Publicidade

Arquivo da Categoria Atores

quarta-feira, 22 de março de 2017 Atores | 18:59

ONG de Matt Damon se une a marca de cerveja para promover o acesso à água potável no Brasil

Compartilhe: Twitter

Matt Damon

O ator Matt Damon, visto recentemente na superprodução “A Grande Muralha”, por meio de sua ONG Water.org se juntou a Stella Artois para engajar os brasileiros sobre a falta de água potável. A  campanha global Buy a Lady a Drink, que já beneficiou 14 países, chega ao país no Dia Mundial da Água.

“Eu tenho quatro filhas e é muito difícil imaginar elas terem que andar muitas horas todos os dias para pegar água, assim como milhares de mulheres fazem diariamente”, afirma Matt Damon. “Precisamos colocar um ponto final neste caminho. Com a parceria com Stella Artois, estamos convidando consumidores ao redor do mundo a nos ajudar com isso”, completa.

A iniciativa garante que, a cada cálice vendido no país – no valor de R$ 19,90 -, cinco anos de água serão fornecidos às comunidades mapeadas pela ONG. São três cálices lançados em caráter de edição limitada. É possível adquirir um em  www.1calice5anos.com.br.

Autor: Tags: ,

sábado, 4 de março de 2017 Atores, Filmes | 14:00

Wolverine está no inverno de sua vida em “Logan”, diz Hugh Jackman

Compartilhe: Twitter

Coluna participou de bate-papo com Hugh Jackman em São Paulo e ator abriu o coração sobre sua despedida de Wolverine no cinema. “Foi agridoce”

Hugh Jackman vive Wolverine pela última vez em "Logan"

Hugh Jackman vive Wolverine pela última vez em “Logan”

“Para mim, essa é a história definitiva de Logan”, avalia Hugh Jackman em papo com a imprensa brasileira durante estadia em São Paulo para promover sua última incursão como Wolverine no cinema. “Ele está no inverno de sua vida e nós não queríamos fazer uma mera adaptação de HQ, nós queríamos um filme sobre esse homem machucado”.

Leia também: Narrativamente econômico, “Logan” empurra filmes de heróis para o futuro

“Logan”, de fato, conecta a audiência com a alma de Wolverine. Não é à toa, que as HQs dos X-men são citadas mais de uma vez para provocar distanciamento de um universo convencional de super-heróis. O que temos aqui são referências do cinema de autor e no faroeste, o gênero americano por excelência. “Eu sou um grande fã de Clint Eastwood e tinha 19 anos quando assisti ‘Os Imperdoáveis’ e fiquei muito impressionado. É um filme que dimensiona com incrível complexidade as noções de certo e errado”.

Leia também: “Até este filme, não tínhamos chegado ao coração de Wolverine”, diz Hugh Jackman

Em “Logan”, o impacto da violência em um matador calejado é a matéria-prima do filme. Não à toa, Jackman elege o filme de Eastwood, vencedor de quatro Oscars, como a referência primária dessa sua última aparição como o personagem.  “Eu não acho que você possa entender Logan sem entender o que a violência fez com ele”, opina.

Laura é uma jovem Wolverine em "Logan"

Laura é uma jovem Wolverine em “Logan”

Justamente por essa disposição de entender Logan, ao invés de entregar para o público um personagem rascunhado, o filme de James Mangold abraça a violência inerente ao universo do personagem com desimpedimento, mas também com compaixão. Aí surgem as outras referências aventadas por Jackman e que um olhar mais atento compreende por si só.

“O Grande medo de Logan é a intimidade, algo que todos nós podemos nos relacionar. Justamente por isso, cerca-lo da família foi uma excelente escolha narrativa”, explica ao citar “Pequena Miss Sunshine”, como um modelo dramático para o filme. Na produção, Logan, Xavier (Patrick Stewart) e Laura (Dafne Keen), uma criança mutante perseguida por paramilitares, são obrigados a cair na estrada em uma tentativa de fuga cada vez mais improvável.

