Publicidade

Posts com a Tag festivais

quinta-feira, 13 de abril de 2017 Análises, Bastidores, Filmes | 13:50

Cannes 2017 terá briga entre Netflix e Amazon, autores consagrados e Nicole Kidman como rainha

Compartilhe: Twitter

Mais badalado festival de cinema do mundo chega à 70ª edição com fôlego invejável e escolhas empolgantes. Nicole Kidman estrela quatro produções em destaque no evento

Nicole Kidman tem recorde de filmes em destaque em Cannes em 2017 (foto: HHFP/divulgação)

Nicole Kidman tem recorde de filmes em destaque em Cannes em 2017
(foto: HHFP/divulgação)

O line-up da histórica e aguardada 70ª edição do Festival de Cannes foi anunciado nesta quinta-feira (13) e muitos dos filmes e autores comentados garantiram seu lugar de destaque na croisette. A edição de 2017 do mais badalado festival de cinema do mundo terá novos filmes de gente como o austríaco Michael Heneke – duas vezes vencedor do Palma de Ouro com “A Fita Branca” (2009) e “Amor” (2012) – , a inglesa Lynne Ramsey, a americana Sofia Coppola, a japonesa Naomi Kawase, os franceses François Ozon e Michel Hazanavicius e o turco Faith Akin.

Além dos 18 filmes já anunciados, a competição oficial de Cannes deve ter pelo menos mais dois filmes a serem anunciados nos próximos dias. Dois fatos saltam aos olhos em um primeiro momento. Pela primeira vez, Netflix e Amazon, duas gigantes da distribuição e produção de conteúdo audiovisual , estão na disputa pela Palma de Ouro. A primeira vem com dois filmes. O hypado “Okja”, novo de Bong Joon-Ho, e The Meyerowitz Stories, que marca a estreia do festejado indie Noah Baumbach na Riviera francesa. A segunda vem bancando o novo filme do aclamado Todd Haynes, “Wonderstruck”. A inclusão desses filmes na disputa pela Palma de Ouro ajuda a pavimentar essa mudança de paradigma que as gigantes da internet estão promovendo no negócio, e também na arte, chamada cinema.

Leia também: História de fantasma em “Personal Shopper” coloca protagonista para encontrar a si mesma

Cena de The Killing os a Sacred Deer, que marca o retorno do grego Yorgos Lanthimos, de "O Lagosta", a Cannes

Cena de The Killing os a Sacred Deer, que marca o retorno do grego Yorgos Lanthimos, de “O Lagosta”, a Cannes

O outro fato de grande relevância é que Nicole Kidman está em quatro produções de destaque em Cannes. Além de estrelar “The Beguiled”, de Sofia Coppola, e “The Killing of a Sacred Deer”, de Yorgos Lanthinos, ela poderá ser vista em “How To Talk to Girls at Parties”, de John Cameron Mitchell, for a de competição, e na 2ª temporada da série “Top of the Lake”, de Jane Campion. Aliás, Cannes se abre de vez para a TV em 2017. Além de Jane Campion, vencedora da Palma em 1994 com “O Piano”, David Lynch, vencedor em 1990 com “Coração Selvagem”, volta ao festival para exibir os primeiros capítulos de seu revival de “Twin Peaks”.

Hollywood ainda não confirmou presença no festival. Não há, ao contrário dos últimos anos, grandes blockbusters debutando no evento francês. O filme de abertura, inclusive, será o francês “Ismael´s Ghosts”, de Arnaud Desplechin, que conta com Marion Cotillard e Charlotte Gainsbourg. A presença americana se limita ao viés mais autoral, com Coppola e Haynes como expoentes, e é a menor em pelo menos dez anos.

O prolífero François Ozon garantiu presença. Ele é o cineasta francês mais frequente em festivais de cinema. Hazanavicius oferece seu olhar do mito francês Jean-Luc Godard em “Le Redoutable”. E Cannes terá Robert Pattinson e Kristen Stewart. Sim, de novo. Ele está no elenco de “Good Time”, na competição oficial, e ela exibe sua estreia como diretora, o curta-metragem “Come Swin”.

Leia também: Perturbador e cheio de clima, “Fragmentado” é novo acerto de cineasta de “O Sexto Sentido”

Nicole Kidman, Elle Fanning e Isabelle Huppert, que está em dois filmes, prometem ser as musas de Cannes, que receberá os estranhos no ninho Bem Stiller e Adam Sandler, protagonistas do filme de Baumbach.

