Publicidade

Posts com a Tag Jessica Chastain

terça-feira, 20 de outubro de 2015 Críticas, Filmes | 19:35

O amor dá vida ao horror em “A Colina Escarlate”

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Guillermo Del Toro tem uma visão muito particular do gênero terror. Filmes como “A espinha do Diabo” (2001) e “O labirinto do fauno” (2006) já ensejavam esse fato. “A Colina Escarlate” (2015), no entanto, sob muitos aspectos o primeiro filme genuinamente inserido no gênero assinado pelo cineasta mexicano, leva essa percepção a outro nível.

Alimentando-se da premissa de uma casa mal-assombrada, Del Toro vai afastando-se comedidamente das elaborações deste subgênero para ofertar um conto diabolicamente triste sobre “um amor monstruoso” como um personagem tão brilhantemente coloca em uma das mais memoráveis cenas de um filme que se serve do clima de suspense e horror para abastecer a história que quer contar e não o contrário.

Edith Cushing (Mia Wasikowska) é uma jovem aspirante a escritora da Nova York da virada do século XIX que se ressente da ostentação dos aristocratas. Sob muitos aspectos, ela e seu pai – um construtor – são personificações do futuro à espreita. Quando um baronete da Inglaterra vem a negócios a Nova York, Edith se flagra atraída por ele. Thomas Sharpe (Tom Hiddleston) a cativa para além da corte habitual, atentando para sua expertise como escritora e seu gosto por fantasmas.

Uma combinação desestabilizadora de circunstâncias une Thomas e Edith que parte para a Inglaterra para viver com ele na mansão em ruínas que divide com sua irmã Lucille (Jessica Chastain). Os Sharp, logo percebemos, guardam terríveis segredos e a mansão que faz brotar vermelho na neve – não tão carinhosamente apelidada pelos locais de Colina escarlate – parece ser um organismo vivo a repelir esses segredos.

Del Toro habilmente estabelece todo um clima sobrenatural para adornar uma história terrivelmente humana. O amor, um sentimento tão complexo quanto incandescente, tanto move como paralisa todos os personagens do longa. O verdadeiro terror está aí. Nas possibilidades, nem sempre belas ou referendáveis, do mais nobre dos sentimentos.

Del Toro é feliz em dimensionar os conflitos à medida que eles vão sendo descortinados. Os fantasmas de “A Colina Escarlate” são metáforas de um passado que não se pode escapar.  Essa constatação, tão dolorosamente poética, é a maior das belezas de um filme visualmente soberbo e textualmente imaginativo.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 2 de junho de 2015 Críticas, Filmes | 17:14

“Miss Julie” reflete mal-estar da relação entre macho e fêmea e acomoda paradoxos sociais

Compartilhe: Twitter

Liv Ulmann, atriz prolífera no cinema de Ingmar Bergman, herdou do frequente colaborador o gosto pelo cinema de questionamento existencial. 14 anos depois de dirigir um texto de Bergman para o cinema (“Infiel”), Ulmann retorna com uma adaptação do sueco August Strindberg, referência ocasional para Bergman, cuja peça “Miss Julie”, escrita em 1888, é das mais complexas e assertivas sobre o conflito de classes sociais.

Largamente adaptada para o cinema, a peça ganha pelas mãos de Ulmann sua versão mais teatral. Na radicalidade da encenação, Ulmann se deixa seduzir por sua protagonista maior que a vida na esperança de que o público também se deixe enfeitiçar.

Jessica Chastain é um colosso da atuação e na pele de miss Julie, já vivida por atrizes como Helen Mirren, Fanny Ardant, Bibi Anderson e Janet McTeer, atinge o mais alto grau de fascinação.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Miss Julie é um papel riquíssimo dos pontos de vista narrativo e interpretativo. O jogo de gato e rato histérico e sexual travado entre a filha do barão e o lacaio Jean, aqui grafado como John e vivido pelo irlandês Colin Farrell, em uma noite de solstício do verão irlandês dimensiona não somente o conflito intrínseco às castas sociais, como tangencia o mal-estar entre macho e fêmea em uma sociedade tão arraigada aos ditames de classe.

A psicologia dos personagens interessa mais a Ulmann do que a história em si. Talvez esteja aí a justificativa para a longa duração, 129 minutos, e para a exacerbação da teatralidade. São apenas três atores em cena. Além de Farrell e Chastain, há Samantha Morton, como a cozinheira e noiva de John. Ulmann, no entanto, só consegue transpor certa superficialidade por meio da curva dramática percorrida por Chastain. Ao longo da narrativa, Julie vai da provocação sexual ao amor, da fragilidade ao destempero e Chastain captura toda essa efervescência com absoluto magnetismo. É ela quem estipula as bases para Colin Farrell, cuja interpretação se adensa conforme Chastain toma conta da cena. Um paradoxo que se retroalimenta do conflito entre seus personagens. Ora John emerge da submissão para admoestar Julie, ora recolhe-se a sua referida insignificância com o mero objetivo da autopreservação.

