Publicidade

Posts com a Tag Joss Whedon

sábado, 18 de novembro de 2017 Críticas, Filmes | 15:46

Sem ambição, “Liga da Justiça” entrega diversão ligeira e bons personagens

Compartilhe: Twitter

Reunião dos heróis da DC no cinema não decepciona, mas não é o filme que muitos esperavam. Com Joss Whedon, de “Os Vingadores” na produção, Warner se aproxima da fórmula Marvel

Os heróis em "Liga da Justiça" Fotos: divulgação

Os heróis em “Liga da Justiça”
Fotos: divulgação

A expectativa era grande e talvez “Liga da Justiça” não fique à altura, mas é inegável que ao coração do fã que sempre sonhou em ver alguns de seus heróis preferidos reunidos no cinema, a produção ecoa de uma maneira diferente, mais especial. Até porque os heróis aqui reunidos sempre fizeram parte do time A da DC Comics, diferentemente dos vingadores, que foram ganhando hype no cinema, já que antes não integravam a coroa da Marvel.

Leia também: “Batman vs Superman” não supera o hype e deixa transparecer os improvisos

Embora apenas Zack Snyder esteja creditado como diretor, ele se afastou da direção do longa por força de uma tragédia pessoal (o suicídio da filha) e Joss Whedon assumiu o cargo, reescrevendo muita coisa do roteiro e fazendo refilmagens (algumas para sempre infames no universo das redes sociais como o bigode de Henry Cavill apagado digitalmente de maneira bem contestável). “Liga da Justiça”, para todos os efeitos, é um filme esquizofrênico. Tem a sisudez e reverência do cinema de Snyder, além da beleza visual potente, e o escapismo bem humorado da pena de Whedon, que sempre se notabilizou por ser melhor escriba do que cineasta.

Leia também: “Amores Canibais” se destaca pela estética, mas se perde em sopa de metáforas 

Não é preciso ter afinidade com o cinema dos dois para constatar isso. Basta a referência dos trabalhos anteriores de ambos no universo dos heróis (Snyder dirigiu “O Homem de Aço” e “Batman VS Superman”, enquanto Whedon os dois primeiros “Vingadores”). Essa mistura rende um filme de efeitos visuais majoritariamente vistosos, mas outros um tanto comprometedores (longe do ideal para uma produção que beijou os US$ 300 milhões). Um fio narrativo por demais simplista, um vilão ruim, mas um bom desenho de personagens, uma dinâmica muitíssimo bem lubrificada entre os heróis e garantia de uma diversão ligeira em um filme de tamanho ideal – cerca de 120 minutos.

Após a morte do Superman, vista em “Batman VS Superman: A Origem da Justiça”, não só a desesperança movimenta os dias, como alienígenas começam a invadir a terra e, numa dessas, o Lobo da Estepe (Ciarán Hinds) reaparece para tentar unificar as três caixas maternas (artefatos ancestrais que acumulam imenso poder) e subjugar a Terra e todos que nela habitam. O Batman é o primeiro a perceber o perigo à espreita e ele tenta estabelecer uma aliança com outros seres extraordinários que vinha monitorando.

Zack Snyder orienta Jason Momoa no set de "Liga da Justiça"

Zack Snyder orienta Jason Momoa no set de “Liga da Justiça”

Atenção aos personagens

Se a trama é banal e seu desenvolvimento obedece a mesma lógica, “Liga da Justiça” pelo menos oferece um bom desenho de personagens. Sim, Bruce Wayne está mais piadista, mas ele não virou um piadista. Isso é meramente fruto das circunstâncias. Ele continua um homem amargurado, cheio de inseguranças e dono de um instinto suicida. Ben Affleck em mais uma demonstração de que é um ator mais consciente do que muitos se dão conta, estica na base do talento o pouco que o roteiro oferece de angustia a seu personagem.

O grande mérito do filme, no entanto, é apresentar personagens cativantes. O Barry Allen de Ezra Miller, um nerd clássico que se sente como um fã no meio dos heróis, é um dos highlights do filme. Jason Momoa dá conotação de rock star a seu Aquaman e agrada. Ray Fisher vê seu Cyborg como uma criatura angustiada que ainda não sabe se definir e começa a fazê-lo a partir do momento em que se vê inserido naquele grupo de super-humanos. Gal Gadot repete o encantamento que tanto arrebatou em “Mulher-Maravilha”.

A Liga em formação responde ao Bat Sinal: Elenco cheio de estrelas

A Liga em formação responde ao Bat Sinal: Elenco cheio de estrelas

Quando surge, o Superman está revigorado. A mitologia do Superman é muito melhor dimensionada aqui do que nos últimos filmes solo do personagem. A exemplo do que já havia acontecido em “Batman Vs Superman”.

