voa e “O Poderoso Chefão”, maior clássicos entre os grandes clássicos do cinema americano, continua numa boa. Pelo menos, é o que revela um levantamento feito pelo Pinterest sobre os filmes mais ‘repinados’ no Brasil nos últimos meses e que o Cineclube teve acesso.

Na lista não há nenhum filme de 2015. Com alguma boa vontade, é possível relacionar a presença de “Star Wars” como um indicativo da ansiedade cada vez maior com a estreia do sétimo filme da saga criada por George Lucas. Mas é boa vontade.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Apesar da presença de sucessos de público como “Um Sonho de Liberdade”, “Diário de uma Paixão” e “Forrest Gump – um contador de histórias”, a lista do Pinterest revela o gosto do brasileiro por filmes mais alternativos como “Vicky Cristina Barcelona”, exemplar de 2008 de Woody Allen, “Chocolate”, uma fábula romântica que combina o afã por chocolates a um Johnny Depp cigano, e “Quero ser Grande”, uma das comédias do início da carreira de Tom Hanks.

Em outra frente, a relação confirma a ascendência dos dois últimos grandes blockbusters do cinema nacional: “Cidade de Deus” e “Tropa de Elite”.

O fato de esses filmes reclamarem protagonismo entre os mais mencionados por brasileiros em uma rede social é uma boa notícia. Por outro lado, a ausência de lançamentos entre os campeões de bilheteria do Pinterest no Brasil demonstra que o brasileiro não está vendo filmes novos o suficiente para emplacá-los entre os hits da plataforma.

Confira a lista completa:

“O Poderoso Chefão”

“Pulp Fiction – tempos de violência”

“Chocolate”

“Um Sonho de Liberdade”

“Grease”

“A Lista de Shindler”

“Diário de uma Paixão”

“Quero ser Grande”

“Tropa de Elite”

“A Menina que Roubava Livros”

“O Amor não tira Férias”

“Star Wars”

“O Clube da Luta”

“Forrest Gump”

“Cidade de Deus”

“Vick Cristina Barcelona”

Autor: Tags: ,

segunda-feira, 23 de novembro de 2015 Análises | 18:52

Com espólios de guerra, “Jogos Vorazes” reina entre franquias teen

Compartilhe: Twitter

Principal estreia do último fim de semana no Brasil e no mundo, “A Esperança – O Final” encerra uma das franquias jovens mais bem sucedidas do cinema.  Baseado na obra de Suzanne Collins, a série gerou quatro filmes no cinema e diferentemente de outras franquias teen como “Crepúsculo” e “Harry Potter” foi ficando mais sombria e politizada a cada filme.

Há muitos paralelos possíveis em “Jogos Vorazes”. Desde o óbvio discurso feminista, com a heroína Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) como principal expoente contra o totalitarismo de um regime essencialmente composto por homens, até a mais sofisticada articulação política de bastidores, que ganha mais relevo nos dois últimos filmes baseados no último volume da obra de Collins.

Mesmo o feminismo precisa ser bem dosado, parece advertir o desfecho de "Jogos Vorazes": todo totalitarismo merece desconfiança (Foto: divulgação)

Mesmo o feminismo precisa ser bem dosado, parece advertir o desfecho de “Jogos Vorazes”: todo totalitarismo merece desconfiança
(Foto: divulgação)

O que mais impressiona na evolução de “Jogos Vorazes” é a maneira como a franquia trabalha a ideia de pão e circo e vai afunilando conceitos essencialmente políticos em uma trama de apelo jovem. O triangulo amoroso entre os personagens de Katniss, Peeta (Josh Hutcherson) e Gale (Liam Hemsworth) desaparece em importância no contexto – ainda que mantenha algum espaço no desenvolvimento da trama.

Com a chegada de personagens como Alma Coin (Julianne Moore) e Plutarch Heavensbee (Philip Seymour Hoffman) a série expandiu seu horizonte político dando mais profundidade ao tema e revestindo os filmes de um aspecto sombrio incomum para franquias tão populares. O grande mérito, no entanto, está no fato de que essa evolução narrativa não afugentou o público alvo. É bem verdade que o material original de Collins é a grande matriz desse bem-aventurado processo, mas a direção de Francis Lawrence – que assumiu a franquia em “Em Chamas” – e o time de roteiristas (Simon Beafoy, Michael Arndt, Peter Craig e Danny Strong) souberam envernizar “Jogos Vorazes” de maneira que a franquia se distinguisse de todos os grandes blockbusters contemporâneos.

Se a construção do mito do Tordo rivaliza com a crescente fragilidade de Katniss ao se perceber um peão na contenda entre a capital e a rebelião, “Jogos Vorazes” expõe toda a movimentação política inerente a grandes movimentos populares e – diferentemente da noção clássica hollywoodiana – revela que uma guerra não se decide no campo de batalha, mas sim na movimentação de bastidor. Não à toa, desde “Em Chamas”, a série se abstém de um clímax de ação e investe em cena anticlimáticas posteriores aos grandes eventos do capítulo.