“Miss Julie” certamente não é para qualquer paladar. A despeito de Ulmann não se preocupar tanto com a clareza da narrativa, a lentidão desta por vezes incomoda, ou com a profundidade da lente sobre os personagens, Bergman não pode ser replicado, seu filme é uma proposição interessantíssima de arte pensativa.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 6 de janeiro de 2015 Curiosidades, Fotografia | 20:12

Os melhores atores de 2014 em ensaio artístico na W

Compartilhe: Twitter

Todo ano a revista W, prestigiada publicação cultural americana, em sua edição de fevereiro, mês em que tradicionalmente é realizada a cerimônia do Oscar, realiza um badalado ensaio fotográfico com os atores e atrizes que se destacaram no ano, muitos deles na corrida pelo Oscar. As fotos da W são um dos pontos altos da temporada de premiações do cinema pelo caráter folclórico e imaginativo que adquiriram com o tempo, mas principalmente porque são uma forma mais sutil de fazer campanha por prêmios.

O Cineclube separou algumas das fotos mais interessantes da edição que chega às bancas americanas no próximo mês.

A atriz Emma Stone, coadjuvante em "Birdman"

A atriz Emma Stone, coadjuvante em “Birdman”

Bradley Cooper, elogiado por "Sniper americano"

Bradley Cooper, elogiado por “Sniper americano”

O sempre ótimo J.K Simmons, coadjuvante no bem cotado "Whiplash: em busca da perfeição"

O sempre ótimo J.K Simmons, coadjuvante no bem cotado “Whiplash: em busca da perfeição”

Jessica Chastain, lembrada pelos filmes "Interestelar" e "Um ano mais violento"

Jessica Chastain, lembrada pelos filmes “Interestelar” e “Um ano mais violento”

Ethan Hawke, reverenciado pelo trabalho em "Boyhood"

Ethan Hawke, reverenciado pelo trabalho em “Boyhood”

Jack O´ Connell, protagonista de "Invencível"

Jack O´ Connell, protagonista de “Invencível”

Keira Knightley, em busca do ouro por "O jogo da imitação"

Keira Knightley, em busca do ouro por “O jogo da imitação”

Michael Keaton voltou aos holofotes por "Birdman"

Michael Keaton voltou aos holofotes por “Birdman”

Miles Teller, a força motora de "Whiplash: em busca da perfeição"

Miles Teller, a força motora de “Whiplash: em busca da perfeição”

Reese Whiterspoon, que deve voltar ao Oscar com "Livre"

Reese Whiterspoon, que deve voltar ao Oscar com “Livre”

Scarlett Johansson, destacada por "Sob a pele"

Scarlett Johansson, destacada por “Sob a pele”

Steve Carrel, em alta pelo trabalho em "Foxcatcher"

Steve Carrel, em alta pelo trabalho em “Foxcatcher”

Sienna Miller, coadjuvante em "Sniper americano"

Sienna Miller, coadjuvante em “Sniper americano”

Amy Adams está novamente na corrida com "Grandes olhos"

Amy Adams está novamente na corrida com “Grandes olhos”

Ralph Fiennes, celebrado pelo papel em "O Grande hotel Budapeste"

Ralph Fiennes, celebrado pelo papel em “O Grande hotel Budapeste”

Tommy Lee Jones, lembrado por "The homesman"

Tommy Lee Jones, lembrado por “The homesman”

Uma das capas da revista com Benedict Cumberbatch e Keira Knightley

Uma das capas da revista com Benedict Cumberbatch e Keira Knightley

Fotos: reprodução/W/Just Jared

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 11 de setembro de 2014 Notícias | 18:10

Novo filme do cineasta prodígio Xavier Dolan terá Jessica Chastain

Compartilhe: Twitter
A atriz Jessica Chastain em mais um rumo surpreendente e excitante da carreira (Foto: divulgação)

A atriz Jessica Chastain em mais um rumo surpreendente e excitante da carreira (Foto: divulgação)

O canadense Xavier Dolan, de apenas 25 anos, experimenta cada vez mais prestígio junto à crítica internacional. Seu quinto filme, “Mommy”, sobre as dificuldades de relacionamento entre uma mãe e seu filho adolescente, venceu o Prêmio do Júri no último festival de Cannes e arrancou elogios de muita gente graúda em Hollywood, inclusive uma das musas do momento, a atriz Jessica Chastain. Com ambos presentes no festival de cinema de Toronto, ele apresentando o filme em questão e ela divulgando o drama “Miss Julie”, a admiração mútua deu vez a uma instigante colaboração para o universo cinéfilo.

Dolan anunciou que rodará seu primeiro filme com financiamento americano e plenamente falado em inglês. ‘The death and life of John F. Donovan” será sobre uma estrela do cinema americano que secretamente se corresponde com uma criança inglesa de 11 anos. O diretor ofereceu, segundo relatou ao site IndieWire, o papel “da vilã” para Chastain. ” Trata-se da editora-chefe de uma revista de fofocas. O filme vai ser uma sátira do mundo das celebridades, mas com mais drama do que humor”, adiantou o cineasta.

