Publicidade

terça-feira, 11 de agosto de 2015 Bastidores, Notícias | 22:46

Diretor de “Crash – no limite” admite que filme não merecia vencer o Oscar

Compartilhe: Twitter
O diretor Paul Haggis (Foto: divulgação)

O diretor Paul Haggis (Foto: divulgação)

Maior zebra da categoria de melhor filme no Oscar em 20 anos, “Crash – no limite” ainda rende discussões nas rodas de cinéfilos por sua surpreendente vitória sobre o então favorito “O segredo de Brokeback Mountain” na edição de 2006. Praticamente dez anos depois, em uma entrevista ao site Hitfix para promover a minissérie que estreia no próximo domingo na HBO (“Show me a hero”), o cineasta Paul Haggis admitiu que “Crash” não era o melhor filme em competição no Oscar daquele ano.

“Claro que fico feliz em ter esse Oscar, mas eu não teria votado em ‘Crash’, uma vez que reconheço a maestria envolvida dos outros concorrentes”, observou o diretor. “Era o melhor de todos? Não acho. Havia muitos filmes bons naquele ano. ‘Crash’, por alguma razão, emocionou as pessoas. Não dá para julgar filmes assim”.

Disputavam o Oscar de melhor filme com “Crash” e “O segredo de Brokeback Mountain”, “Boa noite e boa sorte”, de George Clooney, “Munique”, de Steven Spielberg e “Capote”, de Bennett Miller.

A digressão prosseguiu. “Eu tenho muito orgulho do filme ter sensibilizado as pessoas. Foi um bom experimento social. Mas é um grande filme? Eu não sei”.

O tempo costuma, para tudo na vida, ser o melhor dos juízes e essa distância temporal parece permitir que Haggis exerça um juízo mais livre sobre “Crash” e o contexto daquele Oscar. À época, houve forte reação da opinião pública e da crítica especializada que acusaram a Academia de ceder a pressões internas de ordem homofóbica para não consagrar um romance entre dois caubóis como o melhor filme do ano.

“Crash – no limite” era, de fato, o candidato mais fraco entre os concorrentes, mas o mais fácil de reunir algum consenso em um colegiado tão diverso e plural como o da academia. Beneficiou-se por evitar a polêmica em um ano de filmes corajosos. Premiado pelas vias fáceis, se viu diminuído pelo olhar da história. Até mesmo no julgamento de seu criador.

Autor: Tags: , ,

Críticas, Filmes | 20:38

“Quarteto fantástico” parece pior do que realmente é

Compartilhe: Twitter

O noticiário de cinema tem sido implacável com o desnecessário reboot de “Quarteto fantástico” (EUA, 2015), assinado pelo diretor Josh Trank e abandonado pela Fox que não investiu na promoção do filme. Os relatos de conflitos nos bastidores inegavelmente são mais atraentes do que o filme, pensado única e exclusivamente para evitar que os direitos dos personagens regressassem à Marvel.

Leia também: Do céu ao inferno com Josh Trank 

A ideia de rejuvenescer o quarteto e abraçar a correção política na escalação do elenco acabam por tornar-se problemas menores em face de um filme com sérios problemas em desenvolver sua ideia central, com um vilão decepcionante, efeitos especiais broxantes, um clímax inexistente e um ponto de partida pouco verossímil.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

O roteiro escrito a seis mãos, além de Trank, assinam o texto Simon Kinberg e Jeremy Slater, tenta avalizar a relação entre Reed Richards (Miles Teller) e Ben Grimm (Jamie Bell), no mesmo compasso que tenta dimensionar a relação dos irmãos John (Michael B. Jordan) e Sue (Kate Mara) Storm com o pai deles (Reg  E. Cathey) e principal fiador do estudo que acaba reunindo todos os principais personagens. Ocorre que esse desenvolvimento é apenas superficial e parece ajustado apenas ao propósito de se distinguir da primeira encarnação do quarteto no cinema pela seriedade, pela gravidade.

