Publicidade

Posts com a Tag Listas

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017 Filmes, Listas | 12:22

Os 20 melhores filmes de 2017

Compartilhe: Twitter

A última postagem do ano tradicionalmente dá conta dos melhores filmes e em 2017 não seria diferente. O Cineclube apresenta as melhores produções lançadas neste ano no País. Nos vemos em 2018!

"La La Land", Logan", "Blade Runner 2049", "Moonlight", "Dunkirk", De "Canção em Canção", "Frantz", Columbus" e "Jim & Andy" são alguns dos melhores filmes do ano

“La La Land”, Logan”, “Blade Runner 2049”, “Moonlight”, “Dunkirk”, De “Canção em Canção”, “Frantz”, Columbus” e “Jim & Andy” são alguns dos melhores filmes do ano

20 – “Um Contratempo” (ESP 2016)

Este thriller espanhol é daquele tipo de filme em que nada é o que parece ser. Um milionário empresário tenta convencer uma detetive que integra a sua defesa que ele não é o responsável pelo assassinato da amante. Os diálogos constituem um vigoroso elemento de suspense e as bem justificadas reviravoltas na trama agregam ainda mais valor aos personagens.

 

19 – “Jim & Andy: The Great Beyond” (EUA 2017)

Neste documentário que acompanha os bastidores de “O Mundo de Andy” e o inusitado processo criativo de Jim Carrey para encontrar Andy Kaufman, é possível vislumbrar a dor de um ator que se desencontrou de si mesmo para viver um personagem e que depois jamais voltou a ser o mesmo de antes. Nesse sentido, “Jim & Andy” é um filme brilhante e revelador. Mas é também um olhar aguçado para os encantos e desencantos de Hollywood.

 

Cena do filme "Eu, Olga Hepnarová"

Cena do filme “Eu, Olga Hepnarová”

18 – “Eu, Olga Hepnarová” (Rep. Theca/POL/FRA 2016)

Esta coprodução europeia filmada em preto e branco é um soco no estômago. O longa recria de forma seca e desapaixonada a triste trajetória de Olga Hepnarova, jovem homossexual  rejeitada pela família que faz algumas escolhas trágicas em sua vida. Um filme que recusa a catarse e resplandece o poder de uma boa narrativa no cinema.

 

17 – “O Estranho que Nós Amamos” (EUA 2017)

Sofia Coppola propõe um diálogo singular com uma das obras mais interessantes da filmografia de Don Siegel. Antes de ser feminista de uma maneira bastante particular, o filme de Coppola é um estudo demorado das tensões sexuais em circunstâncias específicas – como a da presença de um homem, potencialmente um inimigo, em uma casa de mulheres em meio à guerra civil americana. Com atuações inspiradas, um filme que se resolve tanto como drama histórico como fábula de horror.

 

16 – “Columbus” (EUA 2017)

A estreia do vídeo ensaísta Kogonada na direção de longa-metragens é uma dessas relíquias que precisamos escavar em um ano de muitos bons lançamentos. O filme que espelha a arquitetura como um elemento emocional a pautar e intervir na vida dos personagens coloca o protagonista vivido por John Cho em um daqueles momentos decisivos que os filmes são feitos a respeito. Mas Kogonada opta pelo minimalismo. Os diálogos são sensíveis e permeados de introspecção e luminosidade. Um filme para assistir com o coração.

Cenas de "Moonlight", "Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas", "Thelma", "Um Contratempo", "Manchester à Beira-Mar" e "Dunkirk"

Cenas de “Moonlight”, “Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas”, “Thelma”, “Um Contratempo”, “Manchester à Beira-Mar” e “Dunkirk”

15 – “Patti Cake$” (EUA 2017)

Filmes sobre música e pessoas tentando vencer na música congregam muitas potencialidades e “Patti Cake$” não é diferente. Estreia na direção de longas de Geremy Jasper, o filme é cheio de energia, coração e apresenta uma honestidade nauseante. A música é um elemento tão primal na produção que por vezes nos pegamos em dúvida se estamos diante de uma ficção. Impossível resistir ao charme de “Patti Cake$”.

 

14 – “Thelma” (NOR 2017)

O filme de Joachim Trier é tudo menos ordinário. É um drama sobre o alvorecer da sexualidade de uma adolescente criada sob rígida orientação religiosa, um filme gay e também um thriller cheio de suspense que parece habitar o universo dos X-Men. A maneira como Trier desvela sua trama é não só original, como bastante criativa. É sua direção que sofistica uma narrativa já pensada para ser climática e inusitada.

13 – Dunkirk (EUA 2017)

Christopher Nolan vê o cinema como um espetáculo e “Dunkirk” é, neste contexto, uma obra-prima. O filme que recria um dos episódios mais marcantes da Segunda Guerra Mundial, enquanto ela ainda estava sendo vencida pelos alemães, é um esfuziante espetáculo de som e imagem como há muito não se via no cinema. Tudo embalado em um filme que sabe ser emocional sem ser piegas. Uma obra pulsante, vigorosa e que devolve a Nolan seu brio autoral perdido após o pretensioso e problemático ‘Interestelar” (2014).

12 – “Ninguém está olhando” (ARG/BRA 2017)

O filme argentino mostra a rotina de um ator de sucesso na Argentina que vai para Nova York com o sonho de fazer um filme independente e vingar como ator de prestígio na disputada indústria cinematográfica norte-americana. Mas as coisas não são tão simples assim nesse delicado estudo sobre solidão e amadurecimento.

11 –  “mãe!” (EUA 2017)

Darren Aronofsky é um polarizador por natureza. “mãe!” é um atestado tanto de seu talento como de sua ambição. Há uma metalinguagem sedutora no filme que busca referências em um público que se engaja sem freios nessa experiência estética ousada do cineasta americano. Jennifer Lawrence nunca esteve tão vulnerável e nenhum em filme em 2017 foi tão intenso e provocador.

Cenas de "Logan", La La Land", Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas" e "mãe!"

Cenas de “Logan”, La La Land”, Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas” e “mãe!”

10 – “Moonlight – Sob a Luz do Luar” (EUA 2016)

O vencedor do Oscar de melhor filme é um drama cheio de sutilezas que acompanha a trajetória de um menino pobre, negro e gay pela vida. Um filme de muitas belezas, do ponto de vista técnico, mas também narrativo e que toca a audiência de uma maneira particular e vigorosa.

 

9 – “Terra Selvagem” (EUA 2017)

Taylor Sheridan já dava pistas nos roteiros de “Sicario” e “A Qualquer Custo” de compreender intensamente a alma da América profunda e em “Terra Selvagem”, que também dirige, ele mostra que tem tudo para ser um dos grandes autores do cinema americano moderno. Nesta parábola poderosa sobre violência, colonizadores e colonizados ecoam uma tragédia ainda sem data para expirar. Um filme certeiro no ritmo, nas atuações, na cadência narrativa e nos efeitos que produz.

 

8 – “Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas” (EUA 2017)

O filme estreou desapercebidamente no Brasil, mas gerou algum burburinho quando da exibição no Festival de Toronto. Os canadenses estavam certos. Trata-se de um filme sensível a respeito das relações humanas e se ocupa de visitar as circunstâncias da criação da Mulher-Maravilha, uma das grandes personagens de 2017. O filme mostra como uma relação amorosa fora das convenções norteou a criação desse ícone feminista. Único filme dirigido por uma mulher presente neste top 10.

