Publicidade

Posts com a Tag música

quarta-feira, 6 de julho de 2016 Críticas, Filmes | 18:46

“Janis: Little Girl Blue” revela conflituosa Janis Joplin por trás do ícone do rock

Compartilhe: Twitter

Estreia nesta quinta-feira (9) nos cinemas paulistanos, o documentário “Janis: Little Girl Blue”. Com distribuição da Zeta Filmes, a produção chega Janischancelada por diversos festivais de cinema mundo afora como Veneza, Toronto e Londres. Além, é claro, do Festival do Rio, onde o filme foi uma das atrações em 2015.

A produção consumiu sete anos de Amy J. Berg, diretora e roteirista da produção. O filme aprofunda-se na breve carreira e na intimidade de Janis Joplin, por meio de imagens de arquivo – algumas das quais inéditas –, correspondências pessoais de Janis e entrevistas com ela e seus contemporâneos. Sua única passagem pelo Brasil também é mencionada no filme, que é acima de tudo repleto de trechos de performances ao vivo de suas canções mais icônicas, tanto em sua fase com a Big Brother & The Holding Company como de sua carreira solo.

“Janis: Little Girl Blue”, que empresta de uma das mais tristes canções de Janis seu título, evita conjecturas sobre o destino trágico da cantora, morta aos 27 anos vítima de uma overdose de heroína, mas expõe diversas interpretações a respeito do que poderia ter acontecido. Dessa forma, permite ao público construir sua própria narrativa – romântica ou cética – do que aconteceu com a primeira mulher a acontecer no rock.

Mas o crepúsculo de Janis Joplin, ainda que cinematograficamente cativante, não é o destaque do filme. Ele se ocupa de desnudar o ícone e revelar a mulher, cheia de inseguranças e dotada de um otimismo contrastante com seu mergulho cada vez mais definitivo no mundo das drogas.

“Janis: Little Girl Blue” é daqueles filmes que falam mais ao coração dos fãs, mas que tem muito a dizer a quem entrar no cinema por mero acaso.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 9 de setembro de 2015 Notícias | 22:53

Keith Richards é tema de documentário em estreia na Netflix

Compartilhe: Twitter

Keith 2Rolling Stones e Mick Jagger são dois dos maiores personagens do rock. Existe essa convicção e existe Keith Richards, uma figura que transcende os anais do rock para se tornar um daqueles casos emblemáticos da cultura e da contracultura. Não à toa, “Keith Richards: under the influence”, documentário sobre o mais polêmico e surrealista dos Stones, chega a todo o mundo pela Netflix no mesmo dia em que o primeiro álbum solo (“Corsseyed heart”) de Richards em 23 anos chega às lojas.  Em 18 de setembro.

O filme é dirigido Morgan Neville, diretor do doc vencedor do Oscar “A um passo do estrelato” (2014) e promete um olhar sem precedentes sobre o guitarrista dos Stones. O filme foi gravado durante a preparação de Richards para o novo trabalho solo.

“Ele sempre representou a alma da música rock”, disse à Rolling Stone americana o diretor do filme, “e eu estou orgulhoso de trazer o Keith da vida real, este que nós capturamos, a uma audiência global via Netflix”.  A produção foi adquirida pela empresa quando já estava na pós-produção.

O primeiro trailer, divulgado nesta quarta-feira (9), mostra o guitarrista falando sobre o status de sua banda (“os Stones entraram em hibernação”), revelando suas influências musicais (“música folk americana, jazz, blues, Johnny Cash, Muddy Waters“) e ratificando a lenda de ser incansável (“Você vai envelhecer quando estiver enterrado”).

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 11 de abril de 2015 Filmes, Listas | 17:05

Os cinco melhores documentários musicais do século XXI mais um bônus

Compartilhe: Twitter

Vêm aí uma saraivada de filmes sobre Rihanna, Amy Winehouse, Nirvana, entre outros. Registros históricos sobre músicos, bandas e a música em si sempre entorpeceram o cinema, mas a fase promete ser prolífica. Ciente dessa nova onda, a coluna preparou uma listinha para ir amaciando tanto quem gosta de cinema, como quem gosta de música. A lista pode ser apreciada, também, por quem gosta de um bom documentário investigativo.

Cena de "No direction home: Bob Dylan", um dos filmes fundamentais sobre música (Foto: divulgação)

Cena de “No direction home: Bob Dylan”, um dos filmes fundamentais sobre música
(Foto: divulgação)

5- “A um passo do estrelato” (2013)

Vencedor do Oscar, este doc ilumina a vida e trajetória de uma série de back vocals. Aqueles cantores que estão ali na esquina do estrelado, mas nunca o encontram. Mesmo, muitas vezes, sendo mais talentosos do que astros da música. O filme investiga a importância desses profissionais para músicas que idolatramos e busca entender como e por que eles se desviam de seus sonhos de fama e sucesso. Mick Jagger, Bruce Springsteen, Stevie Wonder e Sting são alguns dos (famosos) depoentes no filme.

 

4- “George Harrison: living in the material world” (2011)

Martin Scorsese não é um dos papas do cinema à toa e sua devoção à boa música se reflete não só nas certeiras trilhas sonoras de seus filmes, mas também na sua verve documental. Ele rodou alguns dos filmes mais importantes sobre a música e dois deles estão nesta lista. O primeiro é “George Harrison: living in the material World”. O doc de três horas e meia é uma desconstrução poderosa do “beatle quieto” como Harrison ficou conhecido. O filme cobre as fases pré e pós Beatles com mais interesse do que o período na banda. Tudo porque o norte de Scorsese é fazer um registro pessoal e não exatamente um tributo. Ainda que a bifurcação possa ser sentida, o espírito do filme é livre e contagiante.

