Publicidade

Posts com a Tag Mad max – estrada da fúria

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 Filmes, Listas | 16:58

Retrospectiva 2015: Os vinte melhores filmes do ano

Compartilhe: Twitter

Foi um ano intenso. Não só no cinema. Mas talvez o cinema seja o melhor fórum para uma análise dessa natureza. A pluralidade dos filmes selecionados pelo Cineclube para compor esse ranking do que de melhor surgiu no Brasil (cinema, VOD, home vídeo, etc) entre janeiro e dezembro de 2015, garante a satisfação de quem gosta de cinema em toda a sua plenitude.

Uma boa passagem de ano para todos os leitores e nos vemos em 2016!

20 – Força Maior”, de Ruben Östlund  (Suécia, 2014)

Um olhar frio, distante e irreversível sobre a dinâmica familiar burguesa contemporânea em um filme sem medo de inconveniências.

19 – “A Visita”, de M. Night Shyamalan (EUA, 2015)

Shyamalan redescobre a simplicidade narrativa em um filme que tem sustos, sim, mas tem muito mais coração

18 – “Um Amor a cada Esquina”, de Peter Bogdanovich (EUA, 2014)

O maior trunfo do cinema é a imaginação nesta comédia deliciosa que homenageia Hollywood com inteligência e delicadeza

Foxcatcher: o que não é mostrado move o poderoso filme de Bennett Miller

Foxcatcher: o que não é mostrado move o poderoso filme de Bennett Miller

17 – “A Pequena Morte”, de Josh Lawson (Austrália, 2014)

A ideia de normalidade é afastada em um filme que a partir de inusitados fetiches sexuais fala da nossa necessidade de conexão

16 – “Love 3D”, de Gaspar Noé (FRA, 2015)

A sexualização do amor, intangível como só ela, é tateada com fatalismo romântico pelo polêmico Gaspar Noé em um filme que fala à alma de um jeito muito particular

15 – “Divertida Mente”, de Pete Docter (EUA, 2015)

Você se sente exposto, representado e compreendido pelo filme que melhor combina emoção e diversão na temporada

14 – “Foxcatcher – um Crime que Chocou o Mundo”, de Bennett Miller (EUA, 2014)

O patriotismo distorcido de uma América competitiva dá o tom desse filme de muitas camadas e grandes atuações

13 – “O Jogo da Imitação”, de Morten Tyldum (EUA/INGL 2014)

O academicismo de Tyldum realça a boa história de Alan Turing, mas é Benedict Cumberbatch quem faz do filme algo a mais

12 – “À Beira-Mar”, de Angelina Jolie (EUA, 2015)

O inverno do amor é flagrado em toda a sua dor e agonia em um filme que se constrói nos detalhes de uma relação amorosa implodida

À Beira Mar: Quando o amor só exite pelo ódio, o que fazer?

À Beira Mar: Quando o amor só exite pelo ódio, o que fazer?

11 – “Que Horas ela Volta?”, de Anna Muylaert (Brasil, 2015)

Dando nome aos bois dessa coisa de ser mãe é padecer no paraíso e, no ínterim, revelando a dicotomia do Brasil de duas gerações diferentes

10 – “Ponte dos Espiões”, de Steven Spielberg (EUA, 2015)

Thriller de espionagem de alta voltagem rima com filme edificante? Spielberg faz crer que sim

9 – “Mapa para as Estrelas”, de David Cronenberg (EUA/FRA,2014)

Hollywood, esse lugar de gente doida, esquisita e esculhambada por David Cronenberg

8 – “Casa Grande”, de Fellipe Barbosa (Brasil, 2015)

O derretimento da classe média no pós-Lula ganha o cinema com um filme articulado, reflexivo e com muito a dizer

7 – “A Gangue”, de Miroslav Slaboshpitsky (UCR, 2014)

Nosso fôlego se esvai com um dos filmes mais duros e violentos dos últimos anos. O fato de não haver som e todos os diálogos serem na linguagem de sinais torna tudo mais impactante

6 – “Kingsman: Serviço Secreto”, de Matthew Vaughn (EUA 2015)