“Liga da Justiça” certamente é um filme menos ambicioso narrativa e esteticamente do que se poderia supor, principalmente considerando o legado da DC no cinema. É, e a participação de Joss Whedon explica isso, o filme que mais se aproxima da bem sucedida fórmula Marvel. É tão pouco memorável como a maioria dos filmes da rival, mas diverte tanto quanto. Warner e DC perseguiam isso há algum tempo. É ver o que o sacramento das bilheterias indicará para o futuro. As duas ótimas cenas pós-crédito orientam certo otimismo.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quinta-feira, 7 de maio de 2015 Críticas, Filmes | 19:41

“Vingadores: a era de Ultron” expõe perigosamente fórmula da Marvel

Compartilhe: Twitter

A fórmula da Marvel parece infalível e “Vingadores: a era de Ultron”, para o bem e para o mal, ratifica essa condição. Novamente dirigido por Joss Whedon, “A era de Ultron” repisa os acertos do primeiro filme, como a boa dinâmica entre os personagens e o uso do humor como principal artifício narrativo. Contudo, se Whedon se prova um diretor mais cuidadoso (e megalomaníaco) na condução de cenas de ação, ele repete muitos dos problemas do filme de 2012. O mais grave deles talvez seja o exagero. “A era de Ultron” parece um “Transformers metabolizado”. Tudo no filme parece um pretexto para cenas hiperbólicas de ação e o humor, um subterfúgio para que essa manobra passe despercebida. Esse já era o maior problema de “Vingadores” que se diferenciava de produções como “Homem de ferro” e “Thor” justamente por eleger a ação como norte.

É interessante comparar o recente “Guardiões da galáxia” com “A era de Ultron”. O tratamento dado ao roteiro em um e em outro ajuda a entender as funções do humor e da ação. Se no primeiro há equilíbrio e simbiose, no segundo há dependência. As piadinhas, algumas extremamente funcionais outras voltadas para os fanboys, oxigenam um filme mergulhado em adrenalina.

Muito riso, pouco siso: "A era de Ultron" depende do humor fácil para disfarçar seus defeitos

Muito riso, pouco siso: “A era de Ultron” depende do humor fácil para disfarçar seus defeitos

Como não há necessidade de maiores apresentações, “A era de Ultron” já começa com os vingadores em ação para recuperar o cetro de Loki (Tom Hiddleston) em poder da Hydra. Lá eles têm o primeiro contato com Mercúrio e Feiticeira Escarlate. Complexa, a personagem interpretada por Elizabeth Olsen deflagra em Tony Stark (Robert Downey Jr.) o sentimento que o move a construir Ultron, uma forma de inteligência artificial extremamente evoluída e que deveria resguardar o mundo de invasores alienígenas. Naturalmente, Ultron tem uma interpretação muito particular de como a paz mundial deve ser acalentada e entende que a destruição dos vingadores, em um primeiro momento, e da humanidade, no geral, são vitais para o processo.

Ultron, inadvertidamente criado a imagem e semelhança de Tony Stark (um paralelo que nunca é bem aprofundado pelo roteiro), é um vilão cheio de potencial, mas absolutamente decepcionante. A despeito dos esforços de James Spader, que faz a voz de Ultron, o vilão jamais excede a caricatura. Um defeito crônico dos filmes da Marvel, mais incômodo aqui em virtude da envergadura do vilão.

Há um esforço de “vender” essa sequência como mais febril, sombria e definitiva. Em meio a mortes e segredos revelados, há mudanças que se pretendem paradigmais dentro do universo Marvel. Nesse sentido, o filme alcança resultados mais positivos. Na sugestão de um possível filme-solo do Hulk, “A era de Ultron” é felicíssimo. Na exposição da ambivalência entre Tony Stark e Steve Rogers (Motor de “Capitão América: guerra civil”), “A era de Ultron” traz pistas e sutilezas para animar quem já sabe o que vem por aí. Estão aqui, também, os eventos iniciais da saga do Pantera Negra. Como parte desse universo em constante evolução que é o “Marvelverse”, “A era de Ultron” é o que se espera de um filme da Marvel. Até mais sofisticado nas interposições narrativas, já que não se tratam de pistas óbvias ou cenas soltas. Como um filme fechado, no entanto, a nova aventura dos vingadores fica no meio termo. É um entretenimento eficiente, mas cuja fórmula Marvel ganha mais evidência do que o desejável. Todo mundo sabe que não se deve entregar a receita do bolo de mão beijada.

Autor: Tags: , , ,