Publicidade

Posts com a Tag Sharon Stone

segunda-feira, 13 de julho de 2015 Análises, Críticas, Filmes | 19:28

Um olhar sobre “Cassino” vinte anos depois

Compartilhe: Twitter
Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Última das oito colaborações entre o cineasta Martin Scorsese e o ator Robert De Niro, essa elegante fita adaptada da obra de Nicholas Pileggi oferece um olhar sobre como a combinação de ganância desenfreada e a vertiginosa ascensão das drogas puseram fim à dinastia mafiosa nos EUA. Tema que, de alguma maneira, já havia sido trabalhado em “Os bons companheiros”, também em parceria com Pileggi, cinco anos antes.

Leia também: Revisitando os clássicos – “Os bons companheiros”

A diferença é que “Cassino”, que completa 20 anos de seu lançamento original em 2015 – no Brasil o filme seria lançado em março de 1996 – agrega a essa crônica da derrocada mafiosa um olhar sobre a evolução de Las Vegas, cidade erguida sob o tino empreendedor de mafiosos no meio do deserto e que não só se transformou na capital mundial dos jogos de azar como em símbolo do capitalismo do século XX.

Robert De Niro vive Sam “Ace” Rothstein, um sujeito com tato e sorte para todo tipo de aposta. Não demora para ser “apadrinhado” por mafiosos que, com o passar do tempo, lhe confiam a administração de um cassino em Las Vegas. Sam, um judeu casca grossa, estava ganhando dinheiro para fazer o que sempre gostava de fazer e que lhe dava problemas em sua cidade natal. Ao assumir a administração do cassino, Sam aumenta a margem de lucro dos chefes e tudo parecia caminhar para uma doce e longeva lua de mel. Parecia.

Joe Pesci, especialista, sob Scorsese, em personagens surtados, dá a Nicky, um gangster que cresceu junto com Sam, a perversão de um homem que desconhece qualquer limite. Ele se muda para Las Vegas a pretexto de cuidar da segurança de Sam, mas na verdade quer ver relaxadas as correntes em seu pescoço. Ele quer, na verdade, fazer de Vegas o seu quintal.

Sharon Stone em cena: faísca acesa

Sharon Stone em cena: faísca acesa

Sam conhece seu eleitorado e fareja os problemas se avizinhando. Mas isso não é tudo. Homem incapaz de se deixar seduzir pelo risco, Sam se apaixona por uma golpista – em uma dessas ironias tão bem aliciadas pelo cinema de Scorsese – com a forma e a beleza de Sharon Stone. Ginger é a “esposa troféu” que todo homem em ascendência deseja e Sam não se faz de rogado em demonstrar a Ginger o quanto a deseja.

O destempero à espreita é uma ameaça mais atroz do que o FBI e suas escutas e Scorsese, que além da direção assina o roteiro em parceria com Pileggi, rege essa ópera de desatino e violência com o rigor dos grandes maestros. “Cassino” escrutina essa Las Vegas charmosa e traiçoeira com o mesmo vigor com que despe seus protagonistas. Sam não aceita o fato de “ter perdido uma aposta” em não mudar a essência de uma golpista. Ginger, por sua vez, sucumbe às drogas e ao álcool porque ela não saberia fazer outra coisa agora que era o mimado pet de um tipão de Las Vegas e Nicky só queria mais e, de preferência, se divertindo o máximo possível.

Não é o melhor de Scorsese, mas é um filme que merecia mais atenção. Sharon Stone recebeu sua única indicação ao Oscar pelo papel de Ginger. No globo de Ouro, além de Stone, Scorsese recebeu uma indicação ao prêmio de direção. Talvez houvesse certa exaustão com os filmes de máfia e na comparação, “Cassino” era mesmo inferior a “Os bons companheiros”, tida então e agora como obra-prima do gênero e de Scorsese. Fato é que, 20 anos depois, “Cassino” envelheceu muito bem. É um olhar sofisticado da alquimia que a ganância produz.  Com os exageros de um universo que Scorsese domina tão bem, medidos por meio de muita luz, narração em off, boa música e alguma moral.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 21 de maio de 2014 Críticas, Filmes | 22:38

“Amante a domicílio” é manifestação do ego de John Turturro

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Sabe quando você se sente mal e meio que por impulso e meio que por hábito resolve fazer compras no shopping ou ceder às investidas daquele grude do trabalho só para massagear o ego? John Turturro, ator e pretenso diretor, fez um filme movido por esse mesmo impulso.

Em “Amante a domicílio” (2013), Turturro vive Fioravante, um ítalo-americano que trabalha dois dias por semana em uma floricultura. Um amigo de longa data, um judeu vivido por Woody Allen, tenta convencê-lo a atender sua médica (Sharon Stone) que anda desejosa de pular a cerca, mas pagando por isso.   Fioravante, naturalmente, a princípio recusa a ideia de se prostituir. “Sou um homem feio” se resigna. Ao que o personagem de Allen devolve, “mas você tem o mesmo sexy appeal de Mick Jagger”, notório feio de sucesso junto ao mulherio.

Estabelece-se dessa maneira o elemento que desencadeia a ação do filme. Fioravante topa se prostituir e rapidamente se torna uma figura concorrida no séquito de clientes do cafetão informal bancado por Allen.