Elle Fanning em "The Beguiled", novo de Sofia Coppola

Elle Fanning em “The Beguiled”, novo de Sofia Coppola

Confira os filmes que integram a competição oficial

“Loveless”, de Andrey Zvyagintsev

 “Good Time”, de Benny Safdie e Josh Safdie

“You were never really Here”, de Lynne Ramsay

“L’Amant double”, de François Ozon

“Jupiter’s Moon”, de Kornél Mandruczo

“A gentle creature”, de Sergei Loznitsa

“The Killing of a sacred deer”, de Yorgos Lanthimos

“Radiance”, de Naomi Kawase

“Le jour d’après”, de Hong Sangsoo

“Le Redoutable”, de Michel Hazanavicius

“Wonderstruck”, de Todd Haynes

“Happy end”, de Michael Haneke

“Rodin”, de Jacques Doillon

“The Beguiled”, de Sofia Coppola

“120 battements par minute”, de Robin Campillo

“Okja”, de Bong Joon-Ho

“In the Fade”, de Fatih Akin

“The Meyerowitz stories”, de Noah Baumbach

 

O festival de Cannes acontece entre 17 e 28 de maio de 2017.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 20 de dezembro de 2016 Filmes, Notícias | 11:29

“Vazante”, de Daniela Thomas, estreia no Festival de Berlim

Compartilhe: Twitter

Primeiro filme solo da codiretora de “Linha de Passe” e “Terra Estrangeira” foi selecionado para uma das mais disputadas mostras paralelas do festival alemão

Cena do filme Vazante Foto: Inti Briones

Cena do filme Vazante
Foto: Inti Briones

“Vazante”, primeiro filme solo de Daniela Thomas, que codirigiu “Linha de Passe” (Palma de Ouro de Melhor Atriz em Cannes 2008) e “Terra Estrangeira” ao lado de Walter Salles, terá sua estreia mundial no próximo Festival Internacional de Cinema de Berlim, realizado entre 09 e 19 de fevereiro 2017; como parte da In Focus: Reclaiming Black History, sessão especial criada na mostra Panorama com três filmes (“I Am Not Your Negro” e “The Wound” também serão exibidos). Daniela também assina o roteiro do longa-metragem junto ao produtor Beto Amaral.  A distribuição no Brasil será feita pela Europa Filmes com estreia prevista para 2017.

Leia mais: “Rogue One” reequilibra a força de Star Wars no cinema com força e imaginação

“É emocionante que o meu primeiro filme solo, ‘Vazante’, seja selecionado para a mostra Panorama do Festival de Berlim. A Berlinale é talvez o festival que mais impacto tenha tido no cinema brasileiro das últimas décadas, premiando ‘Central do Brasil’, Fernanda Montenegro, ‘Tropa de Elite’ e ‘Que Horas Ela Volta’. É uma honra e um privilégio voltar aos grandes festivais de cinema que me deram tanta felicidade, como o de Cannes, em 2008, quando recebi a Palma de Ouro para Sandra Corvelloni, por sua linda Cleuza de ‘Linha de Passe’. Fico muito orgulhosa de ter Sandra mais uma vez brilhando em um filme meu. Meu coração está acelerado”, comenta Daniela.

Leia mais: Qual o melhor filme para Hollywood reagir à ascensão da era Trump no Oscar?

O filme se passa em 1821, no interior do Brasil, nas serras pedregosas das Minas Gerais, depois da economia local, que era baseada na extração de diamantes, ter entrado em colapso. O ator português Adriano Carvalho vive Antonio, um patriarca do século XIX, que ao voltar de uma longa viagem conduzindo uma tropa de escravos descobre que sua mulher morreu em trabalho de parto. A estreante Luana Nastas é Beatriz, menina que lhe é dada em casamento. Na ausência do marido, Beatriz fica sozinha com os escravos. Solidão, incomunicabilidade e preconceito levam a uma espiral de violência.

“O filme quer falar de algumas das nossas maiores cicatrizes: a escravidão, o casamento forçado de meninas, a mestiçagem que é fruto do assédio e da exploração sexual das negras e as hierarquias de poder que pervertem até as relações entre os oprimidos. O filme fala também, por outro lado, da eterna possibilidade de redenção e de subversão dessas estruturas tão rígidas”, explica a diretora, que contou com um vasto repertório de informação trazido pela historiadora Mary del Priore.

Leia mais: Primeiro trailer de “Blade Runner 2049” é divulgado

“Vazante” teve como locação principal a fazenda Ribeirão, uma mansão do século XVIII a uma hora de estrada de terra da cidade histórica do Serro, em Minas Gerais. Para o filme, o ator Toumani Kouyaté abriu as portas da comunidade de seus conterrâneos da África subsaariana refugiados em São Paulo, e Rodrigo Siqueira, diretor do documentário “Terra Deu Terra Come”, indicou os caminhos para uma dezena de comunidades quilombolas da região Diamantina, de onde foi arregimentado o elenco da senzala

 

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 31 de agosto de 2016 Notícias | 08:30

73ª edição do Festival de Veneza começa com forte presença do cinema americano

Compartilhe: Twitter

O mais antigo festival de cinema do mundo dá largada na edição de 2016 nesta quarta-feira (31). A 73ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza se estende até o dia 10 de setembro, quando os vencedores do Leão de Ouro serão conhecidos.

