Publicidade

Posts com a Tag bilheterias

sexta-feira, 9 de setembro de 2016 Análises | 08:29

Verão americano de 2016 sugere ajuste de rota para estúdios de Hollywood

Compartilhe: Twitter

Foi um verão atípico nas bilheterias dos cinemas. A grande temporada de blockbusters, como sempre, fez muito dinheiro, mas colocou pulga atrás das orelhas dos engravatados de Hollywood como nunca.

Montagem/divulgação

Montagem/divulgação

Foram 14 sequências lançadas nesta janela entre abril e o último fim de semana de agosto. Um recorde absoluto. A última vez que tantas sequências foram lançadas foi em 2003 e foram 13. Apenas quatro dessas sequências debutaram com uma bilheteria de estreia superior aos filmes anteriores. “Jason Bourne” (US$ 59,2 milhões), “Procurando Dory” (US$ 135 milhões), “Capitão América: Guerra Civil” (US$ 179 milhões) e “Uma Noite de Crime 3” (US$ 36,2 milhões). A grande maioria das sequências fracassou. Filmes como “Alice Através do Espelho”, “As Tartarugas ninja: Fora das Sombras”, “Star Trek: Sem Froneiras”, “Independence Day: O Ressurgimento”, entre outras produções floparam enormemente.

+ Universal, Mad Max e Tom Cruise estão entre os vencedores do verão americano de 2015

Foi um verão de extremos. A Disney tem razões para comemorar já que os dois filmes com maiores bilheterias da temporada integram seu portfólio. Mas se “Guerra Civil” e “Procurando Dory” juntos beiram quase US$ 1 bilhão em faturamento nos EUA e ultrapassam US$ 2 bilhões no mundo, filmes como “O Bom Gigante Amigo”, “Alice Através do Espelho” e “Meu Amigo, o Dragão” foram fracassos que o estúdio teve que amargar. A respeito deste quadro, o jornalista e crítico de cinema Rubens Ewald Filho até brincou: “acho que a Disney faz esses filmes que sabe que vão fracassar só para pagar menos imposto”.

civil

De fato, “O Bom Gigante Amigo”, um gesto nostálgico do estúdio em parceria com Steven Spielberg parecia um produto descolado de seu espaço tempo, mas esse raciocínio, por exemplo, não pode se aplicar a uma produção como “Ben-hur”. Com um orçamento superior a US$ 100 milhões, o filme se consagrou como o maior fracasso da temporada e demonstrou aos estúdios que a aposta em astros de cinema ainda é necessária. Coincidência ou não, depois do flop do filme estrelado por Rodrigo Santoro, Tom Cruise passou a negociar um aumento de cachê com a mesma Paramount para o novo “Missão Impossível”, programado para 2017.

O caso de “Esquadrão Suicida”

suicide

Fracasso ou sucesso? Ainda que o filme não consolide as expectativas financeiras projetadas pela Warner Bros, não dá para dizer que o filme de David Ayer é um fracasso. No último fim de semana ultrapassou a barreira dos US$ 300 milhões nos EUA. Globalmente, a fita já amealhou cerca de US$ 700 milhões. As críticas foram venenosas, para dizer o mínimo, mas o marketing, vitorioso.

Tocando o terror

Não foi o primeiro ano que vislumbrou o gênero terror como um dos principais vitoriosos do verão americano. Com três exemplares entre as 20 maiores arrecadações da janela de lançamento – e três exemplares baratos – o gênero volta a fazer bonito. Novamente a Warner  desponta nesse segmento. Além da sequência de “Invocação do Mal”, que arrecadou mais de US$ 100 milhões nas bilheterias, o estúdio viu o baratíssimo e eficiente “Quando as Luzes se Apagam” fazer bonito no Box Office. O gênero ainda emplacou os sucessos de “Uma Noite de Crime 3” e “O Homem nas Trevas”, que lidera a bilheteria dos EUA há duas semanas e está em estreia no Brasil.