Cena de "A Criada"

Cena de “A Criada”

7 –  “Blade Runner 2049” (EUA 2017)

Se tem filme de Denis Villeneuve no ano, pode apostar que ele vai terminar nessa lista. O cineasta canadense é hoje um dos autores mais completos, originais e instigantes do cinema. Sua visão para “Blade Runner” não só complementa as inflexões ensejadas pelo clássico de Ridley Scott, como as estende. A tardia sequência é tão boa quanto o filme original e deve crescer com o tempo. Uma reflexão profunda e reverberante sobre nossa humanidade.

 

6 –  “A Criada” (Coreia do Sul 2016)

O longa de Park Chan-Wook é uma masterclass de cinema. O filme acompanha a saga de uma criada contratada para ajudar os planos nada benevolentes de um larápio a seduzir uma jovem e rica japonesa que leva uma vida isolada na Coreia do Sul sob ocupação nipônica. Um triunfo de narrativa com reviravoltas bem fundamentadas e o melhor uso do erotismo pelo cinema no ano.

Cenas de "jim & Andy", "La La Land" e "De Canção em Canção"

Cenas de “jim & Andy”, “La La Land” e “De Canção em Canção”

5 –  “Logan” (EUA 2017)

O melhor filme com super-heróis desde “O Cavaleiro das Trevas”. O uso da preposição “com” ao invés de “de” não é acidental. “Logan” não é um filme convencional de super-heróis como não o era o filme estrelado por Heath Ledger e Christian Bale. Trata-se de um western pós-apocalíptico cheio de fúria e que não faz concessões. Um grande personagem como Wolverine merecia um grande filme. Foi feita justiça.

 

4 – “La La Land – Cantando Estações” (EUA 2016)

Um musical. Um romance. Uma história sobre sonhadores. Um filme sobre Los Angeles. “La La Land” se fragmenta em muitos e molda-se a partir da experiência particular da audiência. É um filme que celebra o cinema e que ganha força e representatividade por fazê-lo de maneira tão graciosa e inteligente.

 

3 –  “Manchester à Beira-Mar” (EUA 2016)

Uma análise fervorosa do luto e suas reminiscências com a potência de um roteiro brilhante e atuações magistrais. Tudo conduzido com esmero pela direção segura de Kenneth Lonergan. “Manchester à Beira-Mar” é um filme que incomoda um bocado e apresenta uma trama frequentemente sufocante. É o cinema como agente transformador em um foro essencialmente íntimo.

 

2 –   “De Canção em Canção” (EUA 2017)

É o equivalente a “Closer –Perto Demais” da década de 2010. O filme de Terrence Malick fala das relações de afeto nessa era de super-estímulos e de como o amor é antes uma válvula de amadurecimento, uma afirmação ou um gesto de vaidade. Uma reflexão aberta e mutante sobre acertos, erros, arrependimentos e angústias. Um filme delicado sobre os outros e sobre nós mesmos.

 

1 –  “Frantz” (FRA/ALE 2016)

"Frantz" é o melhor filme de 2017 na avaliação do Cineclube

“Frantz” é o melhor filme de 2017 na avaliação do Cineclube

A exemplo de 2016, o melhor filme do ano vem da França. François Ozon vai à Alemanha do pós-primeira guerra mundial para mostrar uma história poderosa de paixão, desorientação, egoísmo e perdão. Um filme cheio de camadas que vão se revelando com cuidado e paciência e que é um elogio da arte como instrumento de redenção e compreensão.

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016 Análises, Filmes | 07:30

Os 20 melhores filmes de 2016

Compartilhe: Twitter

Quatro filmes brasileiros estão entre os 20 melhores filmes lançados nos cinemas do País em 2016 na avaliação da coluna

Verhoeven orienta Huppert no set de "Elle", o melhor filme de 2016

Verhoeven orienta Huppert no set de “Elle”, o melhor filme de 2016

São sete filmes datados de 2015 na lista elaborada pelo Cineclube de melhores produções lançadas nos cinemas brasileiros em 2016. Outra particularidade que pode se notar entre os 20 destacados como os melhores filmes de 2016, é a forte presença de cineastas não americanos na lista. São 12 no total. Alguns deles até dirigem filmes americanos, como Denis Villeneuve e Lenny Abrahamson, mas isso demonstra duas coisas: que a globalização chegou a Hollywood e que o cinema fora dos EUA teve um belíssimo ano. São três produções europeias no Top 5. Um feito que não é todo ano que ostenta.

Muita coisa boa ficou de fora da lista dos melhores filmes de 2016. Produções tão diversas como o refinado “Carol”, o multifacetado “O Silêncio do Céu”, o divertido “Capitão América: Guerra Civil”, o delicado “A Garota Dinamarquesa”, o alegórico “Zootopia”, ou mesmo o oscarizado “Spotlight: Segredos Revelados”. Mas a lista aqui apresentada, além de personalidade, mimetiza o que de melhor o ano apresentou em nossos cinemas.

20 – “Indignação” (EUA 2016), de James Schamus

Baseado em Philip Roth, o filme de Schamus é um valoroso estudo sobre a relação do homem e o meio, com a rígida sociedade dos anos 50 como fôrma. Logan Lerman, que já havia demonstrado incrível talento dramático em “As Vantagens de ser Invisível”, reitera-se como ator a ser respeitado. Um filme inteligente e inflexivo do diálogo entre razão e emoção.

Fotos: Montagem sobre reprodução

Fotos: Montagem sobre reprodução

19 – “Rogue One – Uma História Star Wars” (EUA 2016), de Gareth Edwards

O melhor filme de guerra do ano se passa em uma galáxia muito distante e antes de “Uma Nova Esperança” (1977). Misto de prequel e filme derivado, “Rogue One” é um filme com alma, visualmente exuberante e com personagens cativantes. É um legítimo Star Wars, mas é também algo essencialmente novo. Gareth Edwards reagiu maravilhosamente bem à pressão de lidar com um dos maiores cânones da cultura pop e entregou um filme de encher qualquer fã de orgulho.

18 – “Creed: Nascido para Lutar” (EUA 2015), de Ryan Coogler

O retorno de Rocky Balboa ao cinema não poderia ser mais apoteótico e o personagem de Sylvester Stallone nem sequer sobe ao ringue. Ou quase isso. A reimaginação da franquia proposta por Ryan Coogler (“Fruitvale Station”) coloca o filho de Apollo Creed, Adonis (Michael B. Jordan) como protagonista em um filme reverente na medida certa e, pelos próprios méritos, nada menos do que antológico.

17 – “Capitão Fantástico” (EUA 2016), de Matt Ross

Opositor ferrenho dos ideais capitalistas, o personagem que Viggo Mortensen defende com devoção e afeto em “Capitão Fantástico” submete seus filhos a uma educação inusitada: aulas rigorosas de defesa pessoal se alternam com noções avançadas de física quântica e filosofia. A família mora no meio do mato e mantém no mínimo toda e qualquer interação social. O filme de Ross problematiza isso tudo com muita delicadeza e sensibilidade. Evita as respostas fáceis, mas faz todas as perguntas difíceis.

16 – “Ave, César” (EUA 2016), de Joel e Ethan Coen

Pense em uma comédia sobre a era de ouro de Hollywood com momentos de pura sofisticação narrativa com outros de mero pastelão? Adicione a assinatura dos irmãos Coen e você tem “Ave,César”, um dos indispensáveis filmes de 2016 que muita pouca gente falou a respeito. Com um elenco fantástico e uma boa cota de piadas internas, “Ave, César” é um deleite para amante de cinema nenhum botar defeito.

