Publicidade

Posts com a Tag Deadpool

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016 Análises | 14:10

O efeito Deadpool já se faz sentir em Hollywood e filmes de heróis devem mudar

Compartilhe: Twitter

O sucesso de “Deadpool” desnorteou os executivos de Hollywood. Isso pode ser muito positivo no curto prazo; mas como Hollywood é um lugar complexo pode se tornar algo bem ruim no médio prazo.

Antes de avançar no raciocínio é preciso voltar um pouco no tempo e entender o sucesso de “Deadpool”.

O filme, que custou cerca de US$ 80 milhões e já arrecadou o dobro disso globalmente em apenas um fim de semana, foi alvo de uma campanha de marketing agressiva na internet. Ryan Reynolds, que lutou com unhas e dentes para tirar o projeto da gaveta, se engajou de uma maneira incomum para astros hollywoodianos nessa corrente promocional ainda tão pouco (bem) explorada pelos estúdios.

Crítica: “Deadpool” presenteia público com humor sem concessões 

Isso, aliado ao fato do filme ser exatamente aquilo que seus realizadores idealizaram (uma comédia de ação virulenta, cheia de referências pop e recheada de humor negro), ajuda a entender o porquê do sucesso acachapante do longa. A data da estreia, estrategicamente alocada em uma janela sem grandes lançamentos, reforçou o poder de alcance do filme.

Foto (Divulgação)

Foto (Divulgação)

Hollywood ainda tenta assimiliar o que é causa e o que é efeito no sucesso de “Deadpool”, mas já há vozes pondo lenha na fogueira. O diretor James Gunn, que com o seu “Guardiões da Galáxia” alcançou êxito muito semelhante ao de “Deadpool”, expressou descrença de que algo genuinamente positivo possa emergir dessas circunstâncias.

“Você vai ver Hollywood entendendo tudo errado a partir desta lição”, escreveu o cineasta em seu Facebook. “Eu vi isso acontecer com ‘Guardiões.’ Eles não vão entender um filme original e sem medo de correr riscos. Eles vão liberar filmes de heróis cômicos que quebrem a quarta parede. Eles vão te tratar como idiota, algo que ‘Deadpool’ não fez”.

Se essa previsão pessimista vai vingar ou não (e é provável que vingue), ainda é cedo para saber, mas a Fox já repensa seus próximos lançamentos. O terceiro filme solo de Wolverine, previsto para 2017, pode receber o “tratamento Deadpool” e ser proibido para menores de 17 anos desacompanhados dos pais nos EUA, e para menores de 16 anos no Brasil.

Leia também: Pansexual, Deadpool chega aos cinemas para revolucionar filmes de heróis

A grande ironia é que Darren Aronofsky deixou a direção de “Wolverine: Imortal” (2013) porque havia pensando em um filme mais violento, cru e entrado em desacordo com o estúdio. Wolverine, que certamente não recepciona o mesmo tipo de humor de Deadpool, é um personagem que já pedia há algum tempo um tratamento mais sombrio no cinema.

É, porém, necessário ter a percepção de que o sucesso de um filme em suas peculiares circunstâncias não será plenamente replicado por outro, mas “Deadpool” chegou mesmo para embaralhar o tumultuado e, até certo ponto, exaurido cenário dos filmes de super-heróis. A ideia de deixar os filmes mais com cara de ‘filme adulto’ pode ser uma alternativa. As séries da parceria Marvel/Netflix já sinalizavam isso. Hollywood, de vez em quando, fica perseguindo a cauda. As vezes encontra.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016 Críticas, Filmes | 14:14

“Deadpool” presenteia público com humor sem concessões

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Você pode encarar “Deadpool” de duas maneiras diferentes. A primeira como um filme que utiliza o humor como um expediente para disfarçar sua pouca profundidade e a falta de uma verve autoral tão comum às mais recentes adaptações de HQs. A segunda, e mais correta, corresponde a um filme que rejeita qualquer concessão e tem no humor, sua principal ferramenta de crítica ao gênero do momento em Hollywood, o filme de super-herói.

“Deadpool” não é o grande filme do ano, mas dificilmente outro vai proporcionar tanta diversão na sala escura em 2016.

A honestidade do filme, que apresenta no cinema o Deadpool das HQs com todas as suas características – sendo a consciência de ser um produto de HQ, no caso, o personagem de um filme, a mais surreal e surpreendente delas – garante o respeito do espectador. Esse espectador pode até se surpreender com o nível das piadas, uma mais suja e sacana do que a outra; e isso é muito bom.  Primeiro porque não costumamos mais nos surpreender de fato no cinema e segundo porque “Deadpool” é um filme que foi concebido como deveria ser e, no final das contas, todo mundo vai perceber isso.

A ideia não é necessariamente descontruir os filmes de super-heróis, mas a estrutura do filme – que é também um filme de origem – acaba fazendo isso. Há piadas de toda sorte e nem mesmo a Fox, que custou a aprovar a produção do filme, é poupada.

A cena pós-créditos, para quem ainda não tinha percebido a sátira ao filme de super-heróis, escancara toda a fórmula que, a bem da verdade, já está cansando.

Wade Wilson (Ryan Reynolds) é um mercenário que após ser diagnosticado com câncer acaba aceitando fazer parte de um projeto genético que ativa genes mutantes. As coisas, naturalmente, não terminam bem para ele que se vê afastado do grande amor de sua vida, Vanessa (a brasileira Morena Baccarin) e com efeitos colaterais que o deixam visualmente horripilante.

Wilson, no entanto, mantém-se abrigado no humor. Sua principal ferramenta para viver os dias. E “Deadpool” é um filme que faz uso inteligente do humor. Outro aspecto que chama atenção no filme é a maneira desimpedida com que a sexualidade do personagem é trabalhada. A pansexualidade (atração sexual que independe do gênero) de Wade Wilson é exposta com gosto e sem frescuras. Outro atestado da coragem do filme em não se submeter a eventuais resistências do público.

Sob muitos aspectos, “Deadpool” é um acerto da perseverança. Ryan Reynolds vivia ostracismo em Hollywood, mas nunca desistiu de fazer o filme que o personagem merecia. Hoje, com a bilheteria acachapante que a produção já contabiliza, o selo de aprovação da crítica e a confirmação da sequência, Reynolds riu por último. Calhou do filme que o personagem merecia ser o mesmo que o público queria.

Autor: Tags: , ,