A surpresa do ano

A comédia com pegada feminista “Perfeita é a mãe” foi a grande surpresa da temporada com arrecadação superior a US$ 100 milhões nas bilheterias americanas. Além do mais, junto com “A Vida Secreta dos Pets” e “Festa da Salsicha”, foram os únicos exemplares entre as vinte maiores bilheterias do verão que não são sequências, refilmagens ou adaptações.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Saldo final

A lição que fica é que Hollywood terá que pensar mais detidamente sobre a produção de sequências. A mensagem do público nas bilheterias é bem clara. Uma continuação de um blockbuster no cinema só com muito critério. Apenas a Disney e a Warner, apesar do pouco crescimento em relação a 2015, conseguiram lucrar com a temporada. Os ganhos da Universal e da Sony foram modestos. Já Paramount, Fox e Lionsgate amargaram prejuízos.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 21 de abril de 2016 Análises, Filmes | 18:30

Bilheteria de “Batman vs Superman” confirma o Brasil como salva-vidas de filmes em perigo

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

A Warner anunciou com pompa na última terça-feira (19), que “Batman vs Superman: A Origem da Justiça” já se tornou o quinto filme de maior bilheteria em todos os tempos no Brasil. Estatística que assegurou à produção dirigida por Zack Snyder o posto de maior bilheteria do ano até o momento no País, ultrapassando a saga bíblica da Record, “Os Dez Mandamentos”.

Trata-se de um momento agitado para o topo do ranking das maiores bilheterias do Brasil. “Star Wars: O Despertar da Força” e “Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros” são produções de 2015 que galgaram às primeiras posições da lista liderada por “Avatar” (2009).

A despeito deste momento de alta intensidade na disputa pelas primeiras posições do ranking de maiores bilheterias do País, um atestado da boa forma do mercado cinematográfico em linhas gerais, há alguns aspectos na performance de “Batman vs Superman” que merecem atenção.

O mercado brasileiro se mostrou um dos mais receptivos ao filme que antagoniza os dois heróis mais populares da DC Comics. Alvejado pela crítica, o filme da Warner depende do desempenho mercado internacional para se pagar e o desempenho para lá de positivo no Brasil é dos melhores cartões postais para o estúdio fora dos EUA.

Crítica: “Batman vs Superman” não supera o hype e deixa transparecer improvisos

O Brasil está se firmando como um mercado exótico, para fazer uso de um eufemismo, para produções hollywoodianas rejeitadas nos EUA. Os filmes mais recentes de Adam Slander e Vin Diesel, flops incontestes na Terra do tio Sam, estrearam em primeiro lugar por aqui e apresentaram boas carreiras comerciais nos cinemas do País.

É claro que soa forçado colocar filmes como “O Último Caçador de Bruxas” e “Pixels” na mesma toada de “Batman vs Superman”, mas o raciocino permanece intacto. O público brasileiro parece menos propenso a reagir à temperatura das críticas sobre um filme e ser mais suscetível ao star power de nomes como Diesel e Sandler, ou ao hype de produções como “Batman vs Superman” ou mesmo a estreia do fim de semana “O Caçador e a Rainha do Gelo”, que analistas da indústria apontam como candidato ao primeiro fracasso da temporada de blockbusters de 2016.

O desempenho de “Batman vs Superman” no País, mais acachapante do que em qualquer outro, ratifica a hipótese. O Brasil é o paraíso fiscal de quem anda perdendo dinheiro em outros territórios.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 2 de novembro de 2015 Bastidores | 10:52

Bilheterias americanas têm outubro sangrento, mas o que isso significa?

Compartilhe: Twitter

Este último fim de semana, de Halloween, apresentou o pior desempenho de bilheteria no ano nos cinemas americanos. Três estreias com astros de peso, “Especialista em Crise”, com Sandra Bullock, “Pegando Fogo”, com Bradley Cooper, e “Truth”, com Robert Redford e Cate Blanchett, naufragaram no box office. Sandra Bullock, inclusive, teve o desprazer de registrar a pior bilheteria de estreia de sua carreira.

De maneira geral, o mês de outubro foi tenebroso para os estúdios. Repleto de lançamentos adultos, o box office americano se viu dominado por “Perdido em Marte” que fechou o mês no topo das bilheterias cinco fins de semanas depois de sua estreia. Apesar de ser bom entretenimento, o filme de Ridley Scott e distribuído pela Fox se beneficiou de projetos comerciais de outros estúdios como “A Colina Escarlate” (Universal) e “Pan” (Warner) não terem emplacado.