Melhores (2)

15 – “O Quarto de Jack” (EUA 2015), de Lenny Abrahamson

Honesto, esse drama que se reconfigura completamente em sua metade é um exercício cinematográfico dos mais potentes. Da direção ao elenco afinado, “O Quarto de Jack” é uma realização brilhante. Impossível não se cativar por um filme que mergulha fundo nos conflitos de seus personagens, mas os trata com carinho e generosidade.

14 – “O Novíssimo Testamento” ( Bélgica 2015), de Jaco Van Dormael

Sabe aquela história de Deus ser um sujeito egoísta e malcriado? O cineasta Jaco Van Dormael adicionou a essa fábula uma filha. De birra, ela envia do computador divino a data da morte de todo mundo. Com a consciência da finitude, a humanidade muda a forma de agir e interagir. Deus precisa reagir a essa situação inusitada. Trata-se de um filme imaginativo que fala de amor, mas do tal amor ao próximo. De uma forma subversiva, mas carinhosa, é dos filmes mais cristãos em muito tempo.

13 – “Fome” (Brasil 2016), de Cristiano Burlan

Depois que se viu a morte é possível morrer de amor por alguém? Trata-se de uma pergunta capciosa que o magnífico filme de Burlan promove. Não se trata da única porém. O filósofo da atuação Jean-Claude Bernadet vive um homem que abandonou tudo para viver na rua. Escravo de suas memórias ou refém de uma liberdade absoluta? O filme expande essa problematização para a cidade, para seus aspectos visíveis e invisíveis. Burlan fustiga nossa relação com a cidade a partir do olhar de um morador de rua, mas também sobre um morador de rua. Cinema de verve, cinema que merece figurar na lista de melhores do ano de quem quer que aprecie o bom cinema.

12 – “Sing Street: Música e Sonho” (Inglaterra/Irlanda 2016), de John Carney

Um menino cria uma banda para impressionar uma menina um pouco mais velha e acaba se descobrindo um genuíno rock star, no talento e na atitude, na Dublin dos anos 80. O novo filme de John Carney (“Mesmo se Nada Der Certo”) é um elogio tão enfático e espirituoso da música quanto seus anteriores. Com elenco praticamente desconhecido como em “Once”, o cineasta extraí graça e beleza de um roteiro apaixonante e novamente faz da música a grande cúmplice de seu filme.

11 – “Quanto Tempo o Tempo Tem” (Brasil 2015), de Adriana L. Dutra

Falar que esse primor de realização é sobre o tempo não está exatamente errado, mas passa longe de precisar a natureza do filme de Dutra, que aborda nossa relação com o tempo e a evolução do próprio conceito ao longo da jornada da humanidade. As entrevistas oferecem um painel rico e multifacetado sobre um tema que não foge ao interesse de ninguém. Um filme que pode ser debatido tanto no bar como em sala de aula sem ser esgotado e com uma das propostas mais altivas e reverberantes de 2016.

Melhores (3)

10 – “Aquarius” (Brasil 2016), de Kleber Mendonça Filho

Foi um ano e tanto para o cinema brasileiro e o filme de Kleber Mendonça Filho pairou sobre ele uniforme e absoluto. Estrelado por uma poderosa Sonia Braga, “Aquarius” é um filme poético em seus arranjos, que valoriza a memória como meio de preservação, mas também como instrumento de resistência. Um filme político, sim, mas que foi injustamente politizado. Uma obra atemporal que revela um autor mais senhor de sua arte e reverberante em seu espaço-tempo.

9 – “A Grande Aposta” (EUA 2015), de Adam McKay

Desde que estourou a crise financeira em 2008, Hollywood passou a ter tesão por filmes que colocavam o mercado financeiro no buraco da agulha. Mas “A Grande Aposta” é uma besta de outra natureza. Dirigido pelo cara de “Quase Irmãos”, esse filme destrincha o funcionamento de Wall Street de maneira didática e divertida, sem deixar de fazer uma análise tenaz do que está errado nessa cultura do lucro a qualquer custo. Um filme inteligente e com arestas bem aparadas que não faz pose de importante, mas é, sim, bem importante.

8 –  “Memórias Secretas” (Alemanha/Canadá 2015), de Atom Egoyan

Fazia tempo que Atom Egoyan não entregava um filme realmente bom. Ele apoiava-se costumeiramente na condescendência dos admiradores de seus primeiros trabalhos. “Memórias Secretas”, um thriller que coloca um octogenário com Alzheimer como vingador de um carrasco nazista, é uma redenção acima de qualquer suspeita. Além da trama inusitada muitíssimo bem urdida, o filme apresenta um dos finais mais surpreendentes desde… “O Sexto Sentido”! Não só não é pouca coisa, como é bem representativo nesses tempos de spoilers a rodo.

7 – “Tangerine” (EUA 2015), de Sean Baker

Um filme rodado inteiramente com um iPhone não é exatamente uma novidade, mas neste maravilhoso filme de Baker a ferramenta se justifica narrativamente e até mesmo adensa o registro dramático. Aqui acompanhamos a transexual e prostituta Sin-Dee, que após sair da prisão descobre que seu namorado e cafetão a está traindo com uma mulher. Acompanhamos a jornada de Sin-Dee pelas ruas de Los Angeles para encontrar seu namorado e tirar essa história a limpo. Trata-se de um filme de cores vivas e vibrantes, personagens em carne viva e uma história insuspeitamente repleta de afeto.

6 –  “Boi Neon” (Brasil 2016), de Gabriel Mascaro

O empoderamento feminino e a questão do gênero recebem atenção no belíssimo filme de Gabriel Mascaro que revela um Nordeste brasileiro totalmente avesso ao clichê. Juliano Cazarré se reafirma como ator de grande reverberação dramática ao viver um vaqueiro que sonha em ser estilista e revela uma vaidade que julgamos deslocada. Um filme de muitas camadas e subtextos que prova, mais uma vez, a exuberância técnica e temática de nosso cinema.

Melhores (4)

5 – “A Chegada” (EUA 2016), de Denis Villeneuve

Christopher Nolan tentou evocar Kubrick com “Interestelar” (2014), mas só arranhou a superfície. O canadense Villeneuve veio em 2016, com muito mais simplicidade e abnegação e entregou um filme que não só faria Kubrick orgulhoso, mas que traduz a era que vivemos com louvor. Um filme sobre a falta de diálogo reinante em nosso tempo adornado pelos códigos do filme de gênero, no caso uma ficção científica robusta e reminiscente. De quebra, Amy Adams dá outro show de interpretação.

4 – “Julieta” (Espanha 2016), de Pedro Almodovar

O retorno do cineasta espanhol ao melodrama não poderia ser mais feliz. Homenagem às mulheres, “Julieta” é, ainda, uma crônica solene sobre a maternidade e um ensaio almodovariano sobre o luto. Um filme cheio de reminiscências e de uma sensibilidade profunda. Um Almodóvar em forma.

3- “Animais Noturnos” (EUA 2016), de Tom Ford

Tom Ford tinha um senhor desafio em sua próxima empreitada como cineasta. Afinal, seu primeiro filme fora nada mais nada menos do que o espetacular “Direito de Amar” (2009). “Animais Noturnos”, um projeto mais ousado na forma e nos arranjos, reafirma o talento do estilista para o cinema. Com dois filmes estética e narrativamente envolventes, fica difícil questionar seu talento como homem de cinema. “Animais Noturnos” é superlativo.

