Publicidade

Posts com a Tag Ancine

sexta-feira, 21 de novembro de 2014 Análises | 18:19

Brasil tem circuito exibidor de cinema desequilibrado, mas regular é a solução?

Compartilhe: Twitter

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) estuda medidas para controlar o que seu presidente, Manoel Rangel, classificou como “lançamentos predatórios” no circuito comercial de cinema brasileiro. Em entrevista à Folha de São Paulo, Rangel observou que filmes como “Jogos vorazes: a esperança – parte 1”, lançado em mais de 1.300 salas em todo o país, expulsam outras fitas das salas e homogeneízam a oferta.

Rangel diz ser importante construir um entendimento que possa demover essa prática que, na avaliação dele, mina o hábito de se frequentar cinema – uma vez que a diversidade de filmes estaria sendo frontalmente reduzida. A Ancine, no entanto, não descarta a aplicação de medidas efetivas para regular essa “ocupação predatória”.

O novo "Jogos vorazes" resgata a polêmica: como agir para equilibrar o circuito exibidor no Brasil?  (Foto: divulgação)

O novo “Jogos vorazes” resgata a polêmica: como agir para equilibrar o circuito exibidor no Brasil?
(Foto: divulgação)

Não é nova a queixa de distribuidores independentes e produtores nacionais sobre a prolixidade dos lançamentos dos blockbusters hollywoodianos. Tampouco é inédito o aceno da Ancine de implementar algum tipo de regulação de mercado. Há pouco tempo foi imposta, sob muitos protestos e um êxito que começa a ganhar forma, a lei da TV paga que estabelece cotas para o audiovisual brasileiro. À Folha, Rangel disse que a preocupação da Ancine, no tocante ao mercado exibidor de cinema, será garantir a pluralidade e a diversidade. Mas é tênue a linha entre regulação de mercado e cota para a produção nacional. O mercado exibidor já se manifestara contrariamente a qualquer tipo de intervenção por parte da Ancine para regular o setor. A China, o país que gera mais bilheterias para as produções hollywoodianas depois dos EUA, recentemente estabeleceu uma cota para o lançamento de produções hollywoodianas no país. E mesmo filmes com lançamento internacional, como “Interestelar” estreiam tardiamente no País. É lógico que não se deve esperar por algo tão radical no Brasil. Tampouco desprezar a preocupação exposta por Rangel. Mas é preciso entender que o mercado exibidor não pode ser coagido a abdicar de buscar o lucro. Investir em cultura é contribuir para a construção desse entendimento aventado por Rangel. Nesse sentido, iniciativas como o resgate do Cine Belas Artes em São Paulo precisam ser louvadas e destacadas.

É preciso distinguir o cinema de complexo de shopping, mais afeito ao entretenimento fast-food, do cinema de rua, artigo cada vez mais raro, que carrega o ônus (pois carece de incentivos) de ser o oásis do cinema de arte, dos filmes mais autorais. Justamente por isso, muitos filmes ditos alternativos só têm lançamentos em São Paulo e Rio de Janeiro, cidades que ainda mantêm esses espaços. Criar leis intervencionistas e regulatórias é mais fácil do que arregaçar as mangas, estipular metas e investimentos e buscar o colaboracionismo.

Não custa lembrar que o tema cultura foi solenemente ignorado nas últimas eleições presidenciais. Já passou da hora de mudarmos mais do que o discurso, o jeito de fazer as coisas no Brasil.

Autor: Tags: , , ,