Publicidade

Posts com a Tag notícias

sexta-feira, 12 de agosto de 2016 Diretores, Filmes, Notícias | 05:30

“Tungstênio” será o novo filme de Heitor Dhalia

Compartilhe: Twitter
O cineasta Heitor Dhalia (Foto: divulgação)

O cineasta Heitor Dhalia
(Foto: divulgação)

O cineasta Heitor Dhalia se prepara para começar as filmagens de “Tungstênio”, seu novo longa-metragem. Com produção da Paranoid e coprodução da Globo Filmes, o filme é baseado no livro homônimo de história em quadrinhos de Marcello Quintanilha, publicado pela editora Veneta, o qual já foi premiado por unanimidade no Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême, na França, na categoria thriller.

“Tungstênio” trará quatro personagens para o centro da narrativa: um policial, que atua movido por seus instintos, sua esposa, que está decidida a separar-se, um pequeno traficante, cujo principal interesse é sobreviver mais um dia, além de um ex-sargento do exército, saudoso de sua vida na caserna.

Diante desse cenário, os protagonistas se verão imersos em uma trama aparentemente banal, mas cuja escalada em tensão os conduzirá à negação dos próprios sentimentos. Em uma busca desenfreada por escolher os caminhos que lhes pareçam mais corretos, os personagens inevitavelmente enfrentarão conflitos pessoais diante da impossibilidade de seguir à risca suas escolhas racionais.

As filmagens estão agendadas para novembro desse ano e as locações serão na Bahia.

O livro de Marcello Quintanilha, que é considerado um dos principais quadrinistas brasileiros, será adaptado para o cinema pelos roteiristas Marçal Aquino e Fernando Bonassi. O projeto de Heitor Dhalia conta ainda com a consultoria artística de Guel Arraes.

Diretor de filmes como “À Deriva”, “O Cheiro do Ralo” e “Serra Pelada”, paralelamente ao novo longa, Dhalia já tem outro projeto em andamento. Trata-se do filme “O Diretor”, que retratará o envolvimento de um renomado e polêmico diretor de teatro com uma jovem e bonita atriz, durante a remontagem da peça “Hamlet”, de Shakespeare. O longa trará à tona questões como abuso, assédio, difamação e, principalmente, o limite entre o desejo e a ética.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 10 de agosto de 2016 Filmes, Notícias | 21:36

Warner quebra a banca com nomes de peso na versão feminina de “Onze Homens e Um Segredo”

Compartilhe: Twitter
Foto: montagem sobre reprodução

Foto: montagem sobre reprodução

“Caças-Fantasmas”, refilmagem do clássico oitentista com mulheres à frente do elenco, como já era esperado pela Sony, fracassou. O prejuízo, segundo projeções de analistas da indústria, deve ficar entre US$ 70 e US$ 100 milhões. Esses valores inviabilizam uma sequência e enquanto muitos podem se perguntar sobre a viabilidade de grandes elencos femininos à frente de blockbusters americanos, a Warner provê uma resposta, no mínimo, empoderada.

O estúdio divulgou nesta quarta-feira (10) o elenco completo de “Ocean´s Ocho”, versão feminina de “Onze Homens e um Segredo”. Sandra Bullock, Cate Blanchett e Helena Boham Carter já estão confirmadas no elenco. Nesta quarta foi vez de Anne Hathaway, Rihanna, Mindy Kaling e Awkwafina serem confirmadas.

Trata-se de um elenco com nomes fortes e que faz frente à versão masculina que tinha George Clooney, Brad Pitt e Matt Damon como principais pilares. Clooney, aliás, é cotado para fazer uma ponta no filme, já que a personagem de Sandra Bullock seria sua irmã – daí o Ocean do título.

Não deixa de ser um gesto corajoso, e significativo, da Warner de anunciar o fechamento do elenco do filme que será dirigido por Gary Ross (“Jogos Vorazes”) no mesmo dia em que a notícia do balanço de “Caça-Fantasmas” ganha destaque na mídia especializada.