2- “Demônio de Neon” (Dinamarca/França 2016), de Nicolas Winding Refn

É impossível permanecer impassível ao cinema do dinamarquês Nicolas Winding Refn.  “Demônio de Neon” beira a extravagância. Necrofilia e canibalismo embalam uma história asséptica em uma concepção dramática, mas profundamente irrigada em metáforas e simbolismos. É um cinema provocador e eventualmente chocante. Refn devassa o mundo da moda com a propriedade de um formador de opinião pouco preocupado com a opinião alheia.

1-“Elle” (França, 2016), de Paul Verhoeven

Falta ao cinema de maneira geral coragem para desafiar convenções de gênero e subverter certos dogmas sociais que paralisam o centeio fílmico. Paul Verhoeven é um inconformista por natureza. Seu cinema exala cinismo e confronta toda a hipocrisia e letargia social. “Elle” é um filme costurado todo ele a partir do entranhamento do drama vivido pela protagonista, vítima de uma violência sexual que decide investigar a identidade de seu agressor, por noções psicanalíticas profundas e ressonantes que extrapolam os limites da análise fílmica.

Autor: Tags: , , , , , , ,

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016 Curiosidades | 17:47

Apostas da coluna para os indicados ao Oscar 2016 nas principais categorias

Compartilhe: Twitter

Na manhã desta quinta-feira (14), a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood divulga a lista dos indicados ao Oscar 2016. Trata-se de um dos anos com a disputa mais aberta e indefinida. Mesmo assim, há filmes e artistas que podem ser dados como certos entre os contemplados pelo Oscar. Esses e os outros estão na breve lista de apostas que o Cineclube elaborou. Será que a gente emplaca a maioria?

"Carol" deve receber indicações a melhor filme, atriz e roteiro adaptado, mas seu diretor, Todd Haynes, deve ficar de fora...

“Carol” deve receber indicações a melhor filme, atriz e roteiro adaptado, mas seu diretor, Todd Haynes, deve ficar de fora…

 

 Melhor Filme

“Mad Max: Estrada da Fúria”

“Spotlight – Segredos Revelados”

“A Grande Aposta”

“Ponte dos Espiões”

“Perdido em Marte”

“Carol”

“O Regresso”

“Divertida Mente”

“O Quarto de Jack”

“Star Wars: O Despertar da Força”

Direção

Alejandro González Iñárritu (“O Regresso”)

Tom McCarthy (“Spotlight – Segredos Revelados”)

Adam McKay (“A Grande Aposta”)

George Miller (“Mad Max: Estrada da Fúria”)

Steven Spielberg (“Ponte dos Espiões”)

Roteiro original

“Spotlight – Segredos Revelados”

“Divertida Mente”

“Ponte dos Espiões”

“Os Oito Odiados”

“Ex-Machina: Instinto Artificial”

Roteiro adaptado

“A Grande Aposta”

“Perdido em Marte”

“O Quarto de Jack”

“Carol”

“Steve Jobs”

Ator

Leonardo DiCaprio (“O Regresso”)

Bryan Cranston (“Trumbo: Lista Negra”)

Johnny Depp (“Aliança do Crime”)

Eddie Redmayne (“A Garota Dinamarquesa”)

Matt Damon (“Perdido em Marte”)

Atriz

Brie Larson (“O Quarto de Jack”)

Saoirse Ronan (“Brooklyn)

Cate Blanchett (“Carol”)

Charlotte Rampling (“45 Anos”)

Alicia Vikander (“A Garota Dinamarquesa”)

Ator coadjuvante

Mark Rylance (“Ponte dos Espiões”)

Sylvester Stallone (“Creed: Nascido para Lutar”)

Christian Bale (“A Grande Aposta”)

Mark Ruffalo (“Spotlight – Segredos Revelados”)

Michael Keaton (“Spotlight – Segredos Revelados”)

Atriz coadjuvante

Rooney Mara (“Carol”)

Kate Winslet (“Steve Jobs”)

Helen Mirren (“Trumbo: Lista Negra”)

Jennifer Jason Leigh (“Os Oito Odiados”)

Alicia Vikander (“Ex-Machina”: Instinto Artificial”)

Filme estrangeiro

“Filho de Saul” (Hungria”)

“Cinco Graças” (França”)

“O Novíssimo Testamento” (Bélgica”)

“Theeb” (Jordânia”)

“Labirinto de Mentiras” (Alemanha”)

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Filmes, Listas | 16:29

Retrospectiva 2015: Os filmes nacionais do ano

Compartilhe: Twitter

Desnecessário dizer que o cinema nacional está cada vez mais plural, diverso e próspero. De uns anos para cá, porém, essa máxima tem se imposto na medida em que se esmiúça o que foi lançado ao longo do ano.

Ao olhar em retrospecto para 2015 é possível perceber que o maior avanço que o audiovisual brasileiro deu foi em matéria de cinema de gênero. Mas não foi só isso. O Brasil discutiu o pós-Lula em filmes complementares e, em certo sentido, antagônicos (“Que Horas ela Volta? e “Casa Grande”), olhou com carinho para os anos 80, fez filme de arte provocador e filme de arte reflexivo. Lançou terror satírico, adaptação engenhosa de Shakespeare e um documentário reverente a um mestre da linguagem cinematográfica. E Irandhir Santos reinou! Se 2015 é o ano que não acabou, o cinema brasileiro só tem a agradecer.

Foto: montagem/reprodução

Foto: montagem/reprodução

“Que horas ela volta?”

A maternidade como questão social em um Brasil em mutação

“Casa Grande”

O pós-Lula escancara o derretimento da classe média brasileira

“A história da Eternidade”

O Nordeste lúdico e ardente ganha cor, tom e alma

“Califórnia”

Os jovens dos anos 80 mandam um alô para os jovens de hoje

“Permanência”

O passado em transe com o futuro

Foto: Montagem/reprodução

Foto: Montagem/reprodução

“Amor, plástico e Barulho”

Porque os sonhos devem ser perseguidos plenamente

“Últimas Conversas”

A informalidade de um adeus formal a Coutinho

“Obra”

O futuro ensimesmado com o passado

“A Floresta que se Move”

Shakespeare faz mais sentido em português

“Condado Macabro”

Horror gore com sotaque brasileiro

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015 Filmes, Listas | 17:37

Retrospectiva 2015: Os dez melhores personagens do ano

Compartilhe: Twitter

Foi um ano de muita vaidade e alguma idealização. Pelo menos, é isto o que a listas dos melhores personagens do ano no cinema indica. O Cineclube fez um apanhado dos personagens mais cativantes, fascinantes, inusitados e curiosos que pintaram em nossas telas em 2015 e separou os dez que melhor se posicionaram neste crivo a seguir.

10 – Richmond Valentine (Samuel L. Jackson) em “Kingsman: Serviço Secreto”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

O megalomaníaco vilão de língua presa defendido com gosto por Samuel L. Jackson é um dos maiores baratos do ano. Ele tem pavor de sangue e não suporta cenas de violência, mas quer extinguir a humanidade em favor de um deturpado conceito ambientalista. O melhor vilão de Bond do ano não veio de um filme de James Bond.

9 – Frank (Michael Fassbender) em “Frank”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Um rockstar que não tira para nada sua cabeça de dentro de uma gigantesca cabeça artificial. O Frank que Michael Fassbender tonaliza com muita sutileza é mais uma construção de John (Domhnall Gleeson), um sujeito que sempre sonhou fazer parte de uma banda de rock, do que o Frank de verdade. A peculiaridade desse vocalista incomum acentua o niilismo do registro. Trata-se de um filme sobre a magia de se produzir música e todas as idiossincrasias que vem com ela.