Jessica Chastain que neste ano ainda poderá ser vista no novo filme de Christopher Nolan, “Interstellar”, é uma atriz que tem se notabilizado por atuar em projetos de alto gabarito e refinadíssimo pedigree. A colaboração com Xavier Dolan deve beneficiar a carreira de ambos, mas facilitar especialmente a imersão de Dolan no mercado americano e, quiçá, brasileiro; uma vez que o projeto parece ser menos radical do que o habitual na filmografia do cineasta. Como o leitor pode conferir no link abaixo.

Xavier Dolan: queridinho do cinema gay faz filmes como terapia 

Xavier Dolan em coletiva de imprensa no último festival de Cannes  (Foto: Getty)

Xavier Dolan em coletiva de imprensa no último festival de Cannes
(Foto: Getty)

Autor: Tags: , ,

sábado, 26 de abril de 2014 Bastidores | 20:19

O que aconteceu com as loiras do cinema?

Compartilhe: Twitter

Marilyn Monroe não foi apenas uma das grandes mulheres do cinema. Foi, talvez, a maior atriz loira a já ter existido. Pelos excessos, pelo talento, pela mitologia erguida sobre si, pela volúpia, pela sensualidade e por muitas outras razões.

Marilyn é, por toda essa conjuntura, uma personagem fascinante que já rendeu inúmeros livros, filmes, peças, coleções de moda e toda sorte de postulação artística.

A última encarnação de Marilyn Monroe no cinema foi em “Sete dias com Marilyn” (2011), em que a diva foi vivida pela ótima atriz Michelle Williams (“O segredo de Brokeback Mountain” e “Namorados para sempre”).  Michelle tangenciou Marilyn magnificamente e foi indicada ao Oscar pelo papel.

Marilyn Monroe (à esq) e Michelle Williams que a interpretou em "Sete dias com Marilyn" (Foto: reprodução)

Marilyn Monroe (à esq) e Michelle Williams que a interpretou em “Sete dias com Marilyn” (Foto: reprodução)

A estreia do drama britânico baseado nos livros “The prince, the showgirl and me” e “My week with Marilyn”, ambos de Colin Clark, postergaram a produção de outro drama biográfico sobre a estrela. “Blonde”, do diretor neozelandês Andrew Dominik já tinha, no entanto, sua Marilyn e ela atendia pelo nome de Naomi Watts.

O filme, baseado no livro homônimo de Joyce Carol Oates, vai ser produzido por Brad Pitt, em alta como produtor após conquistar o Oscar de melhor filme com “12 anos de escravidão”, e terá Jessica Chastain como protagonista. A atriz, que é ruiva, é uma das maiores sensações em Hollywood. Surgiu em “A árvore da vida” (2011), em que contracenava com Pitt, e em três anos esteve em mais de dez produções, todas muito bem de público e crítica.

Mas a razão da escolha de Chastain pode estar menos relacionada a seu flagrante talento e mais ao marasmo criativo pelo qual atravessam as loiras hollywoodianas. Naomi Watts, atriz gabaritada, vem de um fracasso retumbante com outra biografia; a da princesa Diana. Esse revés seguramente pesou na mudança de tom dos produtores. Jessica Chastain, por sua vez, já foi indicada ao Oscar vivendo uma loira em “Histórias cruzadas” (2011).

A ruiva número 1 de Hollywood, Jessica Chastain, vai viver a loira de todas as loiras do cinema ( Foto: divulgação)

A ruiva número 1 de Hollywood, Jessica Chastain, vai viver a loira de todas as loiras do cinema ( Foto: divulgação)

 

Jessica Chastain, loira, em "Histórias cruzadas" (foto: divulgação)

Jessica Chastain, loira, em “Histórias cruzadas” (foto: divulgação)

 

Margot Robbie será Jane no filme que a Warner prepara sobre Tarzan: a próxima aposta loira? (Foto: divulgação)

Margot Robbie será Jane no filme que a Warner prepara sobre Tarzan: a próxima aposta loira? (Foto: divulgação)

A australiana Margot Robbie, que causou alvoroço no início do ano com sua participação em “O lobo de Wall Street”, ainda não tem cacife suficiente para segurar uma produção tão dependente da protagonista como “Blonde” será.

Atrizes como Charlize Theron, Reese Witherspoon, Diane Lane, Uma Thurman, Sharon Stone e Michelle Pfeiffer  ou vivem o ocaso de suas carreiras ou lutam para readquirir a confiança de produtores e estúdios em suas habilidades em liderar um filme com gosto pela complexidade. Scarlett Johansson, a loira mais popular da atualidade no cinema americano, ainda tenta se desvencilhar do status de boazuda e estrela dois filmes em 2014 (“Lucy” e “Sob a pele”) que ironicamente podem reforçá-lo.

Uma atriz ruiva interpretar um ícone da loirice, no entanto, pode agitar algumas placas tectônicas em Hollywood e possibilitar um contra-ataque loiro. Estamos observando!

Autor: Tags: , , , , , ,