Jackman espera que o filme seja percebido com o mesmo potencial revolucionário do primeiro X-men lá em 2000. E o ator não está medindo esforços para isso. Além do Brasil e da Alemanha, onde exibiu o filme no festival de Berlim, o australiano está engajado em viagens internacionais para promover o filme. “Eu acho que esse é o filme pelo qual Wolverine será lembrado e eu sei que este é um desejo corajoso”.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017 Atores, Filmes, Notícias | 20:30

Francês Édouard Baer vem ao Brasil promover seu novo filme

Compartilhe: Twitter
 Édouard Baer (Foto: divulgação)

Édouard Baer
(Foto: divulgação)

O ator e apresentador  Édouard Baer vem ao Brasil para apresentar o seu mais novo projeto, “Imprevistos de Uma Noite em Paris”, no qual assina a direção e o roteiro. O francês desembarca nesta quarta-feira (22) no País para prestigiar a premiere da produção que acontece no Reserva Cultural Niterói, no Rio de Janeiro, às 21h30.

Baer já trabalhou em mais de 40 filmes, apresentou 3 vezes o Prêmio César (considerado o Oscar do cinema francês) e 2 vezes o Festival de Cannes. Também escreveu, dirigiu e atuou em seu primeiro projeto como realizador “ La Bostella” e apresentou inúmeros programas de rádio e TV na França.

No longa, o personagem vivido por Édouard Baer tem uma noite para salvar seu teatro, um dos mais prestigiados de Paris. Nesse curto período, ele precisa encontrar um macaco ator, recuperar a confiança da sua equipe, o respeito de seu melhor amigo e provar para a sua jovem e confiante estagiaria que existe uma maneira diferente de resolver os (inúmeros) problemas: dando prioridade ao que você acha mais divertido.

Para completar o elenco, a musa do cinema francês Audrey Tautou (a inesquecível Amélie Poulin) e Sabrina Ouazani (O Passado).

Vale lembrar que o astro australiano Hugh Jackman também está no Brasil promovendo o filme “Logan”. O evento com Baer reunirá convidados da distribuidora do filme no Brasil, a Imovision, mas será aberto ao público. Confira o trailer abaixo o trailer da produção.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017 Atores, Filmes | 19:24

Brasileiro Rodrigo Teixeira vai produzir novo filme de Brad Pitt

Compartilhe: Twitter
O ator Brad Pitt em evento promocional de "Aliados" (Foto: reprodução/The Enquirer)

O ator Brad Pitt em evento promocional de “Aliados”
(Foto: reprodução/The Enquirer)

Brad Pitt vai protagonizar o novo filme produzido pela RT Features, produtora brasileira de Rodrigo Teixeira, responsável por filmes como “A Bruxa”, “O Silêncio do Céu”, “O Abismo Prateado”, entre outros. “Ad Astra” dirigido e co-roteirizado por James Gray (“Amantes” e “A Imigrante”) é uma ficção científica futurista que traz Brad Pitt no papel do engenheiro espacial, e levemente autista, Roy McBride.

Leia mais: Netflix apresenta seu projeto mais ambicioso, filme de guerra estrelado por Brad Pitt
Após 20 anos da partida do seu pai para uma missão sem volta em Netuno, com objetivo de encontrar sinais de extraterrestres, McBride viaja pelo sistema solar para encontrá-lo e tentar descobrir por que sua missão falhou. “Ad Astra”, que significa “para as estrelas” em latim, foi escrito por Gray e Ethan Gross.
A RT Features está no projeto desde o início e financiou a fase de desenvolvimento. A produtora de Brad Pitt, Plan B, também se juntou ao filme como produtora, ao lado da Keep Your Head Productions e Mad River.

A notícia vem em boa hora para Pitt, que recentemente ganhou o noticiário de entretenimento por conta do adiamento da produção da sequência de “Guerra Mundial Z”.

O astro chega aos cinemas brasileiros na próxima semana com o drama de guerra “Aliados”, de Robert Zemeckis.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017 Atores, Filmes | 18:20

Ícone argentino, Ricardo Darin completa 60 anos e ganha maratona na TV paga

Compartilhe: Twitter
Ricardo Darín em cena de "Tese sobre um homicídio"

Ricardo Darín em cena de “Tese sobre um homicídio”

Dia 16 de janeiro, o ícone do cinema argentino, Ricardo Darín, faz aniversário e, para homenageá-lo, o Telecine Cult leva ao ar três produções estreladas por ele em sequência no domingo, 15. No “Especial Darín 60 anos e 3 Filmes”, a partir das 15h30, serão exibidos “Aura”, “Tese Sobre um Homicídio” e “Truman”.

