Publicidade

Posts com a Tag Tom Hanks

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016 Atores | 11:10

As dez melhores atuações masculinas do cinema em 2016

Compartilhe: Twitter

Bryan Cranston (“Trumbo: Lista Negra”)

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

Na pele do comunista abastado Dalton Trumbo, Cranston tem sua melhor atuação no cinema. Pode parecer pouco, mas não é. O ator capta brilhantemente a essência do personagem, um tipo debochado e cínico que amarga anos duros de grande provação pela simples razão de defender seus princípios. Uma performance iluminada e mais detalhista do que sugere um olhar superficial.

 

Alden Ehrenreich (“Ave, César!”)

Ave, César!

O novo Han Solo deu um senhor cartão de visitas nessa deliciosa comédia sobre Hollywood dos irmãos Coen. Ele já tinha até trabalhado com Woody Allen em ‘Blue Jasmine”, mas foi como Hobbie Doyle, um decalque de John Wayne, que o ator mostrou porque é um dos nomes mais quentes de Hollywood no momento.

 

John Goodman (“Rua Cloverfield 10”)

10 CLOVERFIELD LANE

É uma injustiça que John Goodman não esteja em todas as listas de melhores atuações do ano por seu trabalho tão rico e complexo em “Rua Cloverfield 10”. Entre a simpatia e a psicopatia, o ator torna compreensível e identificável toda a paranoia em que seu personagem e o microcosmo em que habita se veem mergulhados.

 

Tom Hanks (“Negócio das Arábias”)

Negócio das Arábias

A vida profissional de Tom Hanks é traiçoeira. O ator está sempre tão bem em seus filmes que a crítica costuma negligenciá-lo na hora de eleger as melhores atuações do ano. Em 2016, Hanks resolveu contra-atacar. Prolífero, esteve em três produções. O trabalho em ‘Sully”, mais comercial, é frequentemente mais lembrado, mas sua singela interpretação de um americano tentando fechar um negócio na Arábia Saudita é seu trabalho mais sutil e minimalista em anos. Vale a pena ser descoberto.

 

Hugh Grant (“Florence – Quem é Essa Mulher?”)

Hugh Grant

Ainda que por razões diametralmente opostas às de Tom Hanks, o trabalho de Hugh Grant também costuma ser menosprezado pela crítica. Mas o que ele faz em “Florence”, pequena joia de Stephen Frears, é um grito contra a corrente. O inglês nunca esteve tão contido, tão inteiro nas notas dramáticas e tão sagaz na válvula cômica.

 

Nate Parker (“O Nascimento de uma Nação”)

Nate Parker

Parker, protagonista e diretor do filme, viu as chances de ser um dos senhores da temporada de premiações caírem a zero na esteira do escândalo sexual que remete a uma acusação de estupro cuja vítima suicidou-se. Desgraça esta que não muda em nada o fato de que sua atuação no impactante “O Nascimento de uma Nação” é pura navalha na carne. Do tipo que é impossível manter-se indiferente.

 

Michael Shannon (“Animais Noturnos”)

Animais Noturnos

Como um rígido policial texano sem nada a perder, Michael Shannon cria aquele personagem que é sua característica. Um homem taciturno com ambiguidade moral e envergadura física intimidante. No espetacular filme de Tom Ford ele é o personagem mais humano e, de certa forma, o mais frágil também.

 

Jake Gyllenhaal (“Animais Noturnos”)

Animais Noturnos

Dar vida a dois personagens extremamente diferentes, mas com algumas similaridades que servem justamente ao principal eixo dramático do filme é um desafio para qualquer ator. Não é a primeira vez que Gyllenhaal vive dois personagens em um mesmo filme e talvez a falta de ineditismo o ajude, mas fato é que em “Animais Noturnos” seu desempenho irrepreensível nos atordoa com a questão: Como esse cara ainda não tem um Oscar na estante?

 

Jacob Tremblay (“O Quarto de Jack”)

O Quarto de Jack

Quando filmou a produção, Tremblay tinha sete anos. Não precisaria nem desse dado para nosso queixo cair, mas ele reconfigura toda a nossa percepção do trabalho cheio de miudezas e camadas do ator em “O Quarto de Jack”. Aqui se tem a prova definitiva de que o trabalho de ator mirim pode se beneficiar muito de um bom diretor, mas que merece respeito. Tremblay, soberbo, joga todo e qualquer eufemismo pela janela apenas com seus olhares e gestos.

 

Vicent Lindon (“O Valor de um Homem”)

O Valor de um homem

O minimalismo da atuação de Lindon tem tudo a ver com as circunstâncias de seu personagem em “O Valor de um Homem”. Um sujeito à procura de um emprego que se ressente do funcionamento do sistema para logo em seguida se inserir dentro desse sistema. As angústias e conflitos do personagem são abordadas física e emocionalmente por Lindon com uma destreza que espanta. Uma atuação simplesmente formidável.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

domingo, 25 de outubro de 2015 Críticas, Filmes | 14:52

Guerra fria em “Ponte dos Espiões” dá a Spielberg seu melhor filme em anos

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

Sob muitos aspectos, “Ponte dos Espiões” (2015) é um filme tão único quanto especial na carreira de Steven Spielberg. O filme, que consagra a quarta colaboração de cineasta com o ator Tom Hanks (as outras foram “O Terminal”, “Prenda-me se For Capaz” e “O Resgate do Soldado Ryan”) e é o terceiro “sério” de Spielberg na sequência (“Cavalo de Guerra” em 2011 e “Lincoln” em 2012) – um fato raro em uma carreira que alterna produções de prestígio com blockbusters – , agrega o DNA do Spielberg dos blockbusters à solenidade do Spielberg das produções adultas.

