Publicidade

Posts com a Tag Cinema independente

domingo, 7 de dezembro de 2014 Atores, Curiosidades | 19:16

Adam Driver é o denominador comum de dois filmes indies cativantes

Compartilhe: Twitter
Adam Sriver, o segundo da esquerda para a direita, em cena de "Sete Dias sem fim" (Foto: divulgação)

Adam Sriver, o segundo da esquerda para a direita, em cena de “Sete Dias sem fim”
(Foto: divulgação)

Ele é um dos atores mais quentes do momento. Depois de ganhar o Leão de Ouro em Veneza por “Hungry Hearts” e assegurar um dos principais papéis no novo “Star Wars”, Adam Driver vai se difundindo pela cultura pop. Ele integra o elenco de dois filmes badalados do circuito indie. Um, “Sete dias sem fim”, já estreou lá fora e deve pintar por aqui em breve. O outro, “While we´re young” está previsto para março de 2015 nos EUA.

O primeiro, de Shawn Levy (“Os estagiários” e “Gigantes de aço”), apresenta uma família judia que nunca foi muito ligada à ortodoxia da religião, mas que se reúne em face do falecimento do patriarca para a cerimônia do Shivah. O reencontro, claro, será temperado por muita lavagem de roupa suja e conflitos familiares. O elenco é de encher os olhos. Tina Fey, Jason Bateman, Jane Fonda, Rose Byrne, Corey Stoll, entre outros.

Já “While we´re young”, novo longa de Noah Baumbach, diretor dos ótimos “Frances Ha” e “A lula e a baleia”, apresenta um casal de meia -idade – interpretado por Ben Stiller e Naomi Watts – que passa a redimensionar a vida juntos a partir da convivência com um casal mais jovem (Driver e Amanda Seyfried).

Leia também: Cinco atores que merecem atenção

São dois filmes que devem elevar a estima de Driver nessa Hollywood pensativa, criativa e hippie que é o cinema independente!

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014 Análises, Bastidores | 18:27

Marasmo na produção dos estúdios redimensiona produção do cinema independente nos EUA e inflaciona salários de astros e estrelas

Compartilhe: Twitter

“Homem-pássaro”, “O jogo da imitação”, “O abutre”, “Boyhood”, “O ano mais violento”, “Vício inerente” e “Whiplash: em busca da perfeição”. Em comum, todos esses filmes têm o fato de estarem na corrida pelo Oscar e de serem produções independentes. Para quem acompanha o Oscar, ano após ano, não é nenhuma novidade que os filmes independentes são hoje os grandes protagonistas da maior premiação da indústria do cinema. Desde a vitória de “O senhor dos anéis: o retorno do Rei” em 2004, apenas outros dois filmes de estúdio (ambos da Warner) venceram o Oscar de melhor filme: “Os infiltrados” em 2007 e “Argo” em 2013. Um sintoma claro desse domínio é o fato de Hollywood investir cada vez mais em diversão ligeira. Sequências, remakes, adaptações de games, HQs e literatura infanto-juvenil compõe 99% do que se produz hoje na Meca do cinema mundial. “Os estúdios não investem mais naquele filme para adulto”, disse Susan Downey, esposa de Robert Downey Jr.  e produtora de “O juiz”, filme bancado pela Warner em parte porque Downey Jr. estrelaria e todo mundo que produzir um filme com ele. David Fincher, que alcançou a maior bilheteria de sua carreira com “Garota exemplar” concorda.  À revista Variety, ele disse que não é fácil convencer estúdios de cinema a apostarem em filmes como “Garota exemplar” e que a produção só foi aprovada porque é baseada no best-seller homônimo de Gillian Flynn. O próprio Fincher experimentou um revés em caso semelhante. A Sony vetou a continuação da saga “Millenium – Os homens que não amavam as mulheres”, também adaptado de um best-seller, porque o filme não rendeu a bilheteria esperada, a despeito do entusiasmo com que a crítica recebeu a película.