8- Abe (Joaquin Phoenix) em “Homem Irracional”

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Joaquin Phoenix dá vida a esse professor de filosofia desencantado com a existência. Barrigudo, taciturno, alcoólatra e sucesso entre as mulheres com seu pessimismo crônico. Tudo muda de figura quando ele decide matar alguém e recobra o gosto pela vida. Phoenix, com sua gravidade obtusa, calça o personagem sem afetação e com muita propriedade.

7 – Philip Friedman (Jason Schwartzman) em “Cala a boca Philip!”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Sob muitos aspectos, o protagonista dessa perola indie Americana é uma derivação de Abe, mas o personagem do sempre hiperbólico Jason Schwartzman é movido pelo egoísmo e não pelo desencanto. Ele não aceita que o mundo não gire a seu redor e esse egocentrismo é posto à prova à medida que a pressão por um novo livro (ele é escritor) se estabelece. Cheio de tiques e resistente a intimidades, Philip é um dos personagens mais estranhos, originais e verossímeis do ano.

6 – Shasta Fay (Katerine Waterson) em “Vício Inerente”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Larry nunca mais foi o mesmo depois que Shasta o deixou. O detetive deu um tempo na sua brisa para atender um pedido da ex: encontra o atual namorado dela. Katherine Waterson não tem muito tempo em cena, mas faz maravilhas com o que tem. Ela faz com que Shasta seja um mistério incandescente muito mais atraente do que saber o que de fato aconteceu com o rico namorado da personagem.

5 – Isabella Patterson (Imogen Poots) em “Uma Amor a Cada Esquina”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Trata-se de outra personagem construída. A Isabella, estrela de cinema, que está dando uma entrevista logo na abertura de “Um Amor a Cada Esquina”, delicioso novo filme de Peter Bogdanovich, não é a mesma que vamos descobrindo cena após cena. A brincadeira aqui é com a ideia de Hollywood como um todo, mas também sobre como nossos sonhos podem nos transformar em pessoas melhores. Ela é um oásis em meio a tanto narcisismo na lista.

4 – Havana Sagrand (Julianne Moore) em “Mapa para as Estrelas”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Totalmente diferente de Isabella, Havana Sagrand é a vaidade em sua mais irresoluta forma. A atriz, incomodada com seu envelhecimento, decide dar um boom na carreira ao viver um célebre papel imortalizado por sua mãe no cinema. Mas há pouco interesse dos realizadores em contar com ela na refilmagem. Na fogueira de vaidades que queima nesse valoroso petardo de David Cronenberg, Havana é das coisas mais geniais, brutais e constrangedoras que existe.

3 – Riggan Thomson (Michael Keaton) em “Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Já que a masturbação interpretativa foi grande em 2015, nada mais justo do que o personagem mais falho, apaixonante e contraditório do ano pintasse por aqui. O Riggan construído por Michael Keaton a sua imagem e semelhança é um sujeito inseguro e que não sabe ao certo distinguir ambição de ganância. É um sujeito com medo de ver até onde vai o seu talento, mas com coragem o suficiente para tentar descobrir.

2 – Terence Fletcher (J.K Simmons) em “Whiplash – Em Busca da Perfeição”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

O professor que se recusa a formar músicos medíocres foi, sem dúvida, um dos personagens mais chocantes do ano. Divertido em seu sadismo incontido, Fletcher e seus métodos para lá de incomuns dividem opiniões. É louvável sua disposição de romper com as convenções de uma sociedade complacente, mas o custo pode ser alto demais. Simmons, oscarizado por seu desempenho, dá ao personagem a necessária complexidade.

1 – Furiosa (Charlize Theron) em “Mad Max: Estrada da Fúria”

Foto: divulgação

Foto: divulgação

O filme se chama Mad Max, mas quem se importa? O mais explosivo, sensacional e impactante filme do ano é todo dela. Imperator Furiosa. O nome já a tira do lugar comum e Charlize Theron a vive com o misto de gana e excentricidade necessários para cravar a personagem no coração da cultura pop. Nada mais justo do que o topo do ranking do Cineclube.

Autor: Tags: , , , ,

sábado, 19 de dezembro de 2015 Atores, Atrizes, Diretores, Listas | 16:11

Retrospectiva 2015: As dez personalidades do ano no mundo do cinema

Compartilhe: Twitter

No ano que o feminismo marcou Hollywood, as mulheres são maioria na lista do Cineclube entre as dez personalidades do ano no mundo do cinema. Nada a ver com a correção política. Elas foram notícia e estiveram presentes em alguns dos grandes filmes do ano. A lista a seguir faz uma síntese de quem brilhou em 2015 no cinema.

10 – Samuel L. Jackson

Foto: (reprodução/New York Times)

Foto: (reprodução/New York Times)

No ano em que voltou a protagonizar um filme de Quentin Tarantino, “Os Oito Odiados”, Samuel L. Jackson se divertiu pacas no cinema. Foi novamente Nick Fury em “Vingadores: A Era de Ultron” e tirou um sarro da onda de filmes de espiões em “Escola de Espiões”. No meio tempo, voltou a colaborar com Spike Lee no musical “Chi-Raq”. O melhor, porém, foi o vilão de língua presa de “Kingsman – Serviço Secreto”.

9 – Eddie Redmayne

Foto: Divulgação/Prada

Foto: Divulgação/Prada

O ator começou o ano ganhando o Oscar de melhor ator. Para onde ir depois disso? Ele assegurou o protagonismo de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, prequela da franquia Harry Potter. Mas não foi só, Eddie Redmayne se despede de 2015 com indicações a prêmios por seu sensível trabalho em “A Garota Dinamarquesa” e mira no Oscar novamente. Nos vemos por aqui em 2016?

8 – Regina Casé

(Foto: divulgação)

(Foto: divulgação)

A atuação sensível e sutil da atriz em “Que Horas ela Volta?” lhe valeu o destaque nesta lista. Dona de um talento dramático tão robusto quanto inusitado, Casé foi a personalidade do cinema nacional mais comentada em 2015. Até mesmo de forma pejorativa, como no lamentável episódio em que os cineasta Claudio Assis chamou-a de gorda durante um debate sobre o filme em Pernambuco.

7 – Amy Schumer

Foto: reprodução/GQ

Foto: reprodução/GQ

Ninguém aconteceu mais do que ela neste ano em Hollywood. A comediante de 34 anos, que já fazia sucesso na cena de stand up e na televisão americanas, debutou no cinema em grande estilo com “Descompensada”; a comédia agradou crítica e público e chegou ao Globo de Ouro. Não obstante, Schumer ainda estrelou um inesquecível ensaio inspirado em Star Wars para a revista GQ.

6 – Elizabeth Banks

Elizabeth Banks

Foto: divulgação

Ela esteve este ano no último filme da franquia “Jogos Vorazes” , em “Magic Mike XXL” e na série “Wet Hot American Summer”, mas o que garantiu sua posição nessa lista foi “A Escolha Perfeita 2”. Nenhum filme dirigido por uma mulher fez tanto dinheiro no ano. Banks desbancou o favoritíssimo “Mad Max: Estrada da Fúria” em seu fim de semana de estreia nas bilheterias americanas.

5 – Daisy Ridley

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Você talvez ainda não a conheça. Nenhum problema. Ela só tem pequenas produções inglesas e participações em seriados britânicos no currículo. Mas… Em 2015 ela protagonizou nada mais, nada menos do que “Star Wars: O Despertar da Força”. O mundo de Reidley jamais será o mesmo. Afinal, agora ela tem a força a seu lado.