Com três atrizes oscarizadas e duas cantoras de sucesso, além do pedigree da franquia que já foi encabeçada por Frank Sinatra e George Clooney, a Warner entra em campo para mudar a percepção que talharam de “Caça-Fantasmas”. De que apostar em mulheres à frente de versões alternativas de blockbusters é um mau negócio.

 

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 1 de agosto de 2016 Filmes, Notícias | 16:59

“A Loucura entre Nós” reflete sobre os limites entre loucura e normalidade

Compartilhe: Twitter

A loucura“A Loucura entre Nós” tem um objetivo tão nobre quanto complexo. Refletir sobre as fronteiras da normalidade. Tatear as diferenças, sejam elas sutis ou abissais, entre o que é “normal” e o que é “loucura”.

O filme acompanha pessoas que tentam se reintroduzir no tecido social após experiências em hospitais psiquiátricos.

“A Loucura entre Nós” é o primeiro longa metragem da diretora Fernanda Fontes Vareille e terá sua estreia nacional nesta quinta-feira (4) em Salvador, Rio de janeiro e São Paulo, seguindo para mais dez cidades nas semanas seguintes: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Niterói, Porto Alegre, Recife e São Luís.

Leonor e Elisângela, duas mulheres de realidades sociais bem distintas, são as personagens do filme. Ao dar voz àqueles que, muitas vezes, compõem uma parcela da população negligenciada, a obra abre ao público um universo novo e cheio de contradições. O filme divide suas cenas entre as ruas da capital baiana e a realidade entre muros, salas e portões do Hospital Juliano Moreira. Neste último, uma equipe enxuta de quatro pessoas filmou em clima de imersão.

Extremamente generosas com a câmera, as personagens têm muito a dizer e despem-se completamente para o olhar do público, revelando muitas coisas que, ainda hoje, permanece como tabu quando se fala de questões envolvendo o sofrimento mental.

Ao mostrar o exato momento em que um grupo de pessoas sai do hospital para conquistar autonomia nas suas relações com suas famílias – e com a própria cidade – o filme dialoga também com questões absolutamente contemporâneas em relação à reforma psiquiátrica e a luta antimanicomial no Brasil.

Confira abaixo uma entrevista com a diretora do filme

Entrevista com Fernanda Vareille from Aguas de Março Filmes on Vimeo.

 

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 28 de julho de 2016 Filmes, Notícias | 06:00

“Meus heróis são sempre pessoas que se sentem excluídas”, diz J.K Rowling

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Em vídeo inédito de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, a escritora e roteirista do filme J.K. Rowling fala sobre a essência e construção do personagem Newt Scamander e porque ele pode ser considerado um novo herói para uma nova era. Eddie Redmayne, que interpreta Newt, também comenta sobre a história de seu personagem. “Ele se sente mais à vontade com essas criaturas do que com seres humanos”, observa o ator vencedor do Oscar por “A Teoria de Tudo”.

“Animais Fantásticos e Onde Habitam” começa em 1926, quando Newt Scamander acabara de concluir uma exploração mundial para encontrar e documentar uma extraordinária variedade de criaturas mágicas. Chegando em Nova York para uma breve escala, ele poderia ter passado por ali sem qualquer incidente… se não fosse por um Não-Maj (o nome americano para “Trouxa”) chamado Jacob, uma maleta mágica extraviada, e a fuga de alguns dos animais fantásticos de Newt, que poderiam causar problemas para os mundos dos bruxos e o dos Não-Maj.

Leia mais: “Animais Fantásticos e Onde Habitam” leva magia à Comic-Con 2016

O filme marca a estreia de J.K. Rowling como roteirista e estreia no Brasil em 17 de novembro.

