Publicidade

domingo, 11 de janeiro de 2015 Bastidores, Curiosidades, Filmes | 16:17

Matt Bomer vai viver o ator Montgmorey Clift em telefilme da HBO

Compartilhe: Twitter
Montgmorey Clift em foto de divulgação

Montgmorey Clift em foto de divulgação

Um filme sobre a vida de Montgmorey Clift deveria provocar uma guerra em Hollywood para saber quem e que estúdios produziriam a obra sobre um dos mais arrebatadores, breves e conturbados astros da era de ouro do cinema americano. Contudo, não é o que se vê com o projeto sobre a obra do ator que morreu tragicamente aos 45 anos, em decorrência de um ataque cardíaco.

A HBO acaba de acolher o projeto que foi descartado pelos principais estúdios de cinema. Não é a primeira vez que a HBO dá abrigo a um projeto maldito. “Minha vida com Liberace”, que debutou no festival de Cannes em 2012, foi descartado por todos os estúdios até que o diretor Steven Soderbergh conseguiu o aval da HBO para rodar a biografia do excêntrico e homossexual cantor. A homossexualidade, aliás, volta ao foco com as negativas em produzir “Monty Clift”, como o projeto está sendo chamado nesta etapa preliminar. Montgmorey Clift era homossexual. Mas escondeu sua sexualidade por muito tempo por imposição de estúdios e pela forte incompreensão da época. Elizabeth Taylor, notadamente uma das mulheres mais lindas do século XX, apaixonou-se por ele enquanto filmavam “Um lugar ao sol” (1951), mas tornou-se grande amiga do ator assim que descobriu sua homossexualidade.

Matt Bomer, (da série “White Collar”), que assumiu sua homossexualidade em 2012, está escalado para protagonizar o filme. É uma escalação interessante no contexto narrativo e metafórico, mas que pode ter contribuído para a retaliação ao projeto por parte de muitos estúdios. Desde que assumiu-se gay, Bomer vem sendo boicotado em muitos estúdios e só tem conseguido protagonizar filmes de destaque na cena independente, como“Magic Mike”, do mesmo Soderberg de “Minha vida com Liberace”, ou na mesma HBO, como “The normal heart”, pelo qual chegou a ser indicado a prêmios.

A HBO repassou o roteiro, originalmente escrito por Christopher Lovick, para o brasileiro Mauricio Zacharias, de “O amor é estranho”, reescrever. Ira Sachs, diretor deste mesmo filme, está cotado para assumir a direção.

Matt Bomer (Foto: reprodução/NY Times)

Matt Bomer
(Foto: reprodução/NY Times)

A resistência a “Monty Clift” parece toda ela remeter aos componentes homossexuais da obra. Sachs, por exemplo, é gay e costuma fazer filmes sobre este universo. Para efeitos de comparação, basta pegar “Birdman”, um dos grandes filmes da temporada e que deve ser um dos destaques da proxima edição do Oscar. O filme de Alejandro González Iñarritu versa sobre um ator caído em desgraça que busca se reinventar na Broadway. Esse ator, que no passado interpretou um super-herói, é vivido por Michael Keaton. Ator caído em desgraça depois de viver o Batman no cinema. A metalinguagem parece apropriada em “Birdman”, mas pesada demais em “Monty Clift”. É agradecer pela HBO subsidiar sua grife em produções polêmicas e autorais. A expectativa pelo projeto é a melhor possível. A vida e carreira de Montgmorey Clift merecem um filme e merecem um filme feito com gana e tesão por quem gosta de cinema.

Autor: Tags: , , , ,

7 comentários | Comentar

  1. 57 Gloria de Castro 12/01/2015 17:57

    Acho que este ator não tem a beleza, o carisma e especialmente a boca maravilhosa do Clift.

    Clift era um ator complexo, denso, perfeccionista e é preciso escolher um ator que carregue estas qualidades, além da beleza fora de série do ator.

    Acho que qualquer biografia merece ser retratada, especialmente para que os que não tiveram o prazer de conhecer este artista genial possam ter a oportunidade de conhecer parte de sua história.

    Responder
    • Jamilly. 23/01/2016 15:34

      Matt Bomer é muito mais carismátio e bonito que Clift rsrs… Pelo visto não conhece o Bomer.

      Responder
    • Fernanda 23/04/2015 20:54

      Eu penso que por ele ser um ator e ter portanto que INTERPRETAR um papel, que seja o do Clift ele não precisa ser igual ao mesmo. Ele simplesmente precisa saber fazer o público – como você , que conheceu o trabalho do Clift, como me parece – lembrar e mostrar aos outros públicos como era grande o ator que ele está interpretando. Pelos trabalhos que já vi do Bomer, ele vai mandar muito bem nisso…

      Responder
  2. 56 Luis Sa 12/01/2015 0:27

    Adoro Montgomery mas fiquei riste pela escolha do Bomer. Vi Normal Heater e ele não tem a mesma profundidade e o que diferencia o Monty é a sua intensidade.

    Responder
  3. 55 Ronaldo 11/01/2015 23:01

    Americanos sempre me surpreendem com suas atitudes surreais, afinal, a meca da sétima arte com atitude segregacionista em relação a opção sexual é algo tão ridículo quanto militares que não gostam de armas, pois, mentalidades libertarias são fundamentais para qualquer setor artístico e no contexto onde tais pessoas desenvolvem sua arte, qualquer tipo de restrição é limitadora e anti profissional.

    Responder
  4. 54 Kamila Azevedo 11/01/2015 21:12

    Infelizmente, não assisti “The Normal Heart”, quando a obra estava em cartaz na HBO, mas sei que a atuação de Matt Bomer, nesse telefilme, foi uma das coisas mais elogiadas do longa. Acho que a escolha dele para interpretar Montgomery Clift foi bem acertada, especialmente porque os dois têm muitas semelhanças físicas.

    Responder
  5. 53 Tito 11/01/2015 20:41

    Apoio completamente a luta, e por isso acho que você deve ter tido motivos para não escrever que ele morreu devido a complicações causadas pelo consumo abusivo de álcool e drogas. Talvez os homofóbico que lessem seu artigo, logo gritassem que “todo gay é drogado” ou algo do gênero. Realmente seria ridículo. Mas acho que quando se omite algo assim, perde-se um pouco o apreço de pessoas mais esclarecidas, pois nós pensaremos que você fez isso de forma deliberada, para simplesmente nos convencer.
    Confesso que após notar essa falta, comecei a me perguntar se as negativas dos estúdios são por ele ser homossexual ou, senão, por algo mais complexo, como um roteiro ruim ou baixa demanda para filmes como este.
    De qualquer forma, acho que você, Reinaldo, deveria pensar mais, no futuro, sobre quem você prefere que leia seu texto com mais admiração: o público menos esclarecido e, portanto, mas fácil de convencer; ou aqueles que buscam a verdade e tendem a influenciar mais pessoas.
    Grande abraço

    Responder
  6. 52 Julio 11/01/2015 19:26

    Hollywood também deveria fazer filmes épicos sobre a família tradicional. Família e crença a Deus que hoje parece ser a exceção. Muito pelo contrário no meu circulo não canso de deixar claro estes valores.

    Responder
  7. 51 PAULO AZEVEDO CHAVES 11/01/2015 17:32

    Um de meus atores favoritos. Ele fez um par perfeito com Elizabeth Taylor em termos de beleza e talento. Na verdade, na vida real eram amicíssimos.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios