Publicidade

Posts com a Tag cinema

quinta-feira, 9 de agosto de 2018 Análises, Bastidores | 11:33

Rejeitadas, mudanças no Oscar podem ser muito boas para o cinema e para o prêmio

Compartilhe: Twitter

Oscar

Mudanças no Oscar geralmente não são celebradas por cinéfilos e pela mídia especializada, que costumam ser tão tradicionalistas quanto a premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, mas raramente despertam reação negativa tão virulenta quanto a verificada nesta quarta-feira (8) na esteira do anúncio de “boas novas” da Academia.

A mais rejeitada mudança foi a de que a partir da 91ª edição do Oscar, em 2019, a premiação terá a categoria de melhor filme popular (Achievement in Popular Film, no original). A Academia ainda não divulgou os critérios e parâmetros de elegibilidade para esta nova categoria, por certo por não tê-los amadurecidos.

As medidas, especialmente esta, atendem a alarmante necessidade de conter a queda agressiva de audiência. Em 2018, nos EUA, o Oscar registrou queda de 17% em relação a 2017 e estabeleceu um recorde negativo histórico. A queda foi de 39% em relação ao de 2014, quando a cerimônia registrou seu recorde positivo na década.

OscarEstá comprovado estatisticamente que as edições de maior audiência da premiação são aquelas com filmes mais populares. As edições mais vistas nos últimos 20 anos são 1998, ano de “Titanic”, 2004, ano de “O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei”, 2010, ano de “Avatar”, e 2014, ano de “Gravidade” e “O Lobo de Wall Street”.

A criação de uma categoria de “melhor blockbuster” ou “melhor filme pop” atende essa demanda de ter filmes de elevado apreço popular na disputa por um Oscar que não é técnico. Não é a primeira medida da Academia nesse sentido. Em 2010, a organização ampliou para dez os indicados na categoria de melhor filme na expectativa de que produções de maior apelo comercial figurassem entre os indicados. Isso aconteceu. Filmes como “Mad Max: Estrada da Fúria” (2015), “A Origem” (2010), “Dunkirk” (2017), “Perdido em Marte” (2015), entre outros figuraram entre os melhores do ano.

Em 2012, a Academia ajustou a regra e a categoria de melhor filme passou a contar com a possibilidade ter entre cinco e dez indicados.

De olho nas mudanças

O ritmo e o fluxo de blockbusters entre os melhores filmes, no entanto, são inferiores à necessidade do Oscar enquanto programa de TV. Nesse sentido, as três mudanças anunciadas são contumazes e um avanço importante para o estancamento dessa sangria. As outras medidas foram o encurtamento da cerimônia para três horas – em 2018 foram 3h58min de cerimônia – com a entrega de alguns prêmios menos badalados durante os intervalos da cerimônia com a mera exibição de flashes ao longo da transmissão televisiva e a antecipação da cerimônia em 2020 para 9 de fevereiro.

Esta última mudança é providencial e provocará um efeito cascata em toda a indústria. O primeiro efeito imediato será o recuo de todo o calendário de premiações. Porta-vozes do Bafta, premiação britânica, já se manifestaram no sentido de antecipar a premiação para antes da entrega do Oscar, como estabelecido pela academia britânica de

Foto: montagem/reprodução

Foto: montagem/reprodução

cinema desde 2001.

O encurtamento da temporada de premiações é bem-vindo. Quando o Oscar vai ao ar, o público já está cansado de premiações e a grande maioria dos vencedores já pode ser intuído pelos resultados das premiações prévias. É inegável que isso reflete na audiência da cerimônia. A antecipação do Oscar vai impactar, também, na distribuição dos longas-metragens especialmente no mercado internacional. A tendência é um congestionamento ainda mais descontrolado de filmes de Oscar em janeiro e fevereiro no Brasil.

Melhor filme popular?