Leia mais: “Relatos Selvagens” obriga público a fazer autoanálise

Em “Aura”, Esteban Espinosa (Ricardo Darín) sofre de epilepsia e sonha em executar o crime perfeito. Ao sair para caçar num bosque, ele acidentalmente mata um homem, que planejava assaltar um carro-forte. Após ler os detalhes do plano, Esteban resolve levar o crime adiante.

Na sequência, às 17h55, vai ai ar “Tese Sobre Um Homicídio”. A vida do advogado Roberto Bermudez (Ricardo Darín) se torna um inferno quando ele começa a investigar um assassinato que teria sido cometido em frente à faculdade por um de seus melhores alunos cometeu.

“Truman” é o último filme do especial e será exibido às 19h55. Tomás (Javier Cámara) mora no Canadá e tira uns dias de férias para viajar à Espanha e encontrar o amigo Julián (Ricardo Darín), que sofre de um câncer terminal. Juntos, eles aproveitam para corrigir erros do passado, desfrutar ao máximo o presente e planejar o que será feito com Truman, o cachorro de estimação, após a partida de Julián.

O ator é um patrimônio não só do cinema argentino, como de toda a cinematografia latina. Menos prolífico atualmente, o ator está creditado em dois lançamentos de 2017. Em “Nieve Negra” divide a cena com Leonardo Sbaraglia, tido por muitos como seu sucessor no ecrã portenho. Já em “La Cordillera” divide a cena com Elena Anaya (“A Pele que Habito”) e Christian Slater (“Mr. Robot”). Este último, uma coprodução entre Espanha e França.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016 Atores | 11:10

As dez melhores atuações masculinas do cinema em 2016

Compartilhe: Twitter

Bryan Cranston (“Trumbo: Lista Negra”)

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Na pele do comunista abastado Dalton Trumbo, Cranston tem sua melhor atuação no cinema. Pode parecer pouco, mas não é. O ator capta brilhantemente a essência do personagem, um tipo debochado e cínico que amarga anos duros de grande provação pela simples razão de defender seus princípios. Uma performance iluminada e mais detalhista do que sugere um olhar superficial.

 

Alden Ehrenreich (“Ave, César!”)

Ave, César!

O novo Han Solo deu um senhor cartão de visitas nessa deliciosa comédia sobre Hollywood dos irmãos Coen. Ele já tinha até trabalhado com Woody Allen em ‘Blue Jasmine”, mas foi como Hobbie Doyle, um decalque de John Wayne, que o ator mostrou porque é um dos nomes mais quentes de Hollywood no momento.

 

John Goodman (“Rua Cloverfield 10”)

10 CLOVERFIELD LANE

É uma injustiça que John Goodman não esteja em todas as listas de melhores atuações do ano por seu trabalho tão rico e complexo em “Rua Cloverfield 10”. Entre a simpatia e a psicopatia, o ator torna compreensível e identificável toda a paranoia em que seu personagem e o microcosmo em que habita se veem mergulhados.

 

Tom Hanks (“Negócio das Arábias”)

Negócio das Arábias

A vida profissional de Tom Hanks é traiçoeira. O ator está sempre tão bem em seus filmes que a crítica costuma negligenciá-lo na hora de eleger as melhores atuações do ano. Em 2016, Hanks resolveu contra-atacar. Prolífero, esteve em três produções. O trabalho em ‘Sully”, mais comercial, é frequentemente mais lembrado, mas sua singela interpretação de um americano tentando fechar um negócio na Arábia Saudita é seu trabalho mais sutil e minimalista em anos. Vale a pena ser descoberto.

 

Hugh Grant (“Florence – Quem é Essa Mulher?”)