4 – Tom Hardy

Foto: reprodução/Esquire

Foto: reprodução/Esquire

Ele estrelou o melhor blockbuster de 2015, mas Tom Hardy foi todo versatilidade no ano. Além de assumir muito bem o Mad Max que imortalizou Mel Gibson no ecrã, Hardy investigou um serial killer nos anos de chumbo da União Soviética em “Crimes Ocultos” e surgiu em dose dupla no filme de gangster “Legend”. Não obstante, ainda deu vida ao antagonista de Leonardo DiCaprio no já badalado e cult “O Regresso”.

3 – Katherine Waterson

Foto: reprodução/W

Foto: reprodução/W

O ano começou com ela seduzindo Joaquin Phoenix e a nós todos em “Vício Inerente”. Estava ali uma mulher capaz de convencer o ex-namorado a investigar o sumiço do atual. Depois de aparecer “Queen of Earth”, “Steve Jobs” e “Dormindo com outras pessoas”, Waterson termina 2015 com a notícia de que será a protagonista da sequência de “Prometheus”, mais uma prequela de “Alien” assinada por Ridley Scott. Ela também estará em “Os Animais Fantásticos e Onde Habitam”. O mundo é sua ostra.

2 – Michael Fassbender

Foto: Reprodução/New Yorker

Foto: Reprodução/New Yorker

Fassbender assumiu o papel que ninguém queria assumir: Steve Jobs; e pode voltar ao Oscar pela ousadia de desaparecer na pele do controverso magnata criador da Apple. Mas Fassbender também estrelou uma violenta versão de “Macbeth”, de Shakespeare, e um western intimista, “Slow West”, elogiado em Sundance. Foi um ano movimentado para o alemão de ascendência irlandesa e 2016, com um novo X-men e a adaptação para cinema do game “Assassin´s Creed”, promete ser mais ainda.

1 – Alicia Vikander

Foto: Reprodução/New York Times

Foto: Reprodução/New York Times

A sueca caiu como um verdadeiro tsunami em Hollywood. Na verdade, ela já estava por lá em filmes como “O Quinto Poder” (2012) e “Anna Karenina” (2013), mas o pequeno indie “Ex-Machina: Instinto Artificial” mudou o jogo. As participações em “O Agente da U.N.C.L.E” e ‘Pegando Fogo” ajudaram a expandir o charme da atriz e a consagração deve vir com “A Garota Dinamarquesa”, em que ela ofusca o oscarizado Eddie Redmayne. 2015 é o ano Vikander no calendário de Hollywood.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 27 de novembro de 2015 Filmes, Listas | 18:23

Cahiers du Cinéma e Sight & Sound divulgam listas de melhores filmes de 2015

Compartilhe: Twitter

Duas das mais respeitadas revistas de cinema do mundo divulgaram nesta sexta-feira (27) suas listas de melhores produções do ano. Para a francesa Cahiers du Cinéma, “Mia Madre”, de Nanni Moretti, foi o melhor filme de 2015. Já a inglesa Sight & Sound elegeu “A Assassina”, de Hsiao-Hsien Hou, a melhor produção do ano. Ambas as fitas debutaram no festival de Cannes em maio e ainda não estrearam no Brasil.

Como era de se esperar de publicações que pensam o cinema como arte, há a predominância de grandes autores na lista. Há mais americanos na lista da Sight & Sound, que elaborou um ranking com 20 filmes e os europeus imperam na lista da Cahiers du Cinéma. George Miller, com “Mad Max: Estrada da Fúria”, e Paul Thomas Anderson, com “Vício Inerente”, conseguiram entrar nas duas listas.

Cena do italiano "Mia Madre"

Cena do italiano “Mia Madre”

Lista da Cahiers du Cinéma
1. Mia Madre (Nanni Moretti)
2. Cemitério de Esplendor (Apichatpong Weerasethakul)
3. In the Shadow of Women (Philippe Garrel)
4. O Cheiro da Gente (Larry Clark)
5. Mad Max: Estrada da Fúria (George Miller)
6. Jauja (Lisandro Alonso)
7. Vício Inerente (Paul Thomas Anderson)
8. As Mil e Uma Noites (Miguel Gomes)
9. The Summer of Sangaile (Alante Kavaite)
10. Para o Outro Lado (Kiyoshi Kurosawa)

O épico de ação de George Miller, "Estrada da Fúria", emplacou nas duas listas

O épico de ação de George Miller, “Estrada da Fúria”, emplacou nas duas listas

Lista da Sight & Sound
1. A Assassina (Hsiao-hsien Hou)
2. Carol (Todd Haynes)
3. Mad Max: Estrada da Fúria (George Miller)
4. As Mil e Uma Noites (Miguel Gomes)
5. Cemitério de Esplendor (Apichatpong Weerasethakul)
6. No Home Movie (Chantal Akerman)
7. 45 Anos (Andrew Haigh)
8. O Filho de Saul (László Nemes)
9. Amy (Asif Kapadia)
9. Vício Inerente (Paul Thomas Anderson)
11. Anomalisa (Charlie Kaufman e Duke Johnson)
11. Corrente do Mal (David Robert Mitchell)
13. Phoenix (Christian Petzold)
14. Garotas (Céline Sciamma)
14. Hard to Be a God (Aleksei German)
14. Divertida Mente (Pete Docter)
14. Tangerina (Sean Baker)
14. Taxi Teerã (Jafar Pahani)
19. Cavalo Dinheiro (Pedro Costa)
19. The Look of Silence (Joshua Oppenheimer)

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 7 de agosto de 2015 Filmes, Listas | 18:45

Próximos meses reúnem bons lançamentos de terror nos cinemas

Compartilhe: Twitter

Quem gosta de filmes de gênero pode comemorar e guardar algum dinheiro porque os próximos meses reservam boas opções ao fã do cinema de horror. Do aclamado indie “Corrente do mal” à nova aposta do diretor de “O sexto sentido” no gênero, passando por duas produções de Eli Roth e pela incursão do elogiado Guillermo Del Toro no filão das casas mal assombradas. O Cineclube preparou uma listinha com o melhor do terror a aportar nas salas nacionais ainda em 2015.

“Bata antes de entrar” (EUA 2015), de Eli Roth 

Knock 3

Estreia em 17/09

Keanu Reeves faz um homem casado que, com a mulher e os filhos fora, recebe duas jovens desconhecidas que fogem da chuva. Eles se insinuam para ele e eles acabam fazendo sexo. O terror acontece quando elas resolvem se divertir depois e torturam o pobre coitado. Roth volta a brincar com o sadismo e ecoa o clássico “Atração fatal” sob uma nova perspectiva. “De certa forma é meu filme mais comportado, onde me permito adentrar outros gêneros”, disse em entrevista ao site Collider.

“Garota sombria caminha pela noite” ( EUA 2014), de Ana Lily Amirpour

Garota caminha

Estreia em 17/09

Coisas estranhas acontecem em Bad City. Uma cidade fantasma iraniana, lar de prostitutas, viciados, cafetões e outras almas sórdidas. Um reduto de depravação e falta de esperança, onde uma vampira solitária persegue os habitantes mais repugnantes. Mas quando um garoto conhece uma garota, uma história de amor incomum começa a florescer…

A produção independente americana, rodada em preto e branco, foi uma das sensações de 2014 no circuito de festivais e surpreendentemente garantiu um lançamento comercial no Brasil. Cortesia da Imovision que cada vez mais se torna protagonista nos lançamentos vocacionados à arte.