É possível que a nova categoria fragilize a categoria principal? Sim. É provável? Nem tanto. Filmes como “Um Sonho Possível” (2009), “Um Homem Sério” (2009), “Cavalo de Guerra” (2011), “Tão Forte e Tão Perto” (2011) são alguns exemplos de produções que não merecem a alcunha de melhor filme e chegaram lá por conta da flexibilização na categoria principal. As vezes com apenas duas indicações, caso de produções como “Selma” (2014) e “The Post” (2017).

Essa deformidade depõe mais contra o prestígio da categoria principal no Oscar do que a existência de uma categoria de melhor filme popular. Há, ainda, outra maneira de olhar para essa novidade. O cinemão faz muitos filmes bons que acabam esbarrando no preconceito de uma ala (cada vez menor) da Academia. Ao inserir produções de maior apelo popular e fazer com que o acadêmico olhe efetivamente para esses filmes, o Oscar age pedagogicamente. Com o tempo, a tendência é de que mais filmes populares alcancem a categoria principal.

No Oscar 2019 temos dois filmes que, mesmo antes de definidos os critérios pela academia – e esses critérios devem ser regidos por arrecadação nas bilheterias- , se situam como fortes candidatos nas duas categorias. São eles “Pantera Negra” e “Um Lugar Silencioso”.

Cena de "Um Lugar Silencioso"

Cena de “Um Lugar Silencioso”

Cinéfilos e críticos precisam ter em mente que o Oscar também é um programa de televisão e, como tal, deve procurar soluções para se manter relevante e competitivo. A pressão da ABC é justificada. O Oscar é o grande evento televisivo fora do calendário da NFL nos EUA e essa condição está cada vez mais em xeque.

Não passou batido aos críticos de que a ABC pertence a Disney e que a nova categoria beneficiaria diretamente o estúdio, que detém marcas valiosas como Marvel, Star Wars e agora a FOX. É um raciocínio pedestre. A categoria de animação, mais bem-vinda quando anunciada, é reino absoluto da Pixar, também um braço do estúdio de Mickey Mouse.

O que norteou as mudanças foram necessidades comerciais da ABC e do Oscar, programa de TV, mas pelo menos duas dessas mudanças devem trazer impacto positivo no longo prazo para o Oscar, prêmio de cinema. Um Oscar entregue mais cedo é bom porque diminui a temporada de premiações e reduz a influência de prêmios periféricos sobre acadêmicos e um Oscar para os blockbusters não só tem potencial pedagógico como agregador.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 8 de agosto de 2018 Críticas, Filmes | 16:25

Joaquin Phoenix é um homem destituído de si em “Você Nunca Esteve Realmente Aqui”

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Pense em um episódio de uma das séries produzidas por Dick Wolf com tons de “Taxi Driver”, o clássico de Martin Scorsese, e você terá uma ideia do que é “Você Nunca Esteve Realmente Aqui”, novo filme de Lynne Ramsey (“Precisamos falar sobre o Kevin”). Baseado no livro homônimo de Jonathan Ames, o filme acompanha a jornada de Joe, vivido com destreza e energia por Joaquin Phoenix, um ex-militar que sofreu abusos na infância, tem fantasias com suicido, cuida da mãe idosa e faz serviços para quem está disposto a pagar por vingança.

Leia também: O que esperar do filme do Coringa com Joaquin Phoenix?

Lynne Ramsey não está exatamente interessada na atividade de Joe, ou no fato dele estar tentando resgatar a filha de um político que foi sequestrada por traficantes sexuais. “Você Nunca Esteve Realmente Aqui” é um filme sobre a dor de Joe ser quem ele é. Da insustentável aflição que o faz se esgueirar entre a generosidade e a brutalidade.

Há momentos em que o longa lembra “Drive” (2011), obra-prima do esteta Nicolas Winding-Refn, mas são momentos difusos. A música, uma das melhores composições para cinema de Johnny Greenwood, é uma força perene no filme e que ajuda a dimensiona-lo como uma experiência demorada, incômoda e abstrata.

O ritmo lento do desenvolvimento da trama se justifica pela necessidade de Ramsey em sublinhar a angústia de seu protagonista, para todos os efeitos um espectro, não um homem, mas a estranheza que enseja talvez afaste o espectador mais do que o necessário.