Sandra Bullock e Billy Bob Thorton em cena de "Especialista em Crise": Assim como "Argo", filme é produzido por George Clooney (Foto: divulgação)

Sandra Bullock e Billy Bob Thorton em cena de “Especialista em Crise”: Assim como “Argo”, filme
é produzido por George Clooney
(Foto: divulgação)

Lançamentos de cineastas prestigiados e com ambição de prêmios, como “Steve Jobs”, de Danny Boyle, e “A Travessia”, de Robert Zemeckis, também tombaram nas bilheterias acendendo a luz amarela nos estúdios.

Ninguém espera que a situação se prolongue, afinal, o novo 007 e o último “Jogos Vorazes” se avizinham, mas os estúdios podem reavaliar a política de concentrar filmes mais adultos no mês de outubro. Historicamente, produções com aspirações ao Oscar costumam ser lançados neste mês. A Warner, que já fizera isso com “Argo” em 2012, voltou à carga este ano com “Aliança do Crime”, que não fez barulho no box office. “Birdman”, vencedor do Oscar 2015, foi lançado em circuito reduzido em outubro e só teve lançamento expandido em dezembro. Analistas da indústria criticam a Universal por não ter replicado a estratégia com “Steve Jobs”.

Um analista da Rentrak ouvido pelo The Hollywood Reporter vê na alta concentração de filmes adultos uma razão para os flops no box office. “Perdido em Marte” e “Ponte dos Espiões”, o novo Spielberg, estão performando bem. Mas esse público não é tão ávido por lançamentos quanto os adolescentes, advoga, e, portanto, não garante bilheterias de estreia tão calorosas.

O outubro sangrento nas bilheterias américas não deve fazer com que os estúdios produzam menos filmes adultos. Eles já produzem bem pouco. Mas forçar uma reavaliação de estratégias de lançamento. Além de uma eventual desconcentração da janela de estreias.

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 28 de agosto de 2015 Análises, Bastidores, Curiosidades | 17:47

Imune a crises, cinema de ação cresce em todas as frentes enquanto outros gêneros oscilam

Compartilhe: Twitter

Quando você ouvir que “Tubarão” (1975) é um dos três filmes mais importantes da história do cinema americano, preste atenção na pessoa que elabora este raciocínio. Ela provavelmente sabe das coisas. Pelo menos em matéria de cinema.  O filme de Steven Spielberg, que ajudou a criar o conceito de “blockbuster” é o principal signatário da ascensão do cinema de ação em Hollywood.

A supremacia dos filmes de super-heróis que testemunhamos nessa metade da segunda década do século XXI nada mais é do que a evolução de um movimento desabrochado pelo filme de Spielberg.

Antes de “Tubarão”, “007 contra o satânico Dr. No”, o primeiro filme de James Bond, foi o único exemplar estritamente do gênero ação a liderar as bilheterias em um ano. De lá para cá, foram 26 filmes de ação no topo das bilheterias em 39 anos. “Toy Story 3”, em 2010, foi o último filme não pertencente ao gênero a liderar em arrecadação em seu ano de lançamento. Os dados são do Box Office Mojo e remetem apenas às bilheterias americanas.

Spielberg em icônico registro feito no set de "Tubarão": filme que revolucionou a indústria de cinema americano

Spielberg em icônico registro feito no set de “Tubarão”: filme que revolucionou a indústria de cinema americano

A 2ª revolução? "Avatar" levou cerca de dez anos para ser produzido e é fruto da tecnologia de seu tempo

A 2ª revolução? “Avatar” levou cerca de dez anos para ser produzido e é fruto da tecnologia de seu tempo

Como essa estatística demonstra, o cinema de ação é o gênero que mais cresce. Tanto em produção como em público. A chegada do videocassete incrementou o boom no gênero, mas o constante aparato tecnológico rompe fronteiras para o gênero mais do que para qualquer outro. Em 2009, por exemplo, vimos “Avatar”, um épico de ação, superar “Titanic” como o filme de maior arrecadação da história do cinema. O filme só se viabiliza pela contemporaneidade de sua tecnologia. James Cameron levou uma década para filmá-lo e promete mais inovações em 2017, quando chega a primeira sequência.

