Publicidade

Posts com a Tag Perdido em Marte

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016 Análises, Críticas | 14:20

Globo de Ouro renuncia condição de prévia do Oscar e tenta formalizar influência em 2016

Compartilhe: Twitter
Iñárritu e DiCaprio: noite de consagração inesperada de "O Regresso"

Iñárritu e DiCaprio: noite de consagração inesperada de “O Regresso”

Pode ser apenas uma impressão, mas a sensação é de que a Hollywood Foreign Press Association (HFPA), que outorga os prêmios Globo de Ouro, desencanou de vez da alcunha de ser a mais eloquente prévia do Oscar. Tudo bem que a temporada está impregnada de um bem-vindo mistério em termos de favoritos, mas as escolhas do Globo de Ouro se não são anticlimáticas, pouco contribuem para a consolidação de um ou outro frontrunner na disputa.

Dessas maquinações do destino, “O Regresso”, filme que Alejandro González Iñárritu disse que deveria ser assistido em um templo, viu sua candidatura ao Oscar ganhar um boom. O filme teve desempenho tão surpreendente no Globo de Ouro quanto no box office americano em que em seu primeiro fim de semana com circuito expandido mediu forças com “Star Wars” e faturou impressionantes U$ 38 milhões. Nada mal para um filme praticamente silencioso e um pouquinho hermético. Com três prêmios (filme em drama, ator dramático e direção), “O Regresso” será a maior prova de influência do Globo de Ouro na temporada do Oscar em anos.

Em um ano sem grandes comédias, a HFPA resolveu premiar uma ficção científica que faz bom uso do humor para incrementar sua narrativa. “A Grande Aposta” é muito mais filme, mas a escolha de “Perdido em Marte” não deixa de ser correta –  ainda que seja bem estranha sua inclusão nesta categoria.

Nas categorias de atuação, os aplausos de pé a Leonardo DiCaprio mostraram que sua jornada em busca de um Oscar angaria mais simpatizantes e, nesse sentido, a HFPA – que já lhe deu três prêmios – merece os sinceros agradecimentos de Leo. Brie Larson (“O Quarto de Jack”) é o nome que sai mais forte do Globo de Ouro porque já dividia as atenções com Saiorse Ronan (“Brooklyn”) e seu triunfo é o único que parece dizer algo na temporada.

Que Stallone estará na lista do Oscar que será divulgada na próxima quinta-feira já parece certo, sua vitória, no entanto é outra história. A categoria de ator coadjuvante é a mais embaralhada e historicamente a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood tem resistência em premiar atores sem pedigree dramático. O hype em cima de Stallone, no entanto, tende a aumentar exponencialmente.

Kate Winslet (“Steve Jobs”) deve ficar por aqui mesmo. A categoria de atriz coadjuvante, com os acréscimos de Rooney Mara (“Carol”) e Alicia Vikander (“A Garota Dinamarquesa”) deve ganhar outra forma no Oscar.

O apreço da HFPA por “seus bispos de sempre” também se manifestou nas vitórias de Aaron Sorkin em roteiro – nem remotamente próximo do nível dos textos de “Spotlight” e “A Grande Aposta” – e Jennifer Lawrence em “Joy”.

Após o Globo de Ouro 2016, a única certeza que se tem é de que a corrida pelo Oscar está mais aberta do que nunca.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 12 de outubro de 2015 Críticas, Filmes | 10:55

Com humor, “Perdido em Marte” propõe uma ficção científica menos solene

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Ridley Scott, um dos principais semeadores da boa ficção científica no cinema, volta ao gênero depois da controversa incursão com “Prometheus” (2012) com o elogiado “Perdido em Marte” (EUA 2015). Estrelado por Matt Damon e com um roteiro esperto de Drew Goddard, do ótimo “Guerra Mundial Z” e da série “Demolidor” da Netflix, o filme tem o mérito de devolver o humor à ficção científica. Pode parecer pouca coisa, mas não é.

O gênero andava muito sisudo e o próprio Scott tinha alguma coisa a ver com isso. Em “Perdido em Marte” ele coloca Matt Damon como um astronauta que é dado como morto por sua equipe durante uma forte tempestade em Marte e que precisa se virar para sobreviver em um planeta de recursos escassos até que a Nasa envie outra missão para lá.