A maneira como a cineasta registra a violência é outro destaque e mais uma diferença fundamental em relação a “Drive”. Aqui não só há desglamourização da violência, como sua desidratação absoluta. Nesse sentido, o pesar e sofrimento expressos, mas também interiorizados, na performance de Phoenix adunam aquilo que o filme tem de mais pungente e soberano. Não à toa, ator e roteiro saíram premiados do Festival de Cannes em 2017.

Autor: Tags: , , , ,

segunda-feira, 5 de março de 2018 Análises, Filmes | 19:09

Consagração de “A Forma da Água” no Oscar representa aceno ao diálogo em Hollywood

Compartilhe: Twitter

“Sempre lembraremos deste ano como o ano em que os homens erraram tanto que as mulheres começaram a sair com peixes”, disse Jimmy Kimmel em dado momento de seu monólogo de abertura na 90ª edição do Oscar, realizada neste domingo (4). A fala diz muito sobre o tom do Oscar 2018 que consagrou “A Forma da Água” o melhor filme do ano. Foram quatro estatuetas. Além de produção do ano, o longa amealhou os prêmios de Direção, Trilha Sonora e Direção de Arte.

Guillermo del Toro recebe o Oscar pelo filme "A Forma da Água"

Guillermo del Toro recebe o Oscar pelo filme “A Forma da Água”

A vitória de “A Forma da Água”, ainda que o filme fosse apontado como favorito, foi um tanto surpreendente. Primeiramente pela resistência da Academia em premiar filmes de gênero. Eles raramente são inseridos na principal categoria, tendência que começa a ser revertida  – em 2018 ainda tivemos “Corra!” entre os concorrentes. Segundo porque o filme não parecia reunir o apoio do maior e mais decisivo colegiado da Academia que é o dos atores, já que ficou de fora do SAG de melhor elenco. Desde que o prêmio foi criado nos anos 90, apenas “Coração Valente” venceu o Oscar de Melhor Filme sem ter concorrido a Melhor Elenco no SAG.

Leia também: Oscar vê na ternura de “A Forma da Água” a receita para as dores do presente

Por outro lado, “A Forma da Água” era o filme mais fácil de reunir algum consenso entre os indicados e no Oscar, um termômetro elevado dos humores dos votantes, isso importa e muito. Principalmente no clima que a 90ª edição dos prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas se deu. A ideia era sinalizar para um futuro menos opulento e com a Academia ombreando com setores da sociedade e da indústria na disposição de promover diversidade e inclusão. O filme de del Toro, por ser de um cineasta mexicano e imigrante, por ser sobre a história de amor entre uma mulher e uma criatura marinha, por reunir metáforas diversas sobre mazelas que o mundo ainda enfrenta, era a escolha mais adequada. E afetuosa.

O raciocínio da Academia enquanto grupo organizado e suscetível às mais diversas influências não pode ser menosprezado. Há erros, alguns crassos, mas há acertos que talvez não sejam percebidos como acertos de imediato. É notório que “A Forma da Água” não era o melhor filme entre os indicados. Mas sua escolha representa não só um avanço na abertura que a instituição dá ao cinema de gênero, como é uma resposta delicada e parcimoniosa às destemperanças do presente: o clima político belicoso, as denúncias de assédio, a impaciência das mulheres para com a insistente misoginia na indústria. A opção por um filme que prega tolerância talvez não mude nada disso, mas certamente representa um aceno ao diálogo.