 

3- “Procurando Sugar man” (2012)

Um cantor de folk tenta fazer sucesso no leste dos EUA, fracassa retumbantemente, vira ícone e influência na convulsionada politicamente África do Sul e desaparece do mapa completamente. O oscarizado documentário de Malik Bendjelloul ilumina esse personagem intrigante em todos os aspectos possíveis e imagináveis. Por que o fracasso em sua Detroit natal significou o sucesso em um país tão problemático como a África do Sul? Por que um grupo de fãs se lançou à busca de Sixto Rodriguez? Cinema de primeira qualidade e frequentemente surpreendente, “Procurando Sugar man” faz um elogio da boa música por meio do mais inusitado dos personagens.

 

2- “Joe Strummer:the future is unwritten” (2007)

Um olhar atordoante sobre o vocalista do The Clash, morto em 2002. O filme é um tributo ao incendiário e polêmico líder da banda de punk rock. Agregando material de arquivo com entrevistas esclarecedoras de ex-amantes, colegas, parceiros de bandas e admiradores como Bono, o diretor Julien Temple, que era amigo de Strummer, dá viço ao legado de um dos músicos mais criativos e problemáticos de sua geração. E adivinhe? Scorsese também dá as caras por aqui. Como admirador, é claro!

 

1-“No direction home: Bob Dylan” (2005)

Neste documentário crepuscular, Martin Scorsese confronta a lenda e o homem ao lançar os holofotes para o passado de Bob Dylan pelo olhar do próprio. Assistir a “No direction home” é uma experiência demolidora, mas bastante recompensadora. Scorsese perpassa a cultura americana da década de 60 de maneira sofisticada e abrilhanta ainda mais o enigma que é Bob Dylan. Obrigatório!

Bônus: “Metallica: some kind of monster” (2004)

O filme acompanha o processo de criação do oitavo disco de estúdio da banda, “St. Anger”. O documentário exibe um lado da banda que pode surpreender muitos fãs no mesmo compasso que vencer o preconceito de quem não se deixa aproximar do metal. É um filme de descobrimento. Da banda, que vai tateando seu novo trabalho, de sua base de fãs que conhece uma faceta que o marketing oculta e de quem não costuma se interessar por metal e der uma chance para o documentário. É um olhar cru para uma das maiores bandas de todos os tempos. Você pode até não querer ouvir Metallica depois, mas certamente vai entender muito mais sobre o processo criativo de uma banda tão grande e tão mal compreendida.

Autor: Tags: ,

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014 Curiosidades, Listas | 21:55

Retrospectiva 2014 – As melhores canções originais para filmes no ano

Compartilhe: Twitter

Lorde, Karen O., Adam Levine, Keira Knightley, Justin Timberlake, Birdy e Ethan Hawke estão entre os destaques do ano no que compete às canções originais feitas para cinema. Filmes como “Ela”, “Boyhood – da infância à juventude”, “A culpa é das estrelas”, “Jogos vorazes: a esperança – parte 1” e “Mesmo se nada der certo” apresentaram canções que expandiram a experiência proporcionada pelos filmes e ganharam vida própria. O Cineclube relembra o que de melhor em matéria de música o cinema ofertou em 2014. Aumente o som!

“Lost Stars”( Keira Knightley e Adam Levine), do filme “Mesmo se nada der certo”

“Like a fool” (Keira Knightley), do filme “Mesmo se nada der certo”

“Yellow flicker beat” (Lorde), do filme “Jogos vorazes: a esperança – parte 1”

“The moon song” (Karen O.), do filme “Ela”

“Split the difference/Ryan´s song” (Ethan Hawke), do filme “Boyhood – da infância à juventude”

“Not about angels” (Birdy), do filme “A culpa é das estrelas”

“Hal” (Yasmin Hamdan), do filme “Amantes eternos”

“Please, Mr. Kennedy” (Ed Rush, George Cromarty, T Bone Burnett, Justin Timberlake, Joel Coen e Ethan Coen), do filme “Inside Llewyn Davis – a balada de um homem comum”

Autor: Tags: , ,

sábado, 30 de agosto de 2014 Diretores, Notícias | 23:46

Os Ramones pela ótica de Martin Scorsese

Compartilhe: Twitter

Música e cinema sempre extrapolaram em afinidade nos filmes de Martin Scorsese. Nos últimos anos, um dos diretores mais prestigiados de todos os tempos tem se permitido viajar pela história da música. De 2005 para cá, foram três documentários sobre ícones do rock, em particular, e da música, em geral. “No direction home” (2005) revistava vida e carreira de Bob Dylan; “Shine a light” (2008), invadia os bastidores de um show dos Rolling Stones; e “George Harrison: living in the material world” (2011) investigava as raízes e predileções do mais injustiçado dos Beatles. Agora, Scorsese mira na primeira banda de punk rock do mundo, os Ramones. O projeto ainda não teve seus detalhes revelados, mas a produção só deve começar no fim de 2015. Scorsese está envolvido com a produção de duas séries para a HBO e no filme “Silence”, sobre perseguição a padres jesuítas no Japão do século XVII, previsto para o ano que vem.

Para quem gosta de rock, e de Scorsese, é um projeto pelo qual esperar ansiosamente.

Scorsese leva um lero com Mick Jagger, entremeado pelo diretor de fotografia Robert Richardson, no set de "Shine a light"

Scorsese leva um lero com Mick Jagger, entremeados pelo diretor de
fotografia Robert Richardson, no set de “Shine a light”

Os Ramones, novo foco de Scorsese em sua mítica busca pela glória do rock ( Fotos: divulgação)

Os Ramones, novo foco de Scorsese em sua mítica busca pela glória do rock ( Fotos: divulgação)

Autor: Tags: , ,