Hugh Grant

Ainda que por razões diametralmente opostas às de Tom Hanks, o trabalho de Hugh Grant também costuma ser menosprezado pela crítica. Mas o que ele faz em “Florence”, pequena joia de Stephen Frears, é um grito contra a corrente. O inglês nunca esteve tão contido, tão inteiro nas notas dramáticas e tão sagaz na válvula cômica.

 

Nate Parker (“O Nascimento de uma Nação”)

Nate Parker

Parker, protagonista e diretor do filme, viu as chances de ser um dos senhores da temporada de premiações caírem a zero na esteira do escândalo sexual que remete a uma acusação de estupro cuja vítima suicidou-se. Desgraça esta que não muda em nada o fato de que sua atuação no impactante “O Nascimento de uma Nação” é pura navalha na carne. Do tipo que é impossível manter-se indiferente.

 

Michael Shannon (“Animais Noturnos”)

Animais Noturnos

Como um rígido policial texano sem nada a perder, Michael Shannon cria aquele personagem que é sua característica. Um homem taciturno com ambiguidade moral e envergadura física intimidante. No espetacular filme de Tom Ford ele é o personagem mais humano e, de certa forma, o mais frágil também.

 

Jake Gyllenhaal (“Animais Noturnos”)

Animais Noturnos

Dar vida a dois personagens extremamente diferentes, mas com algumas similaridades que servem justamente ao principal eixo dramático do filme é um desafio para qualquer ator. Não é a primeira vez que Gyllenhaal vive dois personagens em um mesmo filme e talvez a falta de ineditismo o ajude, mas fato é que em “Animais Noturnos” seu desempenho irrepreensível nos atordoa com a questão: Como esse cara ainda não tem um Oscar na estante?

 

Jacob Tremblay (“O Quarto de Jack”)

O Quarto de Jack

Quando filmou a produção, Tremblay tinha sete anos. Não precisaria nem desse dado para nosso queixo cair, mas ele reconfigura toda a nossa percepção do trabalho cheio de miudezas e camadas do ator em “O Quarto de Jack”. Aqui se tem a prova definitiva de que o trabalho de ator mirim pode se beneficiar muito de um bom diretor, mas que merece respeito. Tremblay, soberbo, joga todo e qualquer eufemismo pela janela apenas com seus olhares e gestos.

 

Vicent Lindon (“O Valor de um Homem”)

O Valor de um homem

O minimalismo da atuação de Lindon tem tudo a ver com as circunstâncias de seu personagem em “O Valor de um Homem”. Um sujeito à procura de um emprego que se ressente do funcionamento do sistema para logo em seguida se inserir dentro desse sistema. As angústias e conflitos do personagem são abordadas física e emocionalmente por Lindon com uma destreza que espanta. Uma atuação simplesmente formidável.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016 Atores, Filmes, Notícias | 09:00

Keanu Reeves volta a encarnar advogado no suspense “Versões de um Crime”

Compartilhe: Twitter
Keanu Reeves em cena do filme "Versões de um Crime" Foto: divulgação

Keanu Reeves em cena do filme “Versões de um Crime”
Foto: divulgação

Um dos primeiros grandes papeis de Keanu Reeves no cinema foi em “Advogado do Diabo” (1997). O ator já fazia filmes antes, mas o filme de Taylor Hackford lhe ofertou um papel de grandes reminiscências dramáticas. Ali ele encarnava um advogado promissor que se depara com uma série de conflitos éticos e morais. Em “Versões de um Crime”, que a PlayArte lança nos cinemas brasileiros em 9 de março, ele volta a viver um advogado, mas sem as tentações experimentadas em “Advogado do Diabo”.

Cinco spin-offs que gostaríamos de ver na franquia “Star Wars”

Aqui Keanu Reeves dá vida a um defensor público que precisa defender um jovem que confessou ter matado o próprio pai. Detalhe: o garoto não só não demonstra arrependimento como parece pouco disposto a colaborar na própria defesa. O bom elenco reunido pela diretora Courtney Hunt (“Rio Congelado”) conta com Gugu Mbatha-Raw, Renée Zellweger e Jim Belushi.