Autor: Tags: ,

terça-feira, 26 de julho de 2016 Notícias | 21:17

Mostra em São Paulo destaca cinema de afirmação da africanidade

Compartilhe: Twitter
Cena do filme “O negro da senzala ao soul” , uma das atrações da mostra  (Foto: divulgação)

Cena do filme “O negro da senzala ao soul” , uma das atrações da mostra
(Foto: divulgação)

A 12ª edição da Mostra Internacional do Cinema Negro está em cartaz em São Paulo até o dia 29 de julho e destaca produções brasileiras como “O negro da senzala ao soul” (1977), “Casa Grande & Senzala” (1995), “Raça Negra” (1974), “Arte pirulitar” (2016), “Carnaval em Lá Maior” (1955), “Suzana e o presidente” (1951) e do Reino Unido, como “Abbey Community Centre, 40 years” (2016) e “A place called home…challenging perceptions and changing realities” (2015).

“O evento tem o objetivo de divulgar a dimensão pedagógica do cinema negro, contribuindo em favor da construção da imagem de afirmação positiva da africanidade”, afirma o cineasta, antropólogo e curador da Mostra, Prof. Celso Luiz Prudente, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O engenheiro brasileiro Paulo Rufino, radicado em Londres, assistiu à curadoria.
A exibição dos filmes ocorre na Biblioteca Municipal Alceu Amoroso de Lima (na rua Henrique Schaumann, 777) e no Memorial da América Latina (av. Auro Soares de Moura Andrade, 664). Em todas as exibições, a entrada é gratuita.

Autor: Tags: ,

sábado, 23 de julho de 2016 Filmes, Notícias | 19:41

“Kong: A Ilha da Caveira” ganha primeiro trailer legendado

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

A Warner Bros teve um dos painéis mais concorridos da Comic-Con de San Diego em 2016 e, entre muitas novidades, o estúdio apresentou em primeira mão o trailer de “Kong: A Ilha da Caveira”. O filme é uma prequela do clássico de 1933 refilmado por Peter Jackson em 2005 e tem como objetivo mostrar as origens do maior monstro do cinema, o gorila gigante Kong.

Tom Hiddleston (“Os Vingadores”), Brie Larson (“O Quarto de Jack”), Samuel L. Jackson (“Homem de Ferro”), Jason Mitchell (“Straight Outta Compton: A História da N.W.A”) e John C. Reilly (“Chicago”) estão no elenco. Dirigido por Jordan Vogt-Roberts, a produção chega aos cinemas nacionais em 9 de março de 2017.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 21 de julho de 2016 Diretores, Notícias | 06:00

Hector Babenco ganha retrospectiva na Cinemateca Brasileira e na TV paga

Compartilhe: Twitter

 

Foto: divulgação

Foto: divulgação

A Cinemateca Brasileira preparou uma retrospectiva do grande cineasta Hector Babenco, morto na última semana. Nascido em Mar del Plata na Argentina, em 1946, Babenco mudou-se para o Brasil aos 19 anos e naturalizou-se brasileiro em 1977. Em 1975 lança seu primeiro longa-metragem, “O rei da noite”, com marcantes interpretações de Paulo José, Marília Pêra e Vic Militello.

Baseado num caso policial, “Lúcio Flávio, o passageiro da agonia” foi um grande sucesso de bilheteria e recebeu diversos prêmios em 1977. Seu filme seguinte é uma de suas obras-primas, “Pixote, a lei do mais fraco” (1980), presença constante em listas de maiores filmes da década de 1980. Na sequência, em 1985, “O Beijo da Mulher Aranha”, produção internacional falada em inglês, que recebeu o Oscar de melhor ator e o prêmio de interpretação masculina em Cannes para William Hurt e pelo qual Babenco foi indicado ao Oscar de melhor diretor.

Em 1987 dirige Jack Nicholson e Meryl Streep em “Ironweed”, e ambos são indicados ao Oscar pelos papéis. Ambientado na região amazônica e com atores brasileiros e estrangeiros, lança em 1990 “Brincando nos campos do Senhor”, uma coprodução entre Brasil e Estados Unidos. Em 1998 lança “Coração Iluminado”, drama autobiográfico selecionado para o Festival de Cannes. Em seguida realizaria seu maior sucesso de bilheteria, “Carandiru” (2003), também exibido no Festival de Cannes. Em 2007 o diretor retorna a Buenos Aires para as filmagens de “O passado”, estrelado por Gael Garcia Bernal, no qual Babenco aparece como um projecionista de cinema.  Este ano lançou “Meu amigo hindu”, seu último longa, com Willem Dafoe.