Nenhum filme foi tão eficiente em simplesmente entreter como este aqui. De quebra, cinismo em alta, cenas de ação estilosas e o melhor vilão do ano

Kingsman: Porque o cinema também é diversão pura e simples

Kingsman: Porque o cinema também é diversão pura e simples

5 – “Corrente do Mal”, de David Robert Mitchell (EUA, 2015)

O terror mais original em anos no cinema conta uma história de amor que vai ganhando gravidade e sentido e torna a resolução ainda mais assustadora

4 – “Beasts of No Nation”, de Cary Fukunaga (EUA, 2015)

O horror irrefreável de uma África esquecida que força suas crianças a se demonizarem para subsistir é um dos filmes paradoxalmente mais lindos do ano. E mais cruéis também!

3- “Whiplash – Em Busca da Perfeição”, de Demien Chazelle (EUA, 2014)

A música e a obsessão compõem um soneto perfeito neste filme pulsante, cheio de energia e que se recusa a deixar o espectador a sós com seus pensamentos

2- “Mad Max: Estrada da Fúria”, de George Miller (EUA, 2015)

A ópera do caos em toda a sua fúria, cor e excelência. Nenhum outro filme cravou-se no imaginário popular quanto esse petardo de estilo de Miller. O cinema de ação se despede outro de 2015

1 – “Birdman – ou a Inesperada Virtude da Ignorância”, de Alejandro González Iñárritu (EUA 2014)

Um pequeno conto sobre vaidade, insegurança e outras coisitas mais com Hollywood como pano de fundo. Imperdível.

Birdman: Porque a eletricidade do registro faz a inteligência da história crescer de tamanho

Birdman: Porque a eletricidade do registro faz a inteligência da história crescer de tamanho

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 6 de junho de 2015 Críticas, Filmes | 16:39

“Mad Max: Estrada da Fúria” se firma como maior obra-prima da ação em décadas

Compartilhe: Twitter

Nos trailers de “Mad Max: Estrada da fúria” surgiam antes do nome do cineasta George Miller a alcunha “visionário”. Caso o leitor seja destes que ainda não tem familiaridade com a obra do diretor australiano, o porquê do uso do termo estará plenamente justificado quando os créditos do filme subirem. “Estrada da fúria” não só é o melhor filme da carreira do australiano, como é a grande obra-prima que o cinema de ação aguardava desde a década de 80, quando produções como “Mad Max: a caçada continua” (1981) e “Duro de matar” (1988) davam viço ao gênero. De lá para cá, com o advento dos efeitos especiais e heróis de HQs, o cinema de ação virou oura coisa. Mais pasteurizado, artificial e comportado. “Estrada da fúria”, com sua anarquia barulhenta, caótica e brilhantemente coreografada, devolve ao cinema de ação sua brutalidade, sua imprevisibilidade e, fundamentalmente, seu encanto.

Som, fúria e arrebatamento: o melhor filme de ação em anos (foto: divulgação)

Som, fúria e arrebatamento: o melhor filme de ação em anos
(foto: divulgação)

Som e fúria, em um balé apocalíptico no meio do deserto, norteiam uma história que poderia ser erroneamente sintetizada como uma grande e histriônica perseguição. Essa escandalosa e espetacular obra-prima é, no entanto, uma sinfonia do caos tão perfeita que é preciso louvar tanto a ousadia da Warner Brothers, de liberar U$ 200 milhões para a produção de um filme tão incomum e estranho, como o gênio de Miller que usa CGI o mínimo possível e faz ação de verdade com veículos assustadores e capotamentos espetaculosos.

A plasticidade de “Estrada da fúria” impressiona. Seja pelas paletas de cores amareladas ou pelos ângulos inusitados escolhidos por Miller. O gigantismo das alegorias, em muitos momentos o filme se assemelha a um desfile enlouquecido, arrebata. Somente em um filme tão brutal como “Mad Max” seria possível um sujeito tocando insanamente rock em uma guitarra do alto de uma alegoria enquanto percussionistas tribais “cantam” uma perseguição frenética pelo deserto.