É aí que entra a esquizofrenia narrativa do filme de Trank que, como se sabe, teve diversas cenas refilmadas e foi tesourado pelo estúdio.  O humor – inseguro por si só – parece descolado da gravidade pretendida pelo enfoque na relação de culpa e ressentimento que norteia Ben e Reed após o acidente que redefine a existência de ambos.

A falta de carisma do elenco – e há atores bem carismáticos em cena – contribui para a impaciência com que a plateia recebe o ato rebelde de um grupo de jovens gênios que culmina no nascimento do quarteto fantástico e do Dr. Destino (Toby Kebbell).

Reside na narrativa, como se percebe, os grandes problemas de “Quarteto fantástico”. Mas cenas de ação pouco convincentes e a opção por fazer do filme um prelúdio do que estar por vir, um equívoco que vai além do fato de oferecer um novo filme de origem dez anos após um filme de origem relativamente satisfatório, impregnam este novo “Quarteto fantástico” de gás carbônico. Ou seja, o filme pode até ser ruim, mas é percebido como algo bem pior do que de fato é.

Autor: Tags: , , , ,

sábado, 8 de agosto de 2015 Análises, Bastidores | 00:05

Do céu ao inferno com Josh Trank

Compartilhe: Twitter
O diretor John Trank no set de "Quarteto fantástico" (Fotos: divulgação)

O diretor John Trank no set de “Quarteto fantástico”
(Fotos: divulgação)

Dirigir um sucesso de crítica aos 28 anos de idade pode ser inebriante. Josh Trank, logo em seu filme de estreia, “Poder ser limites” (2012), gozou de inesperado clamor crítico e viu seu filme independente ser alçado ao status de “mais criativo e arrojado olhar sobre a era de super-heróis no cinema”. “Poder sem limites” se ancorava na moda do ‘found footage’, dos quais fazem parte filmes como “A bruxa de Blair” e “Atividade paranormal”, para mostrar três amigos que após ingerirem uma substância misteriosa começam a experimentar poderes estranhos. Aos poucos, o sentimento de invulnerabilidade vai transformando-os. Enquanto um fica mais irascível, outro sente ter alguma responsabilidade para com as circunstâncias e Trank forja o contexto para um filme surpreendentemente prolífico.

Apesar da ideia robusta, o desenvolvimento da narrativa é capenga. Mesmo assim, “Poder sem limites” fez um bom público e colocou Trank na lista de jovens cineastas a se observar. A Fox, em busca de reinventar seu quarteto fantástico no cinema, elegeu o diretor para a missão. A ideia de começar do zero e com mais seriedade a franquia foi recebida com um misto de hesitação e boa vontade. Apesar da chiadeira de alguns fãs com a escolha do elenco, em especial de Michael B. Jordan, para viver o tocha humana – o personagem branco passa a ser negro nesta nova versão – a expectativa em torno da visão de Trank para o material icônico da Marvel era positiva.

iG ON: Com Miles Teller, “Quarteto fantástico” repete de ano mais uma vez nos cinemas 

Os bastidores, no entanto, indicavam problemas frequentes. Relatos indicam que Trank não era comunicativo e se mostrava inseguro no set. As primeiras sessões testes foram um fiasco e o estúdio impôs que o filme tivesse cenas refilmadas. Surgiu um rumor de que o cineasta Matthew Vaughn (“X-men – primeira classe”) teria sido chamado às pressas pela Fox para dirigir as cenas que precisariam de refilmagem e montar a versão final do filme. Trank, em maio deste ano, negou esse boato em seu Twitter. “Para o bem ou para o mal, ‘Quarteto fantástico’ tem um só diretor. Eu!”

Foi nessa mesma época que Trank foi demitido de outra produção arrasa-quarteirão ao qual ele estava vinculado. A saída dele do segundo spin-off de “Star Wars” jamais teve uma justificativa oficial, mas fontes internas ouvidas pelo The Hollywood Reporter e pela Variety atestam que a Disney o demitiu em virtude de seu “comportamento errático” nos sets de “Quarteto fantástico”.