O ator libanês  afastou-se do estrelato e focou em papeis menores nos últimos anos. “De Volta ao Jogo”, “Bata Antes de Entrar” e “Demônio de Neon” atestam essa vocação mais light do ator, que em 2017 estreia a aguardada sequência de “De Volta ao Jogo”, “John Wick: Um Novo Dia Para Matar”.

 

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 14 de setembro de 2016 Atores, Filmes | 05:30

Gérard Depardieu vem ao Brasil para divulgar o drama “O Vale do Amor”

Compartilhe: Twitter

O polêmico e talentoso ator Gérard Depardieu virá ao Brasil para o lançamento nacional do filme “O Vale do Amor”. Será a primeira vez do francês no Brasil em 30 anos. Ele desembarca em 18 de setembro

Gérard Depardieu e Isabelle Huppert em cena de "O Vale do Amor" (Foto: divulgação)

Gérard Depardieu e Isabelle Huppert em cena de “O Vale do Amor”
(Foto: divulgação)

Por muito tempo Gérard Depardieu foi o rosto mais famoso do cinema francês. Surgiram Marion Cotillard, Vincent Cassel, entre outros, mas o astro francês continua exercendo um charme especial que os cariocas poderão conferir de muito perto no dia 18 de setembro. Isso porque Depardieu desembarca na cidade para prestigiar a premiere nacional de “O Vale do Amor”, filme que integrou a Semana da Crítica do Festival de Cannes 2015, e tem estreia agendada para 29 de setembro no País.

Leia mais: Verão americano de 2016 sugere ajuste de rota para estúdios de Hollywood

“O Vale do Amor” relata a historia de Isabelle, interpretada pela atriz Isabelle Huppert, e Gerard, interpretado por Gérard Depardieu, que perderam seu filho seis meses antes de os conhecermos.  Antes de morrer, ele deixa uma carta aos pais pedindo que vão ao seu encontro no “Vale da Morte”, na Califórnia. Os dois já estão separados e não se falam há mais de 35 anos, e, apesar do absurdo da situação, eles decidem cumprir o último desejo do filho.

Cinema: Diretor de “Aquarius” diz que decisão política tirou o filme do Oscar

Os atores lançando o filme em Cannes em 2015 (Foto: divulgação/Cannes)

Os atores lançando o filme em Cannes em 2015
(Foto: divulgação/Cannes)

De origem francesa e naturalizado russo, com mais de 140 filmes em seu currículo, o consagrado francês é um dos fortes nomes do cinema mundial, estreou no cinema ainda adolescente, com o curta-metragem “Le Beatnik et le Minet” (1965). Depois de atuar em pequenos papéis, popularizou-se com os filmes:  “Os Corações Loucos” (1974), “Cyrano” (1990) e “O Último Metrô” (1980) onde foi dirigido por ninguém menos que François Truffaut e contracenou com a atriz Catherine Deneuve. Por este filme ganhou seu primeiro César (o Oscar francês) de melhor ator. Além de hoje ser dono de um dos maiores títulos franceses, que é o de “Chevalier du Legion d´Honneur” (Cavaleiro da Legião da Honra), o astro é bastante reconhecido nos EUA, onde estrelou filmes como “Bem-vindo a Nova York” (2014), “Missão Babilônia” (2008) e “O Homem da Máscara de Ferro” (1998).

Nos anos 80 e 90, Depardieu se estabeleceu como um dos maiores atores de todo o mundo. Participando de filmes importantes com direção dos maiores e mais importantes diretores da época: Bernardo Bertolucci, André Téchiné, Bertrand Blier e François Truffaut.

Também é presença constante em grandes produções, como nos filme da franquia francesa “Asterix e Obelix”. Mais recentemente, o público pôde acompanhar Gérard Depardieu  na série da Netflix “Marseille”, uma versão francesa da badalada “House of Cards”.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 6 de julho de 2016 Atores, Curiosidades | 07:00

Ícones do cinema de ação, Stallone, Diesel, Statham, Ford e Schwarzenegger fazem aniversário em julho

Compartilhe: Twitter
Stallone em uma de suas cenas mais memoráveis: ator chega aos 70 anos no melhor momento da carreira (Fotos: divulgação)

Stallone em uma de suas cenas mais memoráveis: ator chega aos 70 anos no melhor momento da carreira
(Fotos: divulgação)

Nesta quarta-feira (6), um dos maiores ícones do cinema de ação completa 70 anos de idade. Estamos falando, é claro, de Sylvester Stallone. O ator americano, que voltou aos holofotes no início do ano ao ganhar o Globo de Ouro e concorrer ao Oscar por interpretar o icônico Rocky Balboa em “Creed: Nascido para Lutar”, chega aos 70 anos com muita saúde e disposição. Além de estar plenamente ativo em Hollywood. Ele está creditado em quatro filmes que serão lançados até o fim de 2017, entre eles a aguardada sequência de “Guardiões da Galáxia”.