Miller avança na mitologia do universo de “Mad Max” reaproveitando e expandindo ideias ensejadas na trilogia original, mas “Estrada da fúria” se sustenta sozinho. Depois de ser capturado, Max (Tom Hardy) vira uma bolsa de sangue para os war boys feridos da cidadela. A cidadela é controlada por Immortan Joe (Hugh Keays-Bryne, que já havia sido o vilão do primeiro filme). Ele promove uma caçada nervosa a Imperator Furiosa (Charlize Theron) que fugiu com suas parideiras. O war boy Nux (Nicholas Hoult) para participar da perseguição leva sua “bolsa de sangue” e daí em diante é prudente se preparar para os alucinantes desdobramentos da frenética narrativa.

Apesar do frenesi, “Estrada da fúria” traz mais em seu âmago. É, primordialmente, um filme de forte apelo feminista. Além da premissa de livrar mulheres da objetificação de um homem tirano, a personagem Furiosa reclama para si o protagonismo do filme. Determinada, inteligente, articulada e forte, Furiosa conquista o respeito de Max de um jeito que somente os homens estão permitidos a conquistar em westerns. “Estrada da fúria” subverte essa lógica ao afastar o romance da equação. Não obstante, trata-se, ainda, de um olhar algo raivoso sobre o impacto da religião e de como o suicídio pode ser usado a serviço do terror.

Western de vanguarda: Há muito mais do que alcançam os olhos em "Estrada da fúria" (Foto: divulgação)

Western de vanguarda: Há muito mais do que alcançam os olhos em “Estrada da fúria”
(Foto: divulgação)

Se há um porém em “Estada da fúria” é o saldo da inevitável comparação entre Tom Hardy e Mel Gibson. Talvez Hardy já saia perdendo porque seu Max compartilha importância na narrativa com Furiosa, mas fato é que em matéria de carisma Gibson sobra. Hardy convence na brutalidade de Max, especialmente no começo do filme, mas come poeira quando precisa aferir humanidade ao personagem.

É uma ressalva que não compromete em nada a grandiosidade da fita. Tampouco demove “Estrada da fúria” do topo da cadeia alimentar do cinema de ação contemporâneo. Visionário, George Miller faz o que parecia impossível e relega produções como “Vingadores” e “Velozes e furiosos”, grandes sensações da temporada, ao posto de meros recalques.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 24 de abril de 2015 Análises, Filmes, Notícias | 18:06

Novo “Vingadores” dá largada à temporada mais lucrativa do cinema americano

Compartilhe: Twitter

Quem acompanha o noticiário de cinema de perto já esperava pelo verão americano de 2015 há muito tempo e com muita ansiedade. O verão nos EUA, parte da primavera também, é quando os estúdios de cinema lançam seus principais blockbusters do ano. Essa faixa que vai de meados de abril até o fim de agosto reserva ainda mais atrações imperdíveis em 2015.

Retorno de franquias adormecidas (“Jurassic Park”), introdução de novos heróis (“Homem-formiga”) e produções originais (“Tomorrowland – um lugar onde nada é impossível” e “Terremoto – a falha de San Andreas”) disputam o interesse do espectador com comédias, sequências e um tal grupo de super-heróis que já toma os cinemas a partir deste fim de semana.

Na esteira de “Vingadores: a era de Ultron”, a Disney ainda tem o aguardadíssimo “Tomorrowland – um lugar onde nada é impossível” (maio), dirigido pelo mesmo Brad Bird de “Os incríveis” e “Missão impossível – protocolo fantasma”, “Homem-formiga” (julho) e “Divertida mente” (junho), nova produção da Pixar. As apostas são de que a Disney deve terminar a temporada como o estúdio número 1 em arrecadação. A Warner adotou uma estratégia arriscada para tentar neutralizar essa liderança. Ao invés de concentrar poucos e gigantes lançamentos, o estúdio pulverizou sua agenda na temporada. São nove filmes no total, a maioria de médio porte, puxados pelo aguardado remake de “Mad Max”, que ganhou o subtítulo de “A estrada da fúria”. Produções como “Terremoto – a falha de San Andreas” (maio), estrelado pelo fortão Dwayne “The Rock” Johnson, são testes para gêneros (no caso, o filme catástrofe) que andavam escassos na temporada pipoca. Já “Entourage” (junho) leva para o cinema a mise-en-scène da série sobre os bastidores de Hollywood. O público feminino e homossexual estão na mira da sequência de “Magic Mike”, que o estúdio programou para julho.  Para o fim do verão, em agosto, a Warner reservou o novo filme de Guy Ritchie, “O agente da U.N.C.L.E”.