De acordo com números do site The numbers, entre 1995 e 2015, o gênero teve 29% de share no mercado e uma arrecadação de US$ 72.000.989.990,00. A amostragem compreende 1.367 filmes lançados no período. Para se ter uma ideia do impacto do cinema de ação na audiência moderna, a comédia ficou em segundo lugar com 17% de share e U$$ 40.705.738.488 amealhados. A amostragem de filmes lançados nesta janela, porém, é muito maior: 2.147 filmes.

Um gráfico do Priceonomics, formulado a partir de dados coletados no IMDB, demonstra a oscilação dos principais gêneros ao longo das décadas em termos de popularidade. Nele, é possível perceber que, enquanto gêneros como horror e comédia apresentam altos e baixos e o drama vive sua mais longeva curva descendente, a ação mantém-se em expressa e espessa alta.

gráfico dos gêenros

Tomando como base as postagens deste Cineclube, o percentual de audiência – e de comentários – é muito maior quando o gênero ou suas principais estrelas e grifes (Marvel, Star Wars, 007, Sylvester Stallone, Bruce Willis, etc) são abordados.

Mas o que isso tudo quer dizer, afinal? Acossado pela repercussão da novela “Império”, o autor Aguinaldo Silva – que já escreveu para cinema – disse há alguns meses que é preciso dar o que o público quer. É esta linha de pensamento, preconizada pelos preceitos básicos do marketing, que norteia a produção Hollywoodiana atual. “As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a elas”, divagou Steve Jobs. Mas poderia ter sido Steven Spielberg.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 25 de agosto de 2015 Análises, Bastidores | 17:54

Universal, “Mad Max” e Tom Cruise estão entre os vencedores do verão americano de 2015

Compartilhe: Twitter

Ainda faltam alguns fins de semana, mas indústria e analistas já fazem as contas do que deu certo e do que deu (muito) errado na principal janela de lançamentos hollywoodianos, o verão no hemisfério norte.

Ao estabelecer o recorde de faturamento em um ano faltando mais de cinco meses para o fim de 2015, a Universal – que atingiu o feito na esteira do espetacular sucesso de “Jurassic World” – se impôs como o mais cristalino sucesso do verão americano de 2015. Temporada que cinéfilos e críticos ansiavam por prometer ser lucrativa e inesquecível com diversos títulos promissores. Se foram poucas as surpresas e ocasionais as decepções, não houve nenhum arrebatamento na temporada além de “Mad Max: estrada da fúria”. Para todos os efeitos, o filme de George Miller é uma lição de como fazer uma superprodução, anabolizada na ação, com alto potencial de entretenimento e subtextos poderosos. De quebra, o filme forneceu a única personagem a emergir dessa safra de filmes para os anais da cultura pop – como mostrou a San Diego Comic-Com repleta de cosplays da Furiosa de Charlize Theron em julho.

Leia mais: Com “Jurassic World” e “50 tons de cinza”, Universal estabelece recorde de faturamento nas bilheterias

Leia mais: “Mad max: estrada da fúria” se firma como maior obra-prima da ação em décadas

O australiano George Miller leva um lero com Charlize Theron, sua Furiosa, no set de "Estrada da fúria"

O australiano George Miller leva um lero com Charlize Theron, sua Furiosa, no set de “Estrada da fúria”

Apesar do recorde de faturamento nas bilheterias, o verão de 2015 não apresentou grandes filmes. Excetuando-se “A estrada da fúria”, apenas “Divertida mente”, da Pixar, estaria apto a receber tal alcunha.  Não à toa, o filme registrou a maior bilheteria de estreia de um filme totalmente original; ou seja, sem ser sequência, remake ou adaptação de outra mídia. Por outro lado, o fracasso de “Tomorrowland – um lugar onda nada é impossível” reforça o discurso daqueles em Hollywood que defendem menos investimento em ideias originais e mais apoio ao que já foi testado e aprovado. Essa percepção está diretamente relacionada ao sucesso de franquias consagradas como “Os vingadores”, além das já citadas “Jurassic World” e “Mad Max”.  Mesmo assim, o quinto “O Exterminador do futuro” naufragou nas bilheterias americanas. O filme só não vai resultar em fracasso para a Paramount porque o filme está indo muito bem nas bilheterias chinesas. A China, inclusive, se firmou como um player ainda mais importante para os megalançamentos hollywoodianos do que já era até então. Vale lembrar que “Jurassic World” só se firmou como a maior bilheteria internacional de estreia – com mais de US$ 500 milhões arrecadados em um único fim de semana – porque a Universal o lançou simultaneamente com os EUA em mercados estratégicos como China, Rússia e Brasil.