David Fincher, à esquerda com gorro, e Daniel Craig no set de "Os homens que não amavam as mulheres": sem lucro, sem continuação

David Fincher, à esquerda com gorro, e Daniel Craig no set de “Os homens que não amavam as mulheres”: sem lucro, sem continuação

O semanário The Hollywood Reporter publicou uma reportagem nesta semana que mostra como essa postura dos estúdios está refletindo de maneira desequilibrada nas produções independentes. O sucesso no Oscar atraiu mais players e recodificou o jogo de interesses de astros e estrelas. Há mais dinheiro na seara das produções independentes. Matthew McConaughey, por exemplo, recebeu U$ 200 mil para rodar ‘Clube de Compras Dallas”, filme pelo qual recebeu o Oscar neste ano. Para “Sea of trees”, que está em produção, o ator já recebeu U$ 3, 5 milhões. Para “Free state of Jones”, um drama sobre a guerra civil americana orçado em U$ 65 milhões, o ator receberá incríveis U$ 5 milhões. “Estamos fazendo os filmes que os estúdios se negam a fazer”, disse um produtor independente que vê com apreensão essa mudança de cenário. “Mas não temos a estrutura deles”.

Leia também: Primeira imagem de Matthew McConaughey em “The sea of trees”

Leia também: Oferta pública de ações de astros de cinema é o buzz do momento em Hollywood 

O temor de produtores independentes que não dispõem de verbas tão ruidosas é justamente que esse novo perfil descaracterize a essência da produção independente. Quando se investe neste nível em um filme, o retorno financeiro passa a ser prioridade absoluta.  Este é o jogo que Hollywood com seus incontáveis e milionários blockbusters tem jogado. O cinema independente sempre foi sobre filmes, histórias e arte. Os atores faziam parte desses filmes pelo prestígio e pelo amor à arte. Quando se começa a receber quantias vultosas como as que os estúdios pagam a coisa começa a mudar de figura.

Cena de "O ano mais violento", produção já destaca em prêmios satélites do Oscar

Cena de “O ano mais violento”, produção já se destaca em prêmios satélites do Oscar

Garmin GPS, uma empresa nova no negócio de produzir cinema, está financiando “The nice guys”, um thriller ambientado nos anos 70 com Russell Crowe e Ryan Gosling. Os dois atores receberão U$ 7 milhões cada. Gosling, para efeitos de comparação, rodou “Namorados para sempre” (2010) por U$ 30 mil.

O fato de mais dinheiro estar disponível para que filmes que os estúdios resistem a investir sejam feitos não é má notícia. O que preocupa é que é apenas questão de tempo até que o cinema independente incorpore vícios e estratégias ostentados hoje pelos estúdios. Não seria a primeira vez que isso aconteceria. Depois de muito destaque em meados dos anos 70 e 80, o cinema independente americano foi sufocado pelas produções de estúdios, mas ressurgiu revigorado no meio da década de 90 com os irmãos Weinstein, a Miramax e Quentin Tarantino.

Leia também: A última cartada de M. Night Shyamalan

Leia também: Para onde vai o cinema de Christopher Nolan depois de “Interestelar”? 

Há, ainda, a questão de distribuição. Filmes independentes não dispõem da estrutura dos grandes estúdios e acabam reféns de acordos comerciais que reduzem drasticamente a participação nos lucros. O diretor M. Night Shyamalan, caído em desgraça depois de sucessivos fracassos em estúdios diferentes, rodou um filme (“The visit”) de maneira independente e fechou um acordo de distribuição com a Universal.

Ryan Gosling e Michelle Williams em "Namorados para sempre": tipo de filme que pode sair do radar da produção independente americana

Ryan Gosling e Michelle Williams em “Namorados para sempre”: tipo de filme que pode sair do radar da produção independente americana

Esse cenário em franca e veloz transformação favorece duas perspectivas bem ruins. Primeiro, porque fortalece nos estúdios a noção de que devem evitar produzir filmes que fujam à zona de conforto estabelecida; segundo, porque vai ficar cada vez mais difícil para produtores essencialmente independentes e com pouco dinheiro fazerem filmes. Imaginem as preciosidades que serão para sempre perdidas no futuro do pretérito da sétima arte.