Não obstante, na esteira das péssimas críticas que “Quarteto fantástico” tem recebido, Trank foi novamente ao Twitter culpar a Fox pelo filme que chega neste fim de semana aos cinemas.

“Um ano atrás, eu tinha uma versão fantástica. E ela teria recebido ótimas críticas. Vocês provavelmente nunca verão esta versão. Esta é a realidade!” O diretor apagou o tuíte-desabafo em seguida, mas a internet nunca perdoa.

Cena de "Quarteto fantástico", saudado como o pior filme de heróis já feito

Cena de “Quarteto fantástico”, saudado como o pior filme de heróis já feito

Não é a primeira vez que estúdios e diretores entram em embate por controle criativo de filmes. O último caso envolvendo super-heróis foi Edgar Wright se retirando da direção de “Homem-formiga” por desavenças criativas. Antes dele, há cerca de quatro anos, Darren Aronofsky abandonou a direção de “Wolverine: imortal”, da mesma Fox, por não aceitar que o estúdio tivesse o corte final – como é chamada a versão do filme que vemos nos cinemas.

O caso de Josh Trank, no entanto, se parece mais com aquele jogador de futebol de várzea que, de uma hora para a outra, fecha contrato com o Real Madrid. Sobra deslumbramento, falta maturidade.  “Poder sem limites” não era um grande filme, mas certamente ventilava um talento que a indústria necessitava e Trank, talvez mal assessorado, talvez ególatra demais, pensou que poderia ser tão maleável quanto o Sr. Fantástico. Resultado? Seu filme está sendo violentamente massacrado pela crítica – talvez até com certo sadomasoquismo – e deve ser negligenciado pelo público. Mas não para por aí. Como atesta sua sumária demissão do filme derivado de Star Wars, as notícias voaram pelos corredores de Hollywood; e Trank se vê queimado no sistema de estúdios. Nada que juventude e disposição a voltar à cena independente não possam contornar. Mas para quem tem uma filmografia tão curta, dois filmes, Trank fez a mais louca e delirante das viagens hollywoodianas.

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 7 de agosto de 2015 Filmes, Listas | 18:45

Próximos meses reúnem bons lançamentos de terror nos cinemas

Compartilhe: Twitter

Quem gosta de filmes de gênero pode comemorar e guardar algum dinheiro porque os próximos meses reservam boas opções ao fã do cinema de horror. Do aclamado indie “Corrente do mal” à nova aposta do diretor de “O sexto sentido” no gênero, passando por duas produções de Eli Roth e pela incursão do elogiado Guillermo Del Toro no filão das casas mal assombradas. O Cineclube preparou uma listinha com o melhor do terror a aportar nas salas nacionais ainda em 2015.

“Bata antes de entrar” (EUA 2015), de Eli Roth 

Knock 3

Estreia em 17/09

Keanu Reeves faz um homem casado que, com a mulher e os filhos fora, recebe duas jovens desconhecidas que fogem da chuva. Eles se insinuam para ele e eles acabam fazendo sexo. O terror acontece quando elas resolvem se divertir depois e torturam o pobre coitado. Roth volta a brincar com o sadismo e ecoa o clássico “Atração fatal” sob uma nova perspectiva. “De certa forma é meu filme mais comportado, onde me permito adentrar outros gêneros”, disse em entrevista ao site Collider.

“Garota sombria caminha pela noite” ( EUA 2014), de Ana Lily Amirpour

Garota caminha

Estreia em 17/09

Coisas estranhas acontecem em Bad City. Uma cidade fantasma iraniana, lar de prostitutas, viciados, cafetões e outras almas sórdidas. Um reduto de depravação e falta de esperança, onde uma vampira solitária persegue os habitantes mais repugnantes. Mas quando um garoto conhece uma garota, uma história de amor incomum começa a florescer…

A produção independente americana, rodada em preto e branco, foi uma das sensações de 2014 no circuito de festivais e surpreendentemente garantiu um lançamento comercial no Brasil. Cortesia da Imovision que cada vez mais se torna protagonista nos lançamentos vocacionados à arte.