Natalie Portman como Jaqueline Kennedy na cinebiografia que compete em Veneza (Foto: divulgação)

Natalie Portman como Jaqueline Kennedy na cinebiografia que compete em Veneza
(Foto: divulgação)

O júri desta edição será presidido pelo cineasta britânico Sam Mendes (“007 Contra Spectre”) e terá 20 filmes para analisar e julgar. O filme de abertura será o musical “La La Land”, novo do promissor e festejado diretor de “Whiplash”, Damien Chazelle.

Se não congrega a pujança de cineastas consagrados que o rival Cannes ofertou em maio, Veneza ostenta uma cota ainda assim poderosa. O francês François Ozon, o mexicano Amat Escalante, o americano Terrence Malick, o bósnio Emir Kusturica e o alemão Wim Wenders trazem seus novos filmes para a competição. Já na seara dos novos talentos, além de Chazelle, Veneza se apresenta insuspeitamente forte. Depois do aclamado “Direito de Amar”, Tom Ford volta à direção com “Nocturnal Animals”, que debuta em Veneza. Os novos de Derek Cianfrance (“Namorados para Sempre”), Denis Villenueve (“Os Suspeitos”) e Pablo Larraín também integram a competição oficial.

Atrações

Kusturica apresenta “On The Milky Road”, rodado na fronteira entre a Sérvia e a Croácia e estrelado pela italiana Monica Bellucci, o filme é preliminarmente apontado como um dos favoritos do lido. O cineasta bósnio venceu o Leão de Ouro em 1981 por “Você se Lembra de Dolly Bell?” e triunfou duas vezes no festival de Cannes. Já o alemão Wenders que rodou o impressionista documentário “Pina” em 3D, volta a usar a ferramenta novamente em um documentário com “The beautiful days of Aranjuez”.

Natalie Portman vive Jaqueline Kennedy na cinebiografia “Jackie” dirigida pelo chileno Pablo Larraín (“No”). Outras estrelas hollywoodianas são aguardadas no festival. Amy Adams, Jake Gyllenhaal, Ryan Gosling, Emma Stone, Michael Fassbender e Alicia Vikander são alguns deles.

Contando as coproduções, o cinema americano constitui maioria absoluta no lido. São oito filmes contra três italianos, a segunda cinematografia com maior representação em Veneza.

A atriz Amy Adams está em dois filmes que competem em Veneza: "Nocturnal Animals" e "Arrival" (Foto: reprodução/The Wrap)

A atriz Amy Adams está em dois filmes que competem em Veneza: “Nocturnal Animals” e “Arrival”
(Foto: reprodução/The Wrap)

Confira os filmes que integram a competição oficial

“The bad batch”, Ana Lily Amirpour (EUA)
“Une vie”, Stephan Brizé (França, Bélgica)
“La La Land”, Damien Chazelle (EUA)
“The light between oceans”, Derek Cianfrance (EUA, Austrália, Nova Zelândia)
“El ciudadano ilustre”, Mariano Cohn, Gaston Duprat (Argentina, Espanha)
“Spira Mirabilis”, Massimo D’Anolfi, Martina Parenti (Itália, Suíça)
“The woman who left”, Lav Diaz (Filipinas)
“La region salvaje”, Amat Escalante (México)
“Nocturnal animals”, Tom Ford (EUA)
“Piuma”, Roan Johnson (Itália)
“Rai”, Andrei Konchalovsky (Rússia, Alemanha)
“Brimstone”, Martin Koolhoven (Holanda, Alemanha, Bélgica, França, Reino Unido e Suécia)
“On the milky road”, Emir Kusturica (Sérvia, Reino Unido, EUA)
“Jackie”, Pablo Larraín (EUA, Chile)
“Voyage of time”, Terrence Malick (EUA, Alemanha)
“El Cristo ciego”, Christopher Murray (Chile, França)
“Frantz”, François Ozon (França)
“Questi giorni”, Giuseppe Piccioni (Itália)
“Arrival”, Denis Villenueve (EUA)
“The beautiful days of Aranjuez”, Wim Wenders (França, Alemanha)

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 13 de maio de 2016 Bastidores, Notícias | 20:41

Filmes franceses ousados marcam primeiros dias do festival de Cannes

Compartilhe: Twitter

Os primeiros três dias de Cannes se provaram bastante intensos. De Justin Timberlake fazendo show – para divulgar a animação “Trolls” – a piada sobre abuso sexual constrangendo Woody Allen, os primeiros dias na Riviera francesa tiveram de tudo. Até mesmo Julia Roberts confessando “limitações intelectuais” quando questionada se iria enveredar pela direção.