Fotos: divulgação

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 29 de abril de 2014 Análises, Bastidores, Diretores | 21:52

Diretores que foram do indie ao cinemão

Compartilhe: Twitter

Marc Webb, diretor de “O espetacular Homem-aranha 2: a ameaça de Electro”, também responsável pelo primeiro filme, anunciou há pouco tempo que não dirigirá o quarto filme. Isso mesmo. O quarto filme. O segundo nem sequer foi lançado e já se fala do quarto filme. É assim mesmo em Hollywood. Mas a razão para Marc Webb pôr a carroça na frente dos bois é de que ele é um dos egressos do cinema independente a serviço do cinema mainstream, aquele bancado pelos grandes estúdios. Webb tem a esperança de que agora, com mais cacife, possa bancar projetos mais autorais, como aquele que o pôs no mapa, “500 dias com ela” (2009). Comédia romântica indie para lá de alternativa e geek que marcou época no fim da década passada. A Sony queria justamente essa pegada nerd, mas cheia de ternura para o reboot do Homem-Aranha e desde então, Marc Webb joga no “time dos vendidos” do cinema americano. Esse time é constituído por cineastas surgidos no cinema independente que logo romperam a fronteira e foram trabalhar sob as asas dos estúdios.

Marc Webb em entrevista promocional do novo "Homem-Aranha"  (Foto: reprodução/Internet)

Marc Webb em entrevista promocional do novo “Homem-Aranha” (Foto: reprodução/Internet)

O filme mais visto no último fim de semana nos Estados Unidos foi “Mulheres ao ataque” (no Brasil, previsto para 08/05), comédia estrelada por Cameron Diaz que é uma das apostas da Fox para essa temporada pipoca. Na cadeira de diretor, Nick Cassavetes. O caso de Cassavetes é ainda mais emblemático dessa mudança de paradigma. Ele é filho do ator e cineasta John Cassavetes, um dos maiores expoentes do cinema independente americano. Entre trabalhos como ator e diretor, Nick sempre flertou com o cinemão; é dele, por exemplo, o meloso “Diário de uma paixão” (2002). Mas seus melhores trabalhos foram feitos às margens dos estúdios (“Loucos de amor” e “Um ator de coragem”, para citar dois exemplos).

Outra atração em cartaz nos cinemas de todo mundo atualmente é “Divergente”, adaptação da obra de Veronica Roth. Seu diretor, Neil Burger,também se fez no cinema independente com os bem azeitados “O ilusionista” (2006) e “Gente de sorte” (2008). “Divergente” é seu segundo filme de estúdio. O primeiro foi o thriller jeitosinho “Sem limites” com Bradley Cooper e Robert De Niro.

Grife a serviço do cinemão

Quentin Tarantino continua fazendo filmes tarantinescos.  Filmes que só ele pode fazer. Mas o homem que revitalizou o cinema independente americano em 1994 com “Pulp Fiction – tempos de violência” migrou para o cinemão. Seus últimos dois longas-metragens foram financiados por poderosos estúdios. “Bastardos inglórios” (2009) foi parcialmente bancado pela Universal, enquanto que “Django livre” (2012) foi inteiramente produzido pela Sony.

Outros dois cineastas com tiques narrativos bastante reconhecíveis seguiram o mesmo caminho de Tarantino. Paul Greengrass, diretor do premiadíssimo “Domingo sangrento” (2002), era uma aposta arriscada para sequência de “A identidade Bourne” (2002), mas depois do que ele fez com “A supremacia Bourne” (2004), redefinindo a maneira de se filmar a ação no gênero que mais movimenta as bilheterias no cinema, Greengrass jamais voltou a trabalhar fora do circuito de estúdios, ainda que faça filmes sérios e adultos como “Voo United 93” (2006) e “Capitão Phillips” (2013).

