Publicidade

Posts com a Tag filmes

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016 Notícias | 19:22

Cinema paulistano fará sessão especial do premiado “White God”, que estreia nesta quinta-feira (25)

Compartilhe: Twitter
Foto: Imovision

Foto: Imovision

Indicado da Hungria para concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2015, “White God” conta a história de uma menina de 13 anos em uma busca incansável por seu cachorro Hagen, abandonado nas ruas de Budapeste por seu pai. Nas ruas, Hagen é encontrado por um adestrador de brigas de rinhas que o tortura para se transformar em um cão violento e vencer os outros animais. Após sofrer maus tratos, Hagen consegue fugir do canil com ouros cães, desencadeando uma revolta animal contra os seres humanos, em uma sociedade que não tolera os animais domésticos.

O filme venceu a mostra Um Certo Olhar do festival de Cannes no ano passado. Buddy, o cachorro que interpreta Hagen, recebeu a Palm Dog. Um prêmio que existe desde 2001, destinados ao melhor ator canino dos filmes da Seleção Oficial do Festival.

O filme será lançado nesta quinta-feira (25) nos cinemas brasileiros. Para o lançamento em São Paulo, a Imovision, distribuidora do longa, fechou uma parceria com a Matilha Cultural para mimar os cinéfilos que amam seus pets. Uma sessão especial do filme vai acontecer no sábado (27)  às  16 :00, e a presença dos cães é liberada. Isso porque a Matilha Cultural é um espaço dog friendly. 

O endereço é Rua Rêgo Freitas, 542, no Centro de São Paulo.

 

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 16 de junho de 2015 Análises, Filmes | 20:19

Filme mais romântico da década de 90, “As pontes de Madison” completa 20 anos

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Clint Eastwood talvez já não seja reconhecido hoje como o caubói durão de outrora. Aos 85 anos, a alcunha de cineasta prestigiado talvez seja a mais notória. Esse prestígio emana de uma filmografia plural, complexa e cheia de energia e inquietação. Parte essencial dessa filmografia, “As pontes de Madison”, que completa 20 anos de lançamento neste junho de 2015, não costuma ser listado por críticos e cinéfilos como um dos pontos altos da carreira de Clint. Talvez por se tratar de um romance, talvez por remeter a uma fase em que Clint ainda era visto como um ator que também dirigia e não como um cineasta/ator. Fato é que “As pontes de Madison” não só é fundamental para construir intimidade com o cinema de Clint – recheado de conflitos existenciais angustiantes, como é, também, uma das histórias de amor mais belas e doloridas já adornadas pelo cinema.

Adaptado da obra homônima de Robert James Waller e roteirizado para o cinema por Richard LaGravenese – que no futuro dirigiria o açucarado “P.S . Eu te-amo” – “As pontes de Madison” apresenta a história de amor entre Francesca Johnson (Meryl Streep, indicada ao Oscar pelo papel), dona de casa que leva vida ordinária no campo, e Robert Kincaid (Clint Eastwood, em grande momento como ator), fotógrafo na região por uns dias para fotografar as pontes que dão nome ao filme e figuram como atração turística do local.

madiPerdido, ele chega à casa de Francesca – que passa alguns dias sozinha sem a companhia dos filhos e do marido que partiram em uma viagem – em busca de informações.  Ela tenta, mas não consegue explicar ao fotógrafo como acessar as tais pontes. Resolve mostrar ela mesma. O dia na companhia um do outro se revela muito mais agradável do que ambos poderiam imaginar. No dia seguinte, Robert e Francesca se aproximam ainda mais e ela decide viver aqueles dias em uma intensidade que jamais imaginara possível em sua vida há 48 horas.

O idílio tem data para acabar? Robert ofertara a Francesca uma verdade que ela sempre negara. A de que ela era uma mulher fascinante, desabrochada e cujo desejo de viver estava confinado naquela vida pacata e cômoda. Robert queria que ela partisse com ele. Francesca gostava da ideia, mas e sua família? O cinema, então, impõe a Meryl Streep um dilema, ainda que menos desolador, tão angustiante quanto o de “A escolha de Sofia”. Francesca precisa decidir se vive essa história de amor em toda a plenitude que intui possível ou se se resigna no seio familiar e atende às responsabilidades uma vez assumidas há tanto tempo.