Justin Timberlake e Anna Kendrick fazem show em Cannes (Foto: divulgação)

Justin Timberlake e Anna Kendrick fazem show em Cannes
(Foto: divulgação)

A seguir, o Cineclube reúne alguns dos principais pontos desses primeiros dias de festival.

Bem me quer, mal me quer

Foi a oitava vez de Woody Allen em Cannes e pela oitava vez fora de competição. “Não acredito em competição na arte”, reiterou o cineasta americano de 80 anos na coletiva.  Allen teve de lidar com perguntas duras a respeito das acusações de abuso sexual que uma das filhas de Mia Farrow lhe imputou e que seu filho, Ronan, mantém em destaque na mídia.

Seu filme, “Café Society”, não produziu a mesma paixão de “Meia-Noite em Paris” (2011), o último Allen a debutar em Cannes, mas agradou.

Loach afina discurso esquerdista

O irlandês Ken Loach, que já ganhou a Palma de Ouro com “Ventos da Liberdade” (2006), exibiu “I, Daniel Blake” na competição e arrancou aplausos. O filme mostra as dificuldades de um carpinteiro de 59 anos com problemas cardíacos em acessar o sistema previdenciário. Loach, notório por um cinema ativista e mais à esquerda, causou ótima impressão na riviera francesa.

França ousada

Cena do filme "Rester Vertical" Foto: divulgação

Cena do filme “Rester Vertical”
Foto: divulgação

Os dois primeiros filmes franceses em competição foram exibidos na quinta (12) e sexta (13) e causaram grande burburinho. Em Cannes e entre cinéfilos nas redes sociais. “Rester Vertical”, novo filme de Alain Guiraudie, que assombrou Cannes há três anos com “O Estranho do Lago”, mostra um homem que precisa cuidar de seu filho recém-nascido após ele ser abandonado pela mãe. A produção tem cenas de sexo explícito e outras com potencial de choque. Comparações entusiasmadas com David Lynch pipocaram na crítica internacional.

Já “Ma Loute” é uma comédia de humor negro dirigida por Bruno Dumont e apresenta uma família com um gosto excêntrico: gosta de comer carne burguesa. De gente mesmo. Juliette Binoche é uma das estrelas da produção.

O Brasil que produz

A RT Features, produtora do brasileiro Rodrigo Teixeira com forte penetração internacional, com um catálogo com filmes como “Love”, ‘Mistress America” e “A Bruxa”, acertou a produção dos novos filmes de James Gray (“Ad Astra”) e Abbas Kiarostami (“24 Frames”). Tratam-se de duas figuras queridas de Cannes, sem filmes no festival neste ano e que, abrigados sob o guarda-chuva da RT Features, enobrecem ainda mais a boa fama que a produtora está construindo.

Autor: Tags: ,

sexta-feira, 15 de abril de 2016 Análises | 22:30

Presença do Brasil em Cannes, com “Aquarius”, reflete edição forte e equilibrada

Compartilhe: Twitter

Na última quinta-feira (14), o diretor artístico do festival de Cannes, Thierry Frémaux, anunciou o line up da edição de 2016. Trata-se da mostra competitiva mais forte dos últimos anos, a julgar pelos nomes selecionados. A presença de cineastas de prestígio e contumazes em Cannes como Pedro Almodóvar, Christian Mungiu, Ken Loach, Olivier Assayas, Nicolas Winding-Refn, Jean-Pierre e Luc Dardenne, entre outros fez com que Frémaux se sentisse instigado a fazer, perante a imprensa internacional, uma defesa do que chamou de “regulares” em Cannes. Para o curador do festival, são eles que atestam o estado da arte e tê-los em Cannes é um privilégio que não se deve abdicar. Em 2016, a fortíssima mostra competitiva terá, ainda, a presença brasileira.

Confira a lista completa dos filmes que integram o festival de Cannes 2016

Conforme amplamente divulgado pela imprensa nacional na quinta-feira (14), “Aquarius”, do cineasta pernambucano Kleber Mendonça Filho, foi selecionado para a disputa da Palma de Ouro. É o retorno do Brasil à principal mostra do festival de cinema mais importante do mundo oito anos depois que ‘Linha de Passe”, de Walter Salles, concorreu e valeu a Sandra Corveloni a Palma de Ouro de melhor atriz.

Sonia Braga em cena de "Aquarius"  (Foto: Victor Jucá)

Sonia Braga em cena de “Aquarius”
(Foto: Victor Jucá)

O Brasil venceu a Palma de Ouro em 1962 com “O Pagador de Promessas”.

“Aquarius” é o segundo longa-metragem de Filho. O primeiro, “O Som ao Redor” (2012), foi a grande sensação do cinema brasileiro junto à crítica internacional desde “Cidade de Deus” (2002).