Não obstante, ao apostar em um mix composto por comédias (“A escolha perfeita 2” e “Descompensada”), produtos bem consolidados junto ao público ( “Minions” e “Jurassic park”) e mesmo em produções descartadas sumariamente por outros estúdios (“Straight outta Compton”), a Universal não só espelha um caminho para os estúdios, como indica que não é preciso ter super-heróis no portfólio para fazer bonito nas bilheterias atuais.

Cena de "A escolha perfeita 2": o filme conseguiu uma das bilheterias mais surpreendentes da temporada e deixou para trás projetos muito mais comentados

Cena de “A escolha perfeita 2”: o filme conseguiu uma das bilheterias mais surpreendentes da temporada (quase US$ 300 milhões) e deixou para trás projetos muito mais comentados

Abaixo, o Cineclube lista os maiores vencedores e perdedores da temporada:

Vencedores

George Miller

Desconfiança, terrorismo e problemas de produção contribuíram para que se passassem 30 anos entre “Além da cúpula do trovão” e “Estrada da fúria”, mas ao entregar seu novo e alucinante “Mad Max”, Miller caiu de novo nas graças da Warner. Além de ter um quinto filme confirmado, ele está cotado para dirigir “O homem de aço 2”, um dos projetos mais delicados e importantes do estúdio.

 Tom Cruise

Em uma temporada marcada por heróis e marcas (John Green, Pixar, Marvel), Tom Cruise foi o único astro a levar público ao cinema cacifando-se em si mesmo. Não é pouca coisa. O quinto Missão impossível já caminha para ser o de maior bilheteria da série. Indicativo de que Cruise ainda tem muito fôlego no cinema. Especialmente no de ação.

Pixar

Depois de um hiato sem grandes filmes, “Toy story 3” (2010) foi o último digno de nota – e já era uma sequência – a Pixar faz as pazes com a crítica com ‘Divertida mente”. Um dos melhores do estúdio em todos os tempos.

Warner

Se não dominou a temporada como a Universal e não concentrou arrecadação como a Disney, a Warner merece o destaque por ter diversificado e quantificado. Foi o estúdio que mais lançou filmes na temporada (nove) e permitiu ousadias (o que é “Estrada da fúria”, afinal?), e acertou em produções de baixo e médio orçamento como “Terremoto  -a falha de San Andreas” e “O agente da U.N.C.L.E”.

Amy Schumer

Amy Schumer em um hilário ensaio temático de "Star Wars" para a GQ americana: a personalidade da temporada

Amy Schumer em um hilário ensaio temático de “Star Wars” para a GQ americana: a personalidade da temporada

Ela já era uma realidade na cena de comédia americana, mas com o filme “Descompensada”, a comediante – que também concorre ao Emmy deste ano com seu programa de humor – começou a internacionalização de seu nome.

Elizabeth Banks

Nenhum filme dirigido por mulher fez tanto dinheiro em uma temporada de verão como “A escolha perfeita 2”. Ponto para Banks que, logo em sua estreia na direção de longas-metragens, estabelece uma marca como essa.

Espionagem

Matthew Vaughn disse que queria correr com o lançamento de “Kingsman – serviço secreto” porque vinha uma enxurrada de sátiras de espionagem por aí e ele queria ser o primeiro. Acertou. A temporada teve produções como “O agente da U.N.C.L.E”, “Barely lethal”, “A espiã que sabia de menos”, “American ultra”, “Hitman: agente 47”. Isso para não falar do “oficial” “Missão impossível: nação secreta”. E James Bond ainda chega antes do fim de 2015.