Ambientado na guerra fria, o drama visivelmente influenciado por uma atmosfera de Frank Capra – responsável por filmes clássicos como “A mulher faz o homem”, “A felicidade não se compra” e “Aconteceu naquela noite” -, mostra um advogado do setor de seguros que se vê impelido a defender um homem acusado de ser espião da União Soviética. James Donovan sabe que por melhor que faça seu trabalho, o destino de Rudolph Abel (Mark Rylance) está traçado e que suas chances de obter um julgamento justo são para lá de remotas.

O primeiro ato de “Ponte dos Espiões”, portanto, se assevera como um elogio do direito como raramente se viu no cinema recente. Flertando novamente com outro tempo do cinema americano, Spielberg ensaia o seu “O Sol é para Todos”, mesmo sem adentrar o ritmo de drama de tribunal.

Mais adiante, e convém lembrar que o roteiro assinado pelos irmãos Coen e Matt Charman é inspirado em fatos reais, o drama se transforma completamente. A espionagem, que era uma sombra vultosa, mas uma sombra, passa a dominar a ação e “Ponte dos Espiões” assume sua vocação de drama político com a mesma inteligência até então apresentada, mas com muito mais sagacidade. É quando o texto dos Coen se permite ser mais complexo e bem-humorado. Um humor típico dos Coen que Tom Hanks, com timing perfeito, incorpora em meio ao clima de crescente tensão.

Depois que um piloto americano é capturado pelos soviéticos, a CIA escala Donovan para negociar uma troca pelo agora condenado espião soviético. Conforme a ação se transporta para a Berlim oriental, “Ponte dos Espiões” se transforma novamente e assume o ritmo de um thriller enervante, sem que haja qualquer cena de ação e sem deixar que as costuras políticas – a reboque da oratória afiada de Donovan – percam o protagonismo.

Spielberg enquadra Hanks: "Ponte dos Espiões" é o melhor fruto da parceria (Foto: divulgação)

Spielberg enquadra Hanks: “Ponte dos Espiões” é o melhor fruto da parceria
(Foto: divulgação)

Na verdade, “Lincoln” já era um filme em que Spielberg colocava a fala, e a política por trás dela, no centro da ação.  Só que “Ponte dos Espiões” é muito mais ambicioso no que apenas sugere em decorrência do que é mostrado.

Hanks, como o herói inquestionável e muito bem iluminado pela fotografia de Janusz Kaminski, personifica o James Stewart de Frank Capra, em outro paralelo eloquente alinhado por Spielberg. A do homem comum que ao recusar a rendição faz a diferença.

Sutil nas elucubrações e econômico na narrativa, Spielberg realiza um filme potente nas minúcias e atraente na temática. Se usa o passado para falar do presente, em que direitos individuais e constitucionais são descartados sem cerimônias pelo Estado, ele o faz com otimismo indisfarçável. Se atenta para o absurdo das guerras travadas nas sombras, e elas são em maior número hoje do que foram no momento em que o filme se passa, o faz com a inteligência de quem sabe que a menor das vitórias ainda é uma grande e dolorosa derrota para muitos.

É um equilíbrio raro na filmografia do cineasta e um Spielberg contingenciado como não se via desde “Minority Report – a nova lei” (2002) e “Munique” (2005). Mas sem deixar de ser Spielberg. Ao buscar abrigo em Capra e reverenciar um cinema americano menos cínico, sem fechar os olhos para o cinismo do mundo, Spielberg entrega o seu melhor filme em muito tempo.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 5 de junho de 2015 Filmes, Notícias | 20:37

“Bridge os spies”, novo filme de Steven Spielberg, ganha primeiro trailer

Compartilhe: Twitter
Foto: divulgação

Foto: divulgação

A colaboração entre o cineasta Steven Spielberg e o o ator Tom Hanks, que no cinema compreende filmes como “O resgate do soldado Ryan (1998), “Prenda-me se for capaz” (2002) e “O terminal” (2004), ganha em “Bridge of spies”, que em tradução livre se chamaria “Ponte de espiões”, um exemplar mais tenso e intelectual.

O filme, baseado em fatos reais, se passa durante o período da Guerra Fria e apresenta a história de James Donovan (Hanks), advogado que foi enviado pela CIA para negociar uma troca de prisioneiros com a União Soviética: um espião comunista detido nos EUA por um piloto americano abatido e capturado na Europa. Mas antes é preciso convencer a Justiça americana da legitimidade da troca. O material promocional, que anuncia um thriller engenhoso com um pezinho no drama de tribunal, mostra toda a tensão envolvendo a participação do advogado na missão, desde ameaças à sua família até o perigo enfrentado em uma viagem à Berlim Oriental.

O filme tem estreia agendada para o dia 22 de outubro nos cinemas brasileiros. Não é a primeira vez que Spielberg adentra a seara da espionagem. “Munique” (2005) foi uma incursão bem sucedida. Com a escalada da tensão entre os governos Obama e Putin, o interesse pelo novo Spielberg só faz crescer.

Autor: Tags: , , ,