O filme tem Sonia Braga no papel principal de Clara, uma escritora e jornalista aposentada, viúva, mãe de três filhos adultos. Ela é moradora do edifício Aquarius, o último de estilo antigo na beira mar do bairro de Boa Viagem, no Recife. Dona de um apartamento repleto de discos e livros, ela irá enfrentar as investidas de uma construtora que tem outros planos para aquele terreno: demolir o Aquarius e dar lugar a um novo empreendimento. Dona do seu passado, do seu presente e do seu futuro, esse conflito dará a Clara uma energia nova à sua vida.

“Poder estreá-lo em Cannes é um momento muito feliz desse processo, que teve início há três anos, com a primeira versão do roteiro, escrito por mim. Fico ainda mais feliz por toda a nossa equipe formada por gente de todo o Brasil, e especialmente por artistas e técnicos pernambucanos. Fico feliz também por Sonia Braga. Quero que esse filme seja muito bom para essa artista maravilhosa e para a pessoa incrível que ela é”, disse o cineasta em nota divulgada à imprensa. “É bom pensar que ‘Aquarius’ vai nascer em Cannes, um festival tão importante para qualquer profissional de cinema ou cinéfilo”, complementa a produtora Emilie Lesclaux.

O cineasta Kleber Mendonça Filho leva o cinema brasileiro de volta à croisette  (Foto: Victor Jucá)

O cineasta Kleber Mendonça Filho leva o cinema brasileiro de volta à croisette
(Foto: Victor Jucá)

A concorrência será pesadíssima. Além de prévios vencedores da Palma de Ouro, como os já citados Mungiu, Loach e os Dardenne, há cineastas de grife como Paul Verhoeven, Sean Penn, Jeff Nichols, Jim Jarmusch, Xavier Dolan e Park Chan-Wook.

A pujança de 2016 se verifica por outros parâmetros também. Depois de dois anos com menos de vinte filmes na competição oficial, Cannes voltou a apresentar seu número mágico. E Frémaux já avisou que ainda pode ter surpresas de última hora. São três as cineastas mulheres na competição. Nos últimos dez anos, apenas em 2011, havia mais de duas em competição; no caso eram quatro. Há, ainda, quatro diretores competindo pela primeira vez (Maren Ade, Kleber Mendonça Filho, Alain Guiraudie e Christi Puiu – esses dois últimos em mostras paralelas.

São indicadores da mostra forte que Cannes alinhou. E ainda não comentamos as mostras paralelas e os filmes fora de competição, que terão outras grifes da dimensão de Steven Spielberg e Woody Allen, com George Clooney e Julia Roberts para temperar.

Autor: Tags: , ,

domingo, 20 de setembro de 2015 Filmes, Notícias | 20:19

Festival de Toronto realinha corrida pelo Oscar e destaca filme nordestino “Boi Neon”

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

O drama “Room”, sobre uma mãe que cria seu filho em um cativeiro, venceu o principal prêmio do Festival Internacional de Cinema de Toronto, encerrado neste domingo. O prêmio da audiência consagrou o filme independente estrelado por Brie Larson (“Anjos da lei”) e dirigido por Lenny Abrahamson. O segundo lugar ficou com “Spotlight”, que tem Michael Keaton e Mark Ruffalo à frente de grande elenco em drama jornalístico sobre o acobertamento de escândalos sexuais pela igreja católica em Boston (EUA).

O prêmio da audiência em Toronto costuma gerar muito buzz para o filme agraciado na temporada de premiações que terá sua largada oficial dentro de pouco mais de dois meses. Nos últimos anos, filmes como “O jogo da imitação”, “O lado bom da vida”, “12 anos de escravidão” e “O discurso do rei” triunfaram em Toronto e garantiram nomeações ao Oscar, entre outras categorias, de melhor filme. A se ponderar para a temporada 2015/2016, no entanto,  o fato de que nenhum dos filmes que triunfaram em Toronto era tão indie. De qualquer modo, parece seguro apontar Larson e seu companheiro de cena, o ator mirim Jacob Tremblay – de apenas 8 anos, como nomes respeitáveis na corrida pelo Oscar.  Pelo Twitter,  Brie Larson  vibrou com a notícia da vitória do filme em Toronto. “Pulando de alegria e me debulhando em lágrimas na minha cozinha. Obrigado Toronto, obrigado time Room”. Confira o trailer de “Room” mais abaixo.

O consenso geral em Toronto, mais do que a ascensão de grandes filmes, foi a percepção de que este é um ano muito bom para atuações. Várias despontaram com força no festival. Entre os homens, Johnny Depp (“Aliança do crime”), Eddie Redmayne (“A garota dinamarquesa”) e Tom Hiddleston (“I saw the light”) parecem os que mais se beneficiaram. Entre as mulheres, Cate Blanchett vem com força dupla com “Truth”, outro drama com fundo jornalístico, e o já notório “Carol”, sobre uma avassaladora paixão homossexual.  Emily Blunt (“Sicario”) e Charlotte Rampling (“45 years”), Sandra Bullock (“Our brand is crisis”) também geraram forte buzz.