Toda a cerimônia, menos politizada do que se esperava, foi um passo nesse sentido. O Oscar 2018 poderia ter sido mais ousado e feito escolhas tão dignas como as que fez, mas mais subversivas e eloquentes em matéria de cinema nos âmbitos da estética e narrativa. Optou, e não há de se contestar a legitimidade dessa escolha, por atender demandas do cinema em seu eixo industrial e não deixou de premiar filmes e artistas premiáveis por conta disso.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018 Bastidores, Filmes | 13:49

Netflix e Paramount se aproximam e sinalizam nova tendência na distribuição de filmes

Compartilhe: Twitter

Já há algum tempo a Netflix enseja debates a respeito da distribuição de conteúdo audiovisual. A mudança de paradigma se deu, em um primeiro momento, na TV, que precisou rever seu sistema de distribuição e mesmo a qualidade e viabilidade de suas produções. Chegou a vez do cinema. A compra, ainda pendente de aprovação por órgãos regulatórios, da Fox pela Disney foi o primeiro sinal claro neste sentido.

Leia também: Filme Sobre o impeachment de Dilma, “O Processo”, é ovacionado no Festival de Berlim

Natalie Portman em cena de "Aniquilação" Fotos: divulgação/reprodução

Natalie Portman em cena de “Aniquilação”
Fotos: divulgação/reprodução

O mercado se movimenta e os players tentam se fortalecer para competir contra a maior gigante do pedaço e a Netflix detém a vantagem de estar estabelecida no streaming, para todos os efeitos, o game changer da distribuição de conteúdo. Passa por aí a aproximação da Paramount, estúdio que vem encolhendo pela ausência de hits nas bilheterias, com a plataforma de streaming.

Leia também: Gary Oldman é o trunfo do burocrático “O Destino de uma Nação”

Nesse contexto, o lançamento do filme “Aniquilação” demonstra ser um laboratório interessante. O filme de Alex Garland (“Ex Machina”) é uma das principais estreias deste fim de semana nos cinemas dos EUA, mas será distribuído no resto do mundo, inclusive no Brasil, pela Netflix. O longa estará disponível na plataforma a partir de 12 de março.

Orçado em U$ 40 milhões, o filme teve problemas de orçamento e prazos e gerou estremecimento entre os produtores e o estúdio. A Paramount calculava que teria que gastar cerca de U$ 60 milhões na divulgação da obra que, sendo de médio porte, daria um lucro reduzido ao estúdio. Neste cenário, um acordo de distribuição internacional com a Netflix passa a ser algo muito positivo. O estúdio distribui o filme no mercado americano, ainda o mais lucrativo e importante do planeta, e cede uma fatia dos rendimentos para a Netflix no mercado internacional. Como essa fatia se dará é algo ainda desconhecido do público, mas “Aniquilação” deve precipitar uma nova tendência.

Cena de "The Cloverfield Paradox": Filme foi lançado em uma das sacadas de marketing mais geniais da Netflix

Cena de “The Cloverfield Paradox”: Filme foi lançado em uma das sacadas de marketing mais geniais da Netflix

Filmes de médio porte estão desaparecendo dos cinemas porque eles são tão caros de promover quanto um blockbuster e ostentam um retorno consideravelmente menor. Com a Netflix atuando como distribuidora, e portanto parceira, de grandes estúdios podemos ver a ressureição dos filmes de médio porte.

O acordo envolvendo “Aniquilação” difere daquele a respeito de “The Cloverfield Paradox”, disponibilizado em fevereiro após o Super Bowl na plataforma. O filme produzido pela Bad Robot de J.J Abrams com o apoio da Paramount deixou o estúdio descontente.  O estúdio então vendeu os direitos do filme e de distribuição à Netflix. A empresa de streaming então passou a ter a propriedade do longa e lançou-o em uma sacada genial de marketing. Um filme ruim para a Netflix, afinal, tem um peso radicalmente diferente de um filme ruim lançado por um estúdio em cinema.

