Publicidade

Posts com a Tag Boa sorte

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014 Críticas, Filmes | 16:26

Deborah Secco mesmeriza no bem azeitado “Boa sorte”

Compartilhe: Twitter

É uma questão que parece superada, mas a cada novo trabalho – especialmente no cinema -mais imperativo se torna destacar quão boa atriz é Deborah Secco. “Boa sorte”, que marca a estreia de Carolina Jabor na direção de longas-metragens, é mais um passo na fórmula – até aqui infalível – de Secco de entregar-se de corpo e alma a suas personagens. A exemplo do que já ocorrera em “Bruna Surfistinha”, a atriz surge como produtora executiva em “Boa sorte” – uma forma de legitimar uma participação mais ativa no processo de feitura do filme.

O fato de ter perdido 11kg para viver a soropositivo Judite é um atestado dessa dedicação incandescente de uma atriz ciosa por testar e estabelecer novos limites em sua carreira. Mas não resume o trabalho de Secco no sensível e bem-vindo filme da filha de Arnaldo Jabor, aqui revelando uma assinatura pessoal vistosa em adaptação do conto “Fanta com frontal” de Jorge Furtado.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Secco adentra uma personagem desesperançosa, acometida de uma doença incurável e com um organismo que não mais aceita tratamentos paliativos e confinada em uma clínica para dependentes químicos, com gana e paixão sobrepostas à curiosidade que deve nortear todo bom intérprete.

Judite vê sua rotina transformar-se com a chegada de João, vivido pelo não menos acintoso em matéria de talento João Pedro Zappa, um adolescente que vai parar na clínica como decorrência da total incapacidade de seus pais em lidar com as manifestações típicas da adolescência. João e Judite, excluídos que são e se sentem, vão tateando um ao outro como quem busca um contato qualquer, um amor para acolher-se. E é nesse tom, de abstração da concretude de suas circunstâncias, que Jabor constrói seu filme. De pequenas digressões como quando Judite divaga sobre dinheiro e loucura até a invisibilidade dos protagonistas que vai ganhando literalidade à medida que o filme avança, “Boa sorte” vai pincelando um amor irrealizável. De um menino que perdeu a virgindade com uma mulher que descobriu a yoga tarde demais – como a própria Judite pontua em certo momento – e espera apenas sua partida desta vida.

A desestabilização, todavia, não é uma prerrogativa apenas dos amores realizáveis e “Boa sorte” é feliz ao apontar como a mudança de perspectiva afeta Judite e afeta também a responsabilidade que ela invariavelmente sente em relação ao ingênuo João, como demonstram as carinhosas pinturas de seu diário.

“Boa sorte” é, portanto, um filme muito bem azeitado na combinação das propostas da direção – estética e narrativamente ousadas para um primeiro filme – e da altivez de uma atriz segura de sua arte e disposta a aprimorá-la sempre que possível.

Autor: Tags: , , , ,