“Perdido em Marte” parte de um futuro em que as expedições ao planeta vermelho já são uma realidade bem estabelecida e parte de seu fascínio reside justamente em ir descobrindo a maneira “realista” com que a Terra avança sobre Marte.

Outro acerto do filme é confiar a Matt Damon, um ator que quando navegou pela comédia (“O desinformante” e “Ligado em você”) o fez maravilhosamente bem, o ritmo do filme. É ele com seu Mark Watney carismático e otimista quem faz a banda de “Perdido em Marte” tocar.

Apesar do ótimo elenco de apoio, com nomes como Kate Mara, Jessica Chastain, Sean Bean, Jeff Daniels, Kristen Wiig e Michael Peña, é mesmo Damon quem norteia o filme.

A bem da verdade, o grande mérito de Scott na direção foi perceber que o show era do ator e que o humor tão presente no texto de Goddard deveria ser valorizado. Não à toa, alguns dos melhores momentos de “Perdido em Marte” vêm de monólogos de Watney.

No mais, “Perdido em Marte” cumpre aquilo se predispõe fazer: remover a solenidade exacerbada da ficção científica. Em tempos de “Interestelar” – que ironicamente conta com Damon e Chastain no elenco -, o novo filme de Scott é um sopro de humildade a um extrato do gênero (o sci-fi com mote espacial) que andava mesmo precisando se redescobrir.

Como diz em bom inglês o personagem de Damon em um dado momento de sua solidão forçada em Marte: “I´m gonna have to Science the shit out of this”. Com um pouco de humor, dá para dispensar a tradução.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 30 de setembro de 2015 Análises, Atores | 16:59

A verdade por trás da recém-descoberta homofobia de Matt Damon

Compartilhe: Twitter

Damon

Em plena promoção de “Perdido em Marte”, que estreia nesta quinta-feira nos cinemas de todo o mundo, Matt Damon arranjou uma sarna para se coçar. O ator disse em entrevista ao site The Observer que atores “não deveriam falar de sua sexualidade”, por que “quanto menos as pessoas sabem de sua vida, melhor”. Damon comentou, ainda, que “sair do armário” pode ser um tiro no pé.

Damon abordou, também, um dos casos mais clássicos sobre o tema em Hollywood. “Rupert Everett se assumiu gay e esse cara – mais bonito que qualquer um, um ator com formação clássica – é difícil defender a ideia de que ele não foi sabotado por ter se assumido”.

A reação à posição de Damon foi barulhenta. Gente do cinema, gente do comportamento, gente de esquerda e gente de direita tinham algo a dizer sobre o comentário do ator. E não foi bonito. Matt Damon, que gosta de posar como democrata convicto, se viu sob o desconfortável rótulo de homofóbico.

Leia também: O cinema descortina o mundo pós-gay?

Mas procede a queixa ou procede Damon? Hollywood pode ser um lugar bastante inóspito e, ao que parece, foi com isso em mente que Damon externou seu pensamento. É lógico que a construção do raciocínio partiu do pressuposto de que há uma invasão monstruosa da privacidade dos astros e estrelas. Damon falava de si quando disse que quanto menos se souber da vida privada de um astro, melhor. Mas falava, também, por todos aqueles que se ressentem dessa contingência do estrelato.

Quando evoluiu o raciocínio para o fato de que atores homossexuais não deveriam sair do armário, Damon afrontou o status quo. Mas o fez com a melhor das boas intenções. Ele estava considerando as ainda injustas amarras do sistema. Ao exemplificar seu ponto de vista com Rupert Everettque já foi a público se dizer vítima de boicote e exortar a jovens atores gays a ficarem no armário – o ator não quis expor um pensamento reacionário como muitos sublinharam. Expôs, no entanto, um pensamento de resignação. O que só é lamentável para ele.  No final das contas, diante da má publicidade em face de seu comentário, pediu desculpas. Após, claro, culpar a imprensa por distorcer suas palavras. No jogo de Hollywood alguns clichês são sacados até mesmo quando se atenta contra o senso comum. “Fico feliz por, pelo menos, meu comentário ter provocado um debate sobre diversidade em Hollywood”, anotou em um comunicado oficial nesta quarta-feira (30).  Um dia como outro qualquer em Hollywood, afinal.

Autor: Tags: , , , ,