De todo modo, “The Cloverfield Paradox” e “Aniquilação” demonstram que Paramount e Netflix estão se entendendo em um momento crucial para ambas. Em que a Disney se vasculariza para ser o grande player na distribuição de conteúdo audiovisual tanto no cinema como no streaming. A criatividade do negócio envolvendo esses dois filmes e os resultados positivos que invariavelmente decorrerão dele apontarão um novo e saudável caminho para a indústria e para o público.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018 Filmes, Notícias | 15:42

“Venon” ganha 1º trailer promissor e cheio de clima

Compartilhe: Twitter

Durante muito tempo a Sony se revirou com a ideia de fazer um universo expandido do Homem-Aranha. Duas versões do herói aracnídeo depois e uma bem-sucedida parceria com a Marvel colocaram o estúdio em outro patamar em relação a essa propriedade intelectual. Pelo menos até 2020, o Aranha – que atualmente é Tom Holland – integra o Universo cinematográfico da Marvel e o estúdio desenvolve projetos com bom potencial comercial em paralelo.

Venon

Um desses projetos é a animação “Homem-Aranha no Aranhaverso”, que chega em dezembro e cujas primeiras imagens exibidas na CCXP 2017 são de arrepiar e empolgar muito. O outro é “Venon”, cujo primeiro trailer foi liberado nesta quinta-feira (8) causando grande agitação nas redes sociais.

Leia também: Sony eleva o nível da CCXP com atrações surpresas e surra de conteúdo inédito

“Venon” chega um pouco antes, em 4 de outubro, nos cinemas brasileiros. O personagem surgiu nas HQs em 1988 e logo conquistou o posto de um dos vilões mais populares do universo do Aranha. Nas HQs já atravessou por muitas fases como anti-herói e teve até títulos próprios. Venon é um simbionte alienígena que precisa de um hospedeiro para sobreviver. Esse hospedeiro já foi até mesmo Peter Parker, mas mais frequentemente é o fotógrafo Eddie Brock.

É justamente este o personagem que ganha o cinema e será interpretado por Tom Hardy no filme assinado por Ruben Fleischer (“Zumbilândia” e “Caça aos Gângsteres”). O elenco faz lembrar os tempos áureos dos filmes do Batman e surge estrelado. Além de Hardy, há Michelle Williams, Woody Harrelson e Riz Ahmed, além de Tom Holland.

A primeira prévia é alvissareira. Pouco se diz sobre a trama exatamente, mas é possível intuir um tom mais sombrio e dramático afastando a produção do cromossomo da Marvel, o que pode ser muito positivo. A escolha de Fleischer para a direção mostra que o humor pode ser uma peça-chave no longa, mas não sua força-motriz. Hardy, por seu turno, costuma adensar anti-heróis com força e propriedade e filmes como a nova versão de Mad Max ratificam isso.

 

Autor: Tags: , , ,

sábado, 25 de novembro de 2017 Filmes, Notícias | 11:30

Boa safra de indies vai com força para o Oscar 2018

Compartilhe: Twitter

Foram divulgados nesta semana os indicados ao Independent Spirit Awards, premiação do cinema independente americano que ganhou bastante projeção nos últimos anos por antecipar os principais concorrentes e vencedores do Oscar. Na safra de 2018 se destacaram “Me Chame pelo seu Nome”, “Corra!” e “Lady Bird”.

Com seis indicações, "Me Chame pelo seu Nome" lidera corrida pelo Independent Spirit Awards

Com seis indicações, “Me Chame pelo seu Nome” lidera corrida pelo Independent Spirit Awards

Não houve grandes surpresas na lista divulgada pelo Spirit, a despeito de alguma esquizofrenia. “Lady Bird”, por exemplo, que marca a estreia de Greta Gerwig na direção emplacou indicações nas principais categorias, mas Gerwig não foi lembrada entre os diretores. O elogiado “Três Anúncios para um Crime” recebeu nomeações para os intérpretes e roteiro, mas ficou de fora da categoria principal. Há outros casos, mas esses dois talvez sejam os mais emblemáticos dessa curiosa circunstância.

Curioso também é o fato de que filmes indies financiados por gente enrolada nos casos de assédio em Hollywood ficaram totalmente de fora, caso de “Terra Selvagem”. O distanciamento de Hollywood provocou a exclusão absoluta de “A Forma da Água”, de Guillermo del Toro.

“Projeto Flórida”,  “Bom Comportamento”, o chileno ‘Uma Mulher Fantástica”, “Artista do Desastre” e “I, Tonya” são outros filmes que brigam por vagas no Oscar.