Na mostra plataforma, uma novidade da edição de 2015, o premiado foi o documentário canadense “Hurt”, mas o brasileiro “Boi neon”, que já havia causado sensação em Veneza , tendo inclusive sendo premiado, recebeu menção honrosa do júri composto pelos cineastas Claire Denis, Jia Zhang-Ke e Agnieszka Holland.

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 11 de setembro de 2015 Filmes, Notícias | 20:52

Filme de Stephen Frears sobre doping de Lance Armstrong ganha trailer

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Stephen Frears é daqueles cineastas que gostam de botar o dedo na ferida. Não exatamente para polemizar, mas para refletir sobre nossa condição humana. Destacam-se nessa corrente em sua filmografia “Philomena” (2013), que observa como a igreja católica separava mães de seus filhos sob o pretexto de ajudar o próximo, “A rainha” (2006), que remonta a tragédia íntima e no coração da monarquia inglesa com a morte da princesa Diana, e “Coisas belas e sujas” (2002), sobre a questão da imigração na Europa. “The program”, seu novo filme em premiere no festival internacional de cinema de Toronto, narra um dos episódios mais marcantes da crônica esportiva recente. O caso de doping do ciclista Lance Armstrong.

A história escrita por John Hodge (“Trainspotting – Sem Limites”) a partir do livro Seven Deadly Sins: My Pursuit Of Lance Armstrong, de David Walsh, mostra a trajetória de um jornalista imbuído de provar que o atleta usou substâncias proibidas para melhorar seu desempenho e conquistar sete títulos consecutivos na competição Tour de France. O filme, porém, a julgar pelo trailer, confronta as perspectivas do jornalista com as do próprio Armstrong. “The program” promete ser um dos filmes mais quentes de uma promissora temporada de premiações.

O filme tem o ótimo Ben Foster na pele de Lance Armstrong e um elenco de apoio poderoso com figuras como Dustin Hoffman, Lee PaceChris O’Dowd e Guillaume Canet. Ainda não há previsão de estreia confirmada para a fita no Brasil, mas é razoável supor que chegue aos nossos cinemas nos primeiros meses de 2016.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 4 de setembro de 2015 Filmes, Notícias | 21:49

Longa brasileiro “Boi Neon” busca contradição do corpo e causa boa impressão em Veneza

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Um filme sobre um vaqueiro que desenha vestidos e sonha em ser estilista e sobre uma caminhoneira que faz striptease à noite tomou o festival de Veneza de assalto logo no início dos trabalhos.  A obra do jovem cineasta Gabriel Mascaro, dos impactantes “Domésticas” (2012) e “Ventos de agosto” (2014) faz parte da programação da mostra paralela Horizontes.

“O meu longa tenta revisar a compreensão política e simbólica das relações humanas no Nordeste, explorando tramas e cores que testemunham as contradições da sociedade e dilatando as noções de identidade e gênero que afrontam os personagens em uma escala diferente de valores e aspirações”, observou o cineasta na coletiva do filme no lido.

“A exploração fascinante do corpo e de normas de gênero se impõem ao desenvolvimento narrativo”, anotou a crítica do The Hollywood Reporter que cravou Mascaro como um “talento a se observar”. Já a Variety observa que o “filme exala harmonia” e sublinha a forte conotação sexual de um filme “mais interessado em um aprofundado subtexto político do que em qualquer desenvolvimento narrativo convencional”. “O filme chama atenção para velhas tradições que estão sendo abandonadas, assim como certas ideias de masculinidade”, anotou a crítica do Guardian.

“Boi Neon” mostra o mundo de Iremar (Juliano Cazarré), um homem encarregado de cuidar dos touros da vaquejada, mas que sonha em ser estilista feminino; de Galega (Maeve Jinkings), motorista de caminhão que transporta os animais de uma arena à outra e que de noite faz striptease; de Cacá (Alyne Santana), a filha pré-adolescente de Galega; e de Zé (Carlos Pessoa), colega de trabalho de Iremar.

As relações entre os personagens não são nunca muito bem explicadas pelo diretor, que os apresenta como uma metáfora de uma sociedade em processo de mudanças constantes que não se solidificam. Essa ambiguidade é bem mostrada por Mascaro, que descreve o dia a dia desses microcosmos como um etimólogo examina a vida de uma colmeia ou de um formigueiro.

Graças aos seus inúmeros trabalhos como artista plástico, o pernambucano retrata o mundo das vaquejadas como se fosse uma obra de arte em constante movimento. “Um dos meus propósitos ao realizar este filme é eliminar o lugar comum de que o Nordeste brasileiro está povoado apenas de gente inculta e violenta e transformá-lo em um ambiente sacro, exótico e misterioso”, declarou Mascaro.