“A possessão do mal” (EUA, 2014), de David Jung

Estreia em 24 /09

Estreia em 24 /09

Outra produção independente do ano passado que se beneficia do gosto do espectador brasileiro pelo terror para garantir um lançamento no circuito de cinemas do país. Michael King não acredita em qualquer tipo de crença ou religião. Em face de certos problemas familiares, ele resolve fazer um documentário investigando a existência de forças sobrenaturais. Por que as pessoas invocam demônios e não anjos?

 

“A visita” (EUA 2015), de M. Night Shyamalan

Estreia em 15/10

Estreia em 15/10

Dois irmãos são enviados pela mãe à casa dos avós e o que parecia uma corriqueira visita familiar, acaba se transformando em jornada gradativa de horror e histeria. O filme promete ser o retorno de M. Night Shyamalan à boa forma. Desprezado por estúdios, ele rodou a fita de maneira independente e acertou a distribuição com a Universal. Ainda que de volta ao baixo orçamento e livre de imposições de estúdios, não se pode descartar a chance de um novo abacaxi do cineasta indiano. “Fim dos tempos” (2008) também tinha um trailer promissor.

“A colina escarlate” (EUA, 2015), de Guillermo Del Toro

Estreia em 26/11

Estreia em 26/11

Apaixonada pelo misterioso Sir Thomas Sharpe, a escritora Edith Cushing  muda-se para sua sombria mansão no alto de uma colina. Habitada também por sua fria cunhada Lucille Sharpe, a casa tem uma história macabra e a forte presença de seres de outro mundo não demora a abalar a sanidade de Edith. O filme tem no elenco Mia Wasikowska, Jessica Chastain, Tom Hiddleston e Charlie Hunnam. Trata-se do projeto mais audacioso e lapidado do elogiado Guillermo Del Toro, regressando ao gênero depois dos bem-sucedidos “A espinha do Diabo” e “O labirinto do fauno”.

“Exorcistas do Vaticano” (EUA,2015), de Mark Neveldine 

Estreia em 20/08

Estreia em 20/08

Michael Peña faz um jovem padre destacado para investigar o caso de uma jovem aparentemente possuída pelo demônio. O Vaticano logo percebe se tratar de um caso de possessão muito mais grave e problemático do que parecia a princípio. O elenco da produção conta ainda com Dougray Scott e Djimon Hounsou.

“Corrente do mal” (EUA,2014), de David Robert Mitchell

Estreia em 27/08

Estreia em 27/08

O Cineclube foi o primeiro a atentar para esse hit do cinema independente americano aqui no Brasil. “Corrente do mal” faz uma metáfora inteligente das doenças sexualmente transmissíveis ao fazer com que a única maneira de se desfazer de uma maldição seja por meio do ato sexual. Uma entidade que jamais corre, só anda, no intuito de matar sua vítima e pode assumir variadas formas. Divertido, original e reverente aos filmes seminais do gênero, “Corrente do mal” é o caviar do horror no cinema em 2015.

“Canibais” (EUA,2015), de Eli Roth

Estreia em 25/09

Estreia em 25/09

Um grupo de ativistas americanos decidem ir até a Amazônia para tentar proteger uma tribo que está desaparecendo. Durante o percurso, o avião sofre problemas e eles caem no meio da selva.  Eles são resgatados e feitos reféns pela tribo que desejavam salvar. E você não vai acreditar no que a tribo deseja fazer com eles…

Segundo filme de Roth a ser lançado em 2015, “Canibais” foi rodado em 2013, parcialmente no Brasil, mas a fita teve problemas de finalização e distribuição, o que acabou adiando a estreia.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 26 de junho de 2015 Curiosidades, Listas | 23:05

Revista elege os 100 melhores personagens da história do cinema

Compartilhe: Twitter

A revista inglesa de cinema Empire, uma das mais tradicionais e pops do segmento, convocou seus leitores para uma eleição divertida. Eleger os 100 melhores personagens da história do cinema. Em listas assim, é natural a predominância de personagens pop, mas o top 10 tem pelo menos duas figuras egressas de produções cults. O cara, interpretado por Jeff Bridges, em “O grande Lebowski” e Tyler Durden, vivido por Brad Pitt, em “O clube da luta”. Outras curiosidades do top 10 são a presença de uma única personagem feminina,  de dois personagens vividos pelo ator Harrison Ford e da opção pelo “Coringa de Heath Ledger”, ao invés do personagem Coringa, já defendido por Jack Nicholson em outro filme.

Naturalmente, franquias de sucesso como Piratas do Caribe, 007 e Star Wars asseguraram seus célebres personagens na lista e muito bem posicionados.  Os 20 melhores personagens da história do cinema segundo os leitores da Empire podem ser conferidos abaixo. Para acessar a lista original basta clicar aqui. E quais são os seus personagens preferidos do cinema? Liste abaixo nos comentários.

Forrest Gump (“Forrest Gump – o contador de histórias”)

Forrest Gump (“Forrest Gump – o contador de histórias”)

Jules Winnfield (“Pulp Fiction”)

Jules Winnfield (“Pulp Fiction”)

Travis Bickle (“Taxi driver”)

Travis Bickle (“Taxi driver”)

Hans Gruber (“Duro de matar”)

Hans Gruber (“Duro de matar”)

Neo (“Matrix”)

Neo (“Matrix”)

Ferris Buller (“Curtindo a vida adoidado”)

Ferris Buller (“Curtindo a vida adoidado”)

T- 800 (“O exterminador do futuro”)

T- 800 (“O exterminador do futuro”)

Gollum (“O senhor dos anéis”)

Gollum (“O senhor dos anéis”)

John McCLane (“Duro de matar”)

John McCLane (“Duro de matar”)

James Bond (franquia 007)

James Bond (franquia 007)

Vito Corleone (“O poderoso chefão”)

Vito Corleone (“O poderoso chefão”)

Ellen Ripley (“Alien – o oitavo passageiro”)

Ellen Ripley (“Alien – o oitavo passageiro”)

Jack Sparrow (“Piratas do Caribe”)

Jack Sparrow (“Piratas do Caribe”)

The dude (“O grande Lebowski”)

The dude (“O grande Lebowski”)

– Indiana Jones ( “Os caçadores da arca perdida”)

– Indiana Jones ( “Os caçadores da arca perdida”)

Hannibal Lecter (“O silêncio dos inocentes”)

Hannibal Lecter (“O silêncio dos inocentes”)

Han solo (“Star Wars”)

Han solo (“Star Wars”)

O coringa de Heath Ledger (“Batman - O cavaleiro das trevas”)

O coringa de Heath Ledger (“Batman – O cavaleiro das trevas”)

Darth Vader (“Star Wars”)

Darth Vader (“Star Wars”)

Tyler Durden (“Clube da luta”) (Fotos: divulgação)

Tyler Durden (“Clube da luta”)
(Fotos: divulgação)

Autor: Tags: ,

segunda-feira, 13 de abril de 2015 Atores, Filmes, Listas | 19:04

Os melhores filmes de atores ruins

Compartilhe: Twitter

Não há lista sem polêmica e todo apreciador de listas, e de polêmicas, sabe disso. O Cineclube eleva as apostas ao atrelar em uma mesma lista o rótulo de pior ao melhor. A lista em destaque tem como objetivo reconhecer os melhores filmes de atores ruins. Alguns atores são conhecidos do grande público, outros não. Em comum, todos têm o fato de serem constantemente questionados pela crítica. Os filmes pelos quais são lembrados aqui não só representam o ponto alto em matéria de interpretação alcançado por esses atores, como também são filmes bons em grande parte pelo trabalho deles. Um aparente paradoxo que, como toda lista, dá pano para manga.