A narrativa de “As pontes de Madison” transborda sentimento. Seja na perspectiva dos filhos e na disposição destes de entender a escolha da mãe – e com esse exercício reavaliar as próprias escolhas amorosas – seja no afeto sincero e abrupto entre Robert e Francesca. A maneira como Clint Eastwood filma torna possível o tangenciamento do dissabor do amor idealizado.  Francesca e Robert seriam felizes juntos fora daquele contexto? A rotina os alcançaria? O amor só sobrevive se não for vivido em seu todo? São perguntas legítimas que nos acompanham.

“As pontes de Madison”, em um olhar histórico, pode ser observado como o filme que representa a virada de Clint. Aqui estão as primeiras pistas do cineasta observador da natureza humana e de suas contradições, assim como do autor sensível que traz interesses caros ao seu cinema para gravitar os temas centrais de seus filmes. É um Clint diferente do vencedor do Oscar por “Os imperdoáveis” (1992). Mais complexo e menos assertivo.

O amor em escalas, conotações e contextos diferentes voltaria a ser abordado por Clint em filmes como “Menina de ouro”, “A troca” e “Além da vida”. O amor romântico, no entanto, em toda a sua potência, só fora trabalhado por ele aqui.

Autor: Tags: , , , ,

sábado, 6 de junho de 2015 Bastidores, Curiosidades, Filmes | 19:32

Temporada de verão no cinema americano opõe comédias a super-heróis

Compartilhe: Twitter
"Ted 2 " na capa da EW: paródia de Kim Kardashian

“Ted 2 ” na capa da EW: paródia de Kim Kardashian

Ninguém discute que os super-heróis dominam o cinema atual. A tendência não é exatamente nova e, se já dá sinais de desgaste, pode ser relativizada na temporada de verão de 2015 no cinema americano. Isso porque as comédias que serão lançadas entre junho e agosto prometem causar grande comoção.

As grandes sensações das últimas temporadas, as bilheterias surpreendentes, foram comédias. Em 2009, o hit foi “Se beber, não case!”, que colou no todo poderoso, e muito mais caro, “Transformers – a vingança dos derrotados”, faturou cerca de U$ 278 milhões nos EUA e quase U$ 500 milhões no mundo todo. Resultado? Virou uma inesperada franquia cujo terceiro e último filme foi lançado em 2013. No ínterim, “Ted” fez barulho em 2012 e só perdeu na temporada de blockbusters para os aguardadíssimos “O cavaleiro das trevas ressurge” e “Vingadores”. Internacionalmente, o filme estrelado pelo ursinho de pelúcia desbocado fez mais de U$ 500 milhões. A sequência de “Ted” é uma das comédias que prometem incomodar os filmes de super-heróis nessa temporada.

Em 2014, em plena Copa do mundo, que causou receio nos estúdios de haver desinteresse pelos lançamentos de cinema, uma comédia descompromissada estrelada por Seth Rogen e Zac Efron faturou quase U$ 300 milhões mundialmente. O filme em questão é “Vizinhos”.

A força emergente do gênero ficou consolidada com o lançamento de “A escolha perfeita 2” que se pagou integralmente no primeiro fim de semana e ainda ficou à frente do muito comentado “Mad Max: a estrada da fúria”. O filme, que ainda nem sequer estreou em muitos mercados, já faturou U$ 155 milhões nos EUA.  Estreia deste final de semana, “A espiã que sabia de menos” caminha para liderar as bilheterias nos EUA e já colhe bom boca a boca nas redes sociais brasileiras.