“A possessão do mal” (EUA, 2014), de David Jung

Estreia em 24 /09

Estreia em 24 /09

Outra produção independente do ano passado que se beneficia do gosto do espectador brasileiro pelo terror para garantir um lançamento no circuito de cinemas do país. Michael King não acredita em qualquer tipo de crença ou religião. Em face de certos problemas familiares, ele resolve fazer um documentário investigando a existência de forças sobrenaturais. Por que as pessoas invocam demônios e não anjos?

 

“A visita” (EUA 2015), de M. Night Shyamalan

Estreia em 15/10

Estreia em 15/10

Dois irmãos são enviados pela mãe à casa dos avós e o que parecia uma corriqueira visita familiar, acaba se transformando em jornada gradativa de horror e histeria. O filme promete ser o retorno de M. Night Shyamalan à boa forma. Desprezado por estúdios, ele rodou a fita de maneira independente e acertou a distribuição com a Universal. Ainda que de volta ao baixo orçamento e livre de imposições de estúdios, não se pode descartar a chance de um novo abacaxi do cineasta indiano. “Fim dos tempos” (2008) também tinha um trailer promissor.

“A colina escarlate” (EUA, 2015), de Guillermo Del Toro

Estreia em 26/11

Estreia em 26/11

Apaixonada pelo misterioso Sir Thomas Sharpe, a escritora Edith Cushing  muda-se para sua sombria mansão no alto de uma colina. Habitada também por sua fria cunhada Lucille Sharpe, a casa tem uma história macabra e a forte presença de seres de outro mundo não demora a abalar a sanidade de Edith. O filme tem no elenco Mia Wasikowska, Jessica Chastain, Tom Hiddleston e Charlie Hunnam. Trata-se do projeto mais audacioso e lapidado do elogiado Guillermo Del Toro, regressando ao gênero depois dos bem-sucedidos “A espinha do Diabo” e “O labirinto do fauno”.

“Exorcistas do Vaticano” (EUA,2015), de Mark Neveldine 

Estreia em 20/08

Estreia em 20/08

Michael Peña faz um jovem padre destacado para investigar o caso de uma jovem aparentemente possuída pelo demônio. O Vaticano logo percebe se tratar de um caso de possessão muito mais grave e problemático do que parecia a princípio. O elenco da produção conta ainda com Dougray Scott e Djimon Hounsou.

“Corrente do mal” (EUA,2014), de David Robert Mitchell

Estreia em 27/08

Estreia em 27/08

O Cineclube foi o primeiro a atentar para esse hit do cinema independente americano aqui no Brasil. “Corrente do mal” faz uma metáfora inteligente das doenças sexualmente transmissíveis ao fazer com que a única maneira de se desfazer de uma maldição seja por meio do ato sexual. Uma entidade que jamais corre, só anda, no intuito de matar sua vítima e pode assumir variadas formas. Divertido, original e reverente aos filmes seminais do gênero, “Corrente do mal” é o caviar do horror no cinema em 2015.

“Canibais” (EUA,2015), de Eli Roth

Estreia em 25/09

Estreia em 25/09

Um grupo de ativistas americanos decidem ir até a Amazônia para tentar proteger uma tribo que está desaparecendo. Durante o percurso, o avião sofre problemas e eles caem no meio da selva.  Eles são resgatados e feitos reféns pela tribo que desejavam salvar. E você não vai acreditar no que a tribo deseja fazer com eles…

Segundo filme de Roth a ser lançado em 2015, “Canibais” foi rodado em 2013, parcialmente no Brasil, mas a fita teve problemas de finalização e distribuição, o que acabou adiando a estreia.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 30 de julho de 2015 Filmes, Notícias | 22:53

“Beasts of No Nation”, aposta da Netflix para o Oscar, ganha 1º trailer legendado