"Tomorrowland" (Fotos: divulgação)

“Tomorrowland”
(Fotos: divulgação)

 

A Universal, que chega a mais concorrida temporada do cinema com dois megassucessos na bagagem (“50 tons de cinza” e “Velozes e furiosos 7”) tem tudo para manter o pique. O estúdio tem programados “Ted 2” (julho), “Trainwreck” (julho), nova comédia assinada por Judd Apatow com Amy Schumer, nova sensação da comédia americana, “Minions” (julho), derivado de “Meu malvado favorito”, “A escolha perfeita 2” (maio), além de “Jurassic World – o mundo dos dinossauros”.  A universal, que pode terminar o ano como a maior ameaça ao já declarado reinado da Disney nas bilheterias de 2015, parece ter a melhor fórmula nas mãos. Dos seis filmes de seu portfólio, um é uma comédia original cheia de potencial. Duas são sequências de comédias surpreendentemente bem sucedidas em anos anteriores, um spin-off da animação de maior sucesso do estúdio e a revitalização de uma das mais franquias mais famosas da casa.

A Paramount optou por estratégia oposta às adotadas por Warner e Universal e apostou em apenas dois filmes. Dois filmes bem grandes. O primeiro é “O exterminador do futuro: Gênesis” (julho), que celebra o retorno de Arnold Schwarzenegger à franquia. O segundo é “Missão impossível – nação secreta” (agosto), quinto filme do agente vivido por Tom Cruise.

"Jurassic World - o mundo dos dinossauros"

“Jurassic World – o mundo dos dinossauros”

A Fox, que teve um ótimo 2014 com filmes como “A culpa é das estrelas”, “X-men: dias de um futuro esquecido” e “Planeta dos macacos: o confronto” parece ter menos armas para 2015. “A espiã que sabia de menos” e “Cidades de papel” (ambos em julho) são as duas principais apostas do estúdio na temporada. Há, ainda, o remake de “Quarteto fantástico” que já gera mais desconfiança do que ansiedade. A Sony vive situação semelhante. As duas principais apostas do estúdio parecem pouco competitivas ante as produções de seus principais rivais. A primeira é “Sob o mesmo céu”, nova comédia de Cameron Crowe (“Quase famosos”), estrelada por Bradley Cooper e Emma Stone. A segunda é “Pixels”, comédia de ação estrelada por Adam Sandler, Peter Dinklage e Kevin James. O estúdio lança, ainda, o terceiro capítulo da franquia de terror “Sobrenatural”. O primeiro foi um surpreendente sucesso há cinco anos.

"Pixels"

“Pixels”

O melhor do resto

O remake do clássico oitentista “Férias frustradas”, o novo filme de Woody Allen (“O homem irracional”), Meryl Streep roqueira em “Ricki and the flash”, Jake Gyllenhaal parrudo em “Southpaw”, novas versões de “Hitman: agente 47” e “Carga explosiva”, Ian Mckellen como um Sherlock Holmes idoso, uma releitura de Madame Bovary, um olhar sobre o líder dos Beach boys (“Love & mercy”) e a refilmagem de “Poltergeist” são outras atrações deste que promete ser o mais movimento e lucrativo verão americano dos últimos anos.  A expectativa do setor é de que a temporada registre um aumento de 10 a 15% em relação a 2014 e que contribua efetivamente para o recorde de bilheteria projetado para 2015 na Cinemacon, feira da indústria do cinema realizada nesta semana em Las Vegas.

Autor: Tags: , , , , ,