Trata-se de um recurso narrativo poderoso e que ajuda a cristalizar essa vocação reflexiva da série. Valoriza-se o ensejo da ação e a repercussão dela em detrimento da mera exposição de efeitos especiais. Uma ousadia e tanto para uma série destinada a um público que, em suma, consome cenas de ação por atacado.

Espólios da guerra: duro e trágico, último "Jogos Vorazes" rompe com qualquer ilusão  comum a franquias hollywoodianas (Foto: divulgação)

Espólios da guerra: duro e trágico, último “Jogos Vorazes” rompe com qualquer ilusão comum a franquias hollywoodianas
(Foto: divulgação)

O último capítulo da franquia chega com entonação grave. “Jogos Vorazes: A Esperança – O Final” não foge de suas responsabilidades dramáticas e propõe o final tão apoteótico quanto necessário para a série.

As tragédias pessoais e a perda da inocência – no viés de que não podemos salvar o mundo da maneira que desejamos – reclamam o protagonismo do novo filme e transformam o último filme em um fecho doído, na conjugação esperta que faz de emoção e razão. Um triunfo e tanto para uma franquia que começou no rastro da muito menos laudatória “Crepúsculo”.

Autor: Tags: , ,

sábado, 21 de novembro de 2015 Críticas, Filmes | 09:54

“Como Sobreviver a um Ataque Zumbi” mistura comédia teen e carnificina

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Que os zumbis reinam há algum tempo no coração da cultura pop não é novidade nenhuma, mas fazer uma sátira de filmes zumbis parecia uma ideia fora do lugar depois do sucesso de “Zumbilândia” (2009), que de certa forma pavimentou toda a realidade que testemunhamos em meio ao culto à série “The Walking Dead”.

“Como Sobreviver a um ataque zumbi”, no entanto, não se subscreve como uma simples sátira. O filme de Christopher Landon abarca a sátira, mas brinca com outros preceitos do filme jovem como ritos de amadurecimento e o valor da amizade. Nesse sentido, ainda que “Zumbilândia” seja um paralelo óbvio, o filme também parelha com fitas como “Superbad – É hoje” (2007) e “Anjos da Lei” (2012), promovendo um interessante e bem-vindo mix de influências.

No filme, os amigos Ben (Tye Sheridan), Carter (Logan Miller) e Augie (Joey Morgan), que são escoteiros desde crianças, se veem às voltas com uma invasão zumbi na pequena cidade em que vivem e precisam por em prática alguns de seus conhecimentos de escoteiros para sobreviver. Adicione à bagunça  stripers zumbis, piadas escatológicas, alguma insinuação sexual e bastante nojeira e você vai ter um dos filmes mais divertidos da temporada.

Tye Sheridan, que surgiu para o mundo como o filho de Brad Pitt e Jessica Chastain em “A árvore da vida” segura bem o protagonismo da fita e, depois de mandar bem nos filmes “Lugares Escuros” (2015) e “Amor Bandido” (2012), exibe uma versatilidade que já lhe garante mais pujança do que o rótulo de promessa. Trata-se de um ator em plena faculdade de seu talento.

 

Autor: Tags: ,

segunda-feira, 16 de novembro de 2015 Atrizes, Notícias | 18:30

Bia Gallo é a “the next best thing” do cinema brasileiro

Compartilhe: Twitter
Foto: reprodução/biagallo.com

Foto: reprodução/biagallo.com

Uma das principais atrações de “Condado Macabro”, já em cartaz em algumas cidades do país e que estreia em São Paulo na próxima quinta-feira (19), é Bia Gallo. É o seu primeiro trabalho em um longa-metragem, mas ela já tem experiência com curtas que rodaram festivais mundo afora. Formada em teatro desde os 18 anos, ela já atuou em peças no Brasil e no exterior.

Em “Condado Macabro”, ela faz Lena, uma mulher jovem e muito bem resolvida com sua sexualidade. Ela parte com um grupo de amigos para passar um feriadão no interior e, quem sabe, transar com Théo (Leonardo Miggiorin), o tímido amigo por quem ela tem uma quedinha.

Crítica: “Condado Macabro” é ótima versão brasileira de “O Massacre da Serra Elétrica”

As coisas parecem sair dos trilhos quando um grupo de lunáticos resolve se divertir às custas de Lena e seus amigos.

O que mais impressiona em Bia Gallo não é a beleza ou a desenvoltura com que segura as cenas de sensualidade, ação, humor ou suspense – um prato para lá de cheio para um primeiro longa, mas a presença carismática da atriz em cena. Mesmo sem ser a protagonista formal do filme, rapidamente Lena reclama o centro das atenções e logo a evolução da narrativa se justifica aos olhos do público.

Bia Gallo merece a sua atenção!

A atriz em cena de "Condado Macabro" (Foto: divulgação)

A atriz em cena de “Condado Macabro”
(Foto: divulgação)

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 10
  3. 20
  4. 28
  5. 29
  6. 30
  7. 31
  8. 32
  9. 40
  10. 50
  11. 60
  12. Última