Publicidade

Posts com a Tag Mike Nichols

sexta-feira, 21 de novembro de 2014 Análises, Filmes | 06:00

“Closer”, a obra-prima de Mike Nichols, completa dez anos

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação/Columbia Pictures

Foto: divulgação/Columbia Pictures

O cinema perdeu mais um de seus filhos pródigos para esse 2014 caprichoso e cioso de talentos da sétima arte. Mike Nichols partiu, mas deixou um legado majestoso por meio de seus filmes reflexivos do homem comum e suas fragilidades. Um desses filmes é “Closer – perto demais” que completa dez anos de seu lançamento no próximo dia 10 de dezembro.

À época de seu lançamento, no Brasil seria lançado no dia 21 de janeiro de 2005, o filme virou uma coqueluche cinéfila. As relações amorosas jamais haviam sido tão cruel e desapaixonadamente abordadas e expostas no cinema.

Superficialmente, “Closer” versa sobre a volatilidade das relações amorosas. Um olhar mais atento, no entanto, percebe que o real objetivo do filme é refletir sobre a dinâmica rocambolesca dos relacionamentos amorosos e os papeis do ego, superego e id, esses conceitos psicológicos tão abstratos do nosso cotidiano, na sorte de nossas relações amorosas.

“Closer” é brutal em sua expressividade de como o ser humano é um ser ‘complexizante’ e não há matéria-prima mais receptiva a uma análise dessa natureza do que o amor. Esse sentimento tão indevassável quanto poderoso.

A acuidade do registro reserva atemporalidade para “Closer”, filme daqueles que cresce de tamanho a cada vez que se volta a ele. Os diálogos secos, a moral em suspensão, a tensão constante e a coragem transbordada não indicam um filme de fácil empatia. Mas se “Closer” optasse por este caminho perderia a longevidade de vista. Foram poucos prêmios que souberam lidar com “Closer”, cuja origem é teatral, à época de seu lançamento. O Oscar indicou apenas as performances de Clive Owen e Natalie Portman, como coadjuvantes. O Globo de Ouro fez mais e distinguiu o filme, o roteiro e Nichols, mas como no Oscar, não houve vitórias.

Algumas associações de críticos premiaram o elenco, composto ainda por Jude Law e Julia Roberts. Elenco digno de prêmios, diga-se. Exímio diretor de atores, Nichols aqui arranca a melhor atuação da carreira de Julia Roberts e consegue que seu quarteto atinja o mais elevado tom em toda e qualquer cena.

“Closer” é uma experiência demolidora. Um filme que dá prazer de ver ao cinéfilo, agonia ao enamorado, e desencantamento ao ser humano. Em dez anos, nenhum outro filme conseguiu reunir essas sensações durante duas horas e reproduzi-las toda vez que se volte a ele. Tal unicidade engrandece essa que é a última joia de uma cinematografia irretocável como a que Mike Nichols lega aos apreciadores do bom cinema.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 20 de novembro de 2014 Análises, Diretores | 17:59

Mike Nichols observava a vida como poucos e a registrava como ninguém

Compartilhe: Twitter
Mike Nichols conversa com Julia Robert no set de "Closer", filme definitivo sobre a lógica do amor

Mike Nichols conversa com Julia Robert no set de “Closer”, filme definitivo sobre a lógica do amor

“Closer – perto demais” (2004), “Quem tem medo de Virgina Woolf?” (1966), “A primeira noite de um homem” (1967), “A difícil arte de amar” (1986), “Uma secretária de futuro” (1988), “A gaiola das loucas” (1996) e “Segredos do poder” (1998) são alguns dos highlights de uma carreira construída por acertos inquestionáveis. Mesmo seus equívocos, breve lista que pode compreender “Lobo” (1994) e “De que planeta você veio?” (2000), detinham a luminosidade de um grande autor.

Mike Nichols morreu, aos 83 anos, na noite de quarta-feira (19), vítima de uma parada cardíaca. Nascido na Alemanha, Nichols rumou ainda criança para os EUA para fugir da segunda guerra mundial. A carreira começou nos palcos, na década de 50. Nos anos 60, já um diretor de sucesso na Broadway, migrou para o cinema sem jamais abandonar a primeira paixão, o teatro. O cineasta se destacava, ainda, por ser um dos poucos artistas a ostentar triunfos nos quatro principais prêmios americanos. O Oscar (cinema), o Grammy (Música), o Tony (Teatro) e o Emmy (televisão).  Audrey Hepburn, Barbra Streisand, Mel Brooks, Whoopi Goldberg, James Earl Jones e Rita Moreno foram outros que conseguirem tal feito.

Uma das principais características do cinema de Nichols era seu foco no ser humano. As vicissitudes, as angústias, as belezas, as contradições… O cineasta sabia como poucos expor a essência humana em filmes tão diversos como os citados na abertura deste artigo. Dos relacionamentos amorosos à articulação de uma campanha presidencial, passando por um casal gay às voltas com o conservadorismo ou em uma perola feminista no esplendor dos anos Reagan nos EUA dos anos 80, Nichols sabia dar prevalência às humanidades em qualquer registro e qualquer gênero que fosse. “Era um dos maiores de todos os tempos. Um amigo e um mentor”, disse Steven Spielberg, reconhecidamente outro dos maiores de todos os tempos. Hollywood, de maneira geral, pôs-se a prestar homenagens a um dos seus mais eloquentes e talentosos filhos. Mas veio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que outorga o Oscar, prêmio vencido por Nichols em 1968 pelo filme “A primeira noite de um homem”, a melhor definição que se pode fazer sobre o cineasta. “Nichols fez filmes que mudaram os filmes”. Adeus mestre!

Partidos em 2014: Nichols orienta Philip Seymour Hoffman no set de "Jogos do poder", seu último filme lançado em 2007

Partidos em 2014: Nichols orienta Philip Seymour Hoffman no set de “Jogos do poder”, seu último filme lançado em 2007
Fotos: divulgação

Autor: Tags: ,