Compartilhe: Twitter

O primeiro longa-metragem de ficção da Netflix ainda não estreou, mas já está causando uma sensação danada. “Beasts of no Nation”, de Cary Fukunaga ( “True Detective” e “Jane Eyre”), integra a competição oficial da 72ª edição do festival de Veneza, que acontece entre os dias 2 e 12 de setembro, e já é alvo de boicote de algumas redes de cinema que se recusam a exibir o filme, que a empresa lançará simultaneamente em cinemas selecionados dos EUA e por streaming em sua plataforma online para todo o mundo em 16 de outubro.

A ideia de colocar a produção nos cinemas se justifica pela necessidade de um filme ficar em cartaz pelo menos uma semana no ano em Los Angeles para ser elegível ao Oscar. E a Netflix está confiante de que “Beasts of no nation” tem todas as condições de ir ao Oscar. A empresa liberou o primeiro trailer da produção nesta quinta-feira. O filme mostra o treinamento cruel e incivilizatório coordenado pelo chefe de uma milícia paramilitar africana (Idris Elba) dado a um órfão. A ideia de problematizar esse cultivo de uma máquina de guerra totalmente desgrenhada de qualquer humanidade é dramaticamente poderosa. Nas mãos de um cineasta com o pé no existencialismo, como Fukunaga provou ter em seus trabalhos prévios, o material adaptado da obra de Uzodinma Iweala promete bastante.

A tendência é de que o burburinho em torno de “Beasts of no nation” aumente nas próximas semanas. Por enquanto, fique com o impactante trailer abaixo.

Autor: Tags: , , , ,

Filmes, Notícias | 07:00

Documentário aborda irreverência do Meia Hora como fenômeno midiático

Compartilhe: Twitter

“O Meia Hora nunca vai ter uma capa papai e mamãe”, informa um dos entrevistados de “Meia Hora e as manchetes que viram manchete”, documentário sobre o popular e irreverente tabloide que faz parte da cultura popular carioca.

O filme, que tem estreia comercial programada para o dia 6 de agosto, será exibido no próximo sábado (1º)  no Memorial da América Latina, em São Paulo, como parte do 10º Festival de Cinema Latino-Americano que começa nesta quinta (30) e segue até o dia 5 de agosto.

Dirigido por Angelo Defanti, o documentário não se restringe apenas a investigar o Meia Hora, há um questionamento do modelo de negócio do jornalismo por trás da exposição do diário politicamente incorreto. “Eu devo entregar para o cara o que ele quer ou o que ele precisa para ser um cidadão melhor?”.

A reflexão sobre o jornalismo não é algo novo no cinema, muito menos em sua vertente documental. Para ficar em um exemplo recente, Jorge Furtado apresentou “O mercado de notícias”, que discutia o papel da mídia e sua influência na democracia, em 2014. “Meia Hora e as manchetes que viram manchete” se diferencia deste por partir de um fenômeno regional para discutir a linguagem jornalística como um todo. Pensar uma estética, a partir de um espírito pró-ativo. Há poucos exemplos de diários que apostam tanto no humor como o faz o Meia Hora no Brasil. O filão “notícias populares” não é exatamente uma novidade, mas habituou-se a ser alvo de preconceito ao ser percebido como um produto de menor qualidade.

Por um contexto mais adequado e pelo fomento de uma perspectiva mais sintonizada com o atual momento da mídia impressa no País, este documentário torna-se indispensável.

Clique nas imagens para ampliá-las!

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

meia hora 02

meia hora 03

meia hora 04

meia hora 05

meia hora 08

meia hora 10

 

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 29 de julho de 2015 Filmes, Notícias | 22:04

Escândalos sexuais na política movem novos filmes de Nicolas Cage e Patrick Wilson

Compartilhe: Twitter
Cena de "Zipper" (Foto: divulgação)

Cena de “Zipper”
(Foto: divulgação)

A bifurcação entre sexo e poder já rendeu grandes tragédias, grandes histórias e grandes filmes. Escândalos sexuais no meio político são grandes catalisadores midiáticos e dois filmes prometem capitalizar sobre o tema em um futuro próximo. Em “The Runner”, um senador começa a chamar a atenção pela rigidez com que responde ao vazamento de óleo da petrolífera BP em 2010. A simpatia da opinião pública dá vez a um questionamento cada vez mais incisivo quando o político se vê no epicentro de um escândalo sexual.