Perdedores

Josh Trank

Ninguém sai tão mal desta temporada quanto o diretor John Trank. Seu “Quarteto fantástico” foi o filme mais execrado do ano. Além de engolir o fracasso de público, Trank ficou com fama de “errático” e se viu demitido de um derivado de Star Wars em meio a boatos de desentendimentos no set.

Sony

O estúdio conseguiu a proeza de ver todos os seus lançamentos para a temporada fracassarem nas bilheterias. Eram apenas três filmes, mas os três minguaram. “Pixels”, “Sob o mesmo céu” e ‘Ricki and the flash”.

Adam Sandler

Com “Pixels”, o ator conseguiu rebaixar ainda mais seu status junto à crítica e viu seu prestígio com o público americano implodir em desinteresse.

Arnold Schwarzenegger

Não deu: Schwarzenegger tentou, mas não conseguiu emplacar o novo "Exterminador" entre os sucessos da temporada (Fotos: divulgação/GQ)

Não deu: Schwarzenegger tentou, mas não conseguiu emplacar o novo “Exterminador” entre os sucessos da temporada
(Fotos: divulgação/GQ)

Ele voltou e investiu bastante na divulgação do quinto “O exterminador do futuro”, mas não conseguiu fazer com que o filme fosse um sucesso de bilheteria. Desde que deixou o gabinete de governador, Schwarzenegger ainda não conseguiu um sucesso de bilheteria para chamar se seu. A aposta da vez é “Conan”.

Fox

O estúdio parece funcionar em biênios. Se foi o que mais arrecadou no verão de 2014 e projeta um 2016 encorpado, em 2015 a pobreza dominou. Além do colossal erro com “Quarteto fantástico”, que gerou bastante buzz negativo para o estúdio, o “John Green” do ano, “Cidades de papel”, ficou bem abaixo das expectativas.

Autor: Tags: , , , , , ,

domingo, 14 de junho de 2015 Bastidores, Notícias | 19:43

A lógica por trás da acachapante bilheteria de “Jurassic world” em seu fim de semana de estreia

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Os números ainda não estão consolidados, mas já são assombrosos o suficiente para colocar “Jurassic World – o mundo dos dinossauros” como a melhor estreia de todos os tempos. Com U$ 511 milhões em caixa, o filme supera a abertura do último “Harry Potter”, “As relíquias da morte – parte II”, que fez U$ 483 milhões mundialmente em seu fim de semana de estreia em julho de 2011.

Não obstante, o filme dirigido por Colin Trevorrow ameaça destronar o primeiro “Os vingadores” (2012) do posto de maior abertura da história nos EUA.  “Jurassic world” tem arrecadação projetada neste fim de semana nos EUA de U$ 204 milhões enquanto que “Vingadores” faturou U$ 207 milhões em seu primeiro fim de semana. Nos EUA, o filme foi lançado em 4.273 cinemas. Maior lançamento da história do estúdio Universal.

Apesar dos números serem grandiosos, há toda uma engenharia por trás deles. “Jurassic World” foi o primeiro filme do ano a estrear simultaneamente nos EUA e na China. Os dois mercados mais importantes da atualidade para os estúdios hollywoodianos.  Ao todo, o filme foi disponibilizado em 66 mercados. Analistas calculam que U$ 100 milhões do montante arrecadado pelo filme seja originário da China. País mais populoso do mundo, a China tem uma política restritiva de lançamento de filmes americanos. Uma barreira que os estúdios vêm tentando transpor com parcerias comerciais e criativas.

A Universal, que já é o estúdio que mais lucrou em 2015 (o portfólio do ano inclui ainda os sucessos “50 tons de cinza” e “Velozes e furiosos 7”) acertou em cheio em equiparar as estreias nos dois mercados. Como se sabe, um sucesso de bilheteria é mensurado nesses tempos de internet e lançamentos globais no primeiro fim de semana de exibição.

iG On: Universal fatura mais de R$ 6 bilhões com “Jurassic World” e “Velozes e furiosos”

Leia também: Novo “Vingadores” dá largada à temporada mais lucrativa do cinema americano

A Marvel vinha adotando uma estratégia diferente, privilegiando importantes mercados internacionais como Brasil e Rússia, antes de lançar seus principais filmes em solo americano. Estratégia replicada em 2015 com “Vingadores – a era de Ultron”.