*Com informações da Agência Ansa

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Notícias | 21:39

Veneza acerta na dosagem de ousadia e tradição em line up vigoroso

Compartilhe: Twitter

A direção do festival de Veneza anunciou nesta quarta-feira os filmes que compõem a 72ª edição do mais antigo e tradicional festival de cinema do planeta. O line up da competição oficial é vigoroso como se poderia esperar da seleção do evento italiano, diverso, com a presença de produções da Ásia e da América Latina, e robusto, com figuras consagradas como Marco Bellocchio, Amos Gitai, Alexandr Sokurov e Jerzy Skolimowski.

Não obstante, Veneza recepciona a Netflix – que teve um dos eventos mais concorridos em Cannes (uma palestra, não um filme) – com força. São três produções da empresa no lido. “Beasts of no Nation”, de Cary Fukunaga, “Remember”, novo do egípcio Atom Egoyan e “Anomalisa”, animação em stop-motion de Charlie Kaufman, roteirista de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”.

A competição oficial ainda destaca os novos filmes de Pablo Trapero (“El clan”), Luca Guadagnino (A bigger splah”) e Tom Hooper (“The danish girl”).

Kristen Stewart em cena da ficção científica "Equals" (Fotos: divulgação)

Kristen Stewart em cena da ficção científica “Equals”
(Fotos: divulgação)

Trata-se de uma seleção bem urdida com vencedores prévios do Leão de ouro, italianos renomados e cineastas de prestígio. O evento, no entanto, guarda outras surpresas e mimos para fora da competição oficial. Martin Scorsese, por exemplo, vai debutar seu curta-metragem (“The audition”)  feito sob encomenda de um cassino e estrelado por Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Robert De Niro, em Veneza. O cineasta Noah Baumbach leva ao lido um documentário sobre a lenda viva do cinema Brian De Palma (“De Palma”).  A nova obra do russo Sergei Loznitsa (“Sobytie”) também será exibida fora de competição. Outras três produções que geram bastante expectativa nos cinéfilos estão alinhadas para serem exibidas no lido. São elas: “Go with me”, de Daniel Alfredson, “Aliança do crime”, de Scott Cooper, e “Spotlight”, de Thomas McCarthy.

Leia também: Cassino reúne DiCaprio, De Niro e Scorsese e coloca cinefilia em transe

Leia também: Netflix anuncia seu projeto mais ambicioso, filme de guerra estrelado por Brad Pitt

O Brasil, que andava negligenciado pelos principais festivais de cinema do mundo, é recuperado por Veneza e integra a mostra Horizontes do evento. A seleção prestigia produções que oferecem novas tendências e estéticas na cinematografia mundial.

“Mata-me por favor”, de Anita Rocha da Silveira, fala de imaginação e crime em um universo juvenil e ainda não tem distribuição confirmada no Brasil. A fita mescla humor, mistério, drama e suspense, de acordo com a sinopse disponibilizada. Já “Boi neon” é uma coprodução entre Brasil, Uruguai e Holanda, estrelada por Juliano Cazarré. “Tarântula” é um curta-metragem assinado por Aly Muritiba e Marja Calafange.

O tarimbado elenco de "Spotlight": Michael Keaton, Liev Schreiber, Mark Ruffalo, Rachel McAdams e John Slattery

Tarimbado elenco de “Spotlight”: Michael Keaton, Liev Schreiber, Mark Ruffalo, Rachel McAdams e John Slattery

Veneza, mais do que qualquer outro grande festival neste ano, apostou na variedade mais como um atrativo do que como uma obstinação. É uma diferenciação importante em termos de estratégia. Alberto Barbera, à imprensa, disse que “a seleção vai dos pequenos filmes que são quase experimentais a documentários e filmes de autor que tentam inovar as formas do cinema contemporâneo”. Faltou mencionar Hollywood, que comparecerá em peso. Seja em filmes de autores de outras nacionalidades, seja em produções americanas.  Robert Pattinson, Michael Keaton, Jake Gyllenhaal, Kristen Stewart, Idris Elba, Eddie Redmayne e Rachel McAdams são alguns dos nomes que devem dar as caras em Veneza entre os dias 2 e 12 de setembro, período em que o festival acontece.

O júri é presidido pelo mexicano Alfonso Cuarón e conta com os cineastas Nuri Bilge Ceylan, Pawel Pawlikowski, Lynne Ramsay, Hou Hsiao-hsien, além dos atrizes Elizabeth Banks e Diane Krueger.