O mais curioso desse mês de julho é que ele reúne entre seus aniversariantes estrelados, muita testosterona. Além de Stallone, outros ícones do cinema de ação sopram velinhas no mês. São eles Harrison Ford, que completa 74 anos no próximo dia 13; Vin Diesel, que no dia 18 faz 49 anos; Jason Statham, que também chega aos 49 anos no dia 26; e Arnold Schwarzenegger. O gigante austríaco, ex-governador da Califórnia e eterno exterminador do futuro completa 69 anos no dia 30.

Stallone, Statham e Schwarzenegger em cena de "Os Mercenários": todos sopram velinhas em julho

Stallone, Statham e Schwarzenegger em cena de “Os Mercenários”: todos sopram velinhas em julho

Caprichos do destino ou não, julho pode ser percebido como o mês da ação no cinema e o canal Megapix teve esse estalo e programou a exibição de filmes estrelados por esses astros para os dias de seus aniversários. A brincadeira começa nesta quinta-feira (6) com “Rocky IV”, que será exibido às 11h25. No dia 13, o canal exibe “Indiana Jones e a Última Cruzada” às 10h55. O super badalado “Velozes e Furiosos” é a escolha para homenagear Vin Diesel no dia 18 às 12h10. O inglês Statham é celebrado com “Corrida Mortal” às 12h05 no dia 26. A maratona de homenagens se encerra com “O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas” às 14h30 do dia 30.

Como Sylvester Stallone chega à empoderada marca dos 70 anos, vale a pena estender as comemorações com os filmes disponíveis no Telecine Play.  Além de todos os filmes da franquia eternizada pelo astro, “Rocky – Um Lutador”, “Rocky II – A Revanche”,” Rocky III – O Desafio Supremo”, “Rocky IV” , “Rocky V” e “Rocky Balboa”, estão disponíveis na plataforma online outros títulos de seu extenso currículo como “Os Mercenários 3”, “Rota de Fuga” – em que divide a cena com Schwarzenegger, “Daylight” e “Oscar – Minha Filha Quer Casar”.

Celebrar algumas das figuras mais icônicas do cinema de ação no mês de julho parece um ritual necessário para quem curte o gênero. Não vai faltar adrenalina!

Autor: Tags: , , , , , , ,

sábado, 25 de junho de 2016 Atores, Filmes | 17:14

“Acho que a mudança climática é a grande ameaça que pode unir a humanidade”, diz Bill Pullman no Brasil

Compartilhe: Twitter
Foto: AgNews

Foto: AgNews

“Eu acho que a mudança climática é a grande ameaça que pode unir a humanidade”, disse ao iG o ator Bill Pullman em entrevista realizada durante sua passagem por São Paulo para divulgar “Independence Day: O Ressurgimento”. A coluna quis saber do ator, que volta a viver o presidente Whitmore, agora ex-presidente e marcado por sequelas emocionais e psicológicas do primeiro confronto contra os aliens, o que precisaria acontecer para unir a humanidade.

Isso porque em “Independence Day: O Ressurgimento” há paz e colaboração plena entre as nações e há, ainda, a sugestão de inexistência de ameaças terroristas como as que nos deparamos na vida real. “Eu não tinha parado para pensar sobre como os medos dos anos 90 evoluíram e são diferentes dos de hoje. O primeiro filme veio um pouco depois do fim da Guerra Fria e hoje me parece que não podemos parar de pensar na mudança climática. Não podemos nos dar ao luxo de ignorar essa questão”, observa Pullman. “Está acontecendo”.