A Universal, com o sucesso estrondoso de “Jurassic World” força as empresas a repensarem o modelo de distribuição. Afinal de contas, se a China já era um mercado estratégico do ponto de vista financeiro, com o êxito jurássico do novo filme da franquia iniciada em 1993 pelo Midas Steven Spielberg, passa a ser também vital do ponto de vista marqueteiro. Afinal de contas, a carreira e os dividendos de “O mundo dos dinossauros” estão apenas começando.

Autor: Tags: , , ,

sábado, 13 de junho de 2015 Bastidores, Filmes | 17:04

O que indica o prejuízo da Disney com “Tomorrowland”?

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Reportagem do The hollywood Reporter indica que a Disney se prepara para um prejuízo entre U$ 120 e U$ 140 milhões com o filme “Tomorrowland- um lugar onde nada é impossível”. Ao todo, o estúdio investiu no filme cerca de U$ 400 milhões – agregando na matemática custos de produção e a alavancagem do marketing.  A arrecadação internacional do filme, até o momento, está em U$ 170 milhões.

Neste momento a indústria reflete sobre o que pode ter dado errado com filme e a resposta mais consistente aponta falhas na promoção da fita. Adultos devem ter pensado que se tratava de um filme infantil e crianças não se sentiram atraídas pelo tom nostálgico da fita. Outro grande filme dessa temporada de blockbusters, “Mad Max – estrada da fúria”, também é pouco palatável do público habitual dos multiplexes nesta época do ano. A exemplo de “Tomorrowland”, “Estrada da fúria” não faz uma bilheteria vistosa nos EUA. Outro elemento a unir os dois filmes parece ser a total incapacidade do marketing dos estúdios em vendê-los. É como se, apesar dos milhões gastos na promoção, não soubessem em que fatia do público mirar. Muito menos como comunicar o que será lançado nos cinemas.

Por um lado, este cenário pode ser bem desolador. Não para a Disney que ainda reúne um belo plantel de lançamentos (“Homem-formiga” e “Divertida mente” – além de “Star Wars” no final do ano). Mas para o cinema mainstream em geral. Ideias originais escasseiam em Hollywood como água no deserto e quando elas surgem, seja na forma de filmar (“Mad max”), seja na aposta em um projeto totalmente novo (“Tomorrowland”), patinam na aceitação do público e levam pulgas para trás das orelhas dos engravatados que tomam as decisões no mundo do cinema.

A razão de tantos remakes, reboots e sequências inundarem Hollywood é justamente a de que ninguém sabe como filmes como “Tomorroland” vão repercutir junto ao público. Esse prejuízo ostensivo que a Disney amealha agora com o filme protagonizado por George Clooney, portanto, é mais água no chope de quem torce por mais criatividade e originalidade no cinema.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 10 de junho de 2015 Notícias | 20:56

Pesquisa indica que faturamento do On Demand vai superar cinemas em 2018

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Que a maneira de se assistir TV está mudando todo mundo sabe. Passa por essa mudança o crescimento voraz do streaming, capitaneado pela Netflix, e pela popularização do vídeo on demand, conceito em que o espectador assiste o que quiser, quando quiser e como quiser – conceito adornado pela acesso à internet cada vez mais amplo. O que a pesquisa produzida e divulgada pela PrivewaterhouseCoopers projeta, no entanto, é uma mudança muito mais rápida e profunda do que analistas de mercado previam.

De acordo com o estudo, realizado em 54 países, inclusive o Brasil, os vídeos online vão superar os lucros das salas de cinema norte-americanas já em 2018, tornando-se a principal fonte de renda do mercado nos EUA. A tendência, defendem os responsáveis pela pesquisa, é que o mundo – ainda que mais lentamente – replique esse movimento.

Nessa categoria de vídeo online, incluem-se assinaturas, aluguéis e compras avulsas de títulos em serviços como Netflix e Hulu. Canais como HBO e Showtime já se movimentam para lançar no mercado americano sites de streaming com assinaturas independentes de seus canais a cabo. A expectativa é de que o setor cresça cerca de 14% ao ano. O mesmo estudo indica que o cinema deve crescer cerca de 4% ao ano. Uma diferença brutal aos olhos de investidores, o que poderia precipitar uma mudança na hierarquia de lançamentos de filmes. Nos EUA, muitos filmes independentes já estão sendo comercializados por streaming simultaneamente ao lançamento nos cinemas.