Não é de hoje que o cinema independente americano vive grande fase e a safra de 2017 é especialmente entusiasmante como atestam os indicados a melhor primeiro filme, com destaque para o ótimo “Columbus”.

Nas próximas semanas conheceremos os indicados ao Critics´Choice Awards (6/12) e Globo de Ouro (11/12).

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 5 de junho de 2017 Análises | 16:00

A guerra do estúdios ao site Rotten Tomatoes e a restabelecida energia da crítica de cinema

Compartilhe: Twitter

Paramount e Disney abrem fogo contra o site agregador de críticas Rotten Tomatoes e falam em cancelar sessões para a imprensa de seus grandes lançamentos. Mas essa “guerra” não é essencialmente nova em Hollywood

via GIPHY

É um tanto comum a percepção de que a crítica de cinema é uma arte moribunda. Muito pouca gente se abaliza por uma crítica na hora de ir ao cinema ou escolher um filme para assistir. Se internet e redes sociais hoje são senhoras do hype, um fenômeno interessante envolvendo a crítica de cinema aconteceu: o site agregador de críticas Rotten Tomatoes passou a servir como uma referência. É justamente essa referência, e a crítica por tabela, que estão no centro de uma polêmica envolvendo alguns dos principais estúdios de cinema.

Leia também: “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” prepara adeus a Jack Sparrow

Paramount e Disney culparam o Rotten Tomatoes pelo pífio desempenho comercial de “Baywatch”, do primeiro, e “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar”, do segundo, nos cinemas. Na lógica desses estúdios a baixa aprovação crítica, “Baywatch” tem cotação de 19% enquanto “A Vingança de Salazar” tem pouco mais de 40%, afugentou a audiência do cinema.

Leia também: Dwayne Johnson e Zac Efron esbanjam química nos bastidores de “Baywatch”

O Rotten Tomatoes tem, de fato, muitos problemas enquanto conceito. Ele parte do pressuposto que uma resenha se resume a avaliar positiva ou negativamente uma produção – uma demanda mais do público médio do que da crítica em si. A gradação é outro ponto questionado. Uma nota “C+” é alinhada entre as críticas positivas enquanto um “B-“, nitidamente uma nota superior, entre as negativas.  Ainda assim, a queixa dos estúdios não procede.

"Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar" não emplacou junto a crítica e vai mais ou menos na bilheteria

“Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” não emplacou junto a crítica e vai mais ou menos na bilheteria

É sintomático em uma indústria que prioriza o seguro em detrimento do risco e aposta em franquias e histórias consolidadas, que grande parte dos lançamentos de uma temporada naufrague. Com produções cada vez mais caras – “Piratas” custou US$ 320 milhões e o “barato” Baywatch”, US$ 69 milhões -, a necessidade dos estúdios produzirem sucessos também é cada vez maior.

O público sabe o que quer e o que não quer. Um quinto “Piratas” desperta menos curiosidade do que o primeiro “Mulher – Maravilha”. Nesse sentido, o Rotten Tomatoes, que sustenta a exagerada marca de 93% de aprovação para o filme de Patty Jenkins, nada mais é do que um reflexo do interesse do público. Ainda que todos esses filmes gozem de menos prestígio junto à crítica do que “Corra!”, um hit do cinema independente que já amealhou mais de US$ 200 milhões nas bilheterias dos EUA.

Leia também: “Mulher-Maravilha” é acerto da Warner em Hollywood, no cinema e na vida

A Paramount ameaçou não fazer sessões de seus filmes para a imprensa. Puro recalque, diria Valesca Popozuda. O problema não é a crítica. O problema é a qualidade dos filmes e, ainda que com conotação negativa para os estúdios, a percepção e critério mais sofisticados da audiência em relação à variedade de opções no cinema. A ideia de sabotar a crítica de cinema paira já há algum tempo, mas imbróglios como esse inadvertidamente acabam por fortalecê-la.

Autor: Tags: , , , ,