 

“O advogado do Diabo” (EUA, 1997) – Keanu Reeves

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Keanu Reeves é um mau ator que conseguiu disfarçar suas deficiências dramáticas se refugiando na ação. Incensado a astro, tentou diversificar no cinema independente, mas jamais alcançou o êxito de outros atores desacreditados como Matthew McConaughey. No entanto, antes de “Matrix”, Reeves teve seus (bons) espasmos e o melhor deles é “O advogado do Diabo”. No filme que também é o melhor do irregular cineasta Taylor Hackford, Reeves convence como um advogado arrogante e brilhante que é assediado por ninguém menos que o Diabo. Al Pacino reclama nosso olhar para si, mas quem se predispuser a observar Reeves verá ali uma chama que infelizmente não se alastrou.

 

 “A vida é bela” (ITA, 1997) – Roberto Benigni 

A vida é bela

Roberto Benigni é um ator tão ruim que, em perspectiva, o Oscar conquistado pelo trabalho nesse belíssimo drama torna-se plenamente justificado. Emocionante e sensível, o registro de um pai que faz de tudo para maquiar os horrores da guerra para seu filho, mostra que no cinema como no futebol, todo perna de pau tem seu dia de artilheiro.

 

“Mata-me de prazer” (EUA, 2002) – Joseph Fiennes

mata-me de prazer

Não é fácil arranjar um filme bom estrelado por Joseph Fiennes, o irmão mais bonito, mas menos talentoso de Ralph Fiennes, que seja bom por causa dele. “Elizabeth”, “Círculo de fogo” e “Correndo com tesouras” são bons apesar dele. Mas esse thriller erótico que brinca com o prazer do sexo com asfixia, Fiennes faz um homem misterioso adepto da prática que vira do avesso a vida de uma mulher bem resolvida vivida por Heather Graham. Trata-se de uma boa atuação e muito do clima do filme se deve ao trabalho do ator.

 

 “Paranoia” (EUA, 2007) – Shia LaBeouf

Paranoia

Steven Spielberg certa vez disse que LaBeouf seria o próximo Tom Hanks e essa impressão veio logo depois do lançamento deste filme, um suspense despretensioso de ótima bilheteria lançado no mesmo ano do primeiro “Transformers”, que elevara LaBeouf ao status de astro. Foi, também, o primeiro filme protagonizado por ele que já vinha de pequenos papeis em “Constantine” (2005) e “Bobby” (2006). Aqui, o ator demonstra carisma e capacidade de trafegar entre os registros cômico e dramático com facilidade. Pena que o sucesso subiu à cabeça e LaBeouf jamais seria tão eficaz em cena novamente.

 

“A fúria” (EUA, 2007) – Christian Slater

A fúria

Veterano, Christian Slater esteve em ótimos filmes, mas todos eles independiam de sua presença. Em “A fúria” não é bem assim. Aqui Slater tem a chance de brilhar e o faz deixando toda a canastrice de lado. Na pele de um sujeito pacato que é ridicularizado pelos colegas de trabalho, o ator impressiona. Um belo dia seu personagem resolve levar uma arma para o trabalho para matar todo mundo, só que outra pessoa tem a mesma ideia e a põe em prática antes. Ele acaba salvando alguns colegas e passa a ser um herói. Promovido e paparicado, o sentimento de inadequação permanece. Grande filme e grande atuação.

 

 “Match point –ponto final” (INGL/ 2005) – Jonathan Rhys Meyers

match

O inglês foi uma escolha incomum de Woody Allen para essa releitura muito mais tensa e elaborada de “Crimes e pecados”, sobre um alpinista social cheio de charme que não mede esforços para vencer na vida. Depois de brilhar em “Match point”, Rhys Meyers foi descoberto por Hollywood e, afora o trabalho na série “The Tudors”, só decepcionou no cinema com atuações entre o risível e o lamentável.

 

 “Piratas do Caribe: a maldição do Perola negra” (EUA, 2003) – Orlando Bloom

Piratas do caribe

Se o galã inglês tivesse metade de talento do que tem de sorte, talvez fosse o Laurence Olivier de sua geração.  Presente em duas das mais lucrativas e influentes franquias do novo século (“Piratas do Caribe” e “O senhor dos anéis”), Bloom costuma ser o elo fraco de bons filmes como “Troia”, “Falcão negro em perigo” e “Cruzada”. Todos filmes que, entre outros objetivos, visavam impulsionar uma carreira que jamais decolou. Isso porque Bloom é ruim. Demais. Contudo, no primeiro “Piratas do Caribe”, sua química com Johnny Depp é avassaladora e ajuda a mascarar sua falta de carisma. Não é exatamente por sua atuação que esse filme é destacado, mas pelo resultado da combinação de sua atuação com a de Depp. Uma tecnicalidade que se faz necessária quando nada se salva na filmografia de um ator tão ruim como Bloom.

 

“Garota exemplar” (EUA, 2014) – Ben Affleck

Ben Affleck em "Garota exemplar": um casamento devassado

Ben Affleck em “Garota exemplar”: um casamento devassado

Ok, Ben Affleck não é exatamente ruim. Ele é mais vítima de má vontade do que exatamente ruim e está muito bem em vários filmes como “Fora de controle”, “Gênio indomável”, “Argo” e “Atração perigosa”, uma pequena amostra de quantos bons filmes ele estrelou ao longo de sua carreira. Mas essa pecha de mau ator pegou e talvez “Garota exemplar” seja Ben Affleck começando a superar este estigma. No filme de David Fincher, a inexpressividade do ator é usada para dar os contornos necessários ao marido suspeito de matar a esposa. Como o homem comum tragado para um redemoinho de sensacionalismo, o ator entrega uma atuação calibrada e cheia de insuspeitas nuanças.

 

 “127 horas” (EUA, 2010) – James Franco

127 horas

James Franco é um artista interessante. Multimidiático e disposto a expandir as fronteiras da arte, é o tipo de ator, roteirista, escritor, diretor e outras coisinhas mais que convém ficar de olho. Isso posto, como ator, Franco (ainda) deixa a desejar. Há bons momentos como em “Milk – a voz da igualdade” e “Segurando as pontas”, mas no geral o ator é inconstante e deficiente. “127 horas”, no entanto, é um filme cujo todo impacto depende exclusivamente da performance de Franco. De como o ator alcança a audiência e Franco é não menos que brilhante. Uma atuação poderosa que foi justamente distinguida com uma indicação ao Oscar e que mostra que Franco pode ainda não ter maturado, mas está no caminho certo.

 

 “Tá rindo do quê?” (EUA, 2009) – Adam Slander

tá rindo

Sempre contestado, Adam Sandler habitou-se a responder seus críticos com vultosas bilheterias. Isso já não acontece mais. Decadente, Sandler parece não cativar mais nem mesmo seu público fiel. Em “Tá rindo do quê?”, excelente comédia dramática de Judd Apatow, ele faz um comediante que descobre só ter um ano de vida e precisa lidar com a ingrata tarefa de preparar seu legado. Algo que Sandler, estranhamente e não literalmente, vivencia atualmente. Profético ou não, o filme apresenta a melhor performance do ator que permite que a metalinguagem corra solta na sua interação com o então astro em ascensão Seth Rogen. Menos dramático do que em filmes como “Reine sobre mim”, Sandler fala sério sem deixar o humor de lado.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. Última