Toda a programação, que pode ser conferida no site da Cinemateca, tem entrada franca.

Para quem não está em São Paulo, uma boa opção é acompanhar a retrospectiva pelo Canal Brasil. “O Beijo da Mulher Aranha” é o filme desta quinta-feira (21); “Carandiru” é será exibido nesta sexta-feira (22). Na próxima semana serão exibidos “Coração Iluminado”, “Pixote”, “Lúcio Flávio” e “Brincando nos Campos do Senhor”. As sessões começam sempre às 22h.

CINEMATECA BRASILEIRA
ENDEREÇO
Largo Senador Raul Cardoso, 207
Próximo ao Metrô Vila Mariana
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)
www.cinemateca.gov.br

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 19 de julho de 2016 Bastidores, Filmes | 07:00

Carolina Dieckmann faz mulher vítima de estupro em “O Silêncio do Céu”

Compartilhe: Twitter
(Foto: Pedro Luque)

(Foto: Pedro Luque)

Filmado no Uruguai e falado em espanhol, “O Silêncio do Céu” traz o ator argentino Leonardo Sbaraglia (“Relatos Selvagens”) e a brasileira Carolina Dieckmann (“Entre Nós”) como protagonistas. A trama tem como tema central um casal de classe média lidando com a violência doméstica e com um silêncio sombrio e perturbador que dão o tom do filme.

Após ser vítima de um estupro dentro de sua própria casa, Diana (Dieckmann) escolhe manter o trauma em segredo. Mario (Sbaraglia), seu marido, também tem algo a esconder. O silêncio que toma conta do casal ao longo dos dias se transforma, aos poucos, em uma peculiar forma de violência.

O roteiro é assinado por Lucía Puenzo (“XXY”), por Sergio Bizzio, autor do romance “Era el Cielo”, obra em que se baseia a história, e por Caetano Gotardo. O elenco conta ainda com o ator Chino Darín (“En Fuera de Juego”) e com as atrizes Mirella Pascual (“Whisky”) e Paula Cohen (da novela “I Love Paraisópolis”). “O projeto nasceu com o intuito de reunir talentos da América Latina. Partimos de uma obra argentina adaptada por grandes roteiristas também argentinos, dirigida por um brasileiro cuja obra é internacionalmente reconhecida, que é o Marco Dutra, e com um elenco diverso formado por argentinos, uruguaios e brasileiros. E filmar no Uruguai, com equipe local, consolidou a nossa proposta de aproximar as fronteiras latino-americanas”, explica o produtor Rodrigo Teixeira.

Marco Dutra dirigiu ao lado de Juliana Rojas “Trabalha Cansa” (2011), premiado em Cannes. Depois apresentou o terror “Quando Eu era Vivo” (2014).

Foto: Pedro Luque

Foto: Pedro Luque

“Gosto muito da ideia de trabalhar em terra estrangeira um tema que já havia abordado em São Paulo, que é minha cidade natal e onde realizei os meus filmes anteriores. Uma casa (e um corpo) de classe média, um ambiente de suposta segurança, vítima de uma ruptura logo na primeira cena”, explica Dutra. “No caso de ‘O Silêncio do Céu’, a violação é concreta, física, uma violação do próprio corpo. Como lidar com o que vem depois? É possível encarar com lucidez uma violência deste nível? E, acima de tudo, como não deixar o próprio silêncio amplificar e perpetuar esta violência?”.

O filme, produzido pela RT Features e distribuído pela Vitrine Filmes, tem estreia programada para os cinemas brasileiros no dia 22 de setembro.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 14 de julho de 2016 Filmes | 07:00

Polêmica com freiras grávidas durante a guerra move francês “Agnus Dei”

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Uma das principais estreias desta quinta-feira (14) é um filme francês que mostra freiras grávidas. A sinopse tentadora revela, mais uma vez, a ousadia da cineasta Anne Fontaine, reconhecida por filmes fortemente feministas e com boa dose de polêmicas como “Nathalie X”, em que uma mulher paga uma prostituta para seduzir seu marido; “Amor Sem Pecado”, em que duas mães vivem aventuras amorosas com os filhos uma da outra; “A Garota de Mônaco”, em que uma jovem garota se mostra uma habilidosa alpinista social; e “Gemma Bovery – A Vida Imita a Arte”, em que propõe uma releitura ambiciosa do clássico Madame Bovary.