Leia também: Bill Pullman sobre excesso de CGI no novo “Independence Day”: “Parece Teatro”

“Não deixa de ser irônico que a Grã-Bretanha esteja votando para se separar da União Europeia”, continua o ator. A entrevista foi realizada na quinta-feira (23), dia em que os britânicos foram às urnas para decidir se permaneciam ou não no bloco econômico. “Se você olhar por este contexto, da necessidade de colaboração entre as nações, é muito interessante que a sequência do filme esteja chegando neste momento”.

Pullman explicou à coluna que não vê o terrorismo como o elemento possível de unir nações porque o medo chega a níveis tão exasperados que faz com que pessoas, ou nações, tomem medidas extremas contra outras. “É algo novo para a gente e que está acontecendo com uma frequência assustadora”, observa em referência a recentes casos na França e nos EUA. “O sentimento de tentar diminui-lo (terrorismo) é bom, mas acho que devemos tentar gerenciar nosso medo e não nos deixar guiar por ele, o que resultaria em diminuição da nossa liberdade. Eu não acho que o terrorismo seja algo que vá nos unir ou que vá nos levar ao nosso fim”.

Pullman em cena do novo "Independence Day": um ator sensível que faz muito bem o tipo durão... (Foto: divulgação)

Pullman em cena do novo “Independence Day”: um ator sensível que faz muito bem o tipo durão…
(Foto: divulgação)

Relutância

Falando sobre Obama, mas de certa forma também sobre os candidatos à presidência dos EUA, Pullman o descreveu como “um líder relutante”. “Eu acho que ele não gosta de exagerar em relação às circunstâncias. Por isso, talvez, tenha tido um primeiro mandato percebido como pouco produtivo. Ele é um líder relutante. Eu acho que isso é algo que deve ser admirado. Não necessariamente devemos votar em um candidato que se apresenta como solução para tudo”, diz sem citar Donald Trump explicitamente.

Crítica: Novo “Independence Day” remete a “Star Wars” e não decepciona fãs do original

Por falar em presidência, seu personagem volta a ter grandes momentos em “Independence Day: O Ressurgimento”. Há, inclusive, uma cena em que Whitmore volta a discursar. Mas por pouco essa cena não acontece.  “Foi interessante como isso evoluiu”, confessa Pullman entre risos quando ouve do colunista que o público estaria ansioso pela “cena do discurso de Bill Pullman”. “Quando me encontrei com Roland e os escritores, Roland não queria se repetir. ‘Não seria legal provocar o público com a possibilidade de ter um discurso seu e ele não acontecer?’. Eu até aceitei a ideia, mas me incomodava o fato de não ter uma cena com Jeff (Goldblum, que também retorna para a sequência). Aí alguém na Fox disse que um dos melhores momentos do primeiro filme era a cena do discurso e começou a ter uma pressão para isso”.

Roland Emmerich teve que ceder às pressões que, àquela altura, já eram bem claras e a cena do discurso informal foi pensada para ser um diálogo com o personagem de Jeff Goldblum. “Aí bolaram essa cena com o Jeff que começa como um diálogo e aí algumas pessoas começam a prestar atenção e de repente começa a soar para o público muito como um discurso. Eu acho que foi uma solução ótima e que funciona para os personagens naquele contexto em que eles se encontram”.

Como relutância pouca é bobagem, quando perguntado sobre qual sua cena favorita do novo filme, ele confessou que ela não está no corte final. “Foi cortada. Todos os atores tiveram cenas cortadas. Essa é a verdade de todo o filme. É doloroso. Nós atores somos almas sensíveis”.

Pullman se referia a uma cena dramática em que ele explica para sua filha as razões que o levam a tomar determinada atitude no filme. “Como ator eu gostaria de ver aquele momento mais aprofundado, mas entendo que Roland precisa equilibrar toda uma história. Acho que ele manteve as cenas que remetem à essência dos personagens”, minimiza o ator. “Eu superei os meus arrependimentos”.

Da relutância de se repetir um discurso, à relutância que deve pautar um bom líder, “Independence Day: O Ressurgimento” se abaliza como um entretenimento para ser apreciado sem qualquer constrangimento.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última