Fioravante se define como um homem simples, sem grandes predicados, mas fala italiano, francês e espanhol em variados momentos do filme, demonstra conhecimentos literários e históricos, e ainda tem jeito com a mulherada. É Turturro falhando na missão de afastar seu filme da mera masturbação egóica.

Conforme avança a trama, surgem pequena nuanças como um painel, mal configurado, da cultura judaica e um comentário sobre como a solidão amarga a existência, mas são apenas ruídos em um filme que parece moldado para atender demandas, sejam elas quais forem, de seu realizador.

É lógico que todo esse raciocínio se arrefece com a curiosidade de ver Allen atuando em um filme que não é seu, algo raríssimo, e ainda por cima fazendo um cafetão. Outro hype certeiro é juntar Sharon Stone e Sofia Vergara, mulheres maduras reconhecidas pela sensualidade, como ricas entediadas a procura de aventuras sexuais.

“Amante a domicílio” não chega a ser decepcionante, desde que dele não se espere um filme de Woody Allen, uma armadilha previsível, mas sim um entretenimento rasteiro com ar de sofisticado.

Sharon Stone e Sofia Vergara em cena do filme: a serviço de um hype que nunca se sustenta

Sharon Stone e Sofia Vergara em cena do filme: a serviço de um hype que nunca se sustenta

Autor: Tags: , , , , ,

sábado, 26 de abril de 2014 Bastidores | 20:19

O que aconteceu com as loiras do cinema?

Compartilhe: Twitter

Marilyn Monroe não foi apenas uma das grandes mulheres do cinema. Foi, talvez, a maior atriz loira a já ter existido. Pelos excessos, pelo talento, pela mitologia erguida sobre si, pela volúpia, pela sensualidade e por muitas outras razões.

Marilyn é, por toda essa conjuntura, uma personagem fascinante que já rendeu inúmeros livros, filmes, peças, coleções de moda e toda sorte de postulação artística.

A última encarnação de Marilyn Monroe no cinema foi em “Sete dias com Marilyn” (2011), em que a diva foi vivida pela ótima atriz Michelle Williams (“O segredo de Brokeback Mountain” e “Namorados para sempre”).  Michelle tangenciou Marilyn magnificamente e foi indicada ao Oscar pelo papel.

Marilyn Monroe (à esq) e Michelle Williams que a interpretou em "Sete dias com Marilyn" (Foto: reprodução)

Marilyn Monroe (à esq) e Michelle Williams que a interpretou em “Sete dias com Marilyn” (Foto: reprodução)

A estreia do drama britânico baseado nos livros “The prince, the showgirl and me” e “My week with Marilyn”, ambos de Colin Clark, postergaram a produção de outro drama biográfico sobre a estrela. “Blonde”, do diretor neozelandês Andrew Dominik já tinha, no entanto, sua Marilyn e ela atendia pelo nome de Naomi Watts.

O filme, baseado no livro homônimo de Joyce Carol Oates, vai ser produzido por Brad Pitt, em alta como produtor após conquistar o Oscar de melhor filme com “12 anos de escravidão”, e terá Jessica Chastain como protagonista. A atriz, que é ruiva, é uma das maiores sensações em Hollywood. Surgiu em “A árvore da vida” (2011), em que contracenava com Pitt, e em três anos esteve em mais de dez produções, todas muito bem de público e crítica.

Mas a razão da escolha de Chastain pode estar menos relacionada a seu flagrante talento e mais ao marasmo criativo pelo qual atravessam as loiras hollywoodianas. Naomi Watts, atriz gabaritada, vem de um fracasso retumbante com outra biografia; a da princesa Diana. Esse revés seguramente pesou na mudança de tom dos produtores. Jessica Chastain, por sua vez, já foi indicada ao Oscar vivendo uma loira em “Histórias cruzadas” (2011).

A ruiva número 1 de Hollywood, Jessica Chastain, vai viver a loira de todas as loiras do cinema ( Foto: divulgação)

A ruiva número 1 de Hollywood, Jessica Chastain, vai viver a loira de todas as loiras do cinema ( Foto: divulgação)

 

Jessica Chastain, loira, em "Histórias cruzadas" (foto: divulgação)

Jessica Chastain, loira, em “Histórias cruzadas” (foto: divulgação)

 

Margot Robbie será Jane no filme que a Warner prepara sobre Tarzan: a próxima aposta loira? (Foto: divulgação)

Margot Robbie será Jane no filme que a Warner prepara sobre Tarzan: a próxima aposta loira? (Foto: divulgação)

A australiana Margot Robbie, que causou alvoroço no início do ano com sua participação em “O lobo de Wall Street”, ainda não tem cacife suficiente para segurar uma produção tão dependente da protagonista como “Blonde” será.

Atrizes como Charlize Theron, Reese Witherspoon, Diane Lane, Uma Thurman, Sharon Stone e Michelle Pfeiffer  ou vivem o ocaso de suas carreiras ou lutam para readquirir a confiança de produtores e estúdios em suas habilidades em liderar um filme com gosto pela complexidade. Scarlett Johansson, a loira mais popular da atualidade no cinema americano, ainda tenta se desvencilhar do status de boazuda e estrela dois filmes em 2014 (“Lucy” e “Sob a pele”) que ironicamente podem reforçá-lo.

Uma atriz ruiva interpretar um ícone da loirice, no entanto, pode agitar algumas placas tectônicas em Hollywood e possibilitar um contra-ataque loiro. Estamos observando!

Autor: Tags: , , , , , ,