Nicolas Cage vive o protagonista no drama assinado por Austin Stark, em sua estreia em longas-metragens. Trata-se de um bem-vindo retorno de Cage aos dramas e de uma tentativa de fazer as pazes com a crítica que tem sido pouco amistosa para com ele recentemente.

O elenco é completado por Connie Nielsen, Sarah Paulson e Peter Fonda. O filme, que ainda não tem título nacional nem data de estreia no país, será lançado no dia 7 de agosto nos EUA.

Já “Zipper”, produzido pelo cineasta Darren Aronofsky, foi uma das sensações do último festival de Sundance ao retratar um executivo recém-ingresso na política que tem sua obsessão por sexo descortinada nas capas dos jornais. Estrelado por Patrick Wilson (“Pecados íntimos” e “Sobrenatural”) e dirigido por Mora Stephens, o filme já foi rotulado como “o ‘Garota exemplar’ de 2015”. A produção está programada para estrear em 28 de agosto em solo americano.

A julgar pelos trailers, “Zipper” parece mais interessado em discutir a desconstrução midiática de figuras públicas, os jogos de cena da política e os efeitos destes na vida privada. De qualquer jeito, são dois filmes que aguçam a curiosidade.

Autor: Tags: , , , , , ,

Notícias | 21:39

Veneza acerta na dosagem de ousadia e tradição em line up vigoroso

Compartilhe: Twitter

A direção do festival de Veneza anunciou nesta quarta-feira os filmes que compõem a 72ª edição do mais antigo e tradicional festival de cinema do planeta. O line up da competição oficial é vigoroso como se poderia esperar da seleção do evento italiano, diverso, com a presença de produções da Ásia e da América Latina, e robusto, com figuras consagradas como Marco Bellocchio, Amos Gitai, Alexandr Sokurov e Jerzy Skolimowski.

Não obstante, Veneza recepciona a Netflix – que teve um dos eventos mais concorridos em Cannes (uma palestra, não um filme) – com força. São três produções da empresa no lido. “Beasts of no Nation”, de Cary Fukunaga, “Remember”, novo do egípcio Atom Egoyan e “Anomalisa”, animação em stop-motion de Charlie Kaufman, roteirista de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”.

A competição oficial ainda destaca os novos filmes de Pablo Trapero (“El clan”), Luca Guadagnino (A bigger splah”) e Tom Hooper (“The danish girl”).

Kristen Stewart em cena da ficção científica "Equals" (Fotos: divulgação)

Kristen Stewart em cena da ficção científica “Equals”
(Fotos: divulgação)

Trata-se de uma seleção bem urdida com vencedores prévios do Leão de ouro, italianos renomados e cineastas de prestígio. O evento, no entanto, guarda outras surpresas e mimos para fora da competição oficial. Martin Scorsese, por exemplo, vai debutar seu curta-metragem (“The audition”)  feito sob encomenda de um cassino e estrelado por Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Robert De Niro, em Veneza. O cineasta Noah Baumbach leva ao lido um documentário sobre a lenda viva do cinema Brian De Palma (“De Palma”).  A nova obra do russo Sergei Loznitsa (“Sobytie”) também será exibida fora de competição. Outras três produções que geram bastante expectativa nos cinéfilos estão alinhadas para serem exibidas no lido. São elas: “Go with me”, de Daniel Alfredson, “Aliança do crime”, de Scott Cooper, e “Spotlight”, de Thomas McCarthy.