Em “Agnus Dei”, filme que integrou o festival de Sundance em 2016 e fez parte da seleção do Varilux aqui no Brasil, acompanhamos Mathilde Beaulieu, interpretada por Lou De Laêge, uma jovem médica da Cruz Vermelha, na Polônia de 1945, encarregada de tratar sobreviventes franceses antes de serem repatriados. Ela é chamada para socorrer uma freira polonesa. Relutante no início, concorda em ir ao convento, onde trinta freiras beneditinas vivem afastadas do mundo exterior. Mathilde descobre que várias freiras, que engravidaram em circunstâncias dramáticas, estão a ponto de dar à luz. Aos poucos, surge entre a ateia e racionalista Mathilde e as freiras, ligadas às regras de sua vocação religiosa, relações complexas que aguçadas pelo perigo as tornarão cúmplices.

“Essa história  me  arrebatou.  Sem saber  bem  o  porquê,  eu  senti  que  tinha  uma  relação  muito pessoal com ela. A maternidade  e o questionamento da fé eram temas que eu tinha vontade de  explorar”, confessa a cineasta francesa. Fontaine revela no material divulgado à imprensa o desejo de “narrar aquilo que é indizível”. Para ela, o fato da Polônia ocultar essa verdade histórica corrobora com o fato de mulheres continuarem sendo vitimas de crimes dessa natureza em toda e qualquer guerra. “Esses  militares  (soviéticos) não julgavam estarem   cometendo   atos   repreensíveis:   aquilo tudo foi autorizado  pelos  seus  superiores  como  uma  recompensa  pelos  seus  esforços.  A  brutalidade que  eles demonstraram infelizmente ainda  acontece”.

A produção estreia em circuito limitado nas cidades de São Paulo, Santos, Campinas, Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre, Florianópolis, Fortaleza, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte e Maceió.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 13 de julho de 2016 Filmes, Notícias | 21:00

Jean-Claude Bernardet estrela “Fome”, filme que discute relação da cidade com moradores de rua

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

“Fome” de Cristiano Burlan, estreia dia 4 de agosto nos cinemas brasileiros, semana que Jean-Claude Bernardet, protagonista do filme, completa 80 anos. Jean-Claude é um dos mais importantes pensadores de cinema do Brasil, tendo sido professor de cinema da USP, roteirista de muitos filmes importantes para filmografia nacional e se aventurado como ator em filmes como “Periscópio” (2012) e “O homem das multidões” (2013).

Aqui o foco recai sobre os elementos invisíveis da cidade. Nas veredas da metrópole paulistana, um velho homem (Jean-Claude Bernardet) abandona o passado e deambula na invisibilidade. Carrega consigo apenas um carrinho, alguns trapos e a velhice. Depois que se viu a morte é possível morrer de amor por alguém?

A atmosfera do filme é sombria e cinzenta, como a vida nas grandes metrópoles. Acompanha-se a rotina de um morador de rua – um professor de cinema aposentado e que por opção resolveu abandonar tudo – e os encontros que vai tendo pela cidade.

Uma aluna, a partir de um trabalho sugerido por seu professor, busca moradores para entrevistá-los sobre a vida nessas condições. Ela acaba encontrando esse professor-mendigo e desenvolve uma relação com ele. Outro encontro se dá com um ex-aluno, e ambos são forçados a rever suas vidas. Nesse caos violento, surge uma oportunidade para o amor.

A coluna ainda não assistiu à produção, mas a julgar pelo trailer, disponibilizado abaixo, dos nomes envolvidos na obra, e pela proposta em si, já se pode dizer que “Fome” é dos filmes mais interessantes do ano na cinematografia nacional.

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 10
  8. Última