Nem tudo são flores: estrelado pelas belas Sofía Vergara e Reese Whiterspoon, "Belas e perseguidas" foi um flop inesperado

Nem tudo são flores: estrelado pelas belas Sofía Vergara e Reese Whiterspoon, “Belas e perseguidas” foi um flop inesperado

Com Bradley Cooper e Emma Stone e assinado pelo badalado Cameron Crowe, "Sob o mesmo céu" também decepcionou nos EUA. O filme chega ao Brasil em 11 de junho

Com Bradley Cooper e Emma Stone e assinado pelo badalado Cameron Crowe, “Sob o mesmo céu” também decepcionou nos EUA. O filme chega ao Brasil em 11 de junho
(Fotos: divulgação)

Além de “Ted 2” e “A escolha perfeita 2”, a Universal apresenta na temporada a nova comédia de Judd Apatow (“O virgem de 40 anos” e “Ligeiramente grávidos”), para todos os efeitos, um dos curadores dessa nova era das comédias. “Descompensada” traz a nova sensação do humor americano, Amy Schumer, como protagonista.

Liberado o trailer da comédia que promete ser a mais ultrajante e divertida de 2015

A Warner, que também não tem nenhum filme de herói em 2015, traz como um de seus potenciais hits o remake de “Férias frustradas” com Ed Helms, Christina Applegate e Chris Hemsworth.

Essa movimentação tem a ver com o crescente interesse do público, especialmente o americano, pelas comédias na temporada de verão.  “As pessoas não querem ter como opção apenas filmes de super-heróis”, disse à Variety a produtora de “A espiã que sabia de menos”, Jenno Topping. Apesar do boom das comédias, são os filmes evento – e aí incluem-se produções como “Terremoto”, “Jurassic World” e “O exterminador do futuro” – os verdadeiros chamarizes da temporada de blockbusters. Não há nenhum indício de arrefecimento na produção destes arrasa-quarteirões. O que se pode dizer, e 2015 deve comprovar, é que o riso vai tornar a carreira dessas megaproduções muito mais difícil.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 4 de março de 2015 Curiosidades, Filmes, Fotografia | 07:00

Mundo corporativo é satirizado em fotos promocionais de nova comédia estrelada por Vince Vaughn

Compartilhe: Twitter

Vince Vaughn pode até sempre fazer o mesmo papel no mesmo tipo de filme, mas o material promocional de “Unfinished business”, seu mais recente filme com estreia prevista para esta sexta-feira nos EUA e para setembro no Brasil, ganha pontos pela originalidade.

A Fox, estúdio responsável pela produção, se uniu a licenciadora de imagens Getty para criar fotos que o internauta pode baixar gratuitamente e que brinca justamente com a ideia do ambiente corporativo. São imagens que ressaltam o viés gozador dos personagens do filme em fotos que costumam ilustrar reportagens sobre o mercado de trabalho e que são realmente licenciadas para uso editorial pela Getty Images.

No filme, Vaughn é um empresário que só tem dois funcionários (Dave Franco – irmão de James – e Tom Wilkinson) e viaja para a Europa para fechar um contrato, mas as coisas acabam saindo do controle. O trailer e as famigeradas fotos podem ser conferidos abaixo.

Fotos:  (Getty e Fox)

Fotos: (Getty e Fox)

Unfinished (2)

Unfinished (3)

Unfinished (6)

Unfinished (7)

Unfinished (8)

Unfinished (10)

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 25 de novembro de 2014 Análises, Filmes | 22:39

O que o Spirit Awards indica sobre a corrida pelo Oscar 2015?

Compartilhe: Twitter
Michael Keaton, Naomi Watts e Zach Galifianakis em cena de "Homem-Pássaro", o favorito do momento

Michael Keaton, Naomi Watts e Zach Galifianakis em cena de “Homem-Pássaro”, o favorito do momento
Foto: divulgação

Quem gosta e acompanha ano após ano a temporada de premiações sabe que o Spirit Awards, maior premiação do cinema independente americano, cresce de importância ano após ano. Em 2015, não há pistas de que essa tendência se reverta. Já era sabido que alguns dos principais filmes dessa corrida pelo Oscar advêm da seara de produções independentes e com “Boyhood – da infância à juventude” e “Homem-Pássaro” na liderança das indicações ao Independent Spirit Awards essa tendência se intensifica.