Leia também: 

Internet ganha força como plataforma de lançamento de filmes

Marasmo na produção dos estúdios redimensiona redimensiona produção de cinema independente dos EUA

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 17 de abril de 2015 Filmes, Notícias | 19:32

“Velozes e furiosos 7” é o mais rápido filme a alcançar marca de U$ 1 bilhão nas bilheterias

Compartilhe: Twitter
Cena de "Velozes e furiosos 7" (Foto: divulgação)

Cena de “Velozes e furiosos 7”
(Foto: divulgação)

Por essa nenhum vingador ou aluno de Hogwarts esperava. Depois do fim de semana acachapante de estreia no início do mês era imaginado que o sétimo filme da franquia se tornasse o primeiro da série a atingir a marca histórica do U$ 1 bilhão. Mas ninguém imaginava que essa marca seria alcançada tão rapidamente. O feito foi conquistado em 17 dias. Para efeito de comparação, “Avatar” (2009), “Os vingadores” (2012) e “Harry Potter e as relíquias da morte: parte II” levaram 19 dias para cruzar a fronteira do bilhão de dólares em arrecadação. Não obstante, a fita que marca a despedida definitiva do finado ator Paul Walker é a primeira do estúdio Universal a chegar ao clube do bilhão. É história em todas as frentes a que “Velozes e furiosos 7” está fazendo. Analistas da indústria estimam que o filme tenha gás para arrecadar algo em torno de U$1.5 bilhão no total.

Crítica: Para o bem ou para o mal, sentimento de família norteia “Velozes e furiosos 7”

 

“Nosso elenco, equipe, todos nós da Universal e da família ‘Velozes e furiosos’ merecemos reconhecimento por fazer de “Velozes e furiosos 7″ um sucesso tão grande e ansiamos por ver o filme continuar sua trajetória de sucesso”, disse ao The Hollywood Reporter  o presidente da distribuição doméstica da Universal, Nick Carpou.

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 29 de agosto de 2014 Bastidores | 19:41

Nada de comemoração! Hollywood se despede do verão menos rentável em quase uma década

Compartilhe: Twitter
Foto (Montagem/divulgação)

Foto (Montagem/divulgação)

Neste fim de semana os EUA terão o tradicional feriado do dia do trabalho, comemorado por lá sempre na primeira segunda-feira do mês de setembro. A data encerra simbolicamente a temporada pipoca do cinemão. O verão se despede três semanas mais tarde, mas em termos de cinema este é o ponto final. Esta temporada, cuja janela se estende entre meados de abril e o fim de agosto, responde por 70% do faturamento dos grandes estúdios no ano e comporta todas as apostas de sucessos que eles têm na manga. Conforme o Cineclube destacou nesta postagem de 11 de julho, não há muito que se comemorar em 2014. Números divulgados pela Variety, revista especializada em entretenimento, mostram que a temporada é a menos rentável em uma década. Além desse dado negativo, Hollywood se assombra com o fato de que apenas “Guardiões da galáxia” conseguiu ultrapassar a fronteira dos U$ 300 milhões nas bilheterias domésticas. Em anos como 2010, por exemplo, quatro filmes (“Toy Story 3”, Alice no país das maravilhas”, “Homem de ferro 2” e “A saga Crepúsculo: Eclipse”) romperam esta marca e outros quatro filmes ficaram bem próximos de rompê-la. Em 2010, a temporada pipoca rendeu cerca de U$ 4,2 bilhões. Em 2014, a arrecadação não irá passar de U$ 3,8 bilhões.

A queda de 15% em relação à temporada de 2013 e o fato de que pela primeira vez desde 2006 o faturamento da temporada não excederá a marca de R$ 4 bilhões devem obrigar os estúdios a repensar as apostas nas intermináveis sequências que ditam o ritmo da temporada de blockbusters.

O bom rendimento de filmes como “A culpa é das estrelas” e “Malévola”, produtos atípicos da temporada, ensejam um novo caminho que deve ser experimentado a partir do verão americano de 2016.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última