Guy Ritchie quase pôs fim a sua carreira durante o casamento com a pop star Madonna. Uma carreira que causou sensações com apenas dois filmes, “Jogos, trapaças e dois canos fumegantes” (1998) e “Snatch – porcos e diamantes” (2000), mas reinventou-se como o homem por trás do Sherlock Holmes vivido por Robert Downey Jr. em dois filmes divertidos, mas bem aquém de seu talento.

Quentin Tarantino no set de "Django Livre": o mesmo, mas amplificado (Foto: divulgação)

Quentin Tarantino no set de “Django Livre”: o mesmo, mas amplificado (Foto: divulgação)

 

Neil Burger dirige Shailene Woodley em "Divergente": pelo prazer de fazer um filme pop (Foto: Divulgação)

Neil Burger dirige Shailene Woodley em “Divergente”: pelo prazer de fazer um filme pop (Foto: Divulgação)

 

Guy Ritchie entre Jude Law e Robert Downey Jr.: maneirismos do cinema independente a serviço de blockbusters (Foto: Divulgação)

Guy Ritchie entre Jude Law e Robert Downey Jr.: maneirismos do cinema independente a serviço de blockbusters (Foto: Divulgação)

Ser ou não ser mainstream?

“Os suspeitos” (1995) e “O aprendiz” (1998) são dois dos filmes mais inventivos da década de 90 e ambos são dirigidos por Bryan Singer, de todos dessa lista, o que “se vendeu” mais cedo. Sem Singer, esse novo “Homem-Aranha” de Webb não estaria por ser lançado. O homem fez “X-men: o filme” em 2000 e salvaguardou o posto de mídia a ser explorada pelo cinema para as HQs da Marvel, até então vítimas de uma espécie de maldição.

Em 2014, Singer lança um novo filme da franquia mutante e parece não ter saudades dos tempos de cinema independente.

Com Darren Aronofsky, que tem seu “Noé” fazendo algum barulho nos cinemas de todo mundo, o dilema parece mais profundo.

O diretor exibiu extremo talento nos filmes “Pi” (1998) e “Réquiem para um sonho” (2000). Eram filmes pesados, narrativamente densos, mas visualmente incríveis. Não demorou para um estúdio apostar nele. A Warner até tinha considerado seu nome para dirigir “Batman begins”, mas problemas pessoais o impediram de assumir o projeto. Aí surgiu um certo Christopher Nolan, outro que se fez no cinema independente…

Mas a Warner não estava disposta a desistir de Aronofsky e liberou algo em torno de U$ 50 milhões para ele fazer “A fonte da vida”, uma ficção existencialista. O filme, fracasso retumbante, não rendeu nem U$ 10 milhões e Aronofsky, por baixo, voltou ao cinema independente. Fez com recursos escassos o tocante “O lutador” (2008) e ganhou o leão de Ouro em Veneza. Pelo trabalho seguinte, “Cisne negro” (2010), foi indicado ao Oscar de diretor.  O filme protagonizado por Natalie Portman rendeu inesperados U$ 106 milhões nos EUA e Aronofsky voltou a ser sondado por estúdios. A Fox o contratou para dirigir “Wolverine: imortal” (2013), mas ele brigou com o estúdio porque queria ter a palavra final sobre o corte (montagem que vai para os cinemas) e acabou fora do projeto, que seria dirigido por James Mangold. A Paramount, no entanto, abarcou sua ideia para “Noé” e bancou a produção que consumiu cerca de U$ 130 milhões. Não foram poucas as desavenças entre estúdio e diretor durante as filmagens. Aronofsky parece disposto a atuar no cinemão, mas sem abrir mão da alma indie. Esse pode ser o pior dos mundos.

Darren Aronofsky bate um papo com Russell Crowe no set de "Noé": entre a cruz e a espada no tocante à liberdade criativa (Foto: Divulgação)

Darren Aronofsky bate um papo com Russell Crowe no set de “Noé”: entre a cruz e a espada no tocante à liberdade criativa (Foto: Divulgação)

Autor: Tags: , , , , , , ,