Leia também: Filme sobre Sebastião Salgado e roteirista brasileiro concorrem ao Spirit Awards

Leia também: Tempo é parâmetro absoluto para epifanias de “Boyhood”

Completam a disputa pela estatueta de melhor filme “Selma”, sobre o idealista e defensor dos direitos civis Martin Luther King, “Whiplash”, sobre a tumultuada relação entre um baterista e seu exigente professor de música, e “O amor é estranho”, sobre um casal gay que precisa se reorganizar depois da demissão de um deles.

Esses cinco filmes naturalmente ganham força na corrida pelo Oscar. Especialmente “O amor é estranho”, o menor e menos badalado dos cinco. “Boyhood”, com cinco indicações, e “Homem-Pássaro”, com seis nomeações, já estavam bem consolidados na corrida.

Leia também: Os novos rumos do cinema de Alejandro Gonzáles Iñarritu

Leia também: Depois dos festivais de Toronto e Veneza, como fica a corrida pelo Oscar 2015?

Leia também: O lado gay do Oscar 2015

Wes Anderson, com o seu “O grande hotel Budapeste”, solenemente ignorado perde momentum. Surpreendentemente, o Brasil vai construindo uma trilha esperançosa nas premiações da temporada. Alguns dias depois de ter um curta-metragem confirmado entre os semifinalistas da categoria no Oscar, o país voltar a fazer bonito. O documentário “O sal da Terra”, sobre o fotógrafo Sebastião Salgado, que já havia brilhado em Cannes, foi indicado para melhor documentário. Isso pode contar pontos a favor do filme dirigido por Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado na corrida pelo Oscar em um ano que a categoria está especialmente dura.

Leia também: Jake Gyllenhaal vive jornalista obsessivo em thriller sobre limites da mídia 

Filmes como “O abutre” e “A most violent year” que também buscam um lugar ao sol na corrida pelo Oscar devem se beneficiar das indicações ao Spirit. No ano passado, vale lembrar, os quatro vencedores do Spirit Awards (Matthew McConaughey, Jared Leto, Cate Blanchett e Lupita Nyong´o) também triunfaram no Oscar. Neste ano, os virtuais favoritos confirmaram presença entre os intérpretes destacados. Casos de Michael Keaton (“Homem-Pássaro”) e Julianne Moore (“Still Alice”). Ainda é muito cedo para prognósticos mais específicos, mas o Spirit Awards sugere que “Selma” é mesmo o azarão da vez. “Whiplash” é o indie com coração que todo mundo fala bem desde o festival de Sundance e “Boyhood” e “Homem-Pássaro” são os favoritos de ocasião.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 5 de maio de 2014 Curiosidades, Fotografia | 22:13

Pôsteres animados de filmes clássicos

Compartilhe: Twitter

O site Haha.nu divulgou uma série de pôsteres animados feitos por fãs de alguns filmes que já ganharam espaço naquela distinta galeria de clássicos do cinema. O efeito, que ficou bem legal, instiga a imaginação: e se essa moda pega na cada vez mais concorrida corrida pelo marketing viral na internet?

"Alien: o oitavo passageiro" (1979)

“Alien: o oitavo passageiro” (1979)

 

"De volta para o futuro" (1985)

“De volta para o futuro” (1985)

"Drive" (2011)

“Drive” (2011)

 

"O hobbit: a desolação de Smaug" (2013)

“O hobbit: a desolação de Smaug” (2013)

"Pulp Fiction: tempos de violência" (1994)

“Pulp Fiction: tempos de violência” (1994)

 

"Kill Bill: volume I" (2003)

“Kill Bill: volume I” (2003)

 

 

"Batman: o cavaleiro das trevas" (2008)

“Batman: o cavaleiro das trevas” (2008)

 

"007: operação Skyfall" (2012)

“007: operação Skyfall” (2012)

 

 

Autor: Tags: , ,