Leia também: Cassino reúne DiCaprio, De Niro e Scorsese e coloca cinefilia em transe

Leia também: Netflix anuncia seu projeto mais ambicioso, filme de guerra estrelado por Brad Pitt

O Brasil, que andava negligenciado pelos principais festivais de cinema do mundo, é recuperado por Veneza e integra a mostra Horizontes do evento. A seleção prestigia produções que oferecem novas tendências e estéticas na cinematografia mundial.

“Mata-me por favor”, de Anita Rocha da Silveira, fala de imaginação e crime em um universo juvenil e ainda não tem distribuição confirmada no Brasil. A fita mescla humor, mistério, drama e suspense, de acordo com a sinopse disponibilizada. Já “Boi neon” é uma coprodução entre Brasil, Uruguai e Holanda, estrelada por Juliano Cazarré. “Tarântula” é um curta-metragem assinado por Aly Muritiba e Marja Calafange.

O tarimbado elenco de "Spotlight": Michael Keaton, Liev Schreiber, Mark Ruffalo, Rachel McAdams e John Slattery

Tarimbado elenco de “Spotlight”: Michael Keaton, Liev Schreiber, Mark Ruffalo, Rachel McAdams e John Slattery

Veneza, mais do que qualquer outro grande festival neste ano, apostou na variedade mais como um atrativo do que como uma obstinação. É uma diferenciação importante em termos de estratégia. Alberto Barbera, à imprensa, disse que “a seleção vai dos pequenos filmes que são quase experimentais a documentários e filmes de autor que tentam inovar as formas do cinema contemporâneo”. Faltou mencionar Hollywood, que comparecerá em peso. Seja em filmes de autores de outras nacionalidades, seja em produções americanas.  Robert Pattinson, Michael Keaton, Jake Gyllenhaal, Kristen Stewart, Idris Elba, Eddie Redmayne e Rachel McAdams são alguns dos nomes que devem dar as caras em Veneza entre os dias 2 e 12 de setembro, período em que o festival acontece.

O júri é presidido pelo mexicano Alfonso Cuarón e conta com os cineastas Nuri Bilge Ceylan, Pawel Pawlikowski, Lynne Ramsay, Hou Hsiao-hsien, além dos atrizes Elizabeth Banks e Diane Krueger.

Confira os filmes que integram a competição principal

“Frenzy”, Emin Alper (Turquia, Fança, Qatar)
“Heart of a Dog”, Laurie Anderson (EUA)
“Blood of My Blood”, Marco Bellocchio (Itália)
“Looking for Grace”, Sue Brooks (Austrália)
“Equals”, Drake Doremus (EUA)
“Remember”, Atom Egoyan (Canadá, Alemanha)
“Beasts of No Nation”, Cary Fukunaga (EUA)
“Per amor vostro”, Giuseppe M. Gaudino (Itália, França)
“Marguerite”, Xavier Giannoli (França, República Tcheca, Bélgica)
“Rabin, the Last Day”, Amos Gitai (Israel, França)
“A Bigger Splash”, Luca Guadagnino (Itália, França)
“The Endless River”, Oliver Hermanus (África do Sul, França)
“The Danish Girl”, Tom Hooper (Inglaterra, EUA)
“Anomalisa”, Charlie Kaufman, Duke Johnson (EUA)
“L’attesa”, Piero Messina (Itália)
“11 minutes”, Jerzy Skolimowski (Polônia)
“Francofonia”, Aleksander Sokurov (França, Alemanha, Holanda)
“El Clan”, Pablo Trapero (Argentina, Espanha)
“Desde ala”, Lorenzo Vigas (Venezuela, México)
“L’hermine”, Christian Vincent (França)
“Behemoth”, Zhao Liang (China, França)

Jake Gyllenhaal, em cena de "Everest", filme que abre o festival

Jake Gyllenhaal, em cena de “Everest”, filme que abre o festival

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 28 de julho de 2015 Diretores, Filmes, Notícias | 22:53

Michael Moore está de volta e com a América beligerante em sua mira

Compartilhe: Twitter

Vencedor do Oscar e da Palma de Ouro, ferrenho crítico da era Bush, polemista por natureza e diretor de documentários controvertidos e muitíssimo bem assistidos como “Tiros em Columbine” (2002), “Fahrenheit 11 de setembro” (2004), “Sicko – $O$ Saúde” (2007) e “Capitalismo: uma história de amor” (2009), Michael Moore está de volta com um novo filme na praça.