Confira os filmes que integram a competição principal

“Frenzy”, Emin Alper (Turquia, Fança, Qatar)
“Heart of a Dog”, Laurie Anderson (EUA)
“Blood of My Blood”, Marco Bellocchio (Itália)
“Looking for Grace”, Sue Brooks (Austrália)
“Equals”, Drake Doremus (EUA)
“Remember”, Atom Egoyan (Canadá, Alemanha)
“Beasts of No Nation”, Cary Fukunaga (EUA)
“Per amor vostro”, Giuseppe M. Gaudino (Itália, França)
“Marguerite”, Xavier Giannoli (França, República Tcheca, Bélgica)
“Rabin, the Last Day”, Amos Gitai (Israel, França)
“A Bigger Splash”, Luca Guadagnino (Itália, França)
“The Endless River”, Oliver Hermanus (África do Sul, França)
“The Danish Girl”, Tom Hooper (Inglaterra, EUA)
“Anomalisa”, Charlie Kaufman, Duke Johnson (EUA)
“L’attesa”, Piero Messina (Itália)
“11 minutes”, Jerzy Skolimowski (Polônia)
“Francofonia”, Aleksander Sokurov (França, Alemanha, Holanda)
“El Clan”, Pablo Trapero (Argentina, Espanha)
“Desde ala”, Lorenzo Vigas (Venezuela, México)
“L’hermine”, Christian Vincent (França)
“Behemoth”, Zhao Liang (China, França)

Jake Gyllenhaal, em cena de "Everest", filme que abre o festival

Jake Gyllenhaal, em cena de “Everest”, filme que abre o festival

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 16 de abril de 2015 Análises | 21:46

Sem medalhões, Cannes aposta em italianos e em possíveis surpresas

Compartilhe: Twitter

“Os grandes autores não estão trabalhando neste ano”, justificou o diretor do festival de Cannes, Thierry Frémaux, principal responsável pela seleção anunciada nesta quinta-feira para a 68ª edição do mais prestigiado festival de cinema do mundo. A fala de Frémaux, talhada como justificativa para o menor comparecimento de medalhões de Cannes no festival em anos, pode ter sido ofensiva para os cineastas escolhidos, mas é compreensível. Muita gente boa que era esperada para integrar o festival ficou de fora (Stephen Frears com sua biografia do ciclista Lance Armstrong, Cary Fukunaga com “Beasts of no nation”, Jeff Nichols, com “Midnight special”, Angelina Jolie com “By the sea” e Naomi Kawase com “Sweet red bean paste” para citar alguns). Contudo, o sentimento geral é de que não havia mesmo muitos cineastas consagrados com trabalhos finalizados e Cannes terá uma quantidade surpreendente, para os padrões do festival, de cineastas estreantes.

O júri presidido pelos irmãos Coen, no entanto, avaliará os novos trabalhos de Nanni Moretti (“Mia madre”), Paolo Sorrentino (“La Giovinezza”) e Matteo Garrone (“Il Racconto dei Racconti”), trinca italiana de favoritos de Cannes pela primeira vez reunidos em um mesma edição do evento. Gus Vant Sant, Jaques Audiard, Todd Haynes e Hirokazu Koreeda são outras figuras eméritas de Cannes que voltam com novos filmes. Duas atrações da mostra competitiva, de cineastas estreantes na Riviera francesa, despertam mais furor. São eles “Sicario”, de Denis Villeneuve e “MacBeth”, de Justin Kurzel. “The lobster”, produção em língua inglesa do grego Yorgos Lanthimos, porém, foi a que mais sensação causou dentre os listados na disputa pela Palma de Ouro. Em um comentário incomum para o protocolo da cerimônia, Frémaux disse que todos seriam surpreendidos pelo filme e que não o entenderiam de todo.

Benicio Del Toro em cena de "Sicario", novo filme do diretor de "O homem duplicado" (Foto: divulgação)

Benicio Del Toro em cena de “Sicario”, novo filme do diretor de “O homem duplicado”
(Foto: divulgação)

Sensação também causou a confirmação de que Woody Allen voltará ao festival, fora de competição, com “Irrational man”. Sua última vez na Riviera foi com “Meia-noite em Paris” em 2011.  Natalie Portman, com seu filme falado em hebraico (“A tale of love and darkness”), e Amy Winehouse, retratada no aguardado documentário “Amy”, levam excentricidade ao tapete vermelho de Cannes. O festival ainda será palco das premières internacionais do novo “Mad Max” e de “Divertida mente”, nova aposta da Pixar.

A avaliação da crítica internacional é de que é cedo para fazer qualquer diagnóstico sobre Cannes. O próprio Frémaux assegurou que mais filmes serão anunciados nos próximos dias, pelo menos outros dois para a competição oficial. Em um festival sem muitos bichos-papões, o espaço para o arrebatamento é maior. Mas o receio da decepção, mais voraz.

O festival de Cannes será realizado entre os dias 13 e 24 de maio. Mais sobre o festival pode ser lido no iG On

Autor: Tags: ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última