O cineasta postou um vídeo no Periscope para falar sobre “Where to invade next?”, seu próximo filme que terá première mundial no próximo festival internacional de cinema de Toronto.

O filme vinha sendo mantido em total sigilo intencionalmente pelo diretor. “É um filme de natureza épica. É o que posso dizer agora”.

“O fato dos EUA estarem sempre em guerra é algo que me preocupa constantemente e há muito tempo. Todos nós vivemos neste mundo pós- 11 de setembro e tudo o que acontece neste país parece precisar de um inimigo. Então mantemos nossa indústria militar viva. É daí que vem a comédia”, afirma o cineasta sobre suas opções narrativas.

 

O site do festival de Toronto classificou “Where to invade next?” como o filme mais provocativo e hilário da carreira de Moore.

O festival internacional de cinema de Toronto acontece entre os dias 10 e 20 de setembro e será amplamente discutido aqui no Cineclube.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 27 de julho de 2015 Bastidores, Notícias | 23:00

Steve Jobs é a personalidade de 2015 no cinema

Compartilhe: Twitter

Jobs 2Todo mundo que acompanha o noticiário de cinema já sabe que uma nova cinebiografia do criador da Apple está a caminho. “Steve Jobes”, dirigido por Danny Boyle, roteirizado por Aaron Sorkin e estrelado por Michael Fassbender, será uma das principais atrações do Festival Internacional de Cinema de Nova York. O filme será exibido no evento em 3 de outubro, seis dias antes da estreia nos cinemas americanos. No Brasil, “Steve Jobs” está agendado para 21 de janeiro de 2016.

A estreia em Nova York faz parte da estratégia da Sony de impulsionar a campanha do filme por indicações ao Oscar. O estúdio usou da mesma estratégia em 2010 com “A rede social”, filme sobre o não menos controvertido Mark Zuckerberg e as circunstâncias da criação do Facebook. A tática deu certo e “A rede social” recebeu oito indicações ao Oscar, incluindo melhor filme.

O filme de Boyle, porém, não será o único a investigar a figura controversa e brilhante de Jobs em 2015. “Steve Jobs: the man in the machine”, de Alex Gibney é um documentário que se propõe a iluminar o paradoxo até hoje fascinante que Steve Jobs representa para os entusiastas da Apple, para o mundo empresarial e para todos aqueles assombrados pelas minúcias e reviravoltas de sua rica biografia.

A julgar pelo trailer, Gibney não evita polêmicas e se imbui de um objetivo complicado. Decifrar o enigma Jobs. Responsável por bons filmes sobre temas controvertidos, como “Enron: os mais espertos da sala” (2005), “Um táxi para a escuridão” (2007), “We steal secrets: The story of Wikileaks” (2013) e do ainda inédito documentário para a HBO “Going clear: Scientology and the prison of belief” (2015), Gibney parece mais disposto em compreender o homem do que seu legado, diferenciando seu filme da proposta aparente de Boyle. São, contudo, apenas conjecturas. Certo é que Steve Jobs se firma como a grande personalidade abordada pelo cinema em 2015.

Leia também: Por que está tão difícil fazer um (bom) filme sobre Steve Jobs?

“Steve Jobs: the man in the machine” estreia em 4 de setembro nos cinemas Americanos e será disponibilizado simultaneamente no iTunes e on demand.

Autor: Tags: , , ,

  1. Primeira
  2. 10
  3. 20
  4. 30
  5. 38
  6. 39
  7. 40
  8. 41
  9. 42
  10. 50
